Educação

14

Ago

Educação

Alunos da rede estadual são pré-selecionados para o Parlamento Jovem Brasileiro

Três estudantes da rede estadual de ensino foram pré-selecionados para participarem do programa Parlamento Jovem Brasileiro (PJB), iniciativa da Câmara dos Deputados cujo objetivo é fomentar, entre os estudantes de Ensino Médio de todo país, o interesse por temas como política e cidadania, por meio de uma experiência parlamentar em Brasília.

Os candidatos pré-selecionados para representarem o estado do Rio Grande do Norte no programa são: Carlos Denilson Viana, aluno da Escola Estadual Pedro II, no município de Lajes; Cauan Fernandes, da Escola Estadual em Tempo Integral Dr. José Fernandes de Melo, em Pau dos Ferros; e Jessica Vitória do Nascimento, da Escola Estadual Stoessel de Brito, em Maxaranguape.Além dos alunos da rede estadual, também foi pré-selecionado o estudante Filipe Vilela, do Colégio Marista de Natal, vinculado à rede privada.

Para serem selecionados, os estudantes tiveram que elaborar um Projeto de Lei (PL) de sua autoria, apresentando um tema livre e de impacto nacional, considerando a realidade do seu país, além de propor possíveis alternativas aos problemas que precisam de soluções.

Programa

O processo de seleção divide-se em duas etapas. A primeira destas trata-se da Seleção Estadual, na qual as Secretarias de Educação avaliam os Projetos de Lei inscritos. No RN, essa avaliação foi realizada por uma comissão especial da Secretaria de Estado da Educação, da Cultura do Esporte e do Lazer (SEEC), que lançou o resultado na semana passada – é nesta etapa que são selecionados pré finalistas de cada estado.

Em sequência tem início a Seleção Final, por meio da qual uma comissão designada pela Câmara dos Deputados e formada por especialistas em processo legislativo seleciona os projetos classificados para a Jornada Parlamentar. O resultado final da seleção está previsto para ser publicado no final deste mês.

Os estudantes selecionados pelo programa terão a oportunidade de vivenciar uma experiência formativa em Brasília, onde irão apresentar seu Projeto de Lei, além de debater sobre os demais projetos, acompanhar o trabalho dos deputados federais, entre outra atividades que priorizam a formação cidadã.

Está previsto para outubro e novembro deste ano a preparação a distância dos selecionados e o início da Jornada Parlamentar Virtual. Devido ao atual cenário de isolamento social – medida preventiva ao avanço da Covid-19 – ainda não há um data definitiva para simulação presencial em Brasília.

14

Ago

Educação

Justiça determina que governo do RJ apresente plano para atender crianças sem aulas cujos pais voltaram ao trabalho

Deu na Folha de S.Paulo

A Justiça determinou que a prefeitura e o governo do Rio esclareçam quais medidas vão adotar para apoiar crianças e adolescentes cujos pais ou cuidadores precisarem retornar ao trabalho presencial enquanto as escolas e creches da capital fluminense não reabrirem em meio à pandemia de Covid-19.

Apoio

A decisão da juíza auxiliar Amanda Azevedo Ribeiro Alves dá dez dias para que os Executivos do município e do estado forneçam um mapeamento do público vulnerável à tal situação, assim como um plano de ação para o atendimento desses jovens, sob pena de multa diária de R$ 5 mil. Cabe recurso.

União

A ação foi movida em conjunto pelo Ministério Público do Trabalho, pelo Ministério Público estadual e pela Defensoria Pública do RJ.

Fonte disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2020/08/justica-determina-que-governo-do-rj-apresente-plano-para-atender-criancas-sem-aulas-cujos-pais-voltaram-ao-trabalho.shtml

14

Ago

Educação

UFRN realiza rematrícula para período letivo 2020.1

A solicitação de rematrícula para o período letivo 2020.1 (que terá o cadastro no sistema como 2020.6) pode ser feita pelos alunos regulares da UFRN na próxima terça-feira, 18, e quarta-feira, 19. A rematrícula deve ser feita pelos estudantes por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa). A retomada das aulas dos cursos de graduação em formato remoto acontece no dia 24 de agosto, com previsão de conclusão do Período Letivo 2020.6 no dia 12 de dezembro.

A retomada das aulas na UFRN foi aprovada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) por meio da Resolução Nº 031/2020. O documento indica que os discentes já matriculados nas turmas do período letivo 2020.1 terão as suas matrículas preservadas, salvo nos casos de impedimento de oferta da turma. Os alunos poderão, nesse período de rematrícula, adicionar ou excluir turmas do seu plano de matrículas.

De acordo com o calendário aprovado, entre os dias 24 de agosto a 16 de outubro, os alunos podem solicitar o trancamento de matrícula em turmas do período letivo 2020.6. O calendário institui ainda o início das atividades do período letivo 2020.2, marcado para o dia 11 de janeiro. Veja o calendário de retomada das aulas do período 2020.1 neste link.

As atividades referentes ao calendário do período letivo 2020.1 estavam suspensas desde 17 de março, devido à pandemia da covid-19. Diante da impossibilidade de retorno das atividades presenciais e como ação de curto prazo, a UFRN regulamentou o Período Letivo Suplementar Excepcional (PLSE), que aconteceu de forma facultativa para professores e estudantes e foi encerrado no dia 29 de julho.

Para auxiliar os alunos na retomada do período letivo 2020.1, a Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da UFRN disponibilizou o Guia para estudantes. O material digital contém informações sobre o retorno das aulas, matrícula, oferta de componentes curriculares, funcionamento das turmas, trancamento de matrícula ou suspensão de programa, índices acadêmicos, conclusão de curso, regime de exercícios domiciliares, estudantes com necessidades educacionais específicas, programa de ensino, assistência estudantil, entre outros temas. Confira aqui o Guia para os estudantes.

14

Ago

Educação

Escolas particulares do RN lançam “Movimento Educar por Amor” na defesa do direito de escolha pelo ensino presencial ou remoto

Um grupo que reúne 70 instituições de ensino particulares de municípios de todo o Rio Grande do Norte lançou ontem o “Movimento Educar por Amor”, uma campanha de comunicação, focada nas redes sociais, cujo objetivo é defender o direito das famílias de poderem escolher entre o ensino à distância ou presencial. O movimento argumenta que as escolas estão preparadas para reabrirem com ensino híbrido, oferecendo a possibilidade de escolha às famílias: aulas presenciais para as que desejam que seus filhos voltem ao ambiente escolar e aulas à distância para as que não se sentem seguras para o retorno. As ações da campanha podem ser acompanhadas no perfil do Instagram @movimentoeducarporamor.

De acordo com a porta-voz do grupo, Paulline Azevedo, que é vice-diretora do Centro Educacional Teresa de Lisieux (em Nova Parnamirim), as escolas estão preparadas para a retomada das aulas com segurança. “Percebemos a necessidade de informar à população que as escolas particulares defendem a liberação para sua reabertura com a possibilidade de ensino híbrido, com a opção dos pais enviarem ou não seus filhos para assistirem aulas presenciais. É preciso chegar às famílias e autoridades a mensagem que o que as escolas querem é dar às famílias a possibilidade e o direito de escolha”, explica Paulline.

A representante do grupo que reúne escolas particulares afirma que, de maneira geral, as instituições de ensino estão sendo procuradas por muitas famílias cujos pais já retornaram ao trabalho e estão sem ter com quem deixarem as crianças. “É preciso esclarecer que há muitas famílias que se preocupam muito com a saúde de seus filhos mas entendem que a escola seria o ambiente mais seguro para deixá-los nesse momento”. A diretora relata a dificuldade de pais que retornaram ao trabalho e não têm com quem deixar seus filhos. “Uma mãe de nossa escola me contava ontem que a cada dia deixa as crianças em diferentes casas de parentes e amigos. Essas famílias estão passando por uma grande angústia”, conta.

Protocolos e fiscalização das escolas

Paulline Azevedo adiciona que as escolas têm como ter um protocolo de segurança organizado e fiscalizado, que a maioria delas já se certificou por intermédio do Sebrae/RN e que é preciso que as autoridades autorizem a reabertura e fiscalizem. “Nas instituições de ensino, os alunos estão sempre sendo monitorados. São crianças e jovens acompanhados por adultos que orientam suas ações. Se você for comparar com o risco do comportamento das pessoas nas ruas, no comércio, verá que nas escolas o ambiente será muito mais seguro, muito mais controlado”, afirma. “Nenhum dos estabelecimento abertos tem um protocolo tão rígido quanto o que as escolas estão preparadas para adotar”, diz.

14

Ago

Educação

Calendário 2020 da UERN tem início em 31 de agosto através do ensino remoto

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Consepe/UERN) aprovou nesta quinta-feira (13) o calendário acadêmico referente ao ano letivo 2020 do Ensino de Graduação, suspenso desde 31 de março, devido à pandemia de Covid-19.

A Pró-reitoria de Ensino de Graduação (PROEG) elaborou duas propostas para apreciação do Conselho. A relatora do processo foi a conselheira professora Ana Dantas. O processo contou ainda com voto vista do conselheiro professor Gutemberg Dias. A reunião foi presidida pelo Reitor Pedro Fernandes.

De acordo com o documento aprovado pelo Consepe, o início do ano letivo 2020 da UERN será realizado com a utilização do ensino remoto em caráter excepcional. O início do semestre 2020.1 se dará no dia 31 de agosto, com o Planejamento, e no dia 8 de setembro, têm início as aulas de forma remota.

No semestre letivo 2020.1, não será realizado desligamento de estudantes por abandono de curso ou por decurso de prazo máximo para conclusão do curso. Em caráter excepcional, será permitido o trancamento do curso ou de componentes curriculares por parte dos estudantes, inclusive para ingressantes do primeiro período, até 75% do semestre 2020.1.

Os componentes curriculares de natureza prática ou que possuam uma parte prática poderão ser adaptados ao formato remoto, desde que sejam aprovados pelo NDE do curso e pela plenária do Departamento Acadêmico. Caso as atividades não possam ser realizadas integralmente de forma remota, poderão ser realizadas presencialmente, devendo a Universidade assegurar as condições de biossegurança, atentando para as recomendações das autoridades sanitárias.

Para viabilizar o ensino remoto a todos os estudantes da Instituição, a Universidade deu início a estratégias de inclusão digital para alunos em condições de vulnerabilidade social, bem como professores e servidores técnicos, como o auxílio inclusão digital, cursos de capacitação voltados para os mais diferentes públicos, entre outros. A vice-reitora Fátima Raquel Morais, que estava à frente da Instituição quando houve a suspensão das atividades na UERN, avaliou a aprovação do calendário remoto.

“Desde o início da pandemia, a UERN tem se preocupado cotidianamente com a nossa comunidade e com a sociedade, tanto é que em 15 de março publicamos uma portaria suspendendo as atividades acadêmicas e administrativas presenciais, na perspectiva de não ser instrumento da disseminação do vírus em nossa região. Ao longo desse tempo, perseguimos estratégias para o retorno das atividades, especialmente acadêmicas. Neste momento, entendendo que já temos maturidade, aprovamos a retomada do nosso calendário universitário de modo remoto”, afirmou.

A Resolução, com todas as orientações para o semestre letivo será publicada no Jornal Oficial da Fuern (JOUERN). De acordo com a Chefe de Gabinete da Reitoria, Cicília Maia, todas as sessões dos Conselhos Superiores serão transmitidas através das plataformas digitais da UERN, ampliando a transparência dos atos na Instituição.

“A Universidade tem se esforçado em disponibilizar cada vez mais canais de transparência na nossa Instituição. Além da transmissão ao vivo das reuniões dos Conselhos, a UERN tem hoje seu Jornal Oficial, instituído em 2018, além do e-sic, Ouvidoria, Canal Fale com o Reitor, além do Portal UERN.br e os perfis UERN Oficial nas mídias sociais. Tudo isso para proporcionar ao cidadão possa acompanhar mais de perto tudo o que se é construído e discutido na nossa Universidade”, explicou Cicília.

A reunião do Consepe está disponível no link https://www.youtube.com/watch?v=n-Ojic0TCVk

13

Ago

Educação

Faculdade promove cursos de curta duração visando qualificação para mercado de trabalho

Durante o período de férias e a continuidade do isolamento social, por conta da pandemia, a Estácio disponibiliza mais de mil cursos livres on-line às pessoas interessadas em melhorar o currículo e reconquistar seu espaço no mercado de trabalho. O objetivo da instituição é proporcionar novos aprendizados e oportunidades para todos os cidadãos. 

São cursos com duração curta, que oferecem especialização em determinados assuntos, como Administração e Negócios, Cotidiano e Bem-estar, Direito, Pedagogia e Educação, Saúde, entre outros. Os preços são bem acessíveis e podem ser parcelados no cartão de crédito. Além de novos cursos no portifólio, a plataforma oferece ainda, até o dia 15 de agosto, um desconto de 30%.  

Segundo Eduardo Senise, Diretor de Pós-graduação e Novos Negócios da Estácio, o momento é bem oportuno para quem pretende qualificar-se rapidamente, garantindo uma melhora no currículo e alavancando a carreira enquanto a maioria encontra-se em recesso.  

"Para quem está desempregado ou quer ter um diferencial no currículo, as férias e o recesso imposto pela Covid 19 surgem como uma opção. Os interessados devem ter disciplina, separando um horário especial para estudar. A Estácio elaborou cursos rápidos com certificado e com preços acessíveis, em diversas áreas”, explica Senise. 

Entre as opções dos cursos livres on-line que se destacam, temos “Gestão de Equipes de Alta Performance”; “Segurança na Internet”; “Marketing Pessoal no Facebook”; “Criando Objetos Digitais de Aprendizagem (ODA)”; “Técnicas de Negociação”; “Gerenciamento de Talentos em EAD”; “Mestre de Obras”; “Back Office: Servindo para Liderar”; “Inglês  Básico para o Ambiente Acadêmico”; “Auditoria de Contas Médicas”; “Enfermagem em Saúde Mental” e muito mais. 

Mais informações podem ser obtidas por meio do site http://www.estaciocursoslivres.com.br/

13

Ago

Educação

Instituto Humanitas da UFRN abre seleção para bolsista Desenvolvedor Web

A Direção do Instituto Humanitas, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA/UFRN), realiza inscrições para a seleção de bolsista de apoio técnico para atuar como Desenvolvedor Web junto à secretaria administrativa. As inscrições vão até o dia 19 de agosto e devem ser feitas através do email: humanitas@ufrnet.br.

Poderão se inscrever estudantes da UFRN que estejam regularmente matriculados nos cursos de graduação em Tecnologia da Informação, Engenharia de Software, Engenharia de Computação, Ciências da Computação, Design e Publicidade e Propaganda.

Os candidatos que tiverem suas inscrições homologadas receberão email com a confirmação e o informe de horário e link (videoconferência) das entrevistas, que acontecem entre os dias 20 e 21 de agosto.

A relação dos candidatos com inscrições homologadas também será disponibilizada no site do Instituto Humanitas, na mesma seção onde está publicado o edital. A entrevista vai avaliar as potencialidades dos/as candidatos/as, com questões sobre conhecimentos teóricos e práticos e sobre as habilidades requeridas.

A seleção também permitirá a criação de um cadastro de reserva. O resultado final será divulgado no dia 21 de agosto.

13

Ago

Educação

Pesquisa: 75% dos pais com filhos em aulas remotas preferem que voltem a ser presenciais

Pesquisa do Instituto DataSenado divulgada nesta quarta-feira (12) aponta que, na percepção de 63% dos pais ou responsáveis ouvidos em todo o Brasil, a qualidade do ensino entre os alunos que tiveram aulas remotas, diminuiu. Para 22%, a qualidade das aulas permaneceu igual e 8% indicam que houve melhora no ensino com a mudança de formato. Pelo levantamento, 75% dos pais que tiveram filhos em aulas remotas nos últimos 30 dias preferem que as aulas voltem a ser presenciais logo que a pandemia acabar.

O levantamento, apresentado ontem para especialistas em educação de várias entidades, realizado por telefone entre os dias 24 e 28 de julho com 2,4 mil brasileiros, revela ainda que entre os pais com filhos matriculados em instituições públicas, 40% disseram que as aulas foram majoritariamente suspensas nos últimos 30 dias. No caso de matriculados em instituições privadas, o mesmo ocorreu com 18% dos ouvidos.

Acesso à Internet
A diferença de acesso à Internet entre rede pública e privada é outro dado da pesquisa. Nos lares com estudantes em aulas remotas na rede pública, 26% não possuem internet. Na rede privada, o percentual cai para 4%.Também segundo os resultados, o celular (64%) é meio mais utilizado para acessar aulas e material de estudo. O computador vem na segunda posição, utilizado por 24% dos alunos ouvidos.

“A tecnologia é algo fundamental no novo normal da educação e os que não a possuem são prejudicados, o que nos leva a inferir da necessidade urgente de políticas públicas que minimizem a desigualdade social que assola o Brasil e atinge horizontalmente o ensino”, ressaltou o senador Flávio Arns (Rede-PR), que é o relator do Novo Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação] no Senado.

Para a professora Izabel Pessoa, que nos próximos dias assumirá a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, o ensino híbrido precisa ser levado mais a sério no Brasil. “Não se trata de escolher modalidade presencial ou à distância. A educação híbrida é uma realidade e não prescinde da educação presencial”, observou. Ela lembrou que o impacto com a suspensão das aulas é um desafio mundial. “ Isso vai ajudar a gente a se abrir. Há um preconceito com Educação à distância. Temos que compreender como a educação mediada pelas tecnologias pode ajudar a educação no Brasil. Vamos ter que encontrar as resposta juntos”, avaliou.

Um outro dado que a pesquisa traz é em relação aos alunos do ensino infantil, fundamental e médio que tiveram aulas remotas nos últimos 30 dias, sete em cada dez pais relataram que o filho recebeu as atividades da escola por meio online e outros 20% buscaram o material na escola, o que comprova o abismo educacional daqueles que não possuem acesso à internet.

Fonte: Agência Brasil

12

Ago

Educação

UFRN publica Guia para Estudantes sobre retomada do 2020.1; confira

A Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) disponibilizou o Guia para estudantes sobre a retomada do período letivo 2020.1, que será chamado de 2020.6 no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa). O material digital contém perguntas e respostas sobre as principais dúvidas dos alunos sobre o ensino no formato remoto.

Como o retorno do 2020.1 (2020.6) está previsto para ocorrer em 24 de agosto, a Prograd elaborou o Guia com o objetivo de “contribuir para que os estudantes tenham um acesso mais direto, por meio de perguntas e respostas, às diversas informações contidas em resolução e portarias sobre a retomada do 2020.1, em formato remoto”, explicou a organizadora do material, Vanessa Chaves.

Dessa forma, por meio de uma linguagem acessível, a publicação possibilita que os estudantes entendam melhor como se dará a retomada do período letivo 2020.1 e, também, cumpre a missão de orientá-los quanto aos procedimentos que devem ser realizados.

Jussara Câmara também fez parte da organização do Guia e explicou que o material foi construído com base nas perguntas mais frequentes dos atendimentos realizados pela Coordenadoria de Atendimento da Prograd. “Além das perguntas realizadas pelos alunos, foram ouvidas as sugestões dos servidores da Prograd e de outros servidores da Universidade que fizeram questionamentos pertinentes pelos meios de comunicação da Prograd”, contou.

Guia para estudantes

O Guia para estudantes contém informações sobre o retorno das aulas, matrícula, oferta de componentes curriculares, funcionamento das turmas, trancamento de matrícula ou suspensão de programa, índices acadêmicos, conclusão de curso, regime de exercícios domiciliares, estudantes com necessidades educacionais específicas, programa de ensino, assistência estudantil, entre outros temas.Confira aqui o Guia para os Estudantes.

12

Ago

Educação

Seminário da UFRN debate educação em tempos de Pandemia

O Departamento de Ciência da Informação (Decin) do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA/UFRN) realiza, nos dias 20 e 21 de agosto, o 3º Seminário Diálogos Internacionais em Ciência da Informação. O evento será totalmente online através do Canal BiblioUFRN, a partir das 14h. As inscrições para os que desejam certificado de participação podem ser feitas via Sigaa.

Em sua terceira edição, o Seminário objetiva fomentar a troca de conhecimentos e experiências entre participantes nacionais e estrangeiros acerca dos temas selecionados. A terceira edição tem como eixos as transformações nos métodos e didáticas na educação (da educação presencial à educação virtual) e o protagonismo e participação social dos estudantes universitários em diversos âmbitos durante a pandemia da covid-19.

A ação é promovida pelo Grupo de Pesquisa Informação na Sociedade Contemporânea e pretende envolver a comunidade acadêmica interna e externa, da Universidade, e a sociedade em geral. Outras informações sobre o evento e os palestrantes podem ser consultadas no perfil de Instagram @dialogos.internacionais.

11

Ago

Educação

Provas do Enade 2020 são adiadas devido a pandemia da covid-19

O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), foi adiado para 2021 devido às restrições impostas pela pandemia da covid-19. Na UFRN, devem participar do Enade os alunos de todos os cursos de licenciatura e de bacharelado das áreas de Ciências Biológicas, Ciências Exatas e da Terra, Linguística, Letras e Artes e áreas afins, e cursos superiores de tecnologia na área de Informação e Comunicação. 

Os cursos são vinculados aos Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET), Centro de Educação (CE), Centro de Biociências (CB), Centro de Ciências da Saúde (CCS), Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ), Escola de Música da UFRN (EMUFRN) e Centro de Ensino Superior do Seridó (Ceres).

De acordo com o professor Fabiano Gomes, responsável pela Coordenadoria de Acompanhamento, Planejamento e Avaliação Acadêmica (Copav) da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da UFRN, os estudantes que farão a prova serão os que possuírem 80% do curso integralizado até a data final de inscrição do Enade, cuja nova data ainda não está definida, ou que estejam com previsão de colação de grau até a data especificada no edital. 

“Se não tivesse ocorrido o adiamento do Enade, essa data seria 31 de agosto. Mas como o exame foi adiado, não temos essa previsão de nova data nem da quantidade de alunos da UFRN que devem participar do Exame, pois não sabemos se os possíveis concluintes do período 2020.2 irão participar da prova”, ressaltou Fabiano. 

Até agora, 42 cursos estão confirmados para participar do Enade em 2020 e mais três podem entrar na lista, a depender das diretrizes de provas que ainda serão divulgadas com o novo edital do Exame. 

O Enade tem grande relevância para o aluno e para a UFRN. Para os alunos, o Exame é indicador da qualidade do curso do qual são egressos e é indispensável para a obtenção do diploma. “É bem melhor ser formado em um curso de qualidade, que pode ser atestado pelo Enade”, coloca Fabiano. 

E para a UFRN, o desempenho no Enade compõe o indicador de qualidade de cursos denominado Conceito Preliminar de Curso (CPC), que por sua vez repercute no indicador de qualidade da instituição, o Índice Geral de Cursos Avaliados (IGC), integrando o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Atualmente, a UFRN tem o quarto maior IGC do Norte-Nordeste. 

No Enade, são avaliados o rendimento dos concluintes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares dos cursos, o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional, e o nível de atualização dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial. 

Realizado anualmente, as provas são aplicadas de acordo com um Ciclo Avaliativo proposto pelo Inep, que determina as áreas de avaliação e os cursos a elas vinculados. Em 2020, os cursos que fazem parte do Ano 2 serão os que irão irão participar do Exame. “Dessa forma, os cursos são avaliados pelo Enade a cada três anos”, explica Fabiano Gomes. Participam da avaliação, os cursos que possuem previsão de 2 mil concluintes e que existam pelo menos 100 graduações no país.

11

Ago

Educação

Secretaria de Educação do RN analisa unir dois anos letivos

Deu na Tribuna do Norte

Ainda sem previsão de retorno das aulas presenciais no Rio Grande do Norte, a Secretaria de Estado, Cultura e Lazer (SEEC/RN), busca planejamento para um calendário cada vez mais pressionado pela paralisação forçada durante a pandemia do novo coronavírus. Para o titular da pasta, Getúlio Marques, a criação de ciclos, unindo dois anos letivos, é a principal alternativa para combater a evasão escolar e facilitar a retomada do conteúdo perdido.

As aulas presenciais no Estado estão suspensas desde meados de março, quando foi emitido o primeiro Decreto nesse sentido. A previsão mais recente do Governo estimava um retorno no dia 17 de agosto, próxima segunda-feira, no entanto, seguindo orientações do Comitês Científico da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN), Getúlio Marques acredita que a retomada na data proposta é inviável. 

As decisões da SEEC/RN impactam a rede pública de ensino do Estado, responsável pelo Ensino Médio, e as redes privadas e municipais de cidades que não possuem sistema de gestão própria de ensino. Segundo a Secretaria, esse é o caso da maioria das cidades, com exceção das maiores, como Natal, Mossoró e Parnamirim.

Com cinco meses de aulas presenciais suspensas, a rede estadual enfrenta dificuldades para implementar um sistema de ensino remoto que contemple de forma igualitária os estudantes, já que a maioria não possui estrutura adequada para estudar em casa. Com isso, os riscos de evasão escolar aumentam, e a SEEC/RN é desafiada a buscar soluções para que os alunos não desistam dos estudos após a pandemia. 

“Em princípio, tão logo haja o retorno às aulas, nossa preocupação com alunos, professores e todos que trabalham dentro da escola, vai ser com o seu acolhimento. Estaremos vendo como estão as condições psicológicas, emocionais desses alunos. As avaliações serão tratadas em um primeiro momento mais como uma forma de conhecermos em que estágio estará cada um”, explica Getúlio Marques.

De acordo com ele, a proposta é de uma unificação de dois anos letivos, onde os alunos seriam avaliados em ciclos até o final do período que se encerraria em 2021. Por exemplo, após a aprovação do retorno, um estudante do 4º ano seria avaliado ciclicamente recebendo também conteúdo do 5º ano, e ao final do processo de retomada, estaria apto para receber o certificado das duas séries. 

“Continuamos debatendo a questão dos ciclos, porque para isso vamos ter que normatizar. Há um grupo que trabalha desde o dia 17 de março.... A ideia é segurar todos esses alunos sem essa avaliação final agora em 2020, porque quando a gente colocar um período curto, principalmente para aqueles em maior fragilidade, muitos não terão condição e poderemos ter uma perda muito grande, muita evasão. É isso que não queremos. Precisamos que todos os alunos sejam acolhidos e ninguém fique para trás”, apontou o titular da SEEC/RN. 

Protocolo Sanitário

 A Rede Estadual de Educação ainda não divulgou nenhum protocolo para uma futura retomada. Segundo os responsáveis pela pasta, o Comitê Científico tem observado medidas sanitárias utilizadas em locais onde as aulas já reiniciaram, e as regras devem ser definidas ainda nesta semana. Outros aspectos devem ser trabalhados em um segundo protocolo, que a Secretaria espera dispor até o final de agosto. 

“O mesmo Comitê que trabalha conosco desde o dia 17 de março, provavelmente, até o final desta semana, estará finalizando um protocolo com as diretrizes para todas as redes do Estado. Na sequência, há um protocolo que também está sendo trabalhado pelo Governo do Estado, em que abordamos todas as questões envolvidas na educação, como que normas precisarão ser revisadas, como será pedagogicamente a questão dos currículos, e, mais especificamente, a biossegurança”, declara Getúlio Marques. 

Disponível em: http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/seec-analisa-aplicaa-a-o-de-ciclos-para-encerrar-ano-letivo-no-rn/486996

11

Ago

Educação

Professores passam a contar com apoio emocional durante pandemia

A professora Mariana Gonçalves, que dá aulas de idiomas em uma escola particular de São Paulo (SP), conta que viveu meses turbulentos até se adaptar às aulas remotas, depois do início da quarentena em todo o país. Segundo ela, foi uma mudança brusca, praticamente da noite para o dia.  

"Os alunos da série até tinham e-booke-mail, mas toda a metologia e os materiais sempre foram muito pensados para a aula presencial. Por causa disso, minha demanda de trabalho aumentou muito até a gente entrar no ritmo de organização da aula, com formato, quantidade. A gente testou muita coisa", relata. Mariana chegou a trabalhar em jornadas que começavam às 7h e terminavam perto das 22h, montando todo o cronograma do dia seguinte.

"A impressão que eu tinha até a pandemia era de trabalhar oito horar por dia, agora tenho a impressão que trabalho as 24 horas", desabafa Lia Rodrigues Lessa, professora bilíngue de educação infantil em uma escola privada de Mossoró (RN). A sobrecarga de trabalho é apenas a face mais visível dos problemas e desafios que os professores do ensino básico no Brasil vêm enfrentando nesse período de crise, mas há outros que nem sempre são aparentes, entre eles o abalo psicológico. 

"A maioria dos professores não tinha uma experiência anterior de ensino remoto. Com isso, ficaram muito inseguros, porque além do desafio técnico, tinha a pressão. Junto com o aluno, estavam também os pais e responsáveis acompanhando", avalia a pedagoga Virgínia Garcia, diretora de produto da International School, uma empresa que atua com programas bilíngues em mais de 340 escolas por todo o país.

"O bom professor tem essa questão de querer que o aluno aprenda, e isso não estava funcionando no começo, às vezes os alunos não apareciam na aula virtual, existem alunos excelentes em sala de aula, mas que na aula a distância não rendem tanto. Tudo isso deixa a gente muito angustiada", afirma Mariana Gonçalves.  

Uma pesquisa do Instituto Península, realizada com 7.734 mil professores e professoras de todo o Brasil, entre os dias 13 de abril e 14 de maio deste ano, mostrou que 83% ainda se sentem pouco ou nada preparados para o ensino remoto, e 50% indicaram que estão preocupados com a saúde mental. E não são apenas os desafios pedagógicos que abalam a categoria. Os efeitos colaterais da pandemia também mexem com a parte psicológica. "Muitos pais tiveram o orçamento fragilizado, houve muitos cancelamentos de matrícula, daí a gente vai dormir e acorda com essa incerteza sobre até quando a escola vai conseguir segurar o nosso emprego", diz Lia Lessa.

De olho no agravamento desse cenário, a International School passou a oferecer apoio emocional especializado para cerca de 1,6 mil professores e coordenadores das escolas parceiras do seu programa bilíngue, por meio da plataforma Zenklub. O benefício é mensal e dá direito a duas consultas online gratuitas, durante três meses, que começaram no dia 6 de agosto. 

"Criamos essa parceria com o Zenklub para que os professores possam ter esse apoio emocional, seja por meio de sessões com psicólogos, seja por meio de meditação ou yoga. Eles vão escolher o meio pelo qual querem ter esse apoio. A ansiedade causa impacto na motivação, e sem motivação o processo de ensino e aprendizagem não se sustenta. Tem que ser uma motivação sustentada", afirma Virgínia Garcia.

"Muitos professores não podem contar com esse suporte emocional e agora terão essa oportunidade. Isso é importante", afirma a professora Lia Lessa, de Mossoró (RN), que diz já ter lidado com depressão e saber a importância do apoio terapêutico.

Na pesquisa do Instituto Península com docentes, cerca de 55% deles declararam que gostariam de suporte emocional e psicológico neste momento. Por causa disso, o instituto, organização social que atua com educação, também fechou parceria com 24 estados para oferecer apoio emocional aos professores da rede pública durante o ensino remoto na pandemia. A parceria é feita por meio do Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) e promete disponibilizar, com a plataforma Vivescer , cursos certificados e gratuitos que ajudam professores e professoras a desenvolverem técnicas de equilíbrio da mente, do corpo e das emoções. Além disso, há uma comunidade de suporte na qual os docentes podem trocar experiências e materiais.

Retorno incerto

Por enquanto, o "novo normal" na educação é o ensino remoto. O Mapa de Retorno das Atividades Educacionais presenciais no Brasil, elaborado diariamente pela Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), mostra que, até essa segunda-feira (10), havia no país apenas dois estados (Maranhão e Amazonas) com a reabertura das escolas autorizada. Mesmo assim, no caso do Maranhão, apenas a rede particular voltou. No caso da rede pública, cujo retorno presencial seria a partir do dia 10 de agosto, o governador Flávio Dino decidiu suspender a volta das aulas presenciais, após uma pesquisa com estudantes e responsáveis revelar que 58% das famílias e quase 43% dos alunos não consideram viável o retorno às aulas na data estipulada.

A maioria dos estados, 17 no total, segue sem data de retorno prevista, e mais oito unidades da Federação apresentaram proposta de data de reabertura parcial das escolas. "Para ser seguro, teria que ter vacina, esse seria o melhor cenário, mas não vai acontecer agora. Mesmo com protocolos, há contato, a gente tem medo desse contato em um possível retorno, e fazer a infecção progredir", afirma Mariana Gonçalves. Com tanto tempo em outro modelo de ensino, algumas mudanças vieram para ficar. É o que diz Virgínia Garcia, da International School.   

"Essa crise trouxe também uma oportunidade, que é a da educação 4.0 finalmente sair do papel e funcionar. Não acredito que vamos voltar ao modelo antigo de forma confortável. Eu acredito que o próximo passo na educação é desenvolver esse modelo híbrido para atender a diferentes formas de aprendizagem", comenta.

"A questão das famílias descobrirem novas formas de comunicação com a escola foi importante. No futuro, espero que a gente faça as reuniões de pais e filhos remotas, com maior participação", afirma Lia Lessa.

Fonte: Agência Brasil

10

Ago

Educação

Projeto permite compra de celulares e computadores por professores e alunos da rede pública

O Projeto de Lei 4084/20 permite que professores e alunos da rede pública de ensino comprem, para uso próprio, telefones celulares, tablets, computadores e outros equipamentos eletrônicos com isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e redução a zero das alíquotas da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins sobre as receitas de venda, enquanto durar a calamidade pública decorrente do novo coronavírus.

Pela proposta em análise na Câmara dos Deputados, a desoneração incluirá equipamentos como roteadores digitais e modens e valerá também para extensionistas rurais.

O objetivo do autor da proposta, deputado Zé Silva (Solidariedade-MG), é viabilizar aos estudantes da rede pública acesso às tecnologias necessárias ao processo de aprendizagem virtual, assim como permitir que professores comprem equipamentos melhores para ministrar aulas não presenciais. E, no caso dos extensionistas rurais, dar condições para que continuem prestando assistência aos produtores rurais pela via remota.

O projeto prevê que os os estabelecimentos industriais ou atacadistas e varejistas responderão solidariamente pelos tributos não pagos no caso de a venda a varejo ser realizada a pessoa que não faça jus ao benefício.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

10

Ago

Educação

UFRN seleciona professor pesquisador e bolsistas de graduação e mestrado

O Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN), abriu hoje, dia 6, as inscrições para o processo seletivo de bolsistas de graduação e mestrado, além de professor pesquisador, para atuarem em atividades de pesquisa e desenvolvimento no contexto de cidades inteligentes. Conduzido pelo edital nº 041/2020, a seleção destina-se aos candidatos – seja na condição de discente ou professor – vinculados aos cursos nas áreas de Computação (ou campos afins), Tecnologia de Informação (TI) ou Engenharia de Software.

As inscrições devem ser realizadas até o dia 11 de agosto exclusivamente via internet, por meio deste endereço eletrônico, no qual encontra-se disponível o Formulário de Inscrição, que deve ser preenchido e enviado junto aos documentos – em formato PDF – solicitados no edital de seleção. Além disso, antes de efetuar a inscrição, o candidato deverá certificar-se de que preenche o perfil e as competências esperadas para as atividades a serem desenvolvidas, destacadas no Anexo I do edital.

Ao todo, a seletiva oferece sete vagas, sendo quatro destas voltadas para alunos de graduação, uma para discente de mestrado e uma para professor pesquisador. A remuneração a ser recebida pelos selecionados é definida de acordo com o nível de formação, variando entre R$ 850 (graduação), R$ 1,7 mil (mestrado) e R$ 1,2 mil (professor pesquisador).

Bolsas

Os candidatos selecionados atuarão no projeto Tecnologia da Informação Aplicada ao Contexto da Polícia Rodoviária Federal: Mais Mobilidade, Automação e Integração, iniciativa realizada no âmbito do Projeto Smart Metropolis, do IMD. As bolsas ofertadas na seleção contam com carga horária de 20 horas semanais para os bolsistas de graduação e mestrado e duas horas para o professor pesquisador. De acordo com o edital, os candidatos aprovados no processo seletivo e não selecionados devido à quantidade de bolsas disponíveis poderão ser convocados em seleções futuras que possam vir a ser realizadas pelo projeto.

Seleção

O processo seletivo dos candidatos será executado entre os dias 12 e 13 deste mês, e consistirá na análise de currículo e entrevista com os pré-selecionados. Esta última será realizada em dia e local definidos pelo docente responsável pela seleção, que entrará em contato com o candidato através do e-mail. Já o resultado final da seletiva será divulgado a partir do dia 14 de agosto, publicado no portal do IMD, na aba “Editais”.