O Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN) assinou, em maio, um acordo de colaboração com a Universidade de Sheffield (Reino Unido), em que prevê a aproximação de pesquisadores para o desenvolvimento de ferramentas na área de Psiquiatria Computacional.

A parceria, com foco em estudos sobre doenças neurodegenerativas, tem duração de até dois anos e possui entre seus objetivos o intercâmbio de pesquisadores em eventos de treinamento no Brasil e no Reino Unido, a aquisição de equipamento de pesquisa para utilização na UFRN e a oferta de bolsas de pesquisa no Brasil. A coordenação da iniciativa é do professor do IMD César Rennó Costa.

O projeto Modelling the link between working memory and language deficits in schizophrenia, que originou o acordo, foi aprovado em uma chamada pública da Royal Society e tem como objetivo criar um modelo computacional dos déficits de linguagem observado em esquizofrênicos.

Os professores Sidarta Ribeiro e Natália Mota, do Instituto do Cérebro (Ice/UFRN), descobriram que, ao analisar a fala de pacientes psiquiátricos, é possível identificar uma pessoa que vai desenvolver eventos psiquiátricos com meses de antecedência. Portanto, um dos propósitos do projeto é compreender o mecanismo por trás disso.

Bioinformática

De acordo com César Rennó, o centro de processamento de linguagem natural, do Departamento de Ciência de Computação da Universidade de Sheffield, é um dos mais conceituados do mundo. “Este intercâmbio abrirá novas portas de pesquisa na interface entre a Bioinformática, a Neurociência e a Inteligência Artificial. É mais um fruto das iniciativas de internacionalização do Programa de Pós-graduação em Bioinformática (BioME), do IMD”, afirma o professor.

A parceria com a Universidade de Sheffield foi realizada a partir de um projeto com financiamento do Newton Fund (iniciativa britânica que promove o desenvolvimento social e econômico de países parceiros), com a gestão da Royal Society (instituição voltada para promoção de conhecimento científico). O acordo foi assinado de forma remota pelo reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, e pelo deputy director de Sheffield, Neil Harris. A Secretaria de Relações Internacionais da UFRN e o Reserch Services da universidade inglesa intermediaram a ação.

Além da coordenação do professor César Rennó, o projeto também tem colaboração do professor Renan Moioli (IMD), da professora Aline Villavicencio (chair de Processamento de Linguagem Natural na Universidade de Sheffield), entre outros docentes do Instituto do Cérebro (ICe-UFRN), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), da Universidade de Coimbra (Portugal) e da Universidade de Birmingham (Inglaterra).

Foto: University of Sheffield