Mídias Sociais

12

Abr

Mídias Sociais

Google Drive e Classroom passam por instabilidade hoje

O Google Drive e Classrom estão passando por instabilidade na manhã desta segunda-feira (12). Usuários estão com dificuldades de baixar, subir e criar documentos e conteúdos nas plataformas do Google.

No caso específico do Drive, é até possível acessar toda pasta de materiais que o usuário possui armazenado. Entretanto, ao tentar abrir um documento ou criar um novo material, há uma mensagem de erro: "O Documentos Google encontrou um erro. Tente recarregar esta página ou voltar novamente em alguns minutos".

O site DownDetector, que une as reclamações de usuários sobre serviços fora do ar, já conta com mais de 5 mil entradas de usuários com problemas no Drive, além de outras 700 no Classroom. Quem trabalha com o G Suite, o conjunto de ferramentas empresariais do Google, também enfrenta problemas para copiar e criar arquivos.

O painel de controle do Google Workspaces, que aponta como estão os serviços, ainda não acusou nenhum erro. Até o momento da publicação desta reportagem o Google ainda não tinha se pronunciado sobre o assunto.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/internet/google-drive-e-classroom-passam-por-instabilidade-nesta-segunda-12-182488/

11

Abr

Mídias Sociais

Marcas na rede: como aproveitar melhor o YouTube

*Por Meio & Mensagem 

É inegável que o formato em vídeo é um dos principais para atrair a atenção do público. Essa afirmação é refletida na aposta cada vez maior de redes sociais em formatos em vídeo e no sucesso de plataformas como o TikTok. Se hoje temos isso como fato, o grande contribuidor foi o YouTube. Há mais de uma década em operação, a plataforma de vídeos continua relevante para marcas devido ao seu poder de segmentação, análise de dados e grande audiência.

Para Paulo Ilha, VP de Mídia e BI da DPZ&T, o YouTube foi o espaço onde o conteúdo em vídeo foi “encontrado”, pois, deste então, ele passou a ganhar mais atratividade e atenção. “É um formato com potencial de engajamento e resultado maiores que o estático. Ele se tornou tão grande de forma a ser realmente competitivo até mesmo com a televisão em matéria de formato de vídeo”, acredita.

A partir disso, a plataforma se tornou ideal para contar histórias mais longas, já que nela o público está a todo momento pesquisando por conteúdo, indica Israel Bastos, coordenador de mídia da Gut. “As marcas começaram a investir em produções próprias para fortalecer a consideração de um produto ou serviço ou apenas aumentar sua relevância oferecendo um conteúdo para ensinar, entreter ou inspirar essa audiência”, esclarece sobre o retorno de investimento que anunciantes podem ter no YouTube. De acordo com o profissional, a plataforma também representou mais um canal para contar histórias em vídeo para além da televisão.

A evolução do YouTube começou a acelerar com o maior número de acessos e, principalmente, por conta dos criadores de conteúdo para a plataforma. “Quando os diversos criadores de conteúdo, que não paravam se surgir na plataforma, começaram a investir e profissionalizar seus vídeos,  como consequência, a audiência cresceu exponencialmente”, explica Bastos.

Porém o crucial para manter os anunciantes é sua vasta oferta de dados e possibilidades de segmentação. “Um fenômeno de relevância e assertividade também explicado pela opção de gestões que a plataforma oferece. Ou seja, utilização de dados, possibilidades de segmentação e construção de conteúdos dinâmicos”, pontua Ilha.

“Assim como as outras redes, o Youtube passou a ser uma opção mais acessível e rentável para marcas com um investimento menor, já que a segmentação detalhada garante uma entrega mais precisa e barata que a TV. Mas para as marcas com investimentos maiores, a plataforma vem atraindo cada vez mais investimento por ser um canal ideal para construir alcance, lembrança de marca”, contextualiza Bastos.

Ao Meio & Mensagem, os executivos dividiram suas opiniões sobre as melhores práticas para uma boa presença de marca na plataforma.

Atenção ao tempo
Entregar a mensagem e estimular a curiosidade do público nos primeiros segundos do filme, já que o usuário tem a possibilidade de pular o anúncio e mantê-los entre 15 e 30 segundos e, assim, não atrapalhar a experiência do público buscando assistir a um vídeo que escolheu.

Explore formatos
O fato do usuário ter maior controle sobre ver a peça publicitária já difere a abordagem do anúncio feito para a televisão, que pode entregar a mensagem mais ao final do filme. Por isso, é recomendado criar peças próprias para o YouTube, além de explorar os demais formatos complementares da plataforma para amplificar os resultados esperados, como o vídeo vertical para o mobile, explorar as oportunidades em TVs conectadas e outros.

Aproveite os dados
Use os dados disponíveis no analytics como aprendizado para as próximas campanhas e deixar a mensagem cada vez mais assertiva e adotar um modelo de otimização condizente com o modelo de negócios, assim como segmentações com base nos KPIs estabelecidos.

Ficar atento ao brand safety
O YouTube já se envolveu em ameaças ao brand safety de marcas por associações de anúncios à vídeos de conteúdo extremista. A plataforma evoluiu nesse quesito, mas é importante o time do anunciante ter maior controle sobre a segurança da sua marca no ambiente.

Fonte: Meio & Mensagem, disponível AQUI

9

Abr

Mídias Sociais

Twitter apresenta seu primeiro Relatório de Impacto Global

Twitter apresentou o seu primeiro Relatório de Impacto Global. Segundo a empresa, o documento procura mostrar com transparência o trabalho e os impactos que a mesma causa no mundo.

“O Relatório de Impacto Global” é um grande passo no compromisso de compartilhar mais sobre a atuação do Twitter nas áreas de responsabilidade corporativa, sustentabilidade e filantropia. É uma representação coesa do trabalho que o Twitter tem feito em relação a questões ambientais, sociais e de governança desde sua fundação, em 2006″, diz a empresa.

O relatório é organizado em cinco áreas principais: Serviço, Governança, Pessoas e Cultura, Twitter for Good e Planeta. Segundo o documento, a empresa tem realizado esforços contínuos para promover conversas saudáveis com os usuários.

Para a área de serviços, os destaques são:

  • Reduzir a carga sobre as pessoas;
  • Construir políticas com transparência e contribuição pública;
  • Aumentar a moderação proativa de conteúdo;
  • Colaborar com parceiros da indústria;
  • Providenciar contexto;
  • Desenvolver o comprimento de políticas com justiça;
  • Operar com transparência.
  • Manter a privacidade e segurança de dados dos usuários;
  • Oferecer padrões de publicidade;
  • Board oversight;
  • Segurança de informações.

Para Governança, a ideia é de comprometimento com uma governança corporativa sólida, uma ética forte e com práticas de compliance como gerenciamento de riscos, diversidade e independência do conselho da empresa, além de ética e conformidade empresarial.

Pessoas e Cultura têm como prioridade em garantir a saúde e segurança dos colaboradores, com destaque para a força de trabalho de pelo menos 50% de mulheres e no mínimo 25% de minorias até 2025.

O chamado Twitter for Good foca no fortalecimento e parceria com as comunidades, enquanto Planeta apresenta os esforços expandidos da empresa para manter práticas de sustentabilidade.

“Embora nosso trabalho não esteja concluído, estamos confiantes de que o desenvolvimento e clareza de propósito do Twitter nos permitem continuar fazendo a diferença – tanto como empresa, quanto como serviço de apoio à conversa pública em todo o mundo. Continuaremos evoluindo em importantes iniciativas e compartilharemos mais sobre nossos esforços no futuro”, finaliza a empresa.

O Relatório de Impacto Global do Twitter pode ser conferido na íntegra aqui.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/141860/twitter-apresenta-seu-primeiro-relatorio-de-impacto-global/

9

Abr

Mídias Sociais

Facebook começa testes com Hotline, híbrido do Clubhouse com Instagram

O Facebook finalmente começou a testar sua versão do Clubhouse, o Hotline. O aplicativo une a proposta do concorrente focado em chats de áudio com o esquema de lives do Instagram. Com isso, as conversas por voz serão transmitidas, e o público poderá fazer perguntas por áudio ou texto, e os responsáveis pela chamada definirão como proceder.

Há, porém, uma grande diferença em relação ao Clubhouse: por mais que o Hotline seja focado em áudio, será possível realizar essas transmissões com a câmera ligada. O app parece uma versão do Instagram focada em lives e integrando a proposta de áudios do Clubhouse. O projeto está sendo conduzido por Eric Hazzard, do Facebook.

O Hotline foi desenvolvido pela divisão de novos produtos do Facebook, que é responsável por sugerir e apresentar novos projetos para a empresa de Mark Zuckerberg – ou seja, espere destinos curtos similares ao do Collab, o Tuned e o Hobbi. Diferente de casos como o dos Stories, que o Facebook copiou diretamente do Snapchat, o Hotline parece se inspirar na proposta do Clubhouse integrando isso a ferramentas e ideias que já existiam no principal app do Facebook Group, o Instagram.

hotlineb9

Para participar do período de testes do Hotline, você precisa estar nos Estados Unidos, se inscrever pelo site e aguardar na fila de espera. O projeto, vale lembrar, foi anunciado logo após o Clubhouse explodir na internet em fevereiro de 2021. Mesmo que tenha perdido um pouco de sua relevância – principalmente por ainda ser exclusivo para iOS –, o Clubhouse ainda é uma ferramenta que se sustenta principalmente nos Estados Unidos, o que já fez até hackers desenvolverem uma versão falsa para Android a fim de roubar dados dos usuários.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/141868/facebook-comeca-testes-com-hotline-hibrido-do-clubhouse-com-instagram/

7

Abr

Mídias Sociais

WhatsApp ganha novas figurinhas para incentivar vacinação contra COVID-19

O WhatsApp anunciou nesta terça-feira (6) uma parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para lançar um novo pacote de figurinhas chamado "Vaccines for All" (Vacinas para todos, em português). O objetivo é incentivar a vacinação contra a COVID-19 e levar a mensagem positiva de esperança, alívio e alegria proporcionada por este ato.

O pacote de figurinhas inclui mensagens motivacionais, imagens bem-humoradas, desenhos fofos e agradecimentos aos profissionais de saúde, os herois que atuam na linha de frente do combate contra a doença. O conteúdo já está disponível para download na área de stickers do programa.

O aplicativo também contará com um chatbot em português para que os usuários possam tirar dúvidas sobre o novo coronavírus (SARS-CoV-2) e sobre as vacinas. Todas as informações são 100% confiáveis e divulgadas pela própria OMS.

“Enquanto as vacinas para COVID-19 são distribuídas em todo o mundo, este novo pacote de figurinhas visa incentivar sua aceitação e representar nossa esperança,” disse Andy Pattison, líder da equipe de Canais Digitais da OMS. “As vacinas são um divisor de águas, mas, por enquanto, devemos continuar a usar máscaras, seguir o distanciamento social, evitar aglomerações, ventilar espaços internos e manter as mãos bem limpas.”

Para contatar o Alerta de Saúde da OMS, basta adicionar o número +41798931892 à sua lista de contatos e enviar um “oi” ou clicar no link a seguir: https://wa.me/41798931892?text=oi.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/whatsapp-ganha-novas-figurinhas-para-incentivar-vacinacao-contra-covid-19-182136/

6

Abr

Mídias Sociais

WhatsApp vai permitir a migração do histórico de conversas entre iOS e Android

O WhatsApp planeja implantar uma funcionalidade para permitir transportar o histórico de conversas entre o iOS e o Android e vice-versa. A ideia é que o usuário possa fazer essa transposição de forma de forma rápida e simples, sem necessidade de importar backups imensos que podem levar horas.

Quando você tentar vincular um novo dispositivo com sistema operacional diferente, o aplicativo deverá mostrar a opção de importar os registros de chats. Segundo o site WABetaInfo, para fazer isso, o app obrigará o usuário a atualizar para versão mais recente, com intuito de evitar erros de compatibilidade.

Assim que concluído o update, o sistema já deve puxar automaticamente todas as conversas para o novo aplicativo. Essa uma nova experiência ainda em teste, por isso não dá para afirmar com 100% de certeza como tudo vai funcionar.

Essa novidade estará presente em uma atualização futura, ainda sem data para chegar. Hoje é possível fazer a transferência de conversas com ferramentas na web ou aplicativos de terceiros. Contudo, essas opções são consideradas inseguras, pois violam os termos de serviço e ainda garantem o acesso de terceiros a conversas criptografadas. Veja:

WhatsApp em várias plataformas simultâneas

A integração possivelmente está relacionada ao trabalho de desenvolvimento que a equipe do WhatsApp tem feito para possibilitar o uso de uma conta em vários dispositivos simultâneos. Inicialmente, o recurso permitirá que o WhatsApp Web seja usado sem uma conexão à Internet no seu celular.

Como será um recurso multiplataforma, a equipe precisa de tempo para corrigir bugs e incompatibilidades. Além disso, é necessário resguardar a segurança das conversas e ter de volta a confiança dos usuários, algo que se perdeu com os ocorridos recentes.

Em uma atualização futura, o WhatsApp deve permitir conectar o mesmo número a dois ou mais dispositivos móveis, sejam eles para iOS e ou Android. Mas para que isto seja funcional, é necessária a integração entre as conversas como forma de garantir que todas as instâncias recebam as comunicações de forma simultânea.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/whatsapp-vai-permitir-a-migracao-do-historico-de-conversas-entre-ios-e-android-182042/

5

Abr

Mídias Sociais

Instagram lança ferramenta Remix

Instagram anunciou mais um recurso para a sua plataforma que é totalmente inspirado no concorrente TikTok. Chamada Remix, a nova ferramenta permite que os usuários criem “seu próprio Reels ao lado de um que já existe”. Ou seja, é igual à função Duet do TikTok.

instagram-remix

Com a função Remix, os usuários podem gravar um novo vídeo alinhado ao original. Depois de gravado, é possível controlar o volume do vídeo original, o volume do seu próprio vídeo e gravar uma narração. O Instagram garante que também será possível ativar a função em Reels antigos.

A novidade faz parte da estratégia do Instagram para consolidar o uso do Reels na plataforma. No começo do ano, Adam Mosseri, chefe do Instagram, afirmou que não está feliz com o desempenho do Reels e admitiu que o TikTok ainda tem uma boa vantagem sobre sua plataforma.

O Remix será disponibilizado aos usuários nos próximos dias.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/141561/instagram-lanca-ferramenta-remix-mais-um-recurso-copiado-do-tiktok/

5

Abr

Mídias Sociais

Grande vazamento do Facebook: saiba se você foi afetado

No último sábado (3), dados de 533 milhões de usuário do Facebook foram vazados e agora estão disponíveis de forma gratuita em um conhecido fórum de hackers. No banco estão informações como nome completo, telefone, data de nascimento e email. Segundo o The Record, o banco estava dividido em 106 pacotes diferentes, um para cada país.

Embora o Facebook tenha afirmado que os dados em questão são antigos e que fazem parte de uma brecha da plataforma que já foi corrigida, especialistas averiguaram as informações e afirmaram que os dados são legítimos. Ou seja, o banco ainda pode ser usado por cibercriminosos para realizar ataques de engenharia social e praticar golpes e fraudes.

Para conferir se o seu email foi exposto neste ou em outros vazamentos de dados, confira o passo-a-passo abaixo:

  • Acesse o site haveibeenpwned.com;
  • Digite seu endereço de email na barra de buscas;
  • Se a informação foi vazada, você receberá uma mensagem do site alertando para alterar a senha e ativar a autenticação de duas etapas na sua conta.

Na plataforma, as pessoas também podem conferir todas as violações de credenciais vinculadas ao endereço de email cadastrado na página.

Além disso, o fundador do site, Troy Hunt, disse em um tweet que pretende expandir o serviço para que a plataforma identifique também números de telefone vazados no banco de dados. Para as pessoas afetadas pela divulgação de dados, especialistas recomendam que a senha seja alterada o mais rápido possível.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/seguranca/214964-saiba-conta-parte-vazamento-dados-do-facebook.htm

5

Abr

Mídias Sociais

Youtube muda regras de monetização para vídeos sobre drogas

O YouTube possui regras em sua plataforma com relação ao conteúdo, sobretudo se o autor da publicação pretende monetizar o vídeo. Temas como violência e drogas geralmente estão sob a firme vigilância de seus algorítimos, mesmo quando a abordagem é educativa. Para mudar um pouco esse cenário, o Google vai "afrouxar" as diretrizes para vídeos que tenham esse apelo.

De acordo com comunicado publicado em sua página de suporte, o Google afirma “expandir a monetização em conteúdo educacional, documental ou de notícias que podem incluir interações violentas com a aplicação da lei, drogas recreativas e conteúdo relacionado a drogas ou eventos delicados”. Entretanto, não há detalhes sobre vídeos humorísticos.

Com essa atualização nas normas, os vídeos poderão receber anúncios e monetizar normalmente como qualquer outro, desde que, claro, sigam essas regras impostas pela empresa e sua plataforma. Essas diretrizes, agora, dividem o conteúdo relacionado a drogas em três categorias de propaganda: aqueles em que os usuários que enviaram podem ativar anúncios; os que os anúncios devem ser desativados; e os que podem ser ativados dependendo da autorização da marca.

Essas mudanças já poderão ser vistas logo na primeira seção, onde os vídeos estarão separados entre as categorias citadas acima. A diferença, porém, é que as regras agora estão mais brandas e, mesmo que as peças mostrem o uso de drogas, o fim educativo poderá fazer com que esse vídeo seja monetizado ou possa receber uma propaganda.

Mesmo que o Youtube não tenha adicionado essas descrições em outras seções, os anunciantes saberão quais vídeos poderão receber anúncios. Entretanto, vídeos com drogas legalizadas ou em contexto cômico carecem de mais detalhes sobre essa adequação na regra.

Para mais detalhes, o Google fez uma postagem oficial sobre o tema que pode ser visitada em seu portal oficial.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/internet/youtube-muda-regras-de-monetizacao-para-videos-sobre-drogas-181854/

4

Abr

Mídias Sociais

WhatsApp no marketing digital amplia conversão

*Por Meio & Mensagem

Seja pela alta presença do aplicativo no dia a dia dos brasileiros, seja pela aceleração da transformação digital, seja pela necessidade de oferecer soluções mais rápidas e conectadas às necessidades dos clientes, o WhatsApp ganhou, ainda mais, destaque nas estratégias de marcas, em 2020. Responsável por aproximar marcas e clientes por meio de ferramentas que ajudam a automatizar, classificar e responder mensagens rapidamente, a versão Business está no Brasil desde 2018. Por meio do aplicativo, as empresas podem criar perfis profissionais, munidos de dados como endereço físico, descrição do negócio, endereço de e-mail e website, e interagir com seus clientes.

De acordo com a pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre mensageria móvel no Brasil, realizada entre 20 e 27 de janeiro de 2021 com mais de 2 mil entrevistados, o WhatsApp continua sendo um aplicativo, praticamente, onipresente nos smartphones nacionais. O aplicativo está presente 98% dos dispositivos móveis. “Se uma marca garante a presença no WhatsApp, para atendimento, venda ou engajamento, e oferece, ali, uma boa experiência para seu público, a empresa só tende a ganhar, porque faz isso onde os clientes já estão e como eles realmente querem se comunicar com as empresas, ou seja, da mesma forma como se comunicam com seus amigos”, diz Philemon Mattos, chief partnership officer da plataforma de chatbots Take Blip.

 

Segundo o estudo Panorama Mobile Time/Opinion Box, o WhatsApp está presente 98% dos dispositivos móveis (crédito: Ketut Subiyanto/Pexels)

O WhatsApp Business, entretanto, conta com duas versões. A API de negócios do aplicativo é uma solução para empresas de médio e grande porte, que, diferentemente do modelo gratuito, é um serviço pago. O aplicativo de assinatura pode ser usado por toda a equipe das marcas, em diversos dispositivos. Além disso, o WhatsApp Business API permite conexão a um CRM, é altamente personalizável e conta com a possibilidade de automação de chatbot.

Facilidade na comunicação
O WhatsApp é uma solução extremamente democrática, porque, diz Philemon, dispensa manual, uma vez que as pessoas já sabem usar o canal e não precisam aprender uma nova lógica para conversarem com as marcas, como pode acontecer com sites, aplicativos e outras formas de contato; não precisa de internet diferenciada, já que o aplicativo está incluso na maioria dos planos de celular do País; e não necessita de armazenamento extra no celular, porque grande parte das pessoa já tem o WhatsApp instalado.

Entretanto, o chief partnership officer da plataforma de chatbots Take Blip ressalta que a implementação e evolução de uma operação de atendimento, venda e engajamento no WhatsApp vai muito além de ter apenas o acesso a API do aplicativo. É essencial que as empresas contem com uma plataforma robusta para alcançar grandes resultados. “Isso ajuda a ter acesso correto e oficial à API do WhatsApp. É urgente que as empresas descartem soluções piratas ou que infringem as políticas do canal, senão, inevitavelmente terão sua operação no app descontinuada, gerando desgaste para sua marca e uma péssima experiência para os clientes, sem contar o desperdício de investimento numa solução que não é oficial”, diz.

A marca de moda Reserva, por sua vez, atua em duas frentes no aplicativo. A primeira é institucional, atendendo e retornando, rapidamente, às demandas de seus clientes, e, principalmente, proporcionando um atendimento mais humano. “No ano passado, evoluímos essa solução não apenas para o SAC, porém, também para as lojas físicas, de forma que o cliente pode clicar em um link e selecionar seu estado, cidade e loja em que deseja ser atendido via Whatsapp”, explica Ian Coutinho, coordenador de trade maketing e social selling da empresa.

A segunda frente de atuação no WhatsApp é direcionada ao time de vendas das lojas. No ano passado, com os espaços físicos fechados, a Reserva estimulou que todos os seus vendedores usassem a versão Business do aplicativo. “Isso por alguns motivos. Dentre eles, a autoridade e a segurança que é passada para o cliente ao ver que é uma conta comercial entrando em contato”, afirma Ian.

Em termos de ferramentas, os principais exemplos de funcionalidades que são úteis para a Reserva são: ​catálogo de produtos ​(cada vendedor pode ter o seu), possibilidade de fornecer respostas rápidas ​para perguntas frequentes, ​etiquetas ​para organização das conversas e o ​link curto, para utilizar cada vendedor utilizar em suas redes sociais, de forma que os consumidores podem clicar e já abrir uma conversa no Whatsapp.

Mais recentemente, em 2020, o WhatsApp lançou, globalmente, um recurso para as empresas que usam a plataforma para realizar estratégias de comunicação e efetivar negócios. Nas contas comerciais, um botão de compras substitui o ícone de chamadas de voz, dando acesso ao catálogo de produtos das companhias que desejam aderir ao recurso. No ano passado, o aplicativo inaugurou a função de pagamento dentro do próprio aplicativo. A iniciativa permite que os consumidores façam transferências, além de pagamentos de produtos e serviços, sem sair do WhatsApp.

A integração com estratégias de marketing digital
Para incluir, cada vez mais, o aplicativo nas estratégias de empresas, agências e anunciantes precisam compreender que o WhastApp vai além apenas de atendimento, marketing e vendas. “O canal, na verdade, pode ser um grande aliado do relacionamento, das ações de marca, da disponibilização de serviços úteis, como envio de boletos, porque oferece os recursos necessários para isso e ainda conta com a grande aderência do público”, diz Philemon.

Ademais, é essencial que as empresas priorizem a boa experiência do público, tendo atenção e analisando a fundo o que as pessoas realmente esperam do contato da sua marca no canal. Ademais, afirma o profissional da Take Blip, o WhatsApp auxilia na redução de fricção entre os processos de diversos departamentos da empresa, já que muitos podem ser feitos no próprio canal: “Por exemplo, o potencial cliente que está em contato com sua empresa no WhatsApp pode ser atendido pelo time de vendas na mesma conversa, sem ter que ir pra outro canal — o que gera maior conversão, ROI e etc”.

Entre os desafios para que as marcas adotem o aplicativo em suas estratégias, está a priorização e a entrega de uma boa experiência para o cliente. “É urgente que as empresas entendam que quem escolhe o canal é o cliente, e ele é que deve ditar o ritmo e a forma de se comunicar com elas”, afirma Philemon. Ademais, há a necessidade de autorização dos clientes para que as marcas estabeleçam comunicação via WhatsApp, bem como de que as empresas informem qual tipo de conteúdo as pessoas receberão no canal. “Essa é uma política do próprio aplicativo, para garantir ainda mais a boa experiência de comunicação entre marcas e pessoas”, diz.

Para Ian, da Reserva, o principal obstáculo é promover atendimento humano e pessoal: “Apesar de ser o maior diferencial do uso dessa ferramenta pelas empresas, é também uma linha tênue, pois se o contato for feito na hora errada, com o conteúdo errado e, principalmente, com uma frequência excessiva, pode gerar desgastes no relacionamento com cada cliente”. Outro desafio, diz, é o controle e o treinamento de quem, como e quando os times devem abordar o consumidor de maneira proativa e personalizada. “Não adianta ter apenas mensagens programáticas e automáticas, mas também não adianta depender somente da vontade e do bom senso de cada vendedor. Esse mix entre as duas frentes precisa ser estudado e planejado de acordo com a ótica da jornada do consumidor”, explica.

Fonte: Meio & Mensagem, disponível AQUI

4

Abr

Mídias Sociais

Facebook ganha opção para ver publicações do feed em ordem cronológica

Facebook liberou novas ferramentas para o feed de notícias. Entre as novidades estão a possibilidade de gerenciar quem pode comentar em suas publicações na rede social, e uma nova barra no feed de notícias que permite alterar a ordenação dos posts para os mais recentes. As novidades já estão disponíveis no app para Android, e devem chegar para usuários de iPhone (iOS) nas próximas semanas.

A nova barra no feed de notícias pode ser acessada ao deslizar a página inicial do app para cima. Com ela, é possível modificar a visualização dos posts do Facebook, e você pode alterar as abas para exibir as publicações na "Página Inicial", os posts dos seus amigos e páginas marcados como "Favoritos" ou os conteúdos mais "Recentes".

Facebook lança nova barra no feed de notícias que permite controlar a ordem das publicações na rede social — Foto: Divulgação/Facebook

Facebook lança nova barra no feed de notícias que permite controlar a ordem das publicações na rede social — Foto: Divulgação/Facebook

 

O recurso facilita a ordenação das publicações que podem ser vistas na rede social, já que permite controlar quais posts serão visualizados pelo usuário, e foge um pouco do feed com os algoritmos gerados pelo próprio Facebook.

A aba "Favoritos" permite adicionar até 30 páginas e contatos para priorizar essas publicações no feed, enquanto a aba "Recentes" mostra os posts publicados na rede social em ordem cronológica, exibindo os conteúdos mais recentes primeiro.

Agora é possível controlar quem pode interagir com você e comentar nas suas publicações do Facebook  — Foto: Divulgação/Facebook

Agora é possível controlar quem pode interagir com você e comentar nas suas publicações do Facebook — Foto: Divulgação/Facebook

Além disso, o Facebook também introduziu um novo recurso nos posts públicos que permite escolher quem pode interagir em suas publicações. No menu do post, que pode ser acessado ao tocar sobre as reticências no lado direito, é possível selecionar quem poderá comentar na publicação.

As opções variam entre "Todos", "Amigos" e "Perfis e páginas marcados". A ferramenta é útil principalmente para marcas e perfis famosos, já que limita a audiência da publicação para apenas possíveis perfis interessados em um determinado anúncio, por exemplo.

Fonte: Techtudo, disponível AQUI

1

Abr

Mídias Sociais

Google cancela brincadeiras de 1° de abril pelo segundo ano consecutivo

Google cancelou pelo segundo ano consecutivo as brincadeiras de 1º de abril. A companhia avaliou que, diante da pandemia, o momento ainda não é propício para pegadinhas.

O vice-presidente de marketing da empresa, Marvin Chow, enviou um e-mail para funcionários pedindo que as pegadinhas não acontecessem novamente neste ano, segundo o site "Business Insider". A mensagem foi confirmada ao G1 pela assessoria da empresa.

"Em 2020, nós tomamos a decisão de fazer uma pausa em nossa tradição de celebrar o 1º de abril no Google em respeito a todos que estão lutando contra a Covid-19. Com uma grande parte do mundo ainda enfrentando sérios desafios, vamos novamente pausar as brincadeiras de 1º de abril em 2021", disse o executivo.

Em outros anos, o Google já havia feito piadas como implementar um tradutor para animais na ferramenta de tradução ou "photobomb" com celebridades.

Em 2016 um botão que enviava um GIF de um Minion (do filme Meu Malvado Favorito) soltando um microfone foi incluído ao lado do botão "enviar" no Gmail.

A brincadeira causou confusão e gerou críticas de usuários que não perceberam a mudança— muita gente acabou enviando o GIF em conversas profissionais.

Fonte: G1, disponível em: https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2021/04/01/google-cancela-brincadeiras-de-1-de-abril-pelo-segundo-ano-consecutivo.ghtml

1

Abr

Mídias Sociais

Snapchat pode ter nova versão dos seus óculos de realidade aumentada em maio

A Snap, empresa-mãe do Snapchat, pode estar investindo em mais uma versão dos seus óculos de realidade aumentada chamados Spectacles. Segundo reportagem do site The Information, a companhia deve anunciar o novo produto em maio, com foco em desenvolvedores e produtores de conteúdo.

A ideia seria oferecer óculos que são capazes de replicar os filtros que existem no Snapchat. “Uma barba virtual, ou um arco-íris, por exemplo. Isso no mundo real”, informa o veículo, que disse ter conversado com pessoas próximas ao projeto. A novidade poderia oferece opções que “as versões passadas não podiam criar pela falta de telas”.

As fontes confirmaram o desenvolvimento do produto e que a empresa até mesmo já fazer um anúncio em maio, quando normalmente realiza sua conferência anual para desenvolvedores. O aparelho está em sua terceira versão com câmeras HD, que permitem o reconhecimento em profundidade. Como grava os conteúdos, pode ser usado por influenciadores na criação de postagens para a rede social.

A versão atual dos óculos Spectacles custa US$ 380, equivalente a R$ 2,2 mil.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/wearable/snapchat-pode-ter-nova-versao-dos-seus-oculos-realidade-aumentada-em-maio-181722/

31

Mar

Mídias Sociais

YouTube testa esconder número de dislikes nos vídeos da plataforma

O YouTube está testando uma novidade bastante curiosa — a plataforma pretende esconder o número de “dislikes” dos vídeos, impedindo que os internautas saibam quantas pessoas não estão gostando de determinado conteúdo. O principal objetivo seria mitigar a ação de campanhas coordenadas de ódio, visto que é cada vez mais comum vermos grupos organizados utilizando tal botão de maneira abusiva simplesmente para reduzir a reputação de determinado clipe (geralmente por motivos políticos e/ou culturais).

A novidade foi noticiada pelo 9to5Google, que confirmou com o Gigante das Buscas que, de fato, tal teste está sendo efetuado; a companhia ressalta, porém, que os criadores de conteúdo continuarão enxergando tais estatísticas normalmente no Studio, tendo uma noção sincera do feedback de seus espectadores; ao internauta, porém, será exibido simplesmente o botão “Dislike”, mas sem uma contagem específica de quantas pessoas “descurtiram” aquele clipe.

“Para os espectadores, se você estiver no experimento, ainda pode gostar ou não gostar de um vídeo para compartilhar seu feedback com os criadores e ajudar a ajustar as recomendações que você vê no YouTube”, teria comentado a empresa com o veículo em questão, adicionando ainda que o teste foi criado “em resposta aos feedbacks dos criadores a respeito de bem-estar e campanhas direcionadas de dislikes”. Porém, não sabemos exatamente quantas pessoas (e em quais países) participam de tal teste.

Vale lembrar que esta não é a primeira vez que a plataforma realiza ações destinadas a melhorar o bem-estar dos criadores de conteúdo — em agosto de 2019, o YouTube também passou a omitir a quantidade completa de inscritos em determinado canal. Na época, a marca afirmou que esperava que “isso ajude todos os criadores a se concentrarem em contar suas histórias e vídeos e tenham menos pressão com relação aos números”, não se preocupando tanto com estatísticas.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/internet/youtube-testa-esconder-numero-de-dislikes-nos-videos-da-plataforma-181714/

31

Mar

Mídias Sociais

Google Meet estende chamadas gratuitas e sem limitação até junho de 2021

O Google anunciou que vai prorrogar a isenção de pagamento para realização de chamadas mais longas no Google Meet até junho de 2021. A ideia original era restringir o uso da ferramenta para reuniões de até 60 minutos, mas a empresa desistiu dessa imposição para ajudar as pessoas durante o isolamento social.

Em março do ano passado, o Google disse que os recursos premium do Hangouts, que depois virou o Meet, seriam gratuitos para todos os clientes do G Suite durante a pandemia da COVID-19. Dentre as vantagens estão a realização de reuniões com até 250 pessoas, streaming de vídeo e salvamento de gravações de chamadas no Drive.

Quando o Meet tornou-se gratuito para usuários domésticos e foi integrado ao Gmail, a Gigante das Buscas afirmou que não iria impor a limitação até 30 de setembro, prazo que agora foi estendido. Além das funcionalidades já citadas, também será possível usar recursos como o desfoque de fundo, o layout mosaico com até 50 pessoas na tela simultaneamente, a transmissão de conferências pelo Chromecast e a integração com o cliente de e-mails na web e nos apps oficiais.

Meets continua com recursos ilimitados

Com esse anúncio, não haverá interrupção na forma como os consumidores fazem videochamadas com os produtos do Google. A prorrogação também atende aos anseios de professores e alunos de países como os Estados Unidos, que encerram as aulas na metade do ano para aproveitar as férias de verão.

O início da pandemia da COVID-19 obrigou o Google a aprimorar rapidamente seu software de realização de videoconferências para suportar as demandas, em especial do ambiente corporativo. Na época, a empresa anunciou que o Google Meet seria gratuito para contas pessoais do Gmail, inclusive para reuniões com maior duração. Foi a forma que a empresa encontrou de contribuir para aproximar pessoas em um momento tão delicado.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/google-meet-estende-chamadas-gratuitas-e-sem-limitacao-ate-junho-de-2021-181700/