Nesses dias de isolamento, devido à pandemia do Covid-19, pedir comida pronta ou insumos alimentares para não ter de se deslocar até os supermercados, o chamado delivery, tem sido uma mão na roda. Mas até com isso é preciso ter cuidado, pois os alimentos podem servir de veículo de transmissão do novo vírus, seja por meio das embalagens ou porque o entregador está doente. Pensando nisso, o Departamento de Nutrição (DNUT), do Centro de Ciências da Saúde (CCS/UFRN), criou uma nova cartilha trazendo algumas dicas sobre a interação com esse tipo de serviço. A cartilha está disponível neste link.

A cartilha, composta de 12 páginas, traz orientações básicas para o consumidor, entregador e estabelecimentos comerciais, considerando não apenas a situação do Covid-19, mas também a situação de produção e distribuição dos alimentos. Em relação a possível contaminação, é sugerido que os alimentos recebidos sejam desembalados em lugar diferente daquele onde são feitas as refeições. As embalagens devem ser desinfectadas e, após, as mãos lavadas conforme recomendação dos órgãos de saúde.

Para os entregadores, as preocupações são ainda mais rigorosas, sobretudo com objetos utilizados como a maquineta de crédito. Também é sugerido evitar usar utensílios como brincos, relógios, anéis e outros objetos que acumulem sujeira e microrganismos, como bactérias e vírus. As Caixas térmicas devem ser lavadas com detergente, antes de cada turno de trabalho, e higienizadas com álcool a 70% frequentemente.

As preocupações do DNUT vão ao encontro daquilo que preconizam os órgãos de saúde, visando o controle do Covid-19 para evitar sobrecarga nas unidades hospitalares. O Departamento também tem dado orientações em relação ao tipo de alimentação consumida durante o período de isolamento quando as pessoas se movimentam menos e, consequentemente, acumulam mais calorias. Recentemente, publicou outra cartilha com orientações nutricionais que pode ser acessada neste link.