A segunda edição do Prêmio Justiça do Trabalho de Jornalismo vai escolher a melhor reportagem de rádio veiculada entre 1º de setembro de 2019 e 1º de agosto de 2021. O vencedor receberá um prêmio de R$ 10 mil. Interessados têm até o dia 1º de agosto para inscrever reportagens que abordem o tema: “Justiça do Trabalho: a importância e os avanços da Justiça Social”. 

Além de radiojornalismo, serão outras quatro categorias em disputa: jornalismo impresso, telejornalismo, webjornalismo e mídias digitais. Mídias digitais, aliás, estará pela primeira vez no Prêmio. Podem concorrer conteúdos jornalísticos ou informativos em formato de lives, séries, programas, vídeos ou podcasts, veiculados em canais de plataformas digitais de áudio ou vídeo, como o YouTube, Spotify, IGTV, Deezer, entre outros.

Mais informações podem ser obtidas no edital do concurso.

Inscrições

As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 1º de agosto. Para se inscrever, os interessados devem acessar a página Prêmio Justiça do Trabalho de Jornalismo e preencher os requisitos solicitados no edital. Após as 23h59 do dia 1º de agosto, o sistema de inscrição será automaticamente bloqueado.

Primeira edição

primeira edição do prêmio, realizada em 2019, teve como tema “Trabalho infantil: combate e perspectivas para o seu enfrentamento” e contemplou trabalhos realizados no Pará, em Santa Catarina, no Ceará e no Distrito Federal. Foram 57 trabalhos inscritos e avaliados por uma comissão julgadora, formada por magistrados da Justiça do Trabalho e profissionais da área de comunicação. 

Comissões

A Presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministra Maria Cristina Peduzzi, editou, em abril de 2021, o Ato TST.GP 99/2021, que designou a comissão especial e a comissão julgadora do 2º Prêmio Justiça do Trabalho de Jornalismo.

A Comissão Especial terá como membros titulares os ministros Ives Gandra e Alexandre Ramos e o juiz auxiliar da Presidência do CSJT Rogério Neiva Pinheiro. Foram designados como membros suplentes o ministro Douglas Alencar e o coordenador de Gestão Documental e Memória, Reginaldo Pereira Matos.

Já a Comissão Julgadora será formada pelo corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Aloysio Corrêa da Veiga; o presidente do Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do trabalho, desembargador Leonardo José Videres Trajano; a secretária-geral do CSJT, Carolina da Silva Ferreira; a secretária de comunicação social do TST, Taciana Giesel Cuadros; o diretor da Associação Brasileira de Comunicação Pública, professor doutor Jorge Antônio Menna Duarte; e a docente da Universidade de Brasília, professora drª Dione Oliveira Moura. Como suplentes, foram designadas a ministra Kátia Arruda; a secretária-geral da presidência do TST, Tatiana de Azevedo Baena; e a coordenadora de Rádio e TV, Anna Carolina Vilela de Brito.