O Projeto Mais Integrados vai atuar junto às 78 oficinas de costuras e 60 artesãos do Rio Grande do Norte. Serão monitorados o índice de competitividade dos negócios e os indicadores de produtividade e qualidade, com o acompanhamento da evolução das empresas durante o projeto, que foi lançado nesta quarta-feira (9). A iniciativa é uma parceria do Sebrae no Rio Grande do Norte com o Instituto Riachuelo.

A meta do projeto Mais Integrados é dar suporte, através dessa ação, a microempresas e empresas de pequeno porte que fazem parte da cadeia de valor da indústria Guararapes, com ênfase naquelas procedentes das regiões do Seridó e Trari do Rio Grande do Norte. O diretor técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti, detalhou a implementação do programa, durante a solenidade de lançamento do projeto.

“É motivo de muita satisfação lançar um programa em uma parceria integrada entre o Grupo Guararapes/Riachuelo, Sebrae e todos os parceiros. É o ápice de um trabalho que estamos desenvolvendo há tanto tempo. E dos reflexos que podem trazer na área da economia local, mas também atingimos o campo social, que tem um peso enorme e isso faz a diferença”, destaca o diretor.

Segundo João Hélio Cavalcanti, a linha de atuação do projeto é capacitar para desenvolvimento de produtos confeccionados por grupos de artesão para melhoria do design, concepção de novos produtos, nivelamento técnico, gorvernança e rastreabilidade do selo IG do Bordado de Caicó, consultorias nas áreas de marketing e mídias sociais, exposição em lojas Pop-Up nas seções da Riachuelo Casa e valorização dos mestres do artesanato potiguar.

Na área do artesanato, o projeto atenderá a 60 artesãos, dos quais 30 são associados ao Comitê Regional das Associações e Cooperativas Artesanais do Seridó (Cracas), que conquistou, em 2020, o Selo de Indicação Geográfica (IG, do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI), para o bordado da região, que possui qualidade e características reconhecidas internacionalmente.

“Iremos trabalhar um diagnóstico de competitividade, ou seja, todas as oficinas que já estamos trabalhando há alguns anos receberão um acompanhamento melhor na sua gestão no visão integrada e um olhar muito forte na sustentabilidade”, ressalta o diretor em relação às oficinas de costura que serão atendidas pelo projeto. Essas empresas terão monitorados o índice de competitividade dos negócios e os indicadores de produtividade e qualidade, com o acompanhamento da evolução das empresas durante 18 meses.

Sobre o projeto, o diretor do Instituto Riachuelo, Gabriel Kanner, afirma que está dentro dos propósitos do grupo e dentro do que pensou o fundador do grupo Guararapes, Nevaldo Rocha. “A missão do Instituto é transformar vidas por meio da geração de trabalho e renda em uma das regiões mais carentes do Brasil. E decidimos focar o trabalho, pelo menos inicialmente, no Rio Grande do Norte, mais especificamente no interior. Primeiro nas oficinas de costura, dando um apoio maior aos empreendedores do Pró- Sertão, elevando mais o nível e melhorando o atendimento dessas empresas à Guararapes”, afirma Gabriel.

A diretora de Comunicação do Instituto Riachuelo, Marcella Kanner, reforçou a importância desse trabalho em prol da região do Rio Grande do Norte, que é o berço da companhia. “Um papel das grandes empresas também é fortalecer sua cadeia de valor. Então, a gente viu isso acontecendo e que era hora de ampliar, olhar para essa região, não só para as oficinas de costura, mas também para os artesãos e bordadeiras. Achamos importante trazer esse tipo de tecnologia social que o Sebrae já emprega tão bem para o grupo”, conclui Marcella Kanner.

Fotos: Moraes Neto