Mercado

15

Jan

Mercado

Mais de 20 mil novos negócios foram criados no RN em plena pandemia

Muitos pensadores costumam afirmar que, durante uma crise, aparecem infinitas possibilidades e problemas que precisam de soluções. O ano de 2020 obrigou essa máxima se tornar verdadeira para muitos empreendedores do Rio Grande do Norte. Durante um dos anos mais complicados da história moderna recente, os potiguares responderam ao cenário global de retração e temor empreendendo. O estado registrou um acréscimo de 20.688 novas empresas abertas somente na categoria de Microempreendedor Individual (MEI), mesmo em plena pandemia.

Os dados são da Receita Federal e comprovam que esse volume de novos negócios criados supera em mais de 17% o mesmo quantitativo de empresas abertas até dezembro de 2019, quando não foi verificado nenhum fenômeno atípico no mercado ou na economia, passando de 120,7 mil para 141,4 mil empresas registradas na categoria jurídica do MEI de um ano para o outro. Ao longo de 2019, as formalizações no Rio Grande do Norte totalizaram 19,4 mil negócios.

O gerente do Escritório Metropolitano do Sebrae no Rio Grande do Norte, Thales Medeiros, explica o que está por trás desses números. “As pesquisas GEM (Global Entrepreneurship Monitor) sempre indicaram que os dois maiores sonhos dos brasileiros eram ter uma casa própria e o próprio negócio. Oscilava a cada ano o que aparecia em primeiro lugar, no entanto, sempre eram esses dois os maiores sonhos”, lembra.

Mas, na visão do gerente do Sebrae-RN, a questão se tornou mais urgente quando começou a onda de desemprego, que ameaçou a renda das famílias. “Sempre que há perda de postos de trabalho, há um movimento natural de as pessoas empreenderem por necessidade para compensar essa perda do emprego”. Segundo Thales, o ambiente para a formalização está mais propício. “Em menos de uma hora, é possível abrir uma empresa como MEI e ter seu CNPJ sem muita burocracia. Isso favorece muito a formalização”, informa.

Thales Medeiros reconhece, porém, que houve muitos empreendedores potiguares que viram oportunidades na crise e conseguiram entregar soluções para questões impostas pela pandemia, desde o sistema de entrega às lojas virtuais. “Muitos empreendedores que já tinham negócios tiveram de se adaptar e outros abriram um, justamente para atender as demandas causadas pelo isolamento social”, lembra.

Mas a recomendação para os dois tipos de público é a mesma: planejamento. É preciso organizar a empresa, as finanças, estabelecendo metas e focando no público alvo. “O início do ano é uma época propícia para elaborar um plano de negócio e o Sebrae tem as ferramentas e pessoas que podem ajudar. Assim, o empreendedor consegue deixar o negócio mais competitivo e pronto para os desafios do mercado”, conclui o analista técnico do Sebrae.

13

Jan

Mercado

Universidade americana realiza lives com conteúdo voltado para brasileiros

Quando se fala do universo dos artistas com o fechamento dos teatros, restaurantes com música ao vivo, e a impossibilidade de aglomerações em shows, fica evidente a demanda por inovação e por novos caminhos. Mas mesmo com a impossibilidade de produzir eventos, existem profissionais que estão conseguindo prosperar nesse novo contexto.

Com o propósito de compartilhar ideias e possibilidades, o artista e graduado da Full Sail University, César Munhoz, inicia em janeiro uma live semanal com muito conteúdo sobre como o mercado está superando essas dificuldades e se reinventando. O ex aluno do curso de Enterteniment Business, é  produtor premiado de trilha sonora para cinema, moda e criador do projeto MITOMANO®, que mistura música, vídeo e arte performática.

Ele trará exemplos de novos formatos que estão sendo descobertos por artistas do mundo das artes cênicas, musicais e do entretenimento em geral, sempre sob a ótica do artista e do empreendedor independente que precisa de dicas para monetizar o próprio trabalho. As lives acontecerão sempre às quartas-feiras, das 19:00 às 19:30, pelos canais do Facebook e Instagram da Full Sail University e ficarão disponíveis também em sua versão gravada, dentro desses próprios canais.

“Nosso mundo digital traz muitos desafios, mas também traz muitas oportunidades e lives como essas podem fazer a diferença no futuro de empreendedores, performers e artistas”, comenta o Munhoz.

Já para Community Outreach Director da Full Sail University, Carol Olival, é através da colaboração, da troca de experiências e de ideias que a inovação acontece. “Conectando-se ao vivo com ex alunos e profissionais que atuam no mercado, é possível ganhar repertório, além de contribuir com perguntas, sugestões, comentários, e passar a fazer parte dessa corrente de reinvenção do mercado do entretenimento”. Finaliza.

A Full Sail University é uma universidade americana com mais de 40 anos de experiência em formar profissionais para as indústrias de cinema, música, game, tecnologia e mídia. Com um campus localizado em Orlando, Florida, USA, e recheado de equipamentos e parcerias com os maiores players do entretenimento, já passaram pela Full Sail mais de  75.000 graduados, entre eles vários premiados com Oscars®, Grammy® e tantas outras premiações de relevância internacional. 

12

Jan

Mercado

Prazo de adesão ao Simples Nacional via internet vai até o próximo dia 29


As microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP) que desejam optar pelo regime tributário do Simples Nacional podem solicitar a mudança até o próximo dia 29, último dia útil deste mês. A solicitação somente pode ser realizada neste período, pela internet, por meio do Portal do Simples Nacional, ao clicar em em Simples – Serviços > Opção > Solicitação de Opção pelo Simples Nacional).

Ao optar por esse modelo, o empresário tem a oportunidade de pagar oito tributos (ICMS, IPI, IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, ISS E INSS patronal), de uma única vez, o que reduz custos e facilita o pagamento das obrigações, permitindo menos burocracia para administrar o negócio. Ao ter o pedido aceito, a adesão retroagirá ao dia 1º de janeiro.

Para saber se a empresa pode aderir ao Simples Nacional é necessário verificar as vedações previstas no art.3º, §4º e art.17 da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (LC 123/2006). Vale registrar que o sistema automaticamente verifica a existência de pendências cadastrais e/ou fiscais, inclusive de débitos na Receita Federal da União e nos respectivos estados, municípios e Distrito Federal. Caso seja identificada alguma pendência, a solicitação ficará em análise. Durante o prazo da opção, apenas as empresas em atividades podem cancelar o pedido, salvo se já houver sido deferido.

Para as empresas que estão em início de atividade, o prazo para solicitação é de 30 dias contados do último deferimento de inscrição (municipal ou estadual, caso exigíveis), desde que não tenham decorridos da data de abertura constante do CNPF da seguinte forma: 

* 180 dias para empresas abertas até 31/12/2020

* 60 dias para empresas abertas a partir de 01/01/2021

Após o deferimento, a opção passa a valer da data de abertura do CNPJ. Depois do prazo, a opção somente será possível no mês de janeiro do próximo ano, de acordo com o calendário estabelecido pelo regime.

Inadimplentes em 2020 não serão excluídos

Atendendo a um pedido do Sebrae, o Governo Federal decidiu não excluir do Simples Nacional as micro e pequenas empresas inadimplentes em 2020. Dessa forma, a ME ou EPP já optante pelo Simples Nacional não precisa fazer nova opção neste ano, uma vez que a empresa somente sairá do regime quando excluída, seja por comunicação do empresário ou de ofício, por decisão do governo.

O Sebrae também tem articulado com os parlamentares a aprovação no Senado Federal do PLP 200/2020, que institui a moratória dos tributos vencidos entre 1º de abril de 2020 e 30 de setembro de 2020 e do PLP 224/2020, que institui o PREX-SN, que trata de uma renegociação de débitos tributários do Simples Nacional, com vistas à sobrevivência das micro e pequenas empresas.

Apesar da crise causada pela pandemia, dados da arrecadação de setembro, fornecidos pelo Ministério da Economia, apontaram que os pequenos negócios estão conseguindo pagar os impostos devidos no mês junto com as parcelas que haviam sido suspensas por causa da Covid-19.
 

12

Jan

Mercado

Sesap seleciona estudantes para o Programa de Estágio

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio da Coordenadoria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (CGTES) e Subcoordenadoria de Gestão da Educação na Saúde (SGES), em parceria com a Escola de Governo do Rio Grande do Norte (EGov) e a Secretaria de Administração (SEAD), está selecionando estudantes para o Programa de Estágio Não Obrigatório.

Em Natal, estão sendo ofertadas vagas para os graduandos dos seguintes cursos: Arquitetura e Urbanismo, Assistência Social, Ciências Contábeis, Ciências da Computação, Comunicação Social – Jornalismo, Design Gráfico, Direito, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Gestão Hospitalar, Tecnologia da Informação, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Saúde Coletiva. Já em Assu, as vagas são para os estudantes de Nutrição. Em Ceará-Mirim, destinadas para o curso de Gestão Hospitalar. E, nas regionais de São José de Mipibú, Mossoró, João Câmara, Caicó, Santa Cruz e Pau dos Ferros, podem participar os estudantes de Enfermagem.

O recrutamento ocorrerá exclusivamente mediante cadastro do estudante no site da Escola de Governo, que serão contatados sempre que houver vaga disponível. Para isso, os interessados deverão preencher o formulário através do seguinte link: http://sistemas.searh.rn.gov.br/escoladegoverno/estagio/escolhacad.asp

A seleção começa a partir de 18 de janeiro e será realizada através da ordem do IRA (Índice de Rendimento Acadêmico) e de entrevistas virtuais, por meio do e-mail cadastrado. É importante salientar que os candidatos deverão estar cadastrados no site da Escola de Governo até o dia anterior do início da seleção. 

O valor da bolsa de estágio é de R$ 1.045,00, acrescido de R$ 51,70 de auxílio-transporte para uma carga horária de 6 horas diárias, ou seja, 30 horas semanais.

Para que o contrato de estágio seja efetivado, o aluno deverá obrigatoriamente ter cursado 50% da carga horária do seu curso e não poderá possuir qualquer outra atividade remunerada no âmbito da Administração Pública Estadual.

Em caso de dúvidas, os interessados deverão entrar em contato através do e-mail estagio.sesap.rn@gmail.com

11

Jan

Mercado

Contribuição mensal do MEI terá reajuste a partir de fevereiro 2021

Donos de negócios enquadrados como Microempreendedor Individual (MEI) devem se preparar para cumprir as obrigações mensais. O valor do boleto – chamado de Documento de Arrecadação Simplificada (DAS) – sofrerá um reajuste a partir de fevereiro. A tabela é ajustada anualmente conforme o novo valor do salário mínimo. Em 2021, o salário-mínimo anunciado pelo governo é de R$1.100,00 o que ocasionará a mudança no valor do boleto mensal pago pelo MEI. O DAS varia conforme a atividade exercida por cada microempreendedor e é calculado com base no percentual de 5% do salário mínimo. O total a ser desembolsado estará entre R$ 55,00 e R$ 61,00, que passam a serem cobrados a partir de fevereiro.

Além do reajuste na cobrança mensal do DAS-MEI, o início do ano abre também o período de entrega da Declaração Anual de Faturamento do Simples Nacional (DASN – SIMEI). De acordo com o gerente do Escritório Metropolitano do Sebrae no Rio Grande do Norte, Thales Medeiros, no documento o empreendedor vai informar o total de receitas obtidas ao longo de 2020 e também indicar se tem ou não um funcionário contratado com carteira profissional assinada.

A declaração poderá ser entregue até o dia 31 de maio próximo. Mas, o gerente alerta que antecipar o envio das informações para a Receita Federal evita atropelos de última hora para não perder o prazo. Segundo Thales Medeiros, o Escritório Metropolitano, assim como os demais escritórios regionais no interior do estado, está com uma equipe de analistas técnicos para auxiliar aqueles empreendedores que têm alguma dúvida na questão do preenchimento do documento. O atendimento está sendo feito das 8h às 18h e segue todos os protocolos de bioprevenção e segurança sanitária.

“Mesmo aqueles que estão com algum boleto atrasado, precisam enviar a declaração. A inadimplência não é impeditivo para a prestação de contas anual, que está entre as obrigações do MEI”, enfatiza o gerente. A não entrega do documento pode acarretar em problemas como cobranças de juros, pendência na Previdência Social e inscrição na Dívida Ativa da União.

11

Jan

Mercado

Banco do Brasil anuncia programa de demissão voluntária e fechamento de 361 unidades

O Banco do Brasil anunciou nesta segunda-feira, 11, a abertura de programas de demissão voluntária e o fechamento de unidades, como agências, escritórios e postos de atendimento. Serão abertas duas modalidades de desligamento voluntário aos funcionários: Programa de Adequação de Quadros (PAQ) e Programa de Desligamento Extraordinário (PDE).

A estimativa é de que cerca de 5 mil funcionários venham a aderir aos programas de demissão voluntária até 5 de fevereiro. A empresa informa que o número final de adesões, assim como o respectivo impacto financeiro, serão informados ao mercado após o encerramento dos períodos de adesão. Segundo o comunicado, as medidas visam o “redimensionamento de sua estrutura organizacional” e estão focadas na “centralidade no cliente”.

Além dos planos de demissão voluntária, o Banco do Brasil irá desativar 361 unidades, sendo 112 agências, 7 escritórios e 242 postos de atendimento. A empresa também converterá 243 agências em postos de atendimento e oito PA serão transformados em agências. Serão criadas 28 unidades de negócios, sendo 14 delas especializadas em agronegócio. 

O comunicado enfatiza que a criação das agências não envolverá contratação ou locação de novos espaços. Outras 145 unidades de negócio serão transformadas em Lojas BB, sem guichês de caixa. “A reorganização da rede de atendimento objetiva a sua adequação ao novo perfil e comportamento dos clientes”, esclarece a empresa. As medidas estimam uma economia líquida anual com despesas administrativas de R$ 353 milhões em 2021 e R$ 2,7 bilhões até 2025. O Banco do Brasil prevê que as mudanças sejam implantadas já no primeiro semestre deste ano.

Fonte: Joven Pan, disponível em: https://jovempan.com.br/noticias/economia/banco-do-brasil-anuncia-programa-de-demissao-voluntaria-e-fechamento-de-361-unidades.html

7

Jan

Mercado

Fidelidade: pesquisa aponta as principais tendências de consumo durante a pandemia

Acompanhando o ritmo desafiador do varejo e do e-commerce, o mercado de fidelidade também precisou se reinventar para lidar com a transformação dos modelos de consumo imposta pela pandemia. A Vertem, holding focada no desenvolvimento de ecossistemas de negócios, líder em fidelidade B2B, observou flutuações no acúmulo e na troca de pontos durante o ano e reforçou suas estratégias. A companhia fechou o mês da Black Friday com crescimento de mais de 85% no número de pedidos em relação a 2019 e teve um aumento de faturamento superior a 30%, além do esperado para o período.

“No primeiro semestre de 2020, principalmente com a desaceleração da força comercial presente em muitos dos programas de incentivo que temos, houve uma queda de cerca de 15% no acúmulo de pontos. Com a retomada da atividade comercial, especialmente nos últimos três meses, vimos uma recuperação importante, o que contribuiu significativamente com o resultado que obtivemos em novembro”, comenta Maralina Oliveira, gerente de produto da Vertem.

Para lidar com as instabilidades do momento econômico desafiador, a Vertem realizou uma pesquisa com participantes de mais de 35 programas de incentivo e fidelidade, com perguntas sobre o uso de pontos na Black Friday e suas preferências de consumo. Dessa forma, com base nos resultados, traçou uma estratégia de engajamento mais assertiva em conjunto com os clientes, que resultou em um aumento do consumo de saldo de aproximadamente 40% para 70% em novembro, em relação ao primeiro semestre de 2020.

Entre os insights mais interessantes, a apuração apontou que mais de 45% dos consumidores não sabiam que poderiam trocar pontos por produtos durante a Black Friday, reforçando a necessidade de uma comunicação contínua sobre os benefícios dos programas e sobre o quanto eles podem contribuir com as necessidades e a economia. Outro ponto relevante foi sobre o nível de confiança com relação aos descontos no período: 85% dos entrevistados responderam que confiam nas promoções aplicadas na finalização das compras e 68% preferem descontos direto no produto como oferta atrativa e com valor agregado.

Sobre as preferências de consumo, apesar de a maioria (54%) citar eletrônicos e eletroportáteis como produtos de desejo, mais de 30% dos entrevistados abriram possibilidade para compra de outras categorias, como roupas, produtos de bem-estar e até viagens. Além disso, quase 50% sinalizaram que gostariam de ter mais facilidade e flexibilidade para usar os pontos e realizarem a troca, utilizando o cartão como complemento dos pontos e o pagamento facilitado em mais parcelas, por exemplo.

“Com base nessa pesquisa, organizamos o planejamento comercial das ofertas, incorporando, por exemplo, novas abordagens, como o serviço de concierge para clientes com alto valor de saldo e vitrines especiais de acordo com as preferências e poder de troca”, relata Maralina.

Mudança na percepção de valor

Neste ano atípico, a Vertem observou mudanças importantes nas categorias de benefícios resgatados. Como reflexo da pandemia, o significado de consumo para o bem-estar se ampliou e passou a incorporar elementos para a casa, o trabalho, a família, além de itens de saúde e diversão, resultando no aumento da busca por utilidades domésticas, eletroeletrônicos, produtos de beleza e acessórios esportivos.

Na Black Friday, houve uma redução da penetração de setor de eletro, que passou de 69% para 30% na preferência de trocas neste ano, abrindo espaço para outros itens que fazem parte do novo estilo de vida adotado na quarenta. Os itens mais procurados foram devices para streaming na TV, wearables de monitoramento de atividade física, aparelhos de jantar, liquidificadores e itens de beleza e saúde.

“A pandemia impactou a rotina das pessoas e isso foi diretamente sentido nas preferências e nos comportamentos de compras e uso dos pontos. Os participantes se vinculam a programas que oferecem uma experiência única, com flexibilidade para uso dos benefícios e alta qualidade na prestação de serviços. Por isso é tão importante pensar no benefício além do ponto. Na Vertem, como parte da ampliação do nosso ecossistema, investimos em iniciativas que colaboram com a maximização e a flexibilidade de uso dos benefícios, como o cashback a partir da compra com cartão nas plataformas dos nossos programas. Nossa expectativa para 2021 é fortalecer ainda mais a qualidade dos nossos serviços e investir em iniciativas que permitam aos participantes usarem os pontos como e quando quiserem", finaliza a executiva. 

6

Jan

Mercado

Pesquisadores com filhos querem incluir esse dado na Plataforma Lattes

O projeto Parent in Science, que luta por equidade para pesquisadores e pesquisadoras com filhos, lançou campanha para reivindicar a inclusão de um campo na Plataforma Lattes, para que se possa indicar a condição de maternidade e paternidade. Mantida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a plataforma é o sistema oficial do Brasil para cadastro de cientistas das diversas áreas do conhecimento.

Como representa, basicamente, o cartão de visita dos cientistas no mundo acadêmico e profissional, a campanha tem por objetivo melhorar a avaliação que seus pares fazem sobre seu trabalho. Isso se explica porque muitos deles acabam tendo dificuldades para conciliar os cuidados dos filhos com o desenvolvimento das pesquisas. Em alguns casos, chegam a interromper totalmente a carreira durante certo período.

De acordo com o projeto, a chegada dos filhos pode causar impacto significativo na produção dos pesquisadores, especialmente das mulheres. A desaceleração na elaboração de artigos pode durar até quatro anos, o que, consequentemente, acaba afetando seu currículo e gerando desvantagem em relação a colegas.

Assim, com a possibilidade de sinalizar a parentalidade no Currículo Lattes, recrutadores, universidades e agências de fomento à pesquisa poderão compreender o por quê da queda em sua produção.

"Várias agências de fomento e instituições de ensino e pesquisa já utilizam essa informação em editais de financiamento, processos seletivos, avaliação de progressão funcional e cadastro de docentes orientadores nos PPGs [programas de pós-graduação], ampliando o período de análise do currículo das cientistas mães", argumentam representantes do projeto, em postagem no Facebook.

Em 2019, o Parent in Science apresentou um pedido formal ao CNPq, mas, até o momento, não foi atendido. A Agência Brasil perguntou ao CNPq se a medida será concretizada e aguarda retorno.

Fonte: Agência Brasil

5

Jan

Mercado

As diferenças entre incubadora e aceleradora

Para atingir competitividade, cada vez mais, startups contam com o apoio de incubadoras e aceleradoras. No entanto, apesar de terem o mesmo foco, auxiliar projeto inovadores com potencial de crescimento, essas instituições possuem diferenças.

Segundo o estudo “Mapeamento dos Mecanismos de Geração de Empreendimentos Inovadores no Brasil”, realizado pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), existiam, entre setembro de 2018 e março de 2019, no Brasil, 363 incubadoras e 57 aceleradoras. A pesquisa contou com a participação de 121 incubadoras e 29 aceleradoras.

Tecnologia da informação e comunicação, agronegócio e saúde e ciências da vida são as principais áreas de atuação das incubadoras. Ao todo, haviam 1.231 empresas incubadas, que tiveram um faturamento acumulado de R$245 milhões. Com relação aos principais setores de atuação, a maioria das aceleradoras, por meio das suas startups, atua no setor de agronegócio, educação, eletroeletrônico, saúde e ciências da vida, financeiro e varejo. O valor médio aplicado em startup está entre R$100 mil a R$200 mil e R$50 mil a R$100 mil.

Incubadora: o que é
As incubadoras são instituições focadas em apoiar empreendedores, com ideias inovadoras, a construírem empresas sustentáveis. Para consolidar operações, essas organizações oferecem serviços de suporte em gestão, aperfeiçoamento do modelo de negócios e infraestrutura. Para Cristiana Mieko, analista de inovação do Sebrae, as startups, “com produtos, serviços os processos de alto valor agregado, as incubadoras propiciam condições favoráveis de desenvolvimento”.

Para terem seu projeto incubado, essas empresas, geralmente, precisam passar por um processo de seleção e devem apresentar motivos suficientes para acreditar que se tornarão negócios viáveis, por meio de um plano de negócios. Lilian Natal, head of community do Distrito, explica que, no geral, as incubadoras costumam ajudar a superar os primeiros desafios de empresas e projetos: “Pense em uma incubadora de recém-nascidos. Assim como no caso dos bebês, a incubadora é para startups que estão nascendo ou que estão em fase bastante inicial”.

Entre as vantagens de integrar uma incubadora, aponta Cristiana, estão: espaço físico compartilhado para realização de reuniões, secretaria, serviços administrativos e laboratórios; recursos humanos especializados para apoiar a empresa incubada no seu projeto ou empreendimento; capacitação dos empresários e empreendedores, em aspectos de gestão de negócio, gestão da inovação, comercialização e internacionalização; e acesso aos laboratórios para o desenvolvimento dos produtos, nos aspectos da pesquisa e desenvolvimento.

Aceleradora: o que é
As aceleradoras, por sua vez, são entidades jurídicas, com ou sem fins lucrativos, dedicadas a apoiar o desenvolvimento inicial de novos negócios inovadores, ou seja, startups, por meio de um processo estruturado, por um tempo determinado. Esse auxílio inclui seleção, capacitação, mentorias, oportunidades de acesso a mercados, infraestrutura e serviços de apoio, além do aporte de capital financeiro inicial em troca de uma possível participação societária futura nos negócios acelerados.

Para isso, as startups passam por um processo seletivo, no qual avaliadores verificam o potencial de seu projeto de acordo com determinados critérios. Cada aceleradora tem seus próprios critérios de avaliação, porém o mais comum é verificar o negócio, mercado e equipe.

Com o objetivo de acelerar negócios, fala Lilian, “depois da solução já lançada, o foco passa a ser aplicar melhorias no produto e na operação, fazer uma boa estratégia de marketing e vendas e analisar, profundamente, as métricas de performance, a fim pegar tração, tornar-se cada vez mais escalável e conquistar mercado”.

Apesar do investimento inicial ser um grande atrativo, o maior benefício considerado pelas startups aceleradas é o acesso ao mercado e o contato com mentores e especialistas, o que dificilmente teriam devido ao seu estágio, diz Cristiana. “Estas pessoas são facilitadores, que ajudam a encurtar o ciclo de evolução desses negócios por já terem passado pelas etapas que os empreendedores estão passando”, acrescenta.

Fonte: Portal Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.proxxima.com.br/home/proxxima/noticias/2021/01/05/as-diferencas-entre-incubadora-e-aceleradora.html

4

Jan

Mercado

Estabelecer rotina clara é imprescindível para home office produtivo

O número de infectados por Covid-19 voltou a aumentar em todo o Brasil, o que faz com que voltemos ainda mais a atenção para medidas de combate à disseminação do vírus, como o confinamento. No início da pandemia, muitas empresas decidiram pelo home office - modalidade de trabalho que em muitos lugares perdura até hoje – para evitar que seus funcionários saíssem de casa e, consequentemente, diminuísse a possibilidade de contato com o vírus. Fora de seu habitat, muitas pessoas se viram e ainda se veem confusas, pois não conseguem desempenhar de maneira eficiente sua atividade profissional ao terem que dividir a atenção com distrações e afazeres domésticos.

Com o intuito de que muitos profissionais nessa posição se mantenham produtivos, atuando em alta performance, o CEO do Instituto Gente, empresário, administrador com ênfase em marketing e palestrante especializado em desenvolvimento profissional e em negócios, Arthur Shinyashiki, destaca os três pilares do home office bem-sucedido.

O primeiro deles é determinar uma rotina clara, ou seja, ter horários bem definidos para o início da atividade laboral, para almoço ou lanche, e para o término do trabalho. Conforme Shinyashiki, exceções poderão ocorrer por conta de reuniões, por exemplo, mas no geral é preciso respeitar a programação. “É assim que o cérebro compreenderá que existe um padrão a ser seguido e liberará os hormônios adequados para cada momento específico, seja trabalho ou seja relaxamento”, explica.

Para quem posterga ao máximo o início das atividades, o palestrante especializado em desenvolvimento profissional e em negócios sugere rituais para definir com clareza seu horário de “entrada” no trabalho. Tomar um banho gelado, colocar uma roupa que a pessoa usaria no escritório e ouvir música são exemplos de ações que podem sinalizar claramente que o momento de trabalhar começou. Do mesmo modo, há "workaholics", pessoas com dificuldades em parar de trabalhar, que acabam ficando estressadas e ansiosas. Para elas, Shinyashiki também recomenda práticas que indiquem o término da atividade no dia, como fechar as abas do computador, arrumar a mesa que usa para trabalhar etc.

O segundo pilar é ter foco no resultado. Conforme o CEO do Instituto Gente, mais do que prestar atenção nas ações que precisam ser realizadas no dia, como mexer na planilha ou organizar pensamentos, é necessário ter muito claro mentalmente quais são as soluções finais que necessitam ser obtidas. A pessoa deve estar totalmente comprometida em realizar esses objetivos, descansando apenas quando alcançá-los. “Isso fará com que você queira terminar a tarefa o mais rápido possível e assim conseguir um tempo livre para atividades de relaxamento, como assistir a um filme ou brincar com os filhos”, diz. Um modo eficaz de cumprir estas metas é por meio de mini "sprints", isto é, períodos variando entre 15 minutos e 45 minutos em que a pessoa mantem 100% do seu foco na tarefa a ser executada.

Em momentos de crise como o que estamos vivendo, nos quais o trabalho em casa traz uma série de limitações, Shinyashiki recomenda centralizar o foco em poucas ações, invariavelmente naquelas que projetamos melhores resultados. A pandemia trouxe uma nova realidade a muitos profissionais, que trabalhando em casa precisam dividir sua atenção com muitas outras tarefas. “É preciso ter noção dessa situação específica e agir de acordo com ela”, argumenta. Assim, saber quais objetivos podem ser relegados a segundo plano e quais são imprescindíveis de serem realizados é essencial.

O terceiro pilar é manter-se conectado com seres humanos. Neste ponto, a tecnologia é de suma importância. “Se juntos em um escritório as pessoas não se comunicavam direito, agora, isolados, cada um em sua casa, as coisas ficaram ainda mais difíceis”, diz o CEO do Instituto Gente. Nesse sentido, é recomendável o uso de aplicativos para saber se as diferentes áreas da empresa estão em perfeita consonância.

Por exemplo, com o uso de um gerenciador de tarefas, controla-se melhor o que cada membro da equipe está fazendo e quais resultados serão obtidos ao final do dia e da semana. No quesito comunicação, Shinyashiki indica o uso de aplicativos distintos do que o comumente empregado em conversas cotidianas, pois assim a atenção não é dividida com outras conversas. Ferramentas que possibilitam a execução de reuniões para estabelecer metas diárias e semanais também são de grande auxílio no sentido de melhorar a performance no trabalho. Além disso, manter-se conectado é importante em âmbito pessoal. “Não se esqueça: somo seres sociais e precisamos do contato com outras pessoas para nos mantermos saudáveis”, afirma.

Shinyashiki sugere por fim algumas dicas práticas para tornar o trabalho remoto mais eficiente. Segundo o palestrante, é importante um local específico para servir de área de trabalho. Caso não tenha um escritório em casa, utilize algum outro cômodo. “Trabalhar em qualquer lugar, no sofá, por exemplo, interfere negativamente na produtividade”, afirma. O CEO do Instituto Gente recomenda ainda que essa área tenha uma boa entrada de luz solar, que ajuda na produção de neuro-hormônios responsáveis por manter a pessoa disposta e focada. Por último, aconselha a prática de exercícios físicos visando à manutenção da saúde. “É possível fazer treinos de meia hora em casa sem o uso de aparelhos”, afirma.

2

Jan

Mercado

Onde chegará o Bitcoin em 2021?

Nos últimos dias, o Bitcoin, principal criptoativo, vem subindo de preço a cada dia. A moeda chegou a bater a Ibovespa e valer mais de U$23 mil. Por conta dessa alta e da grande visibilidade que o ativo teve, novos investidores e curiosos estão entrando nesse universo das criptomoedas.

A tendência é que para o próximo ano, o Bitcoin continue a crescer, se tornando um dos principais investimentos para 2021. Pensando nisso, quatro especialistas do mercado falaram sobre suas perspectivas para o Bitcoin em 2021.

Para Vinicius Frias, CEO do Alter o mercado brasileiro vai entrar em ponto de inflexão interessante, por alguns motivos: Players estrangeiros de relevância entrando na competição do mercado local; Amadurecimento das empresas brasileiras onde algumas estão bem capitalizadas e com ótimos profissionais e Venture capital olhando para as empresas blockchain e cripto e entendendo que há um grande mercado a ser construído.E para 2021 aconteça mais adesão/exposição de players institucionais ao mercado cripto, elevando seu valor de mercado a patamares ainda não testados desde 2017, em um ambiente muito mais maduro do que era aquela época.

Para João Canhada, CEO da Foxbit

A perspectiva para 2021, são a de novos gigantes como alguns bilionarios e grandes empresas fizeram esse ano devem ceder e anunciar que estão trabalhando com bitcoin, ou adquirindo bitcoin, posicionando ainda mais esse ativo como reserva de valor, isso definitivamente vai trazer impactos no preço, nos últimos halvings  (quando a oferta é cortada pela metade) sempre no ano seguinte bitcoin teve alta histórica de preços superando em até 10x os topos anteriores, se isso se prover veremos bitcoin a 200 mil usd ainda em 2021. 

Para Bernardo Schucman, CEO da FastBlock

Será o ano mais importante para o mercado em toda sua história. “Acredito que o bitcoin chegue aos U$50 mil e que a rede do bitcoin chegue a processar cerca de 400 hexa rash por segundo, outro fator importante vai ser a entrada de novos usuários através do PayPal", destaca.

Já em relação à mineração, Bernardo acredita que com a nova entrada de empresas americanas listadas na bolsa, vai gerar uma institucionalização da mineração nos Estados Unidos “Além da implementação de infraestruturas em países da América do Sul, gerando um aumento exponencial, mesmo que tímido, em relação aos outros países”, finaliza.

Para Lucas Schoch, CEO da Bitfy, 2021 será um ano de ainda mais crescimento para o mercado de criptomoedas. Não somente no valor do Bitcoin, mas das tecnologias utilizando moedas estáveis (stable coins) para melhorias de serviços como remessas internacionais e projetos relacionados ao impacto social e doações. “Há muitas melhorias a serem implementadas e todas vão mostrar que os cripto ativos são um caminho sem volta e cada vez mais aderente à nossa sociedade. Será a vitória daqueles que sempre acreditaram no potencial destas moedas”, destacou.

30

Dez

Mercado

ABIH-RN elege nova diretoria para biênio 2021-2022

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte (ABIH-RN) elegeu segunda-feira (28) a nova diretoria para o biênio 2021-2022, assume a presidência o hoteleiro, Abdon Gosson. Não houve disputa eleitoral, sendo a nova diretoria e os conselheiros eleitos por aclamação. O presidente eleito Abdon Gosson, proprietário do Arituba Park Hotel e Best Western Premier Majestic, agradeceu a confiança e destacou. 

“Estamos passando por um momento muito difícil, o que torna a responsabilidade ainda mais desafiadora. Tivemos aí quatro ou cinco anos de resseção na economia, e depois disso veio a COVID-19 que maltratou muito o nosso setor, assumo essa posição com o comprometimento de trabalhar, em conjunto, o máximo que pudermos para procurar reverter e melhorar nossa situação o máximo possível. Já estamos vislumbrando pautas a curto, médio e longo prazo, e 2021 será um ano de muito trabalho". 

Ele também aproveitou a ocasião para agradecer e destacar que “nesses próximos anos iremos dar continuidade e melhorar no que for possível o trabalho excelente que foi feito pelo atual presidente José Odécio, que deu o seu melhor e fez quase o impossível por essa instituição. Ninguém pode negar a contribuição dele para representar toda a hotelaria do Rio Grande do Norte. Nossos mais sinceros agradecimentos a José Odécio pela conduta e pela representatividade durante esses anos.”. 

Na ocasião, o hoteleiro Edmar Gadelha, do Hotel da Pipa, também prestou seus agradecimentos ao atual presidente que finaliza seu mandato: “José Odécio foi um guerreiro, batalhou na linha de frente por todos nós, o que não é uma tarefa fácil, e desde já agradeço por ter assumido esse desafio. Estaremos juntos na diretoria com Abdon Gosson para contribuir com o que for possível e dividirmos esse encargo.” 

O proprietário do Praia Bonita Resort, Sergio Boffa, que assume uma cadeira na diretoria, também prestou seus agradecimentos: “Primeiramente agradeço a oportunidade por fazer parte dessa mesa, como um estrangeiro situado no Brasil, me sinto honrado a contribuir com a instituição e representar o nosso setor. Temos várias pautas, principalmente depois dessa pandemia, para discutir e iremos com todas as forças trabalhar para conseguirmos.”

O ex-presidente da ABIH-RN, o proprietário do Ocean Palace Beach Resort & Bungalows, Sérgio Pereira Gaspar, também assume um cargo na diretoria do novo mandato. “Queria agradecer em nome de todos, já fui presidente então sei do desafio que Abdon agora abarca, e sei das dificuldades e dos obstáculos. Desejo sorte ao novo presidente e que continue esse incrível trabalho que José Odécio fez. Agradeço novamente e estaremos juntos para somar, pois a luta é grande.”, comentou Sérgio. José Odécio, que em 2021 assume a cadeira de vice-presidente, compareceu a eleição de forma remota, mas não deixou de proferir seus agradecimentos.

“Foram anos suados, lutamos bastante em prol do nosso setor. Não é uma cadeira fácil, essa que o senhor Abdon Gosson assume, mas somos uma entidade reconhecida a nível estadual e nacional, e uma entidade que precisa ser valorizada, pois as conquistas que tivemos fizeram muita diferença. Cito aqui algumas importantes campanhas que fizemos, como a parceria com a Azul Viagens, que tivemos o êxito em trazer para dentro do RN de forma muito presente. Mantemos e consolidamos a nossa parceria com a CVC, a maior operadora do Brasil, o voo da Coredon também foi um exemplo de conquista de grande participação da ABIH, parcerias com algumas prefeituras com a de Natal  Maxaranguape e Tibau do Sul, além da presença marcante e relevante em feiras internacionais e muitas outras vitórias para o turismo do nosso estado.” 

“Contamos com o apoio imenso do nosso presidente Nacional, o Sr. Manoel Linhares, um incansável batalhador, tem sido um grande parceiro a ABIH-RN, e reitero que precisamos de engajamento de todos para podermos prosperar. Desejo sucesso ao novo presidente e estaremos juntos nessa batalha.”, concluiu José Odécio. 

Confira a seguir os membros que compõem a nova diretoria:

- Presidente: Abdon Moisés Gosson Neto - Arituba Park Hotel;
- Vice-Presidente: José Odécio Rodrigues Júnior – Pipa Lagoa;
- Diretor Administrativo Financeiro: Manoel Andrade Lima Filho - Grupo Aram; 
- Vice - Diretor Administrativo Financeiro: Kleber Francisco Torquato Rego - Porto Suítes Natal Hotel;
- Diretor da Capital: George Gosson - Praiamar Hotel; 
- Diretor do Litoral Sul: Edmar Henrique De Araújo Gadelha - Hotel Da Pipa;
- Diretor do Litoral Norte: Habib Chalita Junior - Hotel Natal; 
- Diretor do Interior: Sérgio Boffa Pedro - Praia Bonita Resort; 
- Diretor junto a ABIH Nacional: Sergio Pereira Gaspar - Ocean Palace Beach Resort & Bungalows; 
- Conselho Fiscal: Willian Lass - Serhs Natal Grand Hotel; 
- Conselho Fiscal: Celso Paiva - Hotel Senac Barreira Roxa; 
- Conselho Fiscal: Grace Christhine De Oliveira Gosson - Holiday Inn Natal; 
- Suplente Conselho Fiscal: Paulo Alexandre Lopes Silva - Pousada Dos Girassóis; 
- Conselho de Ética: Giovani Luiz Dias De Carvalho - Hotel Ponta Do Madeiro; 
- Conselho de Ética: Gessione Câmara  - Yak Hotel; 
- Conselho de Ética: Luis Fernando Araújo Tinoco - Pousada Arte Do Velejo.

29

Dez

Mercado

Prazo para adesão ao Simples Nacional já começa em janeiro

A Receita Federal divulgou o prazo para quem possui uma empresa e deseja enquadrá-la no Simples Nacional. O período para pedidos de opção ou desenquadramento referente ao ano de 2021 começa a partir do dia primeiro de janeiro e prossegue até o dia 29. Criado em 2006 para reduzir a burocracia e os impostos pagos pelos pequenos negócios, o Simples unifica oito tributos em um só boleto – IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição Patronal Previdenciária para a Seguridade Social (CPP) – e garante o tratamento diferenciado para os pequenos negócios.

No Rio Grande do Norte, 199.879 empresas estão nesse regime tributário, incluindo os Microempreendedores Individuais (MEI). A solicitação de opção ou cancelamento somente pode ser realizada no mês de janeiro, e é feita pela internet, por meio do Portal do Simples Nacional (em Simples - Serviços > Opção > Solicitação de Opção pelo Simples Nacional), sendo irretratável para todo o ano-calendário. A verificação automática de pendências é feita logo após a solicitação de opção: não havendo pendências com nenhum ente federado, a opção será deferida; havendo pendências, a opção ficará “em análise”.

Podem aderir empresas que já estão em atividade. Neste caso, a solicitação de opção poderá ser feita até o último dia útil do mês de janeiro, e, se aceita, retroagirá a 01/01/2021. Para empresas em início de atividade, o prazo para o pedido de opção é de 30 dias contados do último deferimento de inscrição (municipal, ou estadual caso exigível), desde que não tenham decorridos da data de abertura constante do CNPJ: 180 dias (para empresas abertas até 31/12/2020) ou 60 dias (para empresas abertas a partir de 01/01/2021). Quando deferida, a opção produz efeitos a partir da data da abertura do CNPJ. Após esse prazo, a opção somente será possível no mês de janeiro do ano-calendário 2022.

Podem optar pelo Simples empresas com faturamento anual bruto de até R$ 4,8 milhões e que esteja entre as atividades permitidas. Para orientar os empreendedores que têm alguma dúvida ou que precisa de orientação, o Escritório Metropolitano do Sebrae no Rio Grande do Norte está preparado com uma equipe de analistas técnicos para dar suporte aos empresários durante todo o mês de janeiro. Além disso, oferece um plantão de atendimento contábil. Para ter acesso, o empresário precisa fazer um agendamento prévio pelo 0800 570 0800.

A analista técnica do Escritório REgional Metropolitano., Mabele Dutra, alerta também que o período serve ainda para aqueles microempreendedores individuais que ultrapassaram o limite de R$ 81 mil por ano migrarem e optarem por uma das categorias do Simples: Microempresa ou Empresa de Pequeno Porte. Em relação às dívidas com o Simples Nacional, a Receita Federal confirmou que excepcionalmente, em razão da pandemia, não haverá exclusão de microempresas do Simples Nacional em 2020. Porém haverá a notificação de débitos existentes. 

29

Dez

Mercado

Pedidos de supermercados e farmácias no Rappi aumentam 75% no Nordeste em 2020

O Rappi anuncia um crescimento, de janeiro a novembro deste ano, de 75% no número de pedidos de supermercados, farmácias e bebidas feitos pelos consumidores do Nordeste do Brasil dentro do superapp. O usuário nordestino também aumentou em 43% o delivery de restaurantes parceiros do Rappi e em 38% as demandas no e-commerce do app no período.

“Por conta do isolamento social, a demanda no Nordeste se intensificou. Ao atuarmos como um facilitador de todo o ecossistema, proporcionamos mais segurança e conveniência à população da região”, explica Wilson Cabral, diretor regional do Rappi no Ceará. “Durante a pandemia, notamos uma mudança de comportamento do consumidor e a aceleração da vida no celular, assim como uma veloz consolidação da compra por conveniência. Por conta disso, houve uma adaptação de estabelecimentos que não operavam via delivery.”

De acordo com Cabral, ao longo de 2020, houve a entrada de novas marcas no Rappi para atender o Nordeste, reforçamos nossa operação em diferentes pontos das principais cidades da região, e realizamos campanhas especiais voltadas aos entregadores parceiros. 

“No início da pandemia, registramos um aumento de 300% no número de pedidos, principalmente nas funcionalidades de supermercados, farmácias e restaurantes, o que, com o tempo, foi se normalizando. Acreditamos que seja uma resposta das pessoas seguindo a orientação de ficarem em casa”, destaca Cabral. “Nos últimos meses, muitas pessoas fizeram compras por aplicativo pela primeira vez, enquanto outras que já estavam acostumadas começaram a experimentar novas verticais dentro do Rappi.”

28

Dez

Mercado

Empresas podem contar com “caçador de talentos” para contratar bons profissionais em 2021

O Rio Grande do Norte tem hoje, de acordo com o IBGE, mais de 243 mil pessoas desempregadas. Muitas delas são qualificadas e perderam o emprego durante a crise econômica causada pela pandemia. Mas com um ano novo batendo à porta, a expectativa é de que o cenário melhore e que o mercado volte a buscar profissionais capacitados, que possam participar desse processo de retomada da atividade econômica. É nesse contexto que as empresas não podem cometer erros. Os empresários precisam saber contratar os profissionais certos para evitar prejuízos e concretizar suas metas e objetivos. E como fazer isso?

Um dos primeiros passos é procurar um Headhunter. A função desse profissional é “caçar talentos”, ir em busca dos melhores e encontrar a pessoa ideal para determinada função dentro de uma empresa, proporcionando economicidade e eficiência. “O auxílio de um Headhunter diminui o risco de contratações erradas em, pelo menos, 70%. Além da experiência e do relacionamento, são utilizadas ferramentas para eliminar os riscos na hora de contratar”, disse Giovanni Magnus, empresário e gestor de grandes empresas há mais de 15 anos, que atua como consultor empresarial e Headhunter desde 2015.

Esse tipo de especialista também sabe “caçar as melhores cabeças” dentro de outras organizações. “Eu costumo dizer que a maioria dos excelentes profissionais estão trabalhando em algum lugar. Um Headhunter sabe onde e como buscar essas pessoas. Remuneração conta muito, mas alinhamento de propósito e valores também são relevantes na hora de um profissional tomar uma decisão de permanecer ou trocar de emprego”, observou Giovanni.
 
Contratações x Prejuízos

Uma dica para as empresas não cometerem erros na hora de contratar é avaliar o perfil comportamental do candidato. Nunca contratar por afinidade sem nenhum critério técnico de avaliação, isso gera prejuízo de tempo e dinheiro, que pode, inclusive, ser mensurado. “Se uma empresa contratar um profissional errado e depois de 3 meses demitir, considerando um salário inicial de 2 mil reais, a empresa amargará um prejuízo de cerca de 12 a 15 mil reais dependendo do regime tributário que ela utilize”, exemplificou.



De acordo com o especialista, pequenas empresas não possuem um setor de contratação ou não contratam empresas especializadas para fazerem essa seleção. Isso acaba provocando uma alta taxa de turnover, ou seja, um alto índice de rotatividade de funcionários. Para esse setor, ele dá algumas dicas. “Se for contratar por conta própria, analise as características comportamentais da pessoa e se elas vão atender às suas necessidades; cheque se o que está escrito no currículo procede e cheque as qualificações apresentadas; solicite ao candidato referências profissionais e analise suas redes sociais, veja se seu comportamento e seus valores estão congruentes com os da empresa”, enumerou.

Capacitação e Inteligência Emocional

Apesar de não existir um perfil padrão, pois cada vaga, cada função, exige competências diferentes, o Headhunter Giovanni Magnus orienta que as empresas procurem profissionais com uma boa base emocional e que sejam resilientes. Para ele, inteligência emocional é a palavra de ordem. Aliado a isso, o empresário deve buscar um funcionário capacitado, alguém que esteja focado em uma determinada área de atuação. Assim, ele poderá oferecer mais hard skills (capacidade técnica) e soft skills (capacidade emocional).

Outros fatores também devem ser levados em conta pela empresa, como: a apresentação de um bom e organizado currículo, com referências profissionais, cronologicamente organizado e, de preferência, com foto; valorizar a maneira adequada do candidato de se vestir na apresentação presencial; e observar se o postulante tem conhecimento sobre a empresa e a vaga a que concorre, se conhece o propósito, a missão, a visão e os valores da empresa e se fala sobre ela com propriedade.