Turismo

28

Abr

Turismo

Rio Grande do Norte se une a mais três Estados brasileiros para impulsionar o Turismo e fomentar a conectividade da região

Uma nova forma de divulgar o Nordeste. É assim que os estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas pretendem de forma unificada promover o turismo na região aumentando a competitividade dos destinos nos mercados nacional e internacional, gerando emprego e renda para os Estados e difundindo ainda mais o apelo histórico, cultural e natural dessas localidades.

Na manhã desta terça-feira (27) os secretários de estado de Turismo, Aninha Costa (RN), Rodrigo Novaes (PE), Sandra Villanova - assessora Especial da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas – Sedetur (AL) e a presidente da PBTur, Ruth Avelino (RN) apresentaram ao ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, o projeto que prevê a promoção conjunta com bases no acervo cultural e histórico de cada estado, conectividade com os principais destinos emissores domésticos e internacionais e ainda, a divulgação da grandiosidade de oferta de produtos e serviços turísticos com impactos reais na economia de cada região.

 “Sabemos que cada estado é singular, mas compartilham a mesma essência turística: são destinos de sol e praia com forte tradição e apelo histórico-cultural. Além disso, a proximidade geográfica dos quatro estados possibilita que o turista, em uma única viagem, visite diversos destinos, incrementando a permanência média e gerando mais riquezas para a região”, disse o Ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.



Para a secretária de Turismo do Rio Grande do Norte, Ana Costa, a iniciativa de integrar os três estados vizinhos ao Rio Grande do Norte será fundamental para apresentar um produto novo no mercado. “Promover nosso estado em conjunto com a Paraíba, Pernambuco e Alagoas irá colaborar com a retomada do setor envolvendo vários atores importantes do turismo nacional e internacional”, disse.

Outro fato que deve ser levado em conta está ligado à divulgação das principais tendências de sustentabilidade e economicidade neste momento pós-pandemia. A ideia inovadora irá trazer novas estratégias de articulação entre os destinos e a cooperação que o momento exige.

24

Mar

Turismo

São Miguel do Gostoso é o segundo destino da América Latina a obter certificação internacional

Pertencente a Rede DEL Turismo, desenvolvido no Rio Grande do Norte pelo Sistema Fecomércio, Por meio do Senac, o município de São Miguel do Gostoso – no litoral norte do estado, recebeu a certificação Padrão de Destinos Verdes, na categoria Prata, concedida pela Green Destinations, fundação holandesa sem fins lucrativos para o turismo sustentável.

O município potiguar se destacou por práticas que reconhecem a excelência dos serviços oferecidos no destino aos visitantes. O prêmio analisou diversos aspectos como gestão do destino, natureza, animais e cenário, meio ambiente e clima, cultura e tradição, bem-estar social e negócios e hospitalidade.

A certificação é válida por dois anos e integra o Padrão de Destinos Verdes, conjunto de critérios reconhecido pelo GSTC (Global Sustainable Tourism Council) para medir, monitorar e melhorar a política de sustentabilidade e gestão de destinos e regiões.

“Para conquistarmos mais esse certificado foi necessário passar por várias etapas, sendo desenvolvido a várias mãos, ao longo de um ano de trabalho. Essa junção de esforços que o Programa implementa é um enorme diferencial. Até então inédita na América Latina, quando Tibau do Sul em novembro de 2020 ganhou o Selo Prata. Agora, o município de São Miguel do Gostoso, soma-se ao município de Tibau do Sul, sendo os dois únicos destinos da América latina a ter essa premiação”, diz o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

O comitê responsável pela análise salientou o quanto ficou impressionado com as explicações e evidências extensas e fundamentadas fornecidas na autoavaliação pelo município, parabenizando o destino pela excelente conquista.

O Programa Rede DEL Turismo, que apoia as ações desenvolvidas, utiliza uma metodologia inspirada no modelo alemão para gestão do desenvolvimento local. A iniciativa foi implantada no Rio Grande do Norte por meio de uma parceria entre a Fecomércio RN, FASISC-SC, Federasul-RS, Ministério Federal para a Cooperação e o Desenvolvimento da Alemanha e as entidades empresariais alemães BBW e SEQUA.

19

Mar

Turismo

Pesquisa aborda comportamento dos turistas brasileiros durante pandemia

O Grupo de Pesquisa Turismo em Tempos de Pandemia, coordenado pela professora Rita de Cássia Ariza da Cruz, da Universidade de São Paulo (USP), desenvolve um projeto com o intuito de identificar e analisar efeitos da pandemia do novo coronavírus covid-19 sob uma perspectiva multi e trans-escalar, a partir de estudos de casos do Brasil, Argentina, Portugal, França e Moçambique. Por meio de um questionário on-line, a equipe procura levantar dados acerca dos hábitos de viagem dos participantes. 

No Brasil, serão estudados os impactos da pandemia do covid-19 sobre os estados do Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e São Paulo. Atualmente, o grupo é composto por docentes, pesquisadores e discentes de graduação e de pós-graduação, de 30 instituições, nacionais e internacionais, de diversas áreas do conhecimento. 

Quatro componentes da equipe atuam na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), no campo do Turismo: Caroline Tedesco, docente da Faculdade de Engenharia, Letras e Ciências Sociais do Seridó (Felcs);  Fernanda Raphaela Alves Dantas, professora do curso de Turismo; Itamara Lúcia da Fonseca, docente do Departamento de Ciências Sociais e Humanas no Centro de Ensino Superior do Seridó (Ceres); Maria Aparecida Pontes da Fonseca, professora do Departamento de Geografia do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA). 

Para responder o formulário, é necessário ter idade igual ou superior a 18 anos (anonimato certificado). Mais informações sobre a pesquisa neste site ou entre em contato com o grupo pelo e-mail turismopandemia@gmail.com.

18

Mar

Turismo

Travel techs devem equilibrar perdas ocasionadas pela pandemia no setor de turismo

O mercado de turismo no Brasil foi um dos que mais sofreu com a pandemia de Covid-19. No último ano (fev. 2020-fev. 2021) a GOL e a AZUL perderam juntas cerca de R$9.5 bilhões em valor de mercado, já a CVC teve queda de 44%, passando do valor de R$6.9B para R$3.86B. A Decolar ficou em quarto, registrando menos R$1.94B no período analisado (veja tabela abaixo).

Contudo, a aceleração dos hábitos digitais em consumidores de todos os segmentos e a criação de campanhas atraentes no segmento evitaram que as perdas fossem ainda maiores.

Nunca se viu tantos pacotes promocionais e ofertas em sites e aplicativos de viagens como em 2020. Podemos até arriscar dizer que as travel techs (empresas de tecnologia e turismo) salvaram o ano e devem ter uma atuação forte também em 2021, ajudando consideravelmente a puxar os números do setor de turismo novamente para cima.

Neste cenário, acompanhe as 12 travel techs e mobility techs que tiveram destaque em 2020 e devem incrementar ainda mais a performance em 2021:

1 – Hurb: Foi uma das poucas empresas do setor de turismo que aceleraram em 2020. Chegaram a ofertar pacotes para Nova York e Tóquio, com passagem aérea de ida e volta e hospedagem por menos de R$3 mil reais, e com um dólar acima de R$5. É disparado o player líder de hotelaria no Brasil, e a meta da companhia é se tornar uma empresa global. Para isso, investe em tecnologia, big data, algoritmos de inteligência artificial, sem deixar de lado o calor humano, através de atendimento próprio ao invés de terceirizado, como algumas OTAs (over-the-air) internacionais.

2 – MaxMilhas: embora tenha perdido a liderança do setor para 123Milhas, a mineira MaxMilhas deve recuperar forte em 2021.

A empresa já anunciou que vai atacar outros segmentos, como venda de pacotes e hotéis, prometendo ser uma das principais OTAs em 2021, já que conta com tecnologia de ponta e uma base de usuários extensa.

3 – 123Milhas: Depois de fagocitar todo o espaço de mídia nos principais aeroportos nos últimos três anos com fotos do Zezé di Camargo vestindo camisas baby look e até do ex-menino prodígio da Decolar, Bruno de Lucca, a 123Milhas é a bola da vez. A empresa saiu na frente na corrida contra a MaxMilhas, em 2020 colocou hotel, pacotes de viagens, seguros e até carro na plataforma, virando uma OTA completa. A grande novidade é o lançamento da loja física, a 123Milhas em modelo de franquia, o que deve escalar o seu crescimento em 2021.

4 – Instaviagem: A proposta aqui é oferecer viagens personalizadas através de um modelo híbrido que mistura tecnologia e especialistas. Com isso, a empresa captou ano passado um investimento da gestora de venture capital DOMO Invest. A startup ainda tem uma opção em que o cliente cria um “destino surpresa”, ou seja, com algumas variáveis, como tempo de viagem, destino (nacional ou internacional), tipo de hospedagem (resort, albergue, hotel etc.) e modal (ônibus, carro ou aéreo), fornecidas pelo usuário, a Instaviagem cria uma sugestão de viagem completamente única.

5 – Zarpo: Com sete milhões de clientes, a empresa tem uma proposta bem nichada, se preocupando em oferecer forte curadoria de hotéis. Para ter acesso a qualquer preço é preciso estar logado, o que confere uma vantagem interessante à plataforma, pois assim ela consegue burlar as regras de paridade exigidas pelos hotéis, a partir do momento que oferece preço exclusivo para os “membros”. Além disso, ao focar em menos conteúdo que as outras OTAs, ela pode ter um poder de barganha maior, que é revertido em mais descontos. No mês de novembro de 2020, a Zarpo registrou vendas recordes, se beneficiando do comportamento dos novos viajantes em época de pandemia, que com as fronteiras internacionais fechadas optam por viagens mais “curtas”.

6 – Onfly:

startup vem crescendo e só em 2020 faturou R$8 milhões com a sua proposta única de realizar a gestão de viagens no Brasil, focando clientes corporativos. Além disso, captou o investimento do Grupo Cedro Capital no início de 2021. Com uma plataforma intuitiva, a empresa busca democratizar uma tecnologia que antes era exclusiva para poucas empresas, permitindo reservas de viagens, ao fluxo de reembolso de despesas, digitalizando toda jornada do viajante, eliminando trocas de e-mails e papéis, entregando gestão e dados para o travel manager tomar decisões inteligentes, e garantindo segurança aos acionistas das empresas, com redução de fraudes e transparência.

7 – Bank3: A Bank3 é uma fintech focada em travel, com solução de cartão de crédito virtual (VCN), que ainda dá cashback. Trata-se de uma convergência entre serviços financeiros e serviços turísticos, com tudo para dar certo em 2021.

8 – Let’s book / Pmweb: A grande sacada aqui é a venda direta. A Pmweb com a solução Let’s book oferece tecnologia para os hotéis dependerem menos dos intermediários e OTAs. Trata-se de uma ferramenta de reserva para os hotéis e uma solução de CRM para ajudá-los a se relacionar com clientes depois do checkout e, assim, aumentarem a recorrência dos hóspedes.

9 – Asksuite: A empresa criou um chatbot para ser inserido no site dos hotéis, onde o usuário consegue fazer uma cotação e reserva de quarto em alguns segundos diretamente pelo chat. O interessante desta solução é que, além de permitir que o hotel aumente a conversão dos visitantes em hóspedes, elimina boa parte da necessidade da área de “vendas” dos hotéis, historicamente um departamento com pouquíssima tecnologia aplicada. A Asksuite é de Santa Catarina e no meio do ano passado anunciou um investimento de R$4 milhões da ABSeed, fundo especializado em empresas SAAS (software como serviço).

10 – Voa Hotéis: A proposta da startup é entregar uma marca para os hotéis independentes, com um modelo padronizado de gestão e uma gama de softwares sem custo para que o pequeno hotel consiga ter mais hóspedes e maior rentabilidade. No Brasil, a hotelaria independente representa 87.9% do mercado, portanto, um terreno fértil para modelos como o da Voa Hotéis.11 – Flapper: Sediada em Belo Horizonte (MG), mas com escritórios em várias cidades da América Latina, a startup tem a proposta de transformar a mobilidade aérea com uma solução “boutique” e com um preço muito acessível. Trata-se do “Uber dos helicópteros”. Em 2020, a empresa captou R$2.5M com equity crowdfunding para acelerar seu crescimento nos próximos cinco anos.

12 – Fly Adam: Lançada no começo de 2020, a empresa possui uma plataforma inovadora de mobilidade aérea que está revolucionando o mercado, pois permite o fretamento de uma aeronave em qualquer lugar do Brasil e do exterior a partir do próprio celular ou computador, sem ter que fazer diversas cotações em empresas diferentes. Recentemente, a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) autorizou a compra de assentos individuais em voos operados por empresas de táxi aéreo, e a Fly Adam é uma das primeiras a distribuir a venda destes assentos.

15

Mar

Turismo

[ARTIGO] Processos de vistos de turismo para os Estados Unidos podem ser mais rígidos no futuro

*Por Daniel Toledo

O futuro da imigração nos Estados Unidos é uma grande dúvida para muitas pessoas. Com Joe Biden no comando da presidência do país, algumas coisas realmente devem mudar quando os consulados voltarem a abrir nos próximos meses. Com boa parte da população querendo viajar e a oportunidade de conhecer ou voltar aos EUA, o visto mais buscado continua sendo o de turismo.

Nos últimos meses houve algum entusiasmo por conta do rumor de abertura de consulados no início de março e, apesar da informação ser segura, não foi concretizada devido aos números da pandemia, que não foram satisfatórios o suficiente para que os processos de visto voltassem a ser avaliados.

Dito isto, recentemente eu recebi uma notícia sobre um estudo feito nos Estados Unidos, alegando que no mês de abril, devido a campanha bem sucedida de vacinação, a imunidade dos habitantes estaria alta o suficiente para que o fim da pandemia seja decretado no país. A palavra de Biden, no entanto, vai mais além. Segundo o presidente, até o final de maio o problema causado pelo coronavírus deve ser controlado. Mas é importante lembrar que qualquer informação é apenas especulação até que haja uma publicação oficial.

No momento não há convicção sobre o estudo, mas as previsões são de uma reabertura escalonada em que os consulados passam a avaliar alguns tipos de vistos e em determinados casos serão processados no período estimado.

No Brasil as restrições devem continuar até que a situação tenha algum sinal de melhora e, considerando a variação do vírus descoberta em Manaus, será necessário que o governo, em todas as suas esferas, trabalhe para diminuir a incidência de contaminação.

Sobre os protocolos, é importante ter em mente que os consulados americanos em território brasileiro estão fechados há aproximadamente um ano. Quando a reabertura acontecer de fato, existe a grande possibilidade de muitas solicitações serem feitas simultaneamente e devido ao distanciamento social a dinâmica de entrevistas e digitalizações deve ser alterada. Por isso, esse é o melhor momento para começar a organizar o procedimento, seja com o planejamento da viagem, documentação e todo o processo par protocolar o visto.

Pessoalmente, acredito que o governo Biden deve ser bastante restritivo com os vistos de turismo nos próximos meses, uma vez que o momento pede cautela. Também é importante ressaltar a campanha presidencial e a intenção de alterar questões relacionadas a imigração, como a regularização de pessoas ilegais nos EUA. Os detalhes serão votados futuramente e por isso é o presidente deve restringir a entrada de mais pessoas no país nesse momento.

Essa também é uma razão para dificultar o acesso aos vistos mais comuns, como os de turismo, estudantes e negócios, que são algumas das portas de entrada que as pessoas utilizam para permanecer no país além do tempo permitido.

Algumas dicas para preencher o formulário DS-160 é utilizar os artifícios que demonstram vínculos com o Brasil, como um trabalho de longa data, localização da família e renda suficiente para fazer turismo, que pode ser demonstrada por extratos, declarações de imposto de renda etc. Além disso, é importante verificar quais são os seus vínculos nos Estados Unidos, como o local da estadia e se existe algum conhecido no país.

Um dos principais pontos de recusa de visto é o motivo de retorno para o país de origem, por isso é importante ter essas razões esclarecidas, como patrimônio, família, um vínculo definitivo ou documentos que comprovem o hábito de viajar. Ser claro e verdadeiro durante a entrevista também é fundamental para evitar problemas no futuro.

*Daniel Toledo é advogado da Toledo e Advogados Associados especializado em direito Internacional, consultor de negócios internacionais e palestrante. Para mais informações, acesse: http://www.toledoeassociados.com.br ou entre em contato por e-mail daniel@toledoeassociados.com.br.  Toledo também possui um canal no YouTube com mais de 90 mil seguidores https://www.youtube.com/danieltoledoeassociados com dicas para quem deseja morar, trabalhar ou empreender internacionalmente. Ele também é membro efetivo da Comissão de Relações Internacionais da OAB São Paulo e Membro da Comissão de Direito Internacional da OAB santos.

11

Mar

Turismo

ABIH-RN afirma que turismo do RN está "à beira da falência" com prejuízo de R$ 1,5 bi


Com um prejuízo de R$ 1,5 bilhão no período que compreende abril de 2020 e fevereiro deste ano, o turismo, um dos maiores setores econômicos do estado, está à beira da falência e levando milhares de pessoas ao desemprego e a fome. “Ter que ouvir de um ex-funcionário a seguinte frase: ’Eu preferia mil vezes contrair o vírus a ter que deixar de levar comida para casa’ é uma das coisas mais angustiante que eu já ouvi!”, comentou o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte (ABIH-RN), Abdon Gosson.

Especificamente, cerca de 80 mil profissionais formais do turismo estão nas estatísticas do desemprego no setor, entretanto, esses dados não levam em conta os outros milhares de empregos informais que dependem direta e indiretamente do turismo no estado, a exemplo dos ambulantes, motoristas, vendedores de comida de praia, fornecedores, etc, o que somaria um número muito maior e assustador. 

Para se ter uma ideia do que isso representa, entre abril de 2019 e fevereiro de 2020, houve uma arrecadação de R$ 2,5 bilhões. O montante apurado entre abril de 2020 e fevereiro deste ano foi de R$ 971 mil. Informações da Câmara Empresarial do Turismo (CET), órgão vinculado à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do RN (Fecomércio).

Os representantes do setor têm buscado junto aos Poderes soluções para reerguer o turismo potiguar diante de um quadro tão grave e que já completa um ano sem qualquer solução concreta para o segmento, segundo Abdon Gosson: “Nossa luta é pela vida. Precisamos preservar tanto aqueles que estão na fila a espera de uma UTI, quanto os que precisam comprar o pão de cada dia. A miséria é uma doença tão grave quanto a que estamos enfrentando nessa pandemia e por isso faço um apelo genuíno aos órgãos públicos para que olhem para essa situação com uma consideração urgente. E isso significa a aceleração da disponibilidade da vacina, pois ela é a única que pode nos tirar dessa situação e salvar as vidas e os empregos.”.

“Fechar e brigar por protocolos não adianta nesse momento sendo que o problema já está acontecendo. Os ambientes turísticos, e com isso falo sobre os hotéis, bares, restaurantes e praias, já se provaram serem lugares seguros se seguidos corretamente das regras sanitárias que já estão implantadas e sendo respeitadas. Pedimos por uma fiscalização mais ampla com punições aos estabelecimentos que não estejam cumprindo os protocolos da forma que deve ser, e não o fechamento.”, ressaltou Abdon.

11

Mar

Turismo

Google Travel vai listar hotéis gratuitamente nas pesquisas

A Google anunciou nesta terça-feira (9) que não vai mais cobrar pela exibição dos links de reserva de hotéis no Google Travel, plataforma da companhia destinada à realização de serviços como a comparação de preços de hospedagem. Anteriormente, as empresas precisavam pagar para aparecer na listagem.

De acordo com a gigante de Mountain View, a novidade dará aos usuários da ferramenta uma “visão mais abrangente de opções” durante os momentos de pesquisa e planejamento de suas viagens, permitindo encontrar as alternativas mais adequadas em meio a uma oferta mais ampla.

Já os hotéis e as agências de viagem poderão se beneficiar com o aumento do tráfego de reservas e o envolvimento dos internautas, conforme a companhia, podendo alcançar um maior número de clientes em potencial. As empresas que já usam a API de preços de hotéis e os anúncios aparecerão na listagem gratuita automaticamente, enquanto as demais poderão se inscrever por meio de uma conta no Hotel Center.

 

A listagem gratuita de hotéis fica disponível esta semana.
 

“Quando as viagens forem retomadas a sério, é crucial que as pessoas possam encontrar as informações que procuram e se conectar facilmente com as agências de viagens online”, comentou o vice-presidente de gerenciamento da plataforma Richard Holden, referindo-se à volta das viagens quando a pandemia do novo coronavírus estiver controlada.

Google Shopping e Google Flights tiveram a mesma mudança

Em 2020, a gigante das buscas fez uma modificação semelhante em relação ao Google Shopping, permitindo que varejistas do comércio eletrônico exibissem seus anúncios gratuitamente na plataforma — antes, somente anúncios pagos apareciam na guia Compras.

O Google Flights foi outro serviço que teve esta novidade anunciada no ano passado, permitindo que as companhias aéreas aparecessem gratuitamente durante as buscas por voos realizadas na vertical.

No caso do Shopping, a empresa disse ter observado um aumento de 70% nos cliques após a chegada das listagens gratuitas, atraindo uma maior quantidade de marcas para o e-commerce.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/internet/212522-google-travel-listar-hoteis-gratuitamente-pesquisas.htm

10

Mar

Turismo

Turismo do RN sofre prejuízo de R$ 1,5 bilhão em um ano de pandemia

O turismo do Rio Grande do Norte sofreu um prejuízo de R$ 1,5 bilhão no período que compreende abril de 2020 e fevereiro deste ano. O dado foi revelado pela Câmara Empresarial do Turismo (CET), que é vinculada à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do RN (Fecomercio).

Para se ter uma ideia do que esse dado representa, entre abril de 2019 e fevereiro de 2020, houve uma arrecadação de R$ 2,5 bilhões. O montante apurado entre abril de 2020 e fevereiro deste ano foi de R$ 971 mil.

Para o coordenador da CET, George Costa, são números preocupantes e que mostram a situação real vivida pelo principal setor econômico do RN. “São informações reais e alarmantes”, comentou.

Outro número que mostra o impacto da pandemia no turismo potiguar é o gasto médio por dia do turista. Antes da pandemia, esse valor era de R$ 274,45. Agora, esse número é de R$ 216,41. “De uns tempos pra cá, a quantidade de cancelamentos cresceu e só aumentou o prejuízo acumulado”, disse Costa.

Para o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Rio Grande do Norte (SHRBS-RN), Habib Chalita, o turismo do estado como um todo tem sido muito atingido pela pandemia. “São prejuízos incalculáveis. Empresas fechando, funcionários demitidos, crise. É preciso que o poder público tenha iniciativa com aqueles que tanto contribuem para a economia”, afirmou.

Os representantes do setor têm buscado junto aos Poderes soluções para reerguer o turismo potiguar diante de um quadro tão grave e que já completa um ano sem qualquer solução concreta para o segmento. “É necessário algo urgente sob o risco de termos o principal potencial econômico do estado arruinado”, concluiu Chalita.

10

Mar

Turismo

Brasileiros lideraram pedidos para residir em Portugal em 2020

Em 2020, os brasileiros voltaram a ocupar o topo da lista dos que mais obtiveram, do governo de Portugal, autorizações para viver no país. Dados preliminares que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) português forneceu à Agência Brasil revelam que, de 117,5 mil novos títulos de residência emitidos no ano passado, 41,99 mil foram entregues a brasileiros.

Em seguida, com 13,16 mil solicitações, vêm os cidadãos do Reino Unido – conjunto de países que reúne a Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte e que, em janeiro de 2020, deixou oficialmente a União Europeia. Na sequência vêm os indianos, com 7,017 mil solicitações, angolanos, com 4,82 mil, e italianos, com 4,48 mil.

Os pedidos de novos títulos de residência feitos por brasileiros representam cerca de 36% do total já apurado. Por ora, é um total inferior aos 48,79 mil títulos concedidos a brasileiros em 2019 - antes de Portugal ser afetado pela crise decorrente da pandemia de covid-19 que, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), levou o Produto Interno Bruto (PIB) a encolher 7,6% durante o ano passado. Ainda assim, o resultado revela que, mesmo em meio à crise, muitos brasileiros continuam optando por viver em Portugal.

Para a ex-professora Pâmela Fumagalli Machado da Silveira, 38 anos, a segurança e o clima pesaram na decisão de se mudar de Primavera do Leste (MT) para Barreiro, a cerca de 40 quilômetros de Lisboa. Embora tenha cidadania italiana – o que facilita o ingresso dela, do marido e de seus dois filhos, de 18 e 10 anos, em qualquer país da Comunidade Europeia – Pâmela e a família optaram por Portugal. Se mudaram em novembro de 2019, após obter o título de residência. E, no início, enfrentaram algumas das dificuldades que a maioria dos imigrantes enfrenta, mesmo estando em situação legal.

“No Brasil eu dava aulas em escolas particulares e meu marido trabalhava na área de Tecnologia da Informação [TI]. Aqui, nos primeiros meses, tivemos que trabalhar em restaurantes, em serviços muito puxados. Agora, meu marido já conseguiu trabalho no setor dele, mas eu estou trabalhando com costura e artesanato que, felizmente, são coisas de que eu sempre gostei”, contou Pâmela, garantindo que a família não se arrepende da decisão.

“Vínhamos planejando nos mudar já há alguns anos. Escolhemos Portugal em função da qualidade de vida, pois sabíamos que esse não é um país para ganhar dinheiro, mas que oferece segurança e que, por receber muitos imigrantes, é mais receptivo que outros da Europa. Além disso, para nós brasileiros, há a facilidade da língua”, lembrou a brasileira, acrescentando que há também outro lado, de adversidades e desafios, que se agravou com a pandemia.

“Não conheço quem tenha decidido voltar ao Brasil, mas sim pessoas que falam que cogitam fazer isso, que dizem estar no limite. Quem trabalha de casa, como o meu marido e eu, está se mantendo. Estamos há meses praticamente fechados em casa. Já quem trabalhava em restaurantes, bares, clubes, em muitos dos serviços que empregam estrangeiros, está sem trabalhar. Está tudo fechado”, contou Pâmela, afirmando que, apesar de tudo, sua família não pensa em voltar. “Acho que estamos em um bom lugar. E, nas redes sociais, vemos que há muitos brasileiros querendo vir para cá.”

Fonte: Agência Brasil/ Foto: Jean Baptiste

5

Mar

Turismo

Estudo aponta que 91% dos brasileiros estão buscando destinos sem aglomerações

Os brasileiros estão buscando cada vez mais destinos turísticos que não tenham aglomerações. A constatação é de uma pesquisa realizada pelo Booking.com que mostrou que 91% dos viajantes nacionais estão buscando locais mais tranquilos para viajar no país. O item é uma das recomendações do protocolo para turistas do Selo Turismo Responsável, do Ministério do Turismo, criado para que os consumidores se sintam seguros ao viajar e frequentar locais que cumpram protocolos específicos para a prevenção da Covid-19.

Para o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, devem ser priorizados os destinos que adotem os protocolos de segurança sanitária propostos pela Pasta, pois garantem as boas práticas de higienização em cada segmento do setor. “Estamos identificando que, cada vez mais, os turistas estão buscando atrativos que adotem todas as medidas sanitárias que evitem o contágio da doença. Nós, do Ministério do Turismo, incentivamos esta ação. Verifiquem se o estabelecimento que está hospedado ou que está visitando tenha o Selo Turismo Responsável”, disse.

Outro dado relevante apontado pelo levantamento foi que quase 7 em cada 10 entrevistados pretendem viajar fora de temporada em 2021 e que 83% deles estão levando em consideração a procura por destinos onde corra menos risco de contrair ou espalhar a Covid-19. Para o gerente de Comunicação para a América Latina da Booking.com, Luiz Cegato, os dados comprovam um sentimento identificado em pesquisas anteriores. “De acordo com uma pesquisa realizada em 2019, 52% dos viajantes brasileiros já diziam pretender visitar destinos alternativos para evitar viagens durante a alta temporada e 59% já queriam não estar em lugares com muita aglomeração de turistas”, relatou.

No início do ano, o Ministério do Turismo iniciou uma pesquisa com consumidores nacionais para, também, avaliar a retomada de viagens no país. O objetivo da iniciativa é conhecer e analisar a opinião do público quanto à expectativa de realizar viagens a lazer nos próximos meses e à percepção de segurança dos viajantes em um cenário de pandemia. A expectativa é de que o resultado saia ainda no mês de março.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo, via Fecomércio

2

Mar

Turismo

Azul retoma voos regulares ligando Recife à Mossoró

Respeitando todos os protocolos de biossegurança, o Governo do RN celebra a reabertura do aeroporto Dix-Sept Rosado, em Mossoró. O batismo da primeira aeronave a pousar em solo mossoroense, nesta segunda-feira, 1º de março, marcou a solenidade de reabertura. O retorno do voo da companhia Azul Linhas Aéreas é fruto de uma agenda de articulação da Governadora Fátima Bezerra, em conjunto com a Secretaria de Turismo (Setur), a Empresa de Promoção Turística (Emprotur) e a Secretaria de Tributação (SET), junto ao CEO da Azul Linhas Áereas em outubro do ano passado, em São Paulo/SP.

“Não medimos esforços para criar medidas a fim de mitigar os impactos causados pela pandemia. Montamos uma força-tarefa com o objetivo de solucionar os entraves para possibilitar o retorno dos voos. Ver a retomada, com todos os protocolos de segurança sanitária sendo cumpridos, marca também o retorno do turismo, uma das principais atividades econômicas do nosso estado”, disse a governadora Fátima. 

Representaram o Governo do Estado do Rio Grande do Norte, na solenidade, a secretária de turismo, Aninha Costa, o diretor-presidente da Emprotur, Bruno Reis e o diretor-geral do DER, Manoel Marques.

“O retorno desse voo foi um pedido da nossa governadora, ao presidente da Azul quando o visitamos em São Paulo. É um importante incremento para o turismo neste momento de retomada, pois fomenta o turismo de lazer e também o corporativo, muito forte nesta região que é uma das mais importantes economicamente para o Rio Grande do Norte. Esse voo é mais uma opção para aqueles que desejam conhecer essa bela região da Costa Branca potiguar, destacou Aninha.

O prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, destacou que todos os protolocos de biossegurança estão sendo rigorosamente cumpridos. “Diante da pandemia do coronavírus, estamos adotando todas as medidas para preservar as vidas de todos. Estamos reconectando Mossoró ao mundo e faremos com muita responsabilidade”, ressaltou.

A partir de agora o aeroporto Dix-Sept Rosado passa a atuar com três frequências semanais (segundas, quartas e sextas), um importante incremento na malha aérea Rio Grande do Norte. Alessandra França e Gabriela Madeira, trabalham no setor comercial de uma importante indústria brasileira, estavam no primeiro voo. “Viajamos frequentemente para Mossoró a trabalho e o aéreo economiza muito tempo e desgaste físico. Ficamos muito felizes com o retorno”, comemorou, Alessandra.

2

Mar

Turismo

Senac RN abre cursos gratuitos focados nos protocolos sanitários para a área do Turismo

Dando continuidade à série de ações previstas dentro do Plano de Retomada do Turismo, o Sistema Fecomércio RN, por meio do Senac, iniciou, nesta segunda-feira (01), a partir das 14h, inscrições para os cursos que têm como foco habilitar trabalhadores envolvidos na cadeia produtiva do turismo para implementação das normas de biossegurança exigidas.

Os profissionais que desejarem participar têm até o dia sete de março para realizarem sua inscrição, por meio do site rn.senac.br. Nesta etapa estão sendo oferecidas 150 vagas nos cursos de Protocolo e Boas Práticas de Prevenção à Covid-19 em Meios de Hospedagem; Alimentos e Bebidas e Serviços Receptivos.

“Esta iniciativa, que vem sendo realizada desde o ano passado, contribui diretamente para a retomada da economia e do turismo do RN. Ao oferecer os cursos gratuitos no Senac, estamos possibilitando nossos turistas e sociedade em geral, a garantia de que estão usufruindo de um serviço seguro, com o cumprimento de todas as normas sanitárias e de higiene”, ressaltou o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

Para se inscrever, é preciso possuir renda familiar mensal per capita de até dois salários mínimos federais, comprovados por meio de auto declaração, e apresentação de documentos pessoais, como RG, CPF, comprovante de residência e escolaridade. O candidato também deve dispor de computador com acesso à internet, já que as aulas ocorrerão de forma remota. A seleção dos candidatos será feita de acordo com a ordem de inscrição. Inscrição em: rn.senac.br.

Sobre o PRT – O Plano de Retomada do Turismo do Rio Grande do Norte é uma ação liderada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo, com o objetivo de promover ações integradas dos empreendimentos turísticos para garantir a saúde pública e organizar a retomada gradativa das atividades, preservando os empregos e auxiliando na segurança econômica e sanitária.

26

Fev

Turismo

Sebrae vai intensificar ações de bioprevenção para o setor do turismo

Diante do agravamento dos casos críticos de Covid-19 no estado e a implementação de medidas governamentais de controle à disseminação do vírus, que afetam diretamente o funcionamento de pequenos negócios, o Sebrae no Rio Grande do Norte resolveu intensificar as ações do programa de bioprevenção, o Reinicie, voltadas para o setor de turismo, mais especificamente entre bares e restaurantes. O objetivo é assegurar que mais empreendimentos adotem os protocolos sanitários nos estabelecimentos e garantir a segurança dos consumidores e colaboradores, evitando medidas de fechamento total de empresas que atuam nessa área.

Desde o ano passado, o Sebrae no Rio Grande do Norte em parceria com a Fecomercio-RN e com o apoio da Prefeitura de Natal, através da Secretaria Municipal de Turismo, Agência de Fomento do Estado (AGN) e Governo do Estado, vem executando o Programa Reinicie. Trata-se de uma trilha de capacitação em bioprevenção online que leva os principais protocolos de segurança sanitária exigidos para cada setor e os públicos envolvidos na operação das empresas.

Para participar, basta acessar a página https://www.rn.sebrae.com.br/bioprevencao/. No portal, estão disponíveis para download diversos materiais de orientação para os empreendimentos, tais como e-books, cartilhas, sinalizadores para clientes, colaboradores e fornecedores, além das capacitações que são completamente gratuitas. Na trilha do programa, há cursos contemplando as atividades de Guia de Turismo, Bugueiros, Quiosques e Barracas de Praia, Locadores de mesas e cadeiras, Ambulantes e Lojas de Artesanato.

Para empreendimentos de maior porte, o Sebrae oferece uma consultoria especifica, que é subsidiada em até 80% pela instituição. Ao final, o empreendedor ou empresa se habilita a receber o selo Turismo Mais Protegido (http://www.turismoprotegido.rn.gov.br/) emitido pela Secretaria Estadual de Turismo do RN que atesta a adoção de medidas preventivas contra a Covid-19.

De acordo com o gestor do projeto setorial de Turismo do Sebrae-RN, Yves Guerra, a vantagem é que a capacitação pode ser seguida de forma remota, já que os conteúdos, cartilhas, palestras e vídeos da trilha estão disponíveis na página.

“Essas soluções que disponibilizamos são gratuitas ou subsidiadas, no caso das consultorias, para que as empresas e empreendedores adotem as boas práticas higiênico-sanitárias e os cuidados contra a Covid-19”. Segundo o gestor, além disso, está sendo programada ainda uma ação de orientação presencial com consultores e entidades parceiras visitando os empreendimentos, ação que é denominada de "BioBlitz".

Para os empresários que precisarem de uma orientação mais personalizada, o Sebrae também dispõe de consultores nessa área de bioprevenção que podem ajudar o empresariado a implantar medidas, rotinas e protocolos sanitários de acordo com o porte do empreendimento. Esse tipo de consultoria de adequação às boas práticas e cuidados contra a Covid-19 pode ter um subsídio de até 80% no valor total.

25

Fev

Turismo

Pesquisa: 75% do setor de turismo projeta crescimento ou prevê estabilidade econômica

O setor de turismo no Brasil, um dos mais impactados pela pandemia de Covid-19, avalia que os próximos meses devem ser de crescimento para o setor. Pesquisa realizada pela Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) aponta que quase metade do empresariado (45%) projeta crescimento econômico para o setor, enquanto 29% acredita que os negócios se manterão estáveis. A pesquisa foi realizada com hotéis, pousadas, restaurantes, bares e similares de todo o país.

O presidente da FBHA, Alexandre Sampaio, avalia que a vacinação da população contra Covid-19 deve possibilitar a retomada plena das atividades. “A vacinação geral da população é a nossa melhor chance para conseguir voltar às atividades de forma completa. Sem dúvidas, ainda há um longo percurso para atravessarmos”, analisa.

Desde o início da pandemia, o governo federal atuou para reduzir os efeitos da Covid-19 no turismo. O Ministério do Turismo iniciou uma série de ações com foco na proteção do turismo brasileiro e de seus trabalhadores. Atuou junto a área econômica do governo para garantia dos salários e jornadas de trabalho e na regulamentação das relações de consumo no segmento. E, ainda, garantiu R$ 5 bilhões em empréstimos por meio do Fundo Geral do Turismo (Fungetur).

“Lançamos o Selo Turismo Responsável para estimular a adesão de todo o setor de turismo no Brasil a protocolos de proteção contra o coronavírus, trazendo mais segurança aos turistas e a trabalhadores. Já temos mais de 26 mil emitidos a estabelecimentos e guias de turismo que aderiram à iniciativa”, destaca o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

Em novembro do ano passado, o governo federal lançou ainda a Retomada do Turismo. Trata-se de uma aliança nacional em nome da retomada do setor de forma responsável e segura, que reúne 32 instituições do poder público, iniciativa privada, terceiro setor e Sistema S, coordenada pelo Ministério do Turismo. Para isso, estão sendo desenvolvidas um conjunto de ações que vão desde o reforço na concessão de linhas de crédito para capitalizar empresas do setor e preservar empregos até obras de melhoria da infraestrutura dos destinos turísticos.

Fonte: Ministério do Turismo, via Fecomércio

11

Fev

Turismo

Fecomércio RN e Governo do RN lançam Sistema de Inteligência do Turismo Potiguar

O presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, e a governadora Fátima Bezerra, assinaram, na manhã desta quarta-feira (10), na Governadoria, um convênio para a criação do Sistema de Inteligência do Turismo Potiguar. A plataforma foi desenvolvida pela Federação do Comércio, por meio do seu Departamento de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos, com o apoio do Senac RN, em parceria com o Governo do Estado, por meio da Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur). 

A ferramenta on-line será aberta ao público e vai compilar diversas fontes de dados (ANAC, Cadastur e companhias aéreas, por exemplo), disponibilizando informações como o monitoramento do desempenho do setor turístico, por meio de indicadores específicos, em formato de dashboards e relatórios descritivos trimestrais. Irá se somar à Pesquisa do Perfil do Turista de Alta Estação que já é feita pela Fecomércio há mais de uma década. 

"A ideia é que tenhamos um manancial inesgotável de informações estratégicas sobre quem nos visita, quando, como e, principalmente, o que eles levam de impressões, encantamentos, frustrações e anseios. Com os dados que a plataforma irá disponibilizar, o Estado, na sua mais plena acepção, poderá agir de maneira muito mais assertiva para estimular o setor, assim como os empreendedores do turismo poderão nortear cada passo de seus negócios, elevando bastante os seus graus de eficiência e eficácia", afirmou o presidente Marcelo Queiroz. 

O Sistema vai gerar informações turísticas atualizadas, de qualidade, dando base para a construção de recomendações de inteligência de mercado, que servirão de base para a tomada de decisões do setor público, empresas e profissionais, potencializando o turismo como uma atividade estratégica para o desenvolvimento econômico e social do estado. Também serão consumidores dos dados e parceiros importantes na consolidação do Sistema, a Câmara Empresarial do Turismo da Fecomércio, demais entidades do trade e a academia. 

A secretária de Turismo do RN, Aninha Costa, explicou que "o RN já vem se destacando pelo uso propositivo de dados e essa parceria com a Fecomércio RN irá colaborar muito para a gestão do nosso destino. A criação do Sistema de Inteligência do Turismo Potiguar é a ampliação do trabalho já desenvolvido por ambas as instituições em prol da atividade, e será um legado para todo o trade potiguar”. 

Os dados contidos no primeiro painel extraído da plataforma foram apresentados aos presentes no evento pelo coordenador técnico do Sistema de Inteligência do Turismo Potiguar, Marcelo Milito. Ele explicou quais são os dados que serão disponibilizados, e as opões de aplicação de filtros dos dados, como também as possibilidades de uso destas informações. 

No momento da assinatura do convênio, o presidente Marcelo Queiroz entregou à governadora Fátima Bezerra uma cópia do relatório da pesquisa do Perfil do Turista que visitou o Rio Grande do Norte no verão 2020/2021, realizada pelo Departamento de Estatísticas da Fecomércio, cujas informações já estão inseridas no Sistema de Inteligência do Turismo Potiguar. 

A governadora Fátima Bezerra destacou mais esta importante parceria firmada entre o Executivo estadual e a Fecomércio. “As atividades econômicas ainda sofrem sérios reflexos da pandemia, especialmente o turismo. O que os fez aumentar sua capacidade de se reinventar. E é o que estamos fazendo aqui hoje. Lançando esta ferramenta que vai permitir a execução de ações planejadas pelo setor, com base em dados confiáveis. Com isso, vamos otimizar a aplicação dos recursos, e desenvolver políticas públicas mais eficientes”, finalizou. 

Também estavam presentes na solenidade o Vice-governador Antenor Roberto; o secretário de Desenvolvimento Econômico, Jaime Calado; o secretário de Tributação, Carlos Eduardo Xavier; o presidente da Emprotur, Bruno Reis; o diretor Regional do Senac, Raniery Pimenta; o coordenador da Câmara Empresarial do Turismo, George Costa, além de diversos representantes de entidades do trade.