Tecnologia

14

Jan

Tecnologia

Plataforma online de transporte de cargas abre vagas para a área de TI

Plataforma online de transporte de cargas, a FreteBras anunciou a abertura de 50 vagas em sua área de Tecnologia. Entre as posições disponíveis, estão cargos como Product Manager, Product Designer, Desenvolvedores (mobile, back-end e front-end), Agilistas, QAs (Qualidade), Data Scientist  e UX Research, entre outras. O formato de trabalho será de home office.

Segundo a empresa, essas contratações fazem parte de uma estratégia de crescimento. No ano passado, a FreteBras recebeu um aporte financeiro no valor de US$17 milhões do BID Invest, membro do Grupo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), por meio do Fundo de Tecnologia Limpa (CTF). "Vamos destinar boa parte desse recurso para trabalhar no desenvolvimento de melhorias importantes na plataforma, principalmente voltadas para maior proteção dos usuários (caminhoneiros e transportadoras), promovendo o crescimento dos negócios para ambas as partes”, explica Bruno Hacad, Diretor de Operações da FreteBras.

As 50 posições disponíveis na área de TI equivalem a 25% do total de vagas internas abertas pela empresa. Ainda segundo Felício, a expectativa para esse ano é triplicar o número de empresas assinantes do serviço da FreteBras, totalizando mais de 10 milhões de fretes publicados até o final de 2021 - atualmente, a companhia tem mais de 470 mil caminhoneiros cadastrados. "Isto significa muito mais viagens com o caminhão carregado, uma melhoria de vida para os profissionais do setor e para a economia de uma maneira geral”, reforça o CTO.

Como se inscrever para as vagas

Para se candidatar a uma das vagas, basta clicar nesse link. As posições em aberto vão aparecendo na página de Carreiras da empresa à medida que elas forem sendo publicadas pelos departamentos dos quais fazem parte.

Os interessados também podem mandar o CV neste link e demonstrar interesse segundo o seu perfil, mesmo que a vaga ainda não tenha sido anunciada.

Além das 50 vagas de Tecnologia, a FreteBras também anunciou outras 700 posições em áreas como Operações, Produtos e Marketing. Serão 200 colaboradores que trabalharão diretamente na empresa e outros 550 profissionais atuarão de forma terceirizada em postos rodoviários, atendendo e apoiando os caminhoneiros parceiros da plataforma em distintas localizações pelo Brasil.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/empregos/plataforma-online-de-transporte-de-cargas-abre-50-vagas-para-a-area-de-ti-177395/

13

Jan

Tecnologia

Estudo: cresce presença feminina em carreiras de tecnologia

A inserção feminina no mercado de trabalho brasileiro vem sofrendo transformações. Ainda que seja inferior à presença masculina, os avanços já podem ser percebidos em algumas áreas. Segundo o relatório “Mulheres nos Negócios”, da Grant Thornton, organização global de auditoria e consultoria, elas ocuparam 29% das funções de liderança em companhias de todo o mundo em 2019 – o número mais alto da história.

O mercado tem se adaptado aos novos tempos e o setor de tecnologia é um dos grandes exemplos dessa evolução. Atualmente, é possível encontrar mulheres como head no segmento culturalmente masculinizado. Nos últimos cinco anos, a participação feminina na área cresceu 60% – passando de 27,9 mil mulheres para 44,5 mil em 2019, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Mas, ainda assim, elas representam apenas 20% dos profissionais de tecnologia do país.

Estudos de instituições como o Instituto Global McKinsey, IBM e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atestam essa desigualdade. Desde que Marie Curie recebeu o Prêmio Nobel de Física, em 1903, apenas 17 mulheres foram reconhecidas em física, química ou medicina frente a 572 homens. Apenas 35% dos estudantes matriculados em carreiras vinculadas à STEM – Science, Technology, Engineering and Math (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) no ensino superior são mulheres.

Essa lacuna de gênero no local de trabalho pode persistir por décadas, a menos que as empresas priorizem o avanço das mulheres em posições de liderança. Tudo isso em um cenário em que, segundo pesquisa do McKinsey, organizações com um índice superior de diversidade de gênero têm 15% mais chances de obter retornos financeiros acima da média da indústria nacional.

Mas há organizações que fazem a diferença em seus mercados e usam seus esforços e relevância para promoverem um ambiente mais diversificado e de maior sucesso, apostando em gestoras de negócios na nova era digital. É o caso da NESS – empresa de tecnologia da informação e serviços que oferece soluções em diversas verticais de negócios –, que possui três de seus cargos de heads ocupados por mulheres.

“A área de tecnologia é dinâmica e não há impeditivo para a atuação feminina. A NESS é uma organização que acredita na capacidade das pessoas e oferece oportunidades, independentemente de gênero e idade, pois o importante é o conhecimento e o que se tem a oferecer”, destaca Flávia Nogueira, Head of People & Education, que há um ano gerencia a área nas cinco verticais da empresa: Health, Law, Energy, Secutiry e Tech.

Para ela, ser mulher nunca foi uma barreira a ser transposta para se destacar na profissão. “Acredito que pelo meu perfil de liderança, minha determinação e por gostar muito de pessoas sempre tive bons relacionamentos nas organizações em que atuei. Meus liderados sempre me respeitaram até porque tenho a postura de que todos estão ali para somar e agregar valor à equipe. Ser do sexo feminino não me impediu de fazer nada”, explica a líder de Pessoas e Educação.

8

Jan

Tecnologia

Empresa do Parque Tecnológico recebe certificado internacional

O serviço de Tecnologia da Informação (TI) prestado pela Interjato Soluções – empresa credenciada ao Parque Tecnológico do Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN) – recebeu certificação internacional emitida pelo órgão Sistema de Gestão de Serviços (SAS). O reconhecimento, recebido em dezembro de 2020, deu-se após a implementação, junto à gestão da empresa, da ISO 20000.

Emitida pela International Organization for Standardization, a referida norma é o primeiro documento mundial que apresenta um conjunto de práticas e procedimentos de gestão em serviços de TI com o objetivo de garantir atendimento de qualidade das empresas junto a seus clientes.

Para atendê-lo, o compilado de critérios exige o cumprimento de uma série de requisitos, que abrangem aspectos como políticas, objetivos, procedimentos e processos de gestão, tudo isso para assegurar atendimento diferenciado por parte da empresa de TI.

O diretor do Parque Tecnológico, Rodrigo Romão, expôs a importância de ter empresas que investem em demandas como essa. “Para o Parque, ter em seu portfólio empresas com tal gabarito demonstra o grau de maturidade do ambiente. Isso é fundamental para dar subsídio à atratividade de novos negócios”, explica Romão.

8

Jan

Tecnologia

Mercado de games tem receita 12% maior em 2020 com a COVID-19

O mercado de games teve receita 12% maior em 2020 no comparativo anual, muito por conta da pandemia de COVID-19. O dado vem de novo relatório da SuperData, braço de análise de entretenimento da Nilsen.

De acordo com o levantamento, o setor de jogos digitais teve receita de US$ 126,6 bilhões em 2020, representando os 12% a mais que no ano passado. O mercado de jogos mobile ainda é hegemônico no topo, sendo responsável 58% do faturamento anual do setor.

O documento também pontua outros dois setores que tiveram bom rendimento no ano passado. Os jogos gratuitos para PC representaram 17% da receita total do setor. Além deles, os games premium de console representam uma fatia de 14% do faturamento anual em games digitais.

“A receita de games foi apenas 6% maior em janeiro e fevereiro no comparativo anual, mas cresceu para 14% no restante do ano. Como o lockdown da COVID-19 teve um efeito mundialmente em março, os gastos com games dispararam e não voltaram mais”, aponta o documento.

O comportamento do usuário foi de investimento em dois setores, aponta o estudo. O primeiro foi o de games gratuitos, sendo responsáveis por 78% da receita total de 2020.

Os jogadores também investiram em jogos premium, sendo responsáveis por 28% da receita total em games. No ano passado, este setor representava somente 9% do faturamento.

Jogos rentáveis

O documento também aponta os games que tiveram maior faturamento em 2020. No setor de títulos gratuitos, houve também dominação dos mobile, sendo que 8 dos 10 mais rentáveis foram lançados para dispositivos móveis.

O game gratuito com maior receita foi Honor of Kings, o principal MOBA da Tencent e muito conhecido no mercado asiático, rendendo US$ 2,4 bilhões. Na lista ainda aparecem nomes conhecidos como Free FirePokémon GoLeague of Legends e Candy Crush Saga.

Nos consoles, nomes já consagrados aparecem no topo da lista. Call of DutyModern Warfare foi o título mais rentável com US$ 1,9 milhão. Contudo, na análise do SuperData, o battle royale gratuito Warzone foi incluído nesta conta. Em segundo lugar, aparece FIFA 20, com US$ 1 milhão, seguido de GTA V, com US$ 911 milhões.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/games/mercado-de-games-tem-receita-12-maior-em-2020-com-a-covid-19-177046/

5

Jan

Tecnologia

Pesquisa: produção de celulares cai 11% em 2020

Durante quase todo o primeiro semestre de 2020, a pandemia de COVID-19 fez com que muitas fabricantes interrompessem suas produções para evitar a disseminação do vírus. Embora o ritmo de produção tenha sido gradualmente retomado na segunda metade do ano, não foi suficiente para evitar quedas na produção de celulares.

Segundo relatório da consultoria de mercado TrendForce, 2020 teve uma diminuição de 11% na produção de smartphones em relação a 2019, com 1,25 bilhão de aparelhos produzidos ao longo do último ano. A Samsung foi quem mais produziu, seguida por Apple, Huawei, OPPO e Vivo.

Além da pandemia, outro fator decisivo em 2020 foi a queda da Huawei no mercado mobile, consequência das sanções sofridas pela empresa por parte dos Estados Unidos. A marca chinesa, que no primeiro semestre conseguiu ultrapassar a Samsung e se tornar a maior fabricante do mundo, viu seus números despencarem no restante do ano.s.

Previsão para 2021: com a retomada do comércio e a promessa de vacina contra o coronavírus, 2021 deve fazer os números subirem novamente. Segundo previsão da mesma consultoria, as fabricantes devem produzir cerca de 1,35 bilhão nos próximos 12 meses, um aumento de 9% em relação à 2020.

A projeção é que as chinesas Xiaomi, Oppo, Vivo e Transsion (dona das marcas iTel, Tecno e Infinix) registrem crescimento neste ano, enquanto a Huawei deve fisgar apenas 3% do mercado. Celulares 5G devem ser o principal fator para que isso aconteça.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/smartphone/producao-de-celulares-cai-11-em-2020-e-o-motivo-voce-ja-deve-imaginar-176928/

5

Jan

Tecnologia

Chrome promete privacidade aprimorada mesmo fora da navegação anônima

O navegador Google Chrome anunciou no ano passado o projeto Privacy Sandbox, para proteger por padrão a privacidade dos usuários do programa. A principal alteração é desativar o uso de cookies externos nos sites visitados, algo que já está disponível no modo de navegação anônima. Uma nova opção na versão de testes do navegador mostra que o recurso estará disponível também no modo regular do aplicativo.

A novidade foi flagrada pelo site Techdows, mas ainda está em fase inicial de desenvolvimento. Uma opção escondida no Chrome — por enquanto apenas na versão de testes Canary — permite ativar um novo painel de ajustes nas configurações do navegador, mas que ainda exibe apenas campos provisórios, ainda não funcionais.

Apesar de a tela ainda não incluir uma explicação do funcionamento do recurso, a página do projeto revela que o objetivo é desativar o uso de cookies de terceiros, usados para rastrear a navegação e hábitos de pesquisa e consumo do usuário, por exemplo, além de combater outras técnicas para registrar os padrões de uso do programa.

A consequência mais descarada do uso desse tipo de rastreamento são os anúncios que dominam as páginas após pesquisar por um produto — sofá, por exemplo —, que se aproveitam da busca para oferecer insistentemente o item procurado mesmo em páginas sem relação com a consulta original.

Mesmo que ainda não esteja ativa, é possível habilitar o novo painel de privacidade nas edições de desenvolvimento do Google Chrome, a partir da versão 89 do aplicativo. A opção pode ser encontrada na tela chrome://flags/#privacy-sandbox-settings e requer a reinicialização do navegador para ser ativada.

A habilitação do painel inclui um novo campo na tela de configurações do Chrome, abaixo do campo Privacidade e Segurança. A opção, ainda sem tradução para o português, apenas exibe campos provisórios, além do link para a página do projeto Privacy Sandbox, disponível apenas em inglês.

Foto: Rubens Eishima / Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/chrome-promete-privacidade-aprimorada-mesmo-fora-da-navegacao-anonima-176876/

4

Jan

Tecnologia

Play Store e App Store arrecadam mais de US$ 100 bi pela 1ª vez na história

A Google Play Store e Apple App Store arrecadaram mais de US$ 100 bilhões em 2020, segundo relatório da consultoria de mercado Sensor Tower. É a primeira vez na história que as lojas online alcançam o feito no mês de novembro, ou seja, antes de acabar o ano. Os dados afirmam que as plataformas também bateram recorde de arrecadação durante o feriado de Natal.

Juntas, as lojas de aplicativos fizeram US$ 407,6 milhões em receita durante a comemoração, um aumento de 34,5% em relação ao mesmo dia de 2019. Até o Natal de 2020, os gastos com celular representaram 4,5% de toda receita feita no mês de dezembro, que chegou a cerca de US$ 9 bilhões globalmente. Os números foram levantados de 1º a 27 de dezembro de 2020.

Naturalmente, os jogos para celular concentraram a maior parte dos gastos durante as festividades de fim de ano, com US$ 295,6 milhões, 27% a mais quando comparado com os US$ 232,4 milhões arrecadados em 2019. Honor of Kings, da chinesa Tencent, foi o jogo mobile que mais arrecadou no período: US$ 10,7 milhões (alta de 207,7% em relação ao ano passado). Os Estados Unidos foram o país onde mais se gastou com jogos, cerca de US$ 87,2 milhões.

Mas os aplicativos também registraram um aumento significativo na receita, liderados pela rede social TikTok — US$ 4,7 milhões somente durante o feriado natalino. A categoria que mais gerou receita às lojas online, além dos jogos, foi entretenimento.

Apesar de contar com um número maior de apps e jogos, a Play Store continuou arrecadando menos que a App Store: a loja da Google tem apenas 35,2% de participação no mercado; a loja da Apple possuiu quase o dobro, 68,4%.

A consultoria destaca que os números são apenas estimativas, e uma análise completa de 2020 deve ser publicada neste mês de janeiro.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/play-store-e-app-store-arrecadam-mais-de-us-100-bi-pela-1a-vez-na-historia-176839/

2

Jan

Tecnologia

Pix é a principal revolução financeira de 2020

No primeiro mês de funcionamento, o Pix movimentou R$ 83,4 bilhões em mais de 90 milhões de transações, segundo dados do Banco Central. Apesar dos bons números, o novo meio de pagamento tem como obstáculo enfrentar o conservadorismo da população, que ainda está acostumada a fazer transações financeiras do modo tradicional, como o uso de boletos, TED e o dinheiro físico. De acordo com especialistas, o Pix está preparando pessoas e empresas para um mercado cada vez mais tecnológico, que se expandirá mais nos próximos anos com as chegadas do open banking e do sandbox regulatório.

“A sociedade brasileira hoje, predominantemente, trabalha com o dinheiro físico. O Pix vem para tentar difundir ainda mais as transações virtuais. Então, haverá menos circulação de papel, e isso tem um impacto em cadeia”, explica José Luiz Rodrigues, especialista em regulação do mercado financeiro e sócio da JL Rodrigues & Consultores Associados. “Isso afeta a gestão dos negócios, com a necessidade de modificar a dinâmica de dinheiro em caixa; as instituições financeiras, que com o Pix terão uma mudança de receita, ganhando por quantidade de transações e não por valores transacionados; e o comportamento do próprio consumidor, que entenderá, na prática, que as transações digitais vão além do consumo em lojas virtuais”.

José Luiz destaca que os outros meios de pagamento continuarão a funcionar, mas a tendência é que o Pix possa substituir comportamentos de compra hoje existentes. Além disso, a nova realidade digital, iniciada com o Pix, exigirá novas posturas do mercado. “Essa nova realidade cria um ambiente mais competitivo, com mais segurança, onde os bancos tradicionais, as instituições de diferentes portes, fintechs, insurtechs e demais startups disputarão mercado por igual, e levará vantagem aquela prestadora de serviços que puder oferecer qualidade com menores custos e de maneira mais criativa”, pontua.

Para a empresa de tecnologia LiveOn, que oferece toda a base digital para empresas que desejam operar com serviços financeiros, desde o seu anúncio, o Pix proporcionou um aumento na utilização de  transações digitais. “Houve um crescimento em cadeia. Com a proximidade do lançamento do Pix, percebemos um aumento de instituições que nos procuraram para trabalhar como bancos digitais. E isso reflete também no consumidor. Até julho, as transações financeiras realizadas em nossa plataforma totalizavam R$ 150 mil, e chegaram em R$ 40 milhões em novembro”, detalha Lucas Montanini, CEO da companhia. Hoje, a LiveOn atua com 28 clientes, sendo 25 bancos. E para atender o aumento de demanda, sua equipe cresceu de 8 para 40 pessoas. 

“Quando se pensa em banco, um dos primeiros pensamentos é voltado à burocracia. As filas, os processos longos. Existe um debate sobre otimização e quebra desse cenário e, ao acompanharmos o panorama tecnológico mundial e as demandas da sociedade, percebemos que o universo bancário deve absorver essas soluções digitais em pouco tempo”, pondera Lucas.

O especialista em regulação José Luiz Rodrigues complementa: “Será cada vez mais comum o surgimento de novos produtos ou empresas no cenário financeiro. Porque a modernização do Sistema Financeiro Nacional, provocada pela chegada de inovações como o Pix, open banking e sandbox, está fazendo com que o mercado se estruture para atender às novas demandas de consumidores. Isso vem gerando novos processos de fusão, incorporação, parcerias, compra e venda, entre outros modelos de organização ou reorganização”.

31

Dez

Tecnologia

Empresa de tecnologia obtém certificação ISO com apoio do Sebrae

O Sebrae no Rio Grande do Norte mantém o compromisso de dar suporte às empresas potiguares que buscam diferenciais competitivos para se destacarem no mercado por meio do programa Sebraetec, que oferece consultorias especializadas para certificação de forma subsidiada. Dessa vez, com o apoio da instituição, a Interjato Soluções conquistou a certificação ISO 20.000, uma norma técnica internacional que atesta a adoção de boas práticas na gestão de serviços na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

A empresa recebeu todo o acompanhamento de consultores credenciados para se preparar para a auditoria do órgão certificador, que verifica itens obrigatórios para só então conceder o selo. A certificação alcançada pela Interjato Soluções se deu pelo suporte e monitoramento dos serviços, que atendem a todas as conformidades obrigatórias exigidas pelas certificadoras. O selo ISO 20.000 posiciona a Interjato entre um grupo seleto de organizações no Brasil e no mundo que contam com essa certificação, atestando o empenho da empresa para disponibilizar serviços de excelência.

“Essa certificação é um reconhecimento ao esforço de toda a equipe, durante muitos anos, em prestar um serviço voltado a máxima satisfação dos clientes. Como o número de empresas certificadas ISO 20.000 no Brasil e no mundo é restrito, entendemos que o selo será um diferencial competitivo, permitindo o mercado identificar o posicionamento da Interjato na gestão dos serviços”, comenta o CEO da Interjato Soluções, Erich Rodrigues.

Preparação

O processo de preparação da empresa começou ainda em dezembro do ano passado, com o desafio de ajustar o modelo de gestão da organização para atender aos requisitos da norma. Segundo o consultor Jodrian Freitas, da Aprimor, empresa credenciada para prestar a consultoria, os trabalhos envolveram aspectos específicos tais como: gestão de continuidade, gestão de configuração, gestão da disponibilidade, segurança da informação, gestão do nível de serviços, entre outros.

Foram realizados diversos encontros para construir um plano com passo a passo e as soluções para atender aos requisitos da norma. Devido às restrições sanitárias, parte das reuniões teve que ocorrer de forma virtual para manter a continuidade das atividades. O empenho valeu a pena e como resultado a Interjato conquistou a certificação.

Além de suporte a certificações, o Programa Sebraetec oferece acesso subsidiado a serviços tecnológicos e de inovação para pequenos negócios. Por meio do programa, o empresário pode implementar melhorias com ajuda de uma rede de consultores e prestadores de serviços tecnológicos contratada pelo Sebrae  para adequar o produto, serviço ou processo produtivo à realidade do mercado, com subsídios não reembolsáveis de  até 70%.

O suporte tecnológico via Sebraetec vai desde consultorias para identificar as necessidades da empresa, acompanhamento para assegurar os melhores resultados e minimizar os riscos, e até auxílio na melhor escolha para os investimentos em tecnologia e inovação.

31

Dez

Tecnologia

Japão cria satélites de madeira para eliminar lixo espacial

Em parceria com a empresa florestal Sumitomo Forestry, a Universidade de Kyoto apresentou um projeto para desenvolver os primeiros satélites de madeira do mundo, que serão lançados até 2023 e utilizados para eliminar lixo espacial. A informação é da BBC, que conversou com a empresa para entender o que seus profissionais esperam do projeto.

A Sumitomo Forestry já começou suas pesquisas sobre o cultivo de árvores e o uso de madeira no espaço, e a ideia da parceria é explorar diferentes tipos de madeira para encontrar o que for ideal para o uso nas condições espaciais. A vantagem dos satélites de madeira é o fato de que eles queimariam sem deixar vestígios ou detritos na atmosfera ou no solo ao retornar à Terra.

A iniciativa parte de uma preocupação não muito nova: os resíduos deixados por estações espaciais e satélites na órbita terrestre. Desde o início da corrida espacial, nos anos 60, nunca houve como há hoje uma preocupação com a poluição da órbita do planeta. Takao Doi, professor da Universidade de Kyoto e astronauta, afirma que eventualmente essa poluição afetará o meio ambiente da Terra.

Já há algum tempo especialistas alertam sobre os problemas que podem surgir a partir do acúmulo de lixo espacial, que cresce principalmente com o lançamento de mais satélites e espaçonaves. Esse lixo pode, eventualmente, cair na Terra. Satélites são cada vez mais presentes na órbita terrestre em virtude das necessidades de empresas de comunicação, navegação, previsão do tempo, etc. O desenvolvimento de satélites de madeira, portanto, poderia, mesmo que tornando o processo mais caro, tornar o ciclo de lançamento e descarte de satélites mais limpo.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/136874/japao-cria-satelites-de-madeira-para-eliminar-lixo-espacial/

29

Dez

Tecnologia

Especialista alerta sobre cuidados no uso do QR Code

Os usuários deverão tomar alguns cuidados ao utilizar os QR Codes, atualmente presentes nos processos eletrônicos de pagamentos ou obtenção de informações de forma ágil, alertam especialistas.

Criminosos estão se aproveitando para aplicar golpes por meio da substituição dos QR Codes dos estabelecimentos por códigos fraudulentos. Assim, ao apontar a câmera do dispositivo para a leitura, o usuário é redirecionado para um endereço com pragas virtuais, que infectam o celular ou tablet.

"Ao acessar um QR Code falso, o usuário poderá ter seus dados roubados, possibilitando que os criminosos apliquem vários golpes, como o da fraude de identidade", disse Marcio D’Avilla, especialista em segurança digital da empresa Certisign, certificadora digital.

Para evitar problemas, o usuário nunca deverá usar QR Codes que foram enviados de um remetente desconhecido, por e-mail ou mensagens instantâneas. 

Após escanear o QR Code, a pessoa deve ficar atenta ao endereço ao qual está sendo direcionada. Se houver erros de digitação, domínios desconhecidos ou se o endereço estiver encurtado, a chance de ser um golpe é grande. Se o usuário for levado até algum formulário, nunca deve fornecer senhas ou dados pessoais sensíveis.

Com os devidos cuidados, D’Avilla ressaltou que o QR Code é uma ferramenta importante para agilizar o dia a dia dos clientes e empresas. "Sem dúvida, é uma tecnologia segura, quando usada com os devidos cuidados. Tanto que ele é utilizado por instituições bancárias como segundo fator de autenticação e como forma de pagamento", finalizou.

Fonte: Agência Brasil

28

Dez

Tecnologia

Excesso de videoconferências afeta a saúde mental, dizem psiquiatras

No contexto da pandemia do novo coronavírus (covid-19) e do isolamento imposto para conter a disseminação da covid-19, aumentou o uso das plataformas online de videoconferência como forma de manter o contato social entre as pessoas. Mas o excesso de encontros virtuais acabou produzindo uma espécie de “fadiga do zoom”, segundo identificou a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Para mostrar o impacto das videoconferências na saúde mental dos brasileiros, a ABP realizou a primeira pesquisa sobre o tema no período de 14 de agosto a 21 de novembro. A sondagem revela a elevação das queixas de pacientes sobre o excesso de trabalho por videoconferências nos últimos cinco meses, recebidas por 56,1% dos psiquiatras associados da ABP entrevistados. 

“Os pacientes relataram que a “fadiga do zoom” é um fato na vida delas, que elas de fato aumentaram o trabalho via teleconferência e adoeceram, precisaram de ajuda”, disse à Agência Brasil o presidente da ABP, Antonio Geraldo da Silva.

O levantamento foi feito junto aos psiquiatras associados da ABP que atendem no Sistema Único de Saúde (SUS), no sistema privado e suplementar, e mostrou também que 63,3% deles perceberam um aumento de prescrição de psicotrópicos (remédios controlados) para tratar pessoas que tinham a queixa de excesso de trabalho por videoconferência. Os médicos associados da ABP notaram ainda a elevação de 70,1% da necessidade de prescreverem psicoterapia para seus pacientes também com essa fadiga.

Fato novo

“É uma situação nova, é um fato novo. Mas estamos percebendo que há um cansaço das pessoas em usar a videoconferência, porque ela retira de você toda privacidade, aumenta sua carga de trabalho e sua carga de descanso fica comprometida e isso é, realmente, adoecedor”, disse Silva. 

De acordo com o presidente da ABP, as pessoas passaram a trabalhar em casa e os horários rotineiros foram rompidos. “Os chefes passaram a entender que as pessoas estão disponíveis 24 horas”. No teletrabalho, muitas vezes, as pessoas entram em uma videoconferência às 8h e saem somente ao meio-dia”, disse Silva. “Houve uma perda dos limites relacionais”.

Na avaliação do presidente da ABP, o cuidado com a saúde mental da população deve ser abrangente e direcionado a todos para haver uma mudança de pensamento e comportamento. Enfatizou que as preocupações com a onda de consequências à saúde mental derivadas da pandemia permanecem com tendência ascendente. 

Segundo Silva, a agenda da saúde mental “é urgente e será um dos pilares para o bom enfrentamento às demais consequências trazidas pela pandemia. A saúde mental é a chave para enfrentarmos o cenário atual e seus desdobramentos”.

A ABP estima que há 50 milhões de pessoas com algum tipo de doença mental no Brasil. O país engloba o maior número de pessoas com casos de transtornos de ansiedade do mundo. São cerca de 19 milhões de casos, que correspondem a 9% da população. Além disso, o Brasil ocupa o segundo lugar no mundo e o primeiro na América Latina em pessoas com quadros depressivos.

Filtro

Na avaliação do psiquiatra Jorge Jaber, da Associação de Psiquiatria do Estado do Rio de Janeiro (Aperj), o excesso de informações pode provocar um certo cansaço mental. Ele recomenda que as pessoas utilizem um filtro, uma seleção das fontes, buscando instituições tradicionais para obter conhecimento ou tirar dúvidas.

Sobre prescrição de remédios, Jaber vê uma tendência comum nos pacientes psiquiátricos de conseguir mais receitas do que seria necessário. Neste momento de pandemia, ele atribui esse movimento a três fatores: o custo muitas vezes inacessível das consultas; a redução da capacidade do atendimento público aos pacientes psiquiátricos; e o receio do paciente de não ter o remédio à mão, em um momento de crise.

Fonte: Agência Brasil

28

Dez

Tecnologia

Em 2020, pelo menos 360 mil vírus para computador foram criados por dia

De acordo com o Boletim de Segurança da Kaspersky de 2020, não foi apenas o novo coronavírus (SARS-CoV-2) que se replicou ao redor do mundo ao longo dos últimos meses. Segundo a companhia, só neste ano, foram criados cerca de 360 mil novos vírus para computadores e smartphones por dia — se fizermos uma conta rápida levando em consideração 365 dias, estamos falando de um total de 131,4 milhões de ameaças.

Esse valor representa uma alta de 5,2% (ou cerca de 18 mil a mais por dia) em comparação com 2019. Desse montante, a maioria (60%) dos malwares eram trojan genéricos, cuja incidência teve um crescimento de 40,5%. Logo em seguida temos os backdoors — dedicados a criar brechas escondidas nos sistemas para que outros vírus entrem —, cujo aumento foi de 23%. Os adwares, para a nossa alegria, sofreram um declínio de 35%.

O mais interessante do panorama traçado pela Kaspersky é que as ameaças para Android diminuíram (em 13,7%), sendo que malwares focados no sistema Windows representaram 89,80% dos scripts maliciosos identificados. Tal fenômeno tem uma explicação: com a popularidade do trabalho remoto, os criminosos preferiram se focar em desktops e esquecer, pelo menos por enquanto, os dispositivos móveis.

“Ao longo do último ano, nossos sistemas de detecção descobriram muito mais novos objetos maliciosos do que em 2019. Devido à pandemia, usuários do mundo inteiro foram forçados a passar mais tempo em seus dispositivos e online. É difícil saber se os atacantes estiveram mais ativos ou se nossas soluções detectaram mais arquivos maliciosos, simplesmente, porque a atividade foi maior”, explica Denis Staforkin, especialista em segurança da Kaspersky.

“Pode ser uma associação dos dois fatores. De qualquer maneira, neste ano, registramos um aumento notável no número de novos arquivos maliciosos, e é provável que isso continue em 2021, pois os profissionais continuam trabalhando de casa e cada país implementa restrições diferentes. No entanto, se os usuários tomarem precauções básicas de segurança, poderão reduzir significativamente o risco de encontrá-los”, finaliza.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/seguranca/em-2020-pelo-menos-360-mil-virus-para-computador-foram-criados-por-dia-176642/

26

Dez

Tecnologia

Rede sociais geraram mais de 1,4 milhões de ações durante Black Friday no Brasil

Comscore, empresa em medição de audiência na internet, acaba de divulgar uma análise sobre o cenário da Black Friday no Brasil em 2020. A empresa traz dados reveladores sobre período, que servem de referência para as companhias de varejo, marketing e publicidade. O estudo apresenta informações sobre engajamento e performance dos principais varejistas, market share de plataformas, subcategorias que melhor performaram, além de insights sobre ações de branded content e com influenciadores nas redes. Os dados foram coletados utilizando informações de social media e social listening nas redes sociais.

Neste ano, a data foi marcada pela antecipação dos descontos por parte dos varejistas e uma aceleração das compras na semana que antecedeu a última sexta-feira de novembro. Assim, o estudo da Comscore indica uma mudança de comportamento das marcas de 2019 para 2020: no ano passado, o ápice do total de ações (reações, comentários, compartilhamentos, retuítes e curtidas) se deu no dia 29 de novembro, dia da Black Friday; já em 2020 houve pelo menos três picos de ações nas redes, sendo o último na sexta da Black Friday, dia 27 de novembro.

“A estratégia de antecipar promoções serviu como um aquecimento para a alta de vendas na Black Friday. Com o varejo digital aquecido por conta do distanciamento social, as marcas intensificaram as estratégias nas redes. Dessa forma, os consumidores tiveram mais prazo para organizar a busca por mercadorias com a melhor oferta, e as empresas posicionaram seus produtos a fim de atender às demandas on-line”, afirma Eduardo Carneiro, diretor geral da Comscore.

Engajamento nas redes

Em 2020, as principais marcas de varejo geraram mais de 1,4 milhões de ações em engajamento nas redes sociais no dia da Black Friday, resultado 6% maior do que o obtido em 2019. O levantamento da Comscore aponta que o Instagram foi a rede social que conquistou o maior share de ações (78%), seguido pelo Facebook (16%) e Twitter (6%). Comparado ao último ano, o Instagram cresceu 13% em engajamento: a rede foi escolhida pelas marcas por garantir maior interação nos conteúdos, gerando mais visibilidade.

Outro ponto de destaque nos conteúdos foi a forma como cada subcategoria utilizou os emojis para se conectar com a audiência. Tanto em eletroeletrônicos, quanto em roupas e acessórios, e móveis e eletrodomésticos, o emoji com os olhos em forma do coração foi o mais utilizado. Já o ícone de carrinho de compras foi o preferido nas subcategorias de roupas e acessórios e supermercados. Nos perfis voltados à venda de móveis e eletrodomésticos, destaca-se o uso de emojis mais diferenciados, como o de duas pessoas lutando, por exemplo.

Branded Content

Ao analisar as ações de branded content sinalizadas nas redes (aquelas que apresentam o selo “parceria paga com”) e mensuradas no estudo, 45 conteúdos foram produzidos tanto no Facebook quanto no Instagram com as palavras “Black”, “Black Friday” ou “#BlackFriday”. As cinco principais marcas      que investiram em conteúdo patrocinado foram Samsung, Consul, Casas Bahia, Netshoes e Lojas Renner. Entre elas, vê-se uma preferência pelo acordo com influenciadores e/ou produtores de conteúdo. Existe também casos pontuais em que as marcas preferiram associar-se a conteúdos de entretenimento, como é o caso de Casas Bahia.

Influencers e produtores de conteúdos mais relevantes

O estudo da Comscore também trouxe um ranking dos influenciadores e produtores de conteúdo que melhor performaram em volume de ações sobre a Black Friday  no período de 23 a 27 de novembro. No Facebook e no Instagram, Wesley Safadão, Zé Felipe, Gabi Brant, Grazi Massafera e Larissa Manoela aparecem como os top 5 com melhor engajamento. No total, foram 5 milhões de engajamentos gerados por influenciadores durante o período.

Zé Felipe teve melhor performance por post, com mais de 563 mil reações em apenas um único conteúdo. Neste ano, os dez principais influencers foram responsáveis por 68% dos engajamentos no período. Os outros 32% restantes foram distribuídos em mais de 108 perfis mapeados na ferramenta da Comscore, o que indica que macro e micro influenciadores mostram sua força e relevância nas redes sociais.

Social listening

Em virtude do cenário pandêmico, o social listening das redes sociais indica que o consumidor estava apreensivo e pensativo com as compras no período. Por conta disso, o total de posts com o termo “Black Friday” foi de 349 mil menções X 634 mil menções entre os dias 28 e 29 de novembro de 2019, um decréscimo de 45% no total de posts, principalmente no Twitter.

A análise mostra, ainda, que neste ano, os brasileiros começaram as pesquisas de preços, marcas e produtos na terça-feira, dia 24 de novembro, atingindo o pico de buscas na sexta-feira, dia 27. O mesmo comportamento foi registrado na Black Friday de 2019. Entre 26 e 27 de novembro de 2020, o termo “#BlackFriday” apresentou dois picos em horários distintos no Twitter: o primeiro foi na virada do dia, à meia-noite, com 16.725 mil menções, e o segundo foi às 13h, com 15.260 mil publicações sobre o tema.

O estudo destaca também que reclamações cresceram ao longo da Black Friday. O termo “#BlackFraude” atingiu 37 mil posts em 2020, crescimento de 23% em relação a 2019 (30 mil posts). Contudo, de maneira geral, o sentimento dos brasileiros foi positivo: foram 65% do total de posts com comentários positivos, contra 35% com menções negativas sobre a época.

Varejistas mais mencionados pelos consumidores

Neste ano, Americanas, Magazine Luiza, Samsung, Xbox, Playstation foram os varejistas de destaques em buscas pelos consumidores. A Americanas manteve sua posição de líder, mas diluiu suas menções entre os concorrentes, perdendo -52% da participação entre as principais posts. No comparativo com 2019, o segmento de games, com Xbox e PlayStation cresceu 225% e 246% no share de menções, respectivamente. Há, ainda, destaques para Submarino, com um aumento de 409% no share, seguido por HP (+124%) e Amazon Brasil (+59%).

Quais foram os objetos de desejo?

Analisando o volume de menções entre os dias 26 e 27 de novembro de 2020, os segmentos de vestuário (19%), smartphone (16%), games (16%), maquiagem (12%) e TV (11%) aparecem como os principais itens de desejo na Black Friday. Em relação a 2019, viagem foi o segmento mais impactado, com uma queda de 39% no número de menções, seguido por bebidas alcoólicas (-31%). Já os termos Kindle (+200%) e games (+75%) foram os objetos que tiveram aumento nas buscas deste ano.

Entrega de comida também ganhou força na Black Friday 2020

O estudo da Comscore aponta que os serviços de delivery na categoria de alimentos também se destacaram neste ano nas redes sociais, com 24 mil posts sobre o tema no dia 27 de novembro, um crescimento de 200% em relação às duas últimas sexta-feira do mês. No termômetro com a Black Friday de 2019, a categoria teve um aumento de 9% nas menções, sendo o Ifood a principal marca mencionada nos posts.

O estudo completo da Comscore pode ser acessado em: (link).

25

Dez

Tecnologia

Plataforma vai mostrar a 'vida real' de franqueados e franqueadores

O franchising é um dos principais caminhos para os brasileiros que começam a empreender. Segundo levantamento feito pela ABF, apenas em 2019 foram comercializadas 7.254 unidades de franquias. No mesmo ano, o setor alcançou um faturamento de R$ 186 bilhões e foi responsável por mais de um milhão de empregos gerados.  

Apesar do modelo de negócio oferecer vários atrativos para os empreendedores de primeira viagem, ainda assim, há pontos que nem sempre são compartilhados. Um exemplo recorrente - mas pouco falado - é relação entre franqueado e o franqueador e a falta de clareza dos papéis de cada um em uma rede. Para jogar luz sobre questões que tem pouca visibilidade, mas que são essenciais para o sucesso de uma franquia, chega a plataforma de conteúdo, Papo de Franquia.

O principal objetivo é mostrar a vida real do mundo do franchising, longe da perfeição vendida por algumas empresas. Apresentado pelo sócio fundador da OrthoDontic, Fernando Massi, o canal irá revelar (sem filtros) as alegrias e tristezas de quem investe em franquias. Além de fornecer muitas dicas e informações que todo mundo deveria saber antes mergulhar neste universo. "Vou falar de franchising de uma maneira sincera, prática e fácil. Sem meias palavras, sem promessas. Minha intenção é mostrar a realidade e explicar os papéis dos envolvidos, sem criar uma luta de franqueado vs franqueado e sim mostrando que uma franquia de sucesso é resultado de parceria", explica Fernando Massi.  

Além de vídeos semanais, o conteúdo será distribuído em perfis do Instagram, Facebook e em um site. Além da experiência no franchising de Fernando, o Papo de Franquia contará com a participação de outros franqueados e franqueadores compartilhando suas histórias e aprendizados.