No último ano, o mercado de trabalho atravessou grandes mudanças e, com isso, as vagas de empregos ficaram ainda mais concorridas, com profissionais de todas as áreas à procura de recolocação no mercado. Mas, como conseguir a tão sonhada vaga em um cenário em que a média anual do desemprego poderá chegar a 15,6%, segundo pesquisa do Instituto Brasileiros de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre)?

O diferencial básico está na montagem de um currículo atrativo e na forma como o candidato se apresenta durante as entrevistas. É o que diz a especialista Ana Cláudia Medeiros, gestora do Gestão e Gente da Rui Cadete Consultores, que alerta: “apenas entregar currículo não é o suficiente para conseguir um emprego, é preciso ir além”, pontua.

De acordo com a gestora, “é importante se projetar no mercado de trabalho, perceber se a sua profissão se encaixa no que o mercado necessita, se você está preparado para assumir a vaga e acompanhar as mudanças da área”, explica. As tendências de mercado também devem ser levadas em consideração, afinal, com as recentes transformações, os profissionais precisam estar preparados para as novas exigências.

Sobre isso, um estudo realizado pela Robert Half, empresa internacional de consultoria de recursos humanos, apontou que o home office veio para ficar. Segundo os dados, 62% dos executivos entrevistados disseram ter tido uma experiência positiva com o modelo de trabalho. Já 74% dos empregadores afirmaram que o trabalho híbrido é uma boa opção para as empresas.

Diante deste cenário, estar em dia com a tecnologia e seus usos fará toda a diferença para quem deseja se inserir no mercado nos próximos anos. Desta forma, os profissionais precisam estar presentes nos ambientes virtuais de trabalho, assim como aconselha a especialista: “o LinkedIn é uma ótima forma de estabelecer relacionamentos profissionais. Por ser uma rede social voltada ao mundo corporativo, por meio dela é possível estabelecer redes de contatos”, explica Medeiros.

Dicas para obter destaque em seleções e entrevistas

Segundo a gestora do Gestão e Gente, da Rui Cadete Consultores, um bom currículo precisa descrever bem as formações profissionais, e os dados mais recentes devem vir em primeiro lugar. Outro ponto importante é o objetivo: o documento deve estar estrategicamente direcionado às competências para a vaga que o candidato ou candidata pretende ocupar.

É preciso que os profissionais estejam atentos a alguns pontos: “o domínio de idiomas é muito importante, esse conhecimento deve estar, pelo menos, em nível intermediário. Experiências em trabalhos temporários, empresas júnior e/ou iniciação científica, assim como intercâmbios ou trabalhos voluntários também podem ser acrescentadas”, aconselha Ana Cláudia Medeiros.

Outra dica da gestora é que os indivíduos que procuram recolocação no mercado de trabalho aproveitem as palestras e cursos online e invistam na melhoria de seus currículos. Isso também pode ajudar a quem está buscando uma primeira oportunidade de trabalho. Afinal, mais conhecimento pode ser um diferencial na hora da seleção.

Com relação às entrevistas: “é importante mencionar experiências reais, não mentir ou omitir informações. Se a entrevista for presencial, deve-se usar roupas discretas e sempre levar um currículo impresso, mesmo que já tenha sido enviado anteriormente. Já em entrevista online, deve-se testar com antecedência a conexão e os equipamentos, entrar na sala virtual antes do horário previsto e procurar um lugar tranquilo e sem interferência de barulhos”, acrescenta a especialista.