Mídias Sociais

23

Out

Mídias Sociais

WhatsApp quer permitir vendas direto no aplicativo em 2021

O WhatsApp vai permitir que comerciantes vendam seus produtos diretamente pelo mensageiro. O serviço ainda está em fase de testes e, de acordo com a previsão oficial, deve ser lançado em 2021.

A empresa também afirmou que, no primeiro momento, somente pequenos negócios terão acesso à novidade. Com a implementação desse serviço, as lojas mostrarão seus catálogos para o cliente, que poderá escolher o produto e pagar através do próprio WhatsApp.

Desde abril, quando empresas de todo o mundo começaram a adotar o home office, o aplicativo registrou um aumento significativo na atividade dos usuários. Segundo o diretor de operações do WhatsApp, Matthew Idema, chamadas de vídeo e voz também tiveram maior adesão do público.

a

Foi justamente esse intenso uso do WhatsApp durante a pandemia que motivou o serviço de compras dentro do app. "A maioria das pessoas prefere resolver tudo por mensagens e isso faz sentido, já que com o trabalho remoto, ninguém quer mais esperar a resposta de um e-mail ou fazer um contato na linha telefônica", afirmou o diretor.

Para que o serviço de compras funcione, será preciso integrá-lo ao sistema de pagamentos WhatsApp Pay. No Brasil, a ferramenta foi anunciada em junho e ainda está em fase de testes. A expectativa da empresa é que, após essa fase, o Banco Central aprove a iniciativa.

Apesar de ser promissora, a novidade pode ter algumas limitações. Segundo informações divulgadas pelas empresas Mastercard e Visa, até o momento, apenas um grupo limitado de cartões poderá fazer transações de baixo valor usando o WhatsApp Pay.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/mercado/205653-whatsapp-quer-permitir-vendas-direto-aplicativo-2021.htm

23

Out

Mídias Sociais

Google Shopping terá função para rastrear e comparar preços

A um mês da Black Friday, o Google está adicionando uma nova ferramenta à aba Shopping do buscador, por enquanto somente para usuários dos Estados Unidos. Lá, agora é possível escolher um leque de preço para um produto e ser avisado pela companhia quando aparecer uma promoção que se enquadre no seu bolso.

A empresa repaginou o espaço de compras do seu buscador, adicionando preços com melhores ofertas, além de um comparador entres as principais lojas. Ainda, quando se procura por um determinado produto, a companhia agora oferece um sistema que mostra variação do preço do item.

A proposta é ajudar quem não têm aquela noção de custo de um produto a saber se está pagando um valor justo pela compra. Também é possível se inscrever para receber notificações sobre um produto quanto o preço tiver uma queda alta. Em comunicado oficial, o Google disse que o mecanismo está disponível apenas para usuários nos Estados Unidos, sem estimativa para chegar ao resto do mundo.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/e-commerce/google-shopping-tera-funcao-para-rastrear-e-comparar-precos-173462/

22

Out

Mídias Sociais

Facebook testa rede social de comunidades pequenas para você se aproximar dos vizinhos

Facebook está com um novo projeto para expandir seu domínio sobre as redes sociais. A empresa confirmou estar trabalhando em um projeto que encoraja os usuários a compartilharem conteúdo com as pessoas mais próximas. Em vez de discutir a pandemia do novo coronavírus ou o jogo do seu time favorito, você será incentivado a falar sobre os acontecimentos da sua vizinhança.

Para isso, o Facebook permitirá que você crie perfis especiais que podem compartilhar informação limitada aos seus vizinhos. A empresa, claro, utilizará o projeto para coletar dados e disparar propagandas mais segmentadas e relevantes para os usuários. O curioso é que algo parecido já ocorre em grupos fechados do próprio Facebook. Não é raro encontrar, por exemplo, grupos dedicados às notícias e fofocas dos moradores de determinado bairro.

A novidade se chama Neighborhoods (ou “Vizinhanças”, em português), e está sendo testada unicamente em Calgary, no Canadá. Caso o experimento seja bem sucedido, é bem provável que a empresa de Mark Zuckerberg expanda para toda a América do Norte e, depois, para o mundo. No Twitter, alguns usuários de Calgary já começaram a postar capturas de tela mostrando como funciona o Neighborhoods.

Outrora a principal rede social do mundo, o Facebook aos poucos perdeu espaço para dois segmentos diferentes: o das redes focadas em conteúdo audiovisual – Instagram e TikTok – e o das mensagens privadas – WhatsApp Telegram. Muitos especialistas acreditam que as interações privadas sejam o futuro das redes sociais, o que justifica, então, o Facebook ter comprado, além de o Instagram, o WhatsApp.

Com o Neighborhood, o Facebook tenta encontrar um meio-termo entre sua plataforma principal e as mensagens diretas, substituindo as postagens abertas para milhares ou milhões de pessoas por conteúdos mais nichados e pessoais. Vale lembrar, porém, que o que o Facebook tenta com o Neighborhood é bastante semelhante ao que o NextDoor já oferece.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/133664/facebook-testa-rede-social-de-comunidades-pequenas-para-voce-se-aproximar-dos-vizinhos/

20

Out

Mídias Sociais

WhatsApp Web começa a testar chamadas de voz e vídeo pelo computador

As chamadas serão realizadas a partir de ícones e podem ser feitas individualmente ou em grupos. Ainda não se sabe a quantidade máxima de pessoas que serão suportadas, mas o mensageiro nos últimos meses ampliou o tamanho de salas para competir com outros serviços de videochamada que se popularizaram durante a pandemia da covid-19.

O site WABetaInfo trouxe duas imagens que mostram o funcionamento do recurso em um Mac. Quando você recebe uma chamada, uma janela pop-up surge na tela com a indicação da ligação, dando a você a possibilidade de aceitar ou recusar a chamada.

Uma chamada recebida no mensageiro web.

Se você é o responsável por fazer a ligação, o ícone é mais discreto, como mostra a imagem abaixo.

Uma chamada sendo realizada no WhatsApp Web.

Quando? Ainda segundo o WABetaInfo, pistas sobre a novidade estão presentes parcialmente na versão 2.2043.7 do WhatsApp Web, embora as chamadas ainda não funcionem e poucos usuários tenham recebido os botões. O recurso ainda está em fase Beta e deve ser liberado "nas próximas semanas", mas sem uma previsão mais precisa para o lançamento.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/205480-whatsapp-web-comeca-testar-chamadas-voz-video-computador.htm

20

Out

Mídias Sociais

TSE e Instagram lançam Guia de Segurança para Mulheres na Política com a presença de Camila Pitanga

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, mediará nesta terça-feira (20), às 17h30, uma conversa sobre a importância da participação das mulheres em espaços de poder. O evento virtual, promovido por meio de parceria entre o TSE e o Instagram, terá a participação da atriz Camila Pitanga, embaixadora da ONU Mulheres e protagonista da campanha do tribunal sobre mulheres na política.

O debate contará ainda com as presenças de Natalia Paiva, Head de Políticas Públicas do Instagram para a América Latina, e Ana Carolina Lourenço, do Movimento Mulheres Negras Decidem. O objetivo é despertar maior interesse e engajamento do público feminino na vida política.

Na ocasião, será lançado o Guia de Segurança do Instagram para Mulheres na Política e a campanha do TSE com Camila Pitanga, que estreia até o fim do mês. O evento conta com o apoio da Comissão TSE Mulheres, formado por servidoras do tribunal para acompanhamento das ações sobre a participação feminina na Justiça Eleitora e que coordena o site Participa Mulher.

O Brasil ocupa atualmente o 140º lugar no ranking de representação feminina em cargos públicos eletivos - a classificação abrange uma lista de 193 países. Em média, nesses países, cerca de 25% dos cargos públicos são ocupados por mulheres. No Brasil, esse índice se aproximou de 10% nas últimas eleições. 

O país é destaque negativo também na América Latina: segundo estudo conduzido pelo PNUD e pela ONU Mulheres, o país está em 9º lugar entre 11 na região. Entre os problemas identificados, está a violência política de gênero: diferentemente de outros países, ainda não temos uma legislação específica sobre esta forma de violência que, segundo a Câmara dos Deputados "pode ser caracterizada como todo e qualquer ato com o objetivo de excluir a mulher do espaço político, impedir ou restringir seu acesso ou induzi-la a tomar decisões contrárias à sua vontade".

Guia de Segurança

Para ajudar a reverter esse quadro, o Instagram preparou o Guia de Segurança do Instagram para Mulheres na Política. O documento orienta mulheres que decidiram se candidatar ou que já ocupam um cargo eletivo a se protegerem de comportamentos de ódio e preconceito nas redes sociais. Cerca de 70% das mulheres indicam o assédio online como um grande problema; no caso dos homens, esse índice é de 54%.

Entre as dicas compartilhadas no Guia estão como restringir interações indesejadas, denunciar eventuais violações às políticas da plataforma, aplicar filtro de comentários no perfil e como agir diante de comentários abusivos. O Guia também traz noções de segurança online para prevenir ataques de hackers. A intenção é compartilhar as principais ferramentas que podem ser aliadas das mulheres na comunicação segura com seu eleitor.

O combate à desinformação também é abordado. Ele indica como acessar informações de determinada conta no Instagram, como quando a conta foi criada, e verificar a sua atividade; por exemplo, as publicações ou anúncios que impulsionou. Também orienta as usuárias a identificar e a denunciar as publicações contendo desinformação que estiverem circulando na rede.

O Guia de Segurança do Instagram para Mulheres na Política estará disponível para download a partir do dia 20 de outubro nas páginas do programa Participa Mulher e da Central do Candidato Eleições Municipais 2020 – Brasil, no Facebook.

Para denúncias de violência contra a mulher, procure a Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180).

19

Out

Mídias Sociais

Europa investiga Instagram por uso indevido de dados de crianças

O Instagram virou alvo de investigação na União Europeia. De acordo com a BBC, a rede social de imagens e vídeos estaria tendo um comportamento inadequado quanto aos dados de perfis de crianças. A empresa estaria oferecendo contas corporativas para pessoas a partir dos 13 anos, o que acabaria expondo seus e-mails e telefones.

A Comissão de Proteção de Dados da Irlanda (DPC na sigla em inglês) iniciou a investigação para ver se o Facebook, dono do Instagram, tem o direito legal de utilizar os dados pessoais de crianças. A entidade também está verificando se a companhia usou proteção e restrições suficientes no site para menores. Vale lembrar que sempre que você cria uma conta corporativa, esses dados se tornam públicos.

“O Instagram é uma plataforma de mídia social amplamente usada por crianças na Irlanda e em toda a Europa. O DPC tem monitorado ativamente as reclamações recebidas de indivíduos nesta área e identificou potenciais preocupações em relação ao processamento de dados pessoais das crianças no Instagram que requerem uma análise mais aprofundada", disse Graham Doyle, vice-comissário do DPC.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/europa-investiga-instagram-por-uso-indevido-de-dados-de-criancas-173218/

19

Out

Mídias Sociais

Facebook apagou mais de 2 milhões de anúncios com manipulação política

O Facebook revelou neste final de semana alguns números relacionados à luta contra fake news durante as eleições americanas, falando na remoção de mais de 2,2 milhões de anúncios da rede social e do Instagram. Além disso, 150 milhões de publicações tiveram seus alcances reduzidos ou receberam alertas sobre a veracidade de suas informações ao longo dos últimos meses, em outra das maneiras encontradas pela companhia para minimizar o impacto da manipulação política e da disseminação de mentiras com esse intuito.

No caso mais grave citado por Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais e comunicações do Facebook, 120 mil publicações foram apagadas por conterem informações voltadas à “obstrução de votação”. São postagens que falavam sobre os perigos do coronavírus para quem iria às urnas ou que passavam informações erradas sobre procedimentos com cédulas e cadastros, todos os esforços voltados a invalidar votos ou os registros dos eleitores americanos.

De acordo com o executivo, 35 mil funcionários do Facebook são, atualmente, responsáveis pela segurança e confiabilidade das plataformas da companhia durante o período eleitoral. Além disso, Clegg cita parcerias com 70 instituições da sociedade civil, entre agências de checagem, sites de notícias e mídias especializadas, em diferentes países, para agilizar a verificação de informações e o posicionamento de alertas caso alguma tentativa de desinformação seja identificada. Isso sem falar nos sistemas de inteligência artificial, que de acordo com ele, seria o responsável por apagar “bilhões” de publicações, grupos, páginas e contas antes mesmo de elas agirem ou serem denunciadas por um usuário humano.

Além disso, como forma de garantir a transparência durante o período e auxiliar possíveis inquéritos que surjam depois, o executivo disse que o Facebook vai armazenar as informações sobre anúncios e seus responsáveis por sete anos a partir da data de publicação. Todas as iniciativas, claro, vêm da necessidade de tomar atitudes após as graves denúncias de que as redes sociais da empresa foram acessório de manipulação política durante as eleições presidenciais americanas de 2016 e, também, na votação do BRExit, que optou pela saída do Reino Unido da União Europeia, no mesmo ano.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/facebook-apagou-mais-de-2-milhoes-de-anuncios-com-manipulacao-politica-173210/ 

16

Out

Mídias Sociais

Clonagem de WhatsApp dispara no Brasil e já são mais de 15 mil vítimas por dia

O golpe de clonagem de WhatsApp está em alta no Brasil, segundo o mais novo levantamento do dfndr lab, o laboratório de ameaças digitais gerenciado pela empresa nacional PSafe. Segundo o estudo, cerca de 473 mil brasileiros foram vítimas desse tipo de ameaça ao longo de setembro, o que simboliza um crescimento de 25% em comparação com agosto; o montante equivale a mais ou menos 15 mil cidadãos lesados por dia.

“A clonagem de WhatsApp é um golpe que começa com a engenharia social, um método de ataque em que uma pessoa mal-intencionada faz uso da manipulação psicológica para induzir alguém a realizar ações específicas, como compartilhar informações pessoais, baixar aplicativos falsos ou abrir links maliciosos”, explica Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

Neste caso, geralmente, o golpista aciona a vítima por telefone e lhe pede que informe um código recebido via SMS, geralmente dizendo que tal sequência numérica é a senha de confirmação para um cadastro, uma falsa pesquisa ou qualquer outro mote que for possível. Trata-se, porém, do código de verificação do WhatsApp; de posse dele, o meliante é capaz de roubar o perfil do internauta no mensageiro.

“Ao acessar o app de mensagens, o golpista inicia conversas com os contatos da vítima e, de posse dos dados pessoais do dono da conta, utiliza mais uma vez da engenharia social para convencer essas pessoas a prestar favores, visando ganho financeiro”, destaca Simoni. Na maioria das vezes, o criminoso cibernético aborda familiares e amigos para pedir “empréstimos” emergenciais que, naturalmente, jamais serão devolvidos.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/seguranca/clonagem-de-whatsapp-dispara-no-brasil-e-ja-sao-mais-de-15-mil-vitimas-por-dia-173123/

16

Out

Mídias Sociais

França vai taxar Facebook, Google e Amazon a partir de dezembro

A partir de dezembro, Facebook, Google, Amazon e outros gigantes de tecnologia pagarão impostos digitais em território francês, anunciou nesta quarta-feira (14) o ministro das finanças, Bruno Le Maire. A União Europeia há muito discute a atualização das regras fiscais internacionais mas, com a pandemia, as negociações ficaram para o ano que vem. A França, porém, resolveu não esperar.

“Ou se aceita a prorrogação por meses, talvez anos, ou se considera que impostos justos sobre atividades digitais são urgentes e, neste caso, a Europa dá o exemplo”, disse Le Maire à agência Reuters.

A iniciativa francesa já era esperada; ano passado, o governo criou uma taxa de 3% sobre a receita de serviços digitais fornecidos pela chamada Big Tech com mais de € 25 milhões (US$ 27,7 milhões) de receita na França e €750 milhões (US$ 832 milhões) anuais no mundo.

À época, os países da União Europeia se comprometeram a lançar uma proposta única a ser discutida em assembleia na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a fim de atualizar as regras fiscais transfronteiriças para o mundo digital. Por conta disso, a França decidiu suspender a aplicação da nova taxa.

Fonte: TecMundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/mercado/205289-franca-taxar-facebook-google-amazon-partir-dezembro.htm

15

Out

Mídias Sociais

Zoom vai permitir que assinantes cobrem entrada para eventos online

Zoom anunciou uma nova funcionalidade que pode abrir um novo mercado para sua plataforma. Agora, usuários pagos poderão cobrar ingressos para que outras pessoas entrem em uma conferência. O recurso pode acabar tornando o Zoom um espaço para os mais variados eventos, desde conferências online até cursos de diversas disciplinas.

Outra novidade importante é que o Zoom permitirá que outros aplicativos de produtividade como Slack e Dropbox, sejam integrados às reuniões. Tudo acontecerá na nova plataforma do Zoom, o OnZoom, que foi projetada especificamente para eventos online. Os pagamentos poderão ser feitos graças a uma integração da plataforma com o PayPal, a principal plataforma de pagamentos do mundo.

Segundo o Business Insider, inicialmente o OnZoom estará disponível apenas nos Estados Unidos, mas a ideia é expandir para todo o mundo em 2021. Não há nenhum pagamento adicional para os clientes pagos do Zoom que queiram utilizar as novas ferramentas. É provável, porém, que a partir do próximo ano, o Zoom fique com uma porcentagem dos lucros dos eventos online que sediar.

Diante da pandemia do novo coronavírus, o Zoom teve um crescimento espantoso e se tornou a principal plataforma de videoconferências da internet. Agora, a empresa trabalha para incrementar seus recursos e oferecer uma maior variedade de serviços, a fim de se manter no topo e relevante, mesmo após a volta à normalidade. O sucesso desses esforços, porém, ainda é imprevisível, já que dependerá da adesão dos usuários.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/133274/zoom-vai-permitir-que-assinantes-cobrem-entrada-para-eventos-online/

14

Out

Mídias Sociais

Facebook anuncia banimento de propagandas antivacina

Após anos com conteúdo negacionista e antivacina circulando em suas plataformas, o Facebook Group finalmente começou a banir propagandas antivacina em suas plataformas. Por muito tempo, o debate foi negligenciado pela empresa de Mark Zuckerberg, que escolhia focar em outros assuntos relacionados às fake news publicadas na plataforma. Entretanto, diante da pandemia do novo coronavírus, o conteúdo antivacina teve um crescimento e obrigou a companhia a se posicionar.

“A pandemia da COVID-19 destacou a importância da prevenção e dos comportamentos saudáveis. Enquanto os experts da saúde pública concordam que não teremos uma vacina aprovada e de alcance mundial para a COVID-19 por algum tempo, há atitudes que podemos tomar para ajudar as pessoas a cuidar de sua saúde e segurança”, diz a introdução do texto de Kang Xing Jin, chefe de iniciativas de saúde do Facebook que promete incentivar quaisquer páginas e organizações que compartilhem conteúdo relevante e científico sobre saúde e, principalmente, o coronavírus.

Segundo o The New York Times, a empresa também está vasculhando a plataforma para encontrar e remover quaisquer conteúdos que promovam teorias conspiratórias antivacina. “Nosso objetivo é ajudar mensagens sobre segurança e eficácia de vacina a chegarem às pessoas, além de proibir propagandas que espalhem desinformação que possa causar mal à saúde pública”, completou Xing Jin no post no blog da empresa.

Em fevereiro, quando a pandemia começou a se tornar global, o Facebook já havia tomado medidas interessantes. A empresa, por exemplo, começou a banir propagandas com desinformação relacionada ao coronavírus. No mês seguinte, passou a oferecer anúncios gratuitos para organizações que informem corretamente sobre a COVID-19.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/133237/facebook-anuncia-banimento-de-propagandas-antivacina/

14

Out

Mídias Sociais

Facebook Messenger ganha nova interface

Depois de mudar sua própria interface, o Facebook deu uma repaginada também no Messenger, seu aplicativo de mensagens instantâneas. As mudanças abrangem desde o logotipo (agora com uma paleta vibrante) até uma nova cor padrão, além de um pacote de novidades.

Segundo a empresa publicou em seu blog, “estamos lançando novos temas de chat, como "amor” e “tie-dye”, e reações personalizadas”. Outras novidades serão divulgadas ao longo deste e do próximo ano, como stickers de selfie e o modo de desaparecimento (as mensagens somem quando você sai do chat ou depois de serem visualizadas). Um dos recursos mais esperados deve ser o suporte a efeitos de realidade aumentada de terceiros, a ser liberado a partir de 2021.

“O novo visual reflete uma mudança para o futuro das mensagens – uma maneira mais dinâmica, divertida e integrada de sair com suas pessoas favoritas, em seus aplicativos e dispositivos favoritos”, disse a empresa.

Unificação de contatos

“O Messenger também estará, em breve, no Oculus [o headsets de realidade virtual do facebook] para que você possa estar com suas pessoas favoritas onde quer que esteja”, escreveu o vice-presidente do Messenger, Stan Chudnovsky, em comunicado.

Um dos recursos que devem estar disponíveis em breve é a possibilidade de usuários do Instagram mandarem mensagens para seus contados no Facebook, além de stickers personalizados, via selfies.

Alguns recursos chegarão primeiro para usuários da plataforma na América do Norte, como a comunicação dos chats entre aplicativos para usuários do Instagram. Com a novidade, através do Messenger usuários do Facebook poderão entrar em contato com seus contatos no Instagram (e vice-versa), mesmo que ambos tenham contas apenas em uma das duas redes sociais.

A atualização não vai unir as contas do usuário em uma só, apenas permitirá que os dois aplicativos usem a mesma lista de contatos – ainda será possível enviar e receber mensagens separadamente, nas duas plataformas digitais. A atualização vai permitir também encaminhar mensagens, adicionar reações e ativar o recurso para programar o apagamento das conversas automaticamente.

Fonte: TecMundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/205165-facebook-messenger-ganha-nova-interface.htm

13

Out

Mídias Sociais

Google quer tornar o YouTube um hub de e-commerce

Todos os brinquedos, gadget e produtos que você aparecem no YouTube podem estar à venda em breve via online — não na Amazon, mas no próprio YouTube. Recentemente, o maior site de vídeo do mundo começou a pedir aos criadores que usassem software do YouTube para marcar e rastrear produtos apresentados em seus clipes. Os dados serão então vinculados a ferramentas de análise e compras do Google.

O objetivo é converter a grande quantidade de vídeos do YouTube em um vasto catálogo de itens que os espectadores podem usar, clicar e comprar diretamente, de acordo com pessoas familiarizadas com a situação. A empresa também está testando uma nova integração com o Shopify para venda de itens através do YouTube.

Um porta-voz do YouTube confirmou que a empresa está testando esses recursos com um número limitado de canais de vídeos. Os criadores terão controle sobre os produtos que são exibidos, disse o porta-voz. A empresa descreveu isso como um experimento e se recusou a compartilhar mais detalhes.

Os movimentos têm o potencial de transformar o YouTube de uma gigante da publicidade em um novo concorrente para líderes de comércio eletrônico, como Amazon e Alibaba.

“O YouTube é um dos ativos menos utilizados”, disse Andy Ellwood, presidente da startup de comércio eletrônico Basket. “Se eles decidiram que querem investir nele, é uma grande oportunidade para eles”.

Não está claro como o YouTube vai gerar receita com essas vendas. No entanto, o serviço começou a oferecer assinaturas para criadores e uma parte dessa receita (30%) vai para o YouTube.

O Google teve pouco sucesso em suas experiências com comércio online. A empresa preferiu vender anúncios que levam o usuário para outras lojas digitais, em vez de vender produtos diretamente.

Fonte: Portal Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2020/10/09/google-quer-tornar-o-youtube-um-hub-de-e-commerce.html

8

Out

Mídias Sociais

YouTube anuncia novos conteúdos originais focados em amplificar vozes negras

O YouTube anunciou ontem (07), uma lista global de projetos originais dedicados a amplificar as vozes negras, dando continuidade ao compromisso da plataforma de celebrar um amplo e diversificado conjunto de perspectivas. Os novos projetos foram viabilizados por um fundo de US$ 100 milhões anunciado em junho pela CEO da plataforma, Susan Wojcicki. Batizado de “Fundo Vozes Negras do YouTube”, o projeto vai trazer produções como uma série de documentários da ativista Patrisse Cullors, co-fundadora do movimento Black Lives Matter.

“Raça nunca foi um problema simples, especialmente no Brasil, e os eventos ao longo dos últimos meses abriram portas de diálogo e ação”, diz Bibiana Leite, Diretora de Desenvolvimento de Parcerias de Conteúdo do YouTube e líder do programa #YouTubeBlack no Brasil.

“Em todo o YouTube, temos uma tremenda oportunidade e responsabilidade de contribuir com essas conversas sobre justiça racial de uma forma significativa. Por meio do fundo e de outras iniciativas, continuamos o importante trabalho de amplificar as vozes negras, tornando o YouTube um lugar melhor para criadores negros, educando as pessoas sobre diversidade e centrando os negros como protagonistas de suas próprias histórias”.

O “Fundo Vozes Negras do YouTube” será dedicado a amplificar e desenvolver as vozes de criadores e artistas negros e suas histórias. Nos próximos 3 anos, esse fundo global será usado para adquirir e produzir programação do YouTube Originals e apoiar diretamente criadores e artistas negros, inclusive no Brasil, para ajudá-los a prosperar na plataforma.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/133006/youtube-anuncia-novos-conteudos-originais-focados-em-amplificar-vozes-negras/

7

Out

Mídias Sociais

Aba do Google Shopping permitirá exibição gratuita de produtos

Além de apresentar as tendências para a Black Friday 2020, o Google anunciou nesta terça-feira que permitirá a listagem gratuita de produtos na aba do Google Shopping aqui no Brasil. A funcionalidade estará disponível a partir da segunda quinzena de outubro.

Na prática, isso significa que quando um consumidor procurar um produto específico, como uma peça de roupa, os resultados da busca exibidos na aba Google Shopping serão, em sua maioria, listagens gratuitas. A novidade vai ajudar e-commerces a se conectarem com possíveis compradores, sem que faça diferença se ele anunciar ou não no Google.

Até agora, se um e-commerce quisesse mostrar seus produtos na aba do Google Shopping, era preciso fazer o upload das informações por meio da plataforma do Merchant Center e depois veicular as campanhas publicitárias pelo Google Ads.

Com a mudança, varejistas brasileiros poderão usar as listagens não pagas da aba do Google Shopping através do Merchant Center para se conectar com os usuários que usam a plataforma para encontrar produtos. O processo será totalmente sem custos, independente dos e-commerces terem ou não campanhas de Google Ads.

Para as empresas que já usam o Merchant Center, nenhum esforço adicional será necessário. As listagens não pagas serão um complemento para aumentar o alcance de suas campanhas publicitárias. A central de ajuda do Google traz mais detalhes sobre como participar da listagem de produtos não paga.

Como funciona a aba do Google Shopping

A aba do Google Shopping é uma das seções que aparecem na barra superior do mecanismo de busca da empresa. Ela também pode ser acessada diretamente pelo site de mesmo nome. Nela, a listagem de produtos traz informações como preço, imagem, disponibilidade, entre outros dados.

Para os consumidores que acessam a aba do Google Shopping, a mudança aumentará a variedade de produtos e lojas ao pesquisarem por um produto. A ideia, segundo a companhia, é que o usuário consiga achar o que procura com mais rapidez, bem como comparar as opções disponíveis nos e-commerces que usam a plataforma.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/e-commerce/aba-do-google-shopping-permitira-exibicao-gratuita-de-produtos-172625/