As tendências do mundo pós Covid-19 serão um dos assuntos tratados durante o seminário digital “Conexão Comarket - Comunicação, Marketing e Transformações do Varejo Atual”, que acontece entre os dias 16 e 17 junho. O evento será transmitido pelo canal no Youtube da Agência Comarket, é gratuito e está com inscrições abertas no Sympla (www.sympla.com.br). 

 

Para falar sobre o tema, ninguém melhor do que a palestrante que inspira plateias a visualizarem suas vidas e organizações no futuro: a futurista Beia Carvalho. Premiada com 4 leões em Cannes, Beia é fundadora e presidente do think tank 5 YEARS FROM NOW, um espaço para reflexão sobre o futuro dos negócios. Suas palestras são provocativas e transformadoras, tratadas com simplicidade e humor. Ela pesquisa o futuro, os rumos da inovação e as gerações atuando nestes processos.

“O ponto principal é a gente compreender essa ruptura da linha do tempo que estávamos vivendo e contrapor essa esperança de todo mundo de voltar para a sua vida normal. Se usarmos esse momento de uma ruptura tão drástica para ficar esperando, não aproveitaremos a única coisa boa de uma crise que é o impulso para inovar”, adiantou Beia sobre um pouco do assunto que será tratado na sua palestra. Abaixo, confira uma entrevista com ela.

 “As maiores oportunidades são as digitais”, destaca Beia Carvalho

 Como projetar o futuro agora, em meio a essa pandemia?

Temos que nos aprofundar nas tendências. Elas são caminhos indicativos do futuro. Por exemplo: uma tendência que surgiu é a da higienização. Tudo que você inventar que tenha a ver com higienização tem a ver com o futuro. Aí vão dizer: “Mas o coronavírus vai passar e não vai ter mais importância”.  Ninguém sabe ao certo a extensão desse e de outros vírus, que vão exigir esterilização.  Não queremos correr o risco. Não queremos viver grudados em álcool gel. Tudo que tenha a ver com higienização, autolimpante, vai ser tendência. Uma tendência faz sua cabeça começar a ter ideias sobre tipos de coisas que já existem e não são autolimpantes. Ou faz você inventar coisas autolimpantes. A partir dessa tendência você vai estudar o que higieniza e entender e visualizar oportunidades de produtos e serviços. O estudo das tendências faz você imaginar o futuro e agir no presente.

Como você imagina que o mundo estará depois que tudo isso passar?

Tenho uma frase que eu digo sempre: nós vamos inovar mais e mudar mais nesses 100 dias, do que nos últimos 100 anos. Falo me referindo a todo mundo, mesmo. Uma pessoa que só mexia no celular para usar o WhatsApp, agora tem que fazer internet banking pra receber os R$ 600,00 do auxílio básico. Restaurantes que falavam “Deus que me livre delivery”, tem que se reinventar. Pais tiveram que aprender a mexer no Zoom por conta das aulas dos filhos. E isso tem consequências. As pessoas estão mais cansadas, é um cansaço físico e mental. Estresse mental. Tem gente que não vai conseguir lidar com isso, vamos ter aceleração de doenças mentais. Já era uma tendência em alta crescente e agora teve esse impulso. A aceleração das coisas não acontece só de um lado. Acelera coisas boas, que já deveriam ter acontecido há 20 anos e de coisas não tão boas como a tendência ao suicídio. Veja a questão do homeschooling (ensinar dentro de casa): não foi aprovado ano passado, no Brasil. Mas agora essa discussão está de volta. Esse acelerador é meio uma revirada no baú. As pessoas têm que aproveitar para revirar o seu baú. O que eu estou levando pro futuro que não me serve mais? Pode ser um sapato, uma camisa e pode ser um conceito, um preconceito. Aproveite pra se livrar de pesos desnecessários.

 Quais oportunidades vão surgir nesse futuro pós-pandemia?

As maiores oportunidades são as digitais. Todo mundo descobriu que não pode ser pego novamente por outro vírus ou outra crise sem ter feito sua transformação digital. Essa transformação é você poder agir no mundo real e online, da mesma forma. Essa compreensão das grandes empresas, médias, pequenas e micros (e de uma palestrante, como eu) é um acelerador de tudo que tem a ver com o digital. Desde os grandes investimentos em ferramentas de gestão, segurança que as grandes empresas terão que fazer, até uma coisa super pequena, mas que tem a ver com bombar o digital. Como meu negócio vive e sobrevive, independente do mundo estar assim, ou assado. A escola é um exemplo bom. Não pode mais sair de casa? Continua a aula com o ensino à distância. O covid-19 é um grande impulso para os negócios digitais. É olhar para as tendências do futuro e imaginar novos produtos e serviços, que os negócios e as pessoas precisam e querem.

 Quem vai se destacar nesse futuro? O que podemos fazer para sairmos fortalecidos desse processo?

Quem vai se sair bem é quem é curioso e quem estiver fortalecido. Fortalecimento tanto físico, quanto mental. Eu escrevi um artigo sobre isso dias atrás. Quando você doa você fica mais forte. Doar, impulsionar, pode ter a ver com dinheiro, mas não necessariamente. Na hora que você ajuda sua avó a entrar no Zoom para fazer aula de ginástica, você doa seu tempo e a vida da sua avó vai ficar melhor e isso te traz um fortalecimento como pessoa, como indivíduo. Vai ter valor hoje e no futuro também.