Tecnologia

23

Jun

Tecnologia

Apple Mapas ganhará recurso para rotas feitas com bicicleta

A Apple anunciou durante a WWDC 2020 que o Mapas ganhará um novo recurso para trajetos feitos com bicicleta. A novidade chegará às futuras atualizações iOS 14 e watchOS 7, para modelos recentes de iPhone e relógio inteligente da marca, respectivamente.

O objetivo é o de reduzir o tempo de percursos e ampliar a acessibilidade, indicando inclusive a presença de obstáculos, como: lance de escadas, montanhas e inclinações.

Porém, o novo tipo de navegação estará disponível apenas em algumas cidades dos Estados Unidos e China: Nova York, Los Angeles, São Francisco, Xangai e Pequim. A companhia de Cupertino não indicou se será estendida a outras partes do mundo posteriormente.

A direção para trajetos de bicicleta do Mapas ainda contará com uma espécie de guia para estabelecimentos de refeições, bebidas e compras em geral. Essa seleção será feita por parceiros especializados de veículos, como: The Washington PostAllTrailsComplex e Time Out Group.

Outras novidades

A Apple também anunciou que o app passará a exibir pontos de carregamento para carros elétricos da BMW e Ford. Logo, isso ajudará os usuários a organizarem melhor os períodos de recargas entre viagens e outros tipos de rotas.

A ferramenta de navegação ainda chegará de modo renovado ao macOS Big Sur, sistema operacional para desktops e computadores portáteis. Ela terá guias personalizadas, mapas internos de shoppings e aeroportos, além de recurso “Look Around” (similar ao Google Street View).

Assim a atualização permitirá que informações de rota do serviço sejam integradas entre diferentes dispositivos da Maçã.

Fonte: TecMundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/154419-apple-mapas-ganhara-recurso-rotas-feitas-bicicleta.htm

23

Jun

Tecnologia

Mobile lidera transações financeiras no país em 2019, segundo estudo

Um estudo da consultoria Deloitte para a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) trouxe uma série de informações sobre a digitalização dos serviços financeiros no Brasil em 2019. A mais relevante delas é que os celulares foram os principais responsáveis pelo volume de transações financeiras no país, 44%. Além disso, a maioria dos clientes mobile banking (51%) acessa seu banco 40 vezes no mês, em média. 

No geral, as transações bancárias cresceram 11% em 2019 em relação ao ano anterior, enquanto as operações pelo Mobile Banking tiveram um aumento 19% no mesmo período, puxado pelo incremento de 41% nas transações com movimentação financeira.

O estudo ainda revela que quase 7,5 milhões de contas foram abertas em canais digitais no ano passado e foram contratados 3 milhões de seguros em canais digitais no período, o que representa 12% do total. 

Já as transações bancárias nos canais tradicionais (agências, ATMs, contact centers e correspondentes) mantiveram seu volume, mas caíram em participação total. As transações rotineiras de consulta e pagamentos antes realizadas nos ATMs migraram para outros canais.

Ainda no ano anterior, os bancos aumentaram em 48% os investimentos em tecnologia, puxados tanto por software, como por hardware. Os dispêndios totais cresceram 24%. Novas tecnologias, como a inteligência artificial, foram exploradas pelas instituições financeiras, com foco na conveniência para o cliente e na oferta de novos modelos de atendimento. Com isso, 149 mil horas de treinamentos foram ministrados para formação de 11,4 mil profissionais em métodos ágeis em 2019.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/mercado/mobile-lidera-transacoes-financeiras-no-pais-em-2019-segundo-estudo-166843/

22

Jun

Tecnologia

Google ampliará em 30% o número de cargos de liderança entre negros na empresa

Em uma carta aberta a seus funcionários e o público em geral, Sundar Pichai, CEO do Google e da Alphabet divulgou as metas do conglomerado para aumentar a diversidade dentro de suas empresas. E um dos principais objetivos divulgados é aumentar em 30%, até 2025, a representatividade de profissionais negros em cargos de chefia. Além disso, a companhia também quer elevar a participação de grupos sub-representados nas posições de liderança.

"Para fazer isso, vamos publicar interna e externamente esses cargos, e aumentar o investimento em regiões como Atlanta, Washington DC, Chicago e Londres – onde já temos escritórios.", afirmou Pichai. "A abordagem será a mesma em todas as regiões, e teremos planos específicos para cada local e cada país, de modo a recrutar e contratar mais Googlers de populações sub-representadas, em comunidades onde a infraestrutura social apoia uma sensação de fazer parte e contribui para melhorar a qualidade de vida".

O executivo também listou uma série de outros compromissos assumidos pela gigante da internet para ampliar a diversidade dentro de seu quadro de funcionários. Além da questão dos cargos de chefia, Pichai afirmou que o segundo ponto é enfrentar desafios de representatividade e investir na contratação, retenção e promoção, em todos os níveis. "Para ajudar a conduzir esse trabalho, estou criando um novo ponto de contato nas áreas de cada produto e departamento, cuja tarefa será orientar e defender o avanço e a retenção de Googlers vindos de grupos sub-representados", declarou o CEO.

"Estou organizando ainda uma força-tarefa que inclui integrantes sênior da comunidade Black+ do Google. O objetivo é desenvolver recomendações e propostas concretas de responsabilidade em todas as áreas que impactam a experiência dos Googlers Black+ – do recrutamento à contratação, do desempenho à gestão, do avanço na carreira à retenção. Pedi que a força-tarefa apresente propostas específicas (incluindo metas mensuráveis) num prazo de 90 dias".

Em terceiro lugar, o Google afirmou que está trabalhando para criar uma sensação mais forte de inclusão para seus funcionários de forma geral - também conhecidos como Googlers - e, sobretudo, para a comunidade Black+. Segundo Pichai, pesquisas internas mostram que a sensação de inclusão e de pertencer ao grupo é resultado de diversos aspectos relacionados à experiência no ambiente de trabalho. Eles incluem a segurança psicológica que o colaborador sente com a sua equipe, além do apoio oferecido por gestores e líderes, processos igualitários de RH, oportunidades de crescer e desenvolver a carreira. O executivo afirma que há o compromisso de criar práticas e políticas mais inclusivas em todas essas dimensões – e reavaliá-las caso não funcionem.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/gestao/google-ampliara-em-30-o-numero-de-cargos-de-lideranca-entre-negros-na-empresa-166785/

20

Jun

Tecnologia

Empresa pioneira em TV por assinatura e internet banda larga no RN completa 20 anos em constante atualização

A Cabo Telecom completa 20 anos na próxima quarta-feira (24) comemorando algumas conquistas importantes ao longo dessas duas décadas de presença em solo potiguar: chegava em um mercado dominado pelas grandes marcas nacionais, demarcando território com seu DNA genuinamente local. Com isso, se tornaria pioneira na prestação dos serviços de internet banda larga e de TV por assinatura no estado. De olho nas novas demandas do mercado, a empresa investe em novas soluções em segurança digital e conectividade.

A empresa foi a primeira a oferecer TV por assinatura da capital, um serviço ainda incipiente na época. Contribuiria, com isso, para uma mudança de hábitos entre a população natalense, que a partir dali teria acesso a novos canais com tecnologia de ponta, como também deixaria para trás a internet discada, substituindo pela moderna banda larga.

Mesmo o acesso à internet no Brasil tendo começado em 1988, somente a partir de 1996, a internet brasileira passou a ter seus backbones próprios, inaugurados por provedores comerciais. A chegada da Cabo Telecom à capital potiguar coincidiu com a popularização do serviço, levando até o natalense um produto com um padrão de qualidade no mesmo nível dos grandes provedores nacionais.

Mas a Cabo Telecom se diferenciava da concorrência por um detalhe: estava mais próximo dos seus clientes, graça à estrutura de atendimento tanto presencial para o suporte técnico, quando pelo call center próprio, que faz questão de manter até hoje. Os poucos colaboradores que atendiam às demandas dos clientes no início deram lugar aos 180 atendentes de hoje. Um dos maiores serviços de call center do estado, o setor já foi seis vezes consecutivas avaliado como o melhor do país, em pesquisas feitas pela Anatel. 

 “A concorrência da Cabo Telecom sem dúvidas aumentou ao longo dos anos, o que é bom para o cliente. Hoje em dia as empresas, inclusive provedores pequenos, podem oferecer um serviço de internet igual, com a mesma velocidade, portanto o grande diferencial que temos é o atendimento que oferecemos”, comenta Claudio Alvarez, diretor presidente da Cabo Telecom.

A Cabo construiu também, ao longo desses 20 anos, uma cultura de manutenção de seus talentos. Há colaboradores que estão na empresa desde o início, e muitos outros que progrediram de função e contabilizam anos de dedicação à empresa e seus clientes. Atualmente, a Cabo conta com 657 colaboradores diretos e indiretos e mais de 130 mil clientes no Rio Grande do Norte e na Paraíba com os serviços de TV, telefonia e internet.

O segmento de internet tem sido a principal área de atuação da Cabo Telecom. O investimento da empresa no momento é na ampliação da rede de fibra óptica, a Cabo Fiber, em Natal e região metropolitana. “A ideia é continuarmos com a expansão: já temos 300 Km aproximadamente de fibra óptica, e iremos seguir instalando essa nova rede sobre a rede HFC, que pode seguir por muito mais tempo. A perspectiva é colocarmos neste ano outros 200/300 Km de rede de fibra na rua”, comenta Claudio Alvarez.

Novos serviços

A Cabo Telecom passa a oferecer novos serviços para os clientes, ingressando na área de tecnologia da informação com ênfase em segurança digital. O novo Cabo Cloud Backup é a grande aposta para pequenas e grandes empresas que precisam proteger seus dados com toda a segurança necessária.

O produto é fruto de uma parceria com uma das maiores e mais renomadas empresas do ramo, a Acronis. Baseada em Singapura, é líder do mercado mundial e fecha acordo com exclusividade em Natal com a Cabo Telecom na prestação desse serviço. Trata-se de um backup instantâneo e blindado de interferências físicas.

A Cabo prepara ainda outras novidades, como o SD one, uma solução em conectividade e antivírus, com um parceiro internacional líder deste segmento na União Europeia. Além de outras ferramentas para o incremento de e-mails corporativos, por exemplo. O novo projeto também abrange o sistema telefônico que poderá ser armazenado em nuvens, será o novo Cabo Cloud Phone.

 

19

Jun

Tecnologia

Universidade americana oferece cursos grátis para desenvolver jogos; saiba como participar

A Full Sail University, da Flórida, está oferecendo uma série de cursos gratuitos em português e inglês, voltado para desenvolvimento de jogos. A agenda inclui apresentações online sobre mercado de games, animação, música, design, artes e 3D.

Segundo comunicado da universidade, os cursos contarão com aulas entre 60 e 90 minutos pelo Zoom. Além disso, todas as segundas-feiras, será oferecido um tour online pelas instalações da Full Sail University, com informações relacionadas a documentação, moradia no campus, investimento e bolsas parciais. 

Os cursos serão ministrados no site da universidade até o final de junho. Um dos destaques é o painel  Brazilian In Tech, que traz alunos graduados na instituição e que tiveram sucesso no mercado de trabalho. Entre os convidados estão Nando Guimarães, diretor de desenvolvimento do jogo Looney Tunes World of Mayhem, e Ronaldo Sampaio Nonato,  game designer especializado em roteiro e narrativa da Black River. O evento acontece em 18 de junho a partir das 20 horas. 

Os conteúdos ainda incluem conhecimentos de plataformas sociais, mercado de publicidade e propaganda, storytelling, entre outros. 

A Full Sail é uma universidade dos Estados Unidos com foco na indústria do entretenimento. Entre as ofertas de curso, destacam-se os das áreas de entretenimento, mídia, artes e tecnologia. Atualmente, a instituição conta com 16 mil estudantes de 73 países diferentes.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/cursos/quer-aprender-a-desenvolver-jogos-universidade-americana-oferece-cursos-gratis-166658/

19

Jun

Tecnologia

Queda do mercado de tablets no Brasil desacelera durante a pandemia

Apesar das perspectivas negativas para o mercado de informática em todo mundo em 2020, pelo menos um segmento se saiu melhor do que o esperado no primeiro trimestre: o de tablets. Segundo o IDC Brasil, a queda nas vendas prevista em 10% se transformou em uma retração de apenas 3% no Brasil, na comparação com os três primeiros meses de 2019.

O estudo IDC Brazil Tablets Tracker 1Q2020 identificou que, além da volta às aulas, que sempre tem o potencial de reaquecer as vendas no período, a pandemia da COVID-19 aumentou a demanda pelos aparelhos.

Isolamento ajudou

De acordo com o relatório, foram vendidos 674.163 tablets no país no primeiro trimestre de 2020, sendo 624.512 no varejo e 49.651 entre clientes corporativos. O último grupo registrou uma alta de 25,7% na comparação com os mesmos meses em 2019, indicando medidas para respeitar as orientações de distanciamento físico e trabalho remoto.

"No início do isolamento social, empresas começaram a buscar serviços de aluguel de equipamentos para o período em que seus funcionários ficariam afastados do local de trabalho", destacou o analista de mercado da IDC Brasil Rodrigo Okayama Pereira.

Os números da IDC registraram dois picos de vendas no período, em janeiro e março. O analista avaliou que a reposição dos estoques após o Natal, associado à volta às aulas e, mais tarde, aos preparativos das empresas em meio às primeiras iniciativas de restrição ao deslocamento nas cidades, foram os fatores que alteraram a demanda nos dois meses.  

Para o ano de 2020, a consultoria avalia que o mercado de tablets no Brasil registrará uma queda de 12%, influenciado pela alta do dólar e do desemprego no país.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/tablet/mercado-tablets-brasil-durante-pandemia-166647/

17

Jun

Tecnologia

Mesa-redonda debate amanhã tecnologia e turismo no cenário pós-pandemia

O Departamento de Turismo da UFRN (Detur/CCSA) realiza a terceira edição da LiveTur, que contará com a mesa-redonda virtual Impactos do uso das tecnologias de informação na atividade turística durante e pós pandemia. A ação acontece nesta quinta-feira, dia 18, às 16h, neste link

A mesa é gratuita, aberta ao público e contará com a participação do professor Dimitrios Buhalis, da Universidade de Bournemouth (Inglaterra) e editor-chefe da revista Tourism Review, e professor Alexandre Augusto Biz, do Departamento de Engenharia do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O bate-papo será mediado pelo professor Luiz Mendes Filho, do Detur/UFRN.

O projeto de extensão LiveTur tem o objetivo de realizar debates virtuais sobre a área de turismo durante o período de isolamento social provocado pela pandemia da covid-19. As edições anteriores já abordaram os Consultorias Sustentáveis e Criativas para Destinos Turísticos em Cenário Pós-Pandemia e Novos Caminhos para os profissionais do mercado de agências e da hotelaria.

17

Jun

Tecnologia

Pesquisa: vazamentos de dados cresceram 47% desde o início da pandemia

A disseminação do novo coronavírus se tornou, além de um problema de saúde pública, uma questão de segurança digital. Agora, esse aspecto surge com evidências numéricas em um estudo da PSafe, que revelou um aumento de 47% no número de empresas vítimas de vazamentos de credenciais e informações confidenciais desde março, quando a pandemia foi declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O aumento se refere ao número registrado no trimestre anterior e, para os especialistas em segurança, é um reflexo direto da adoção acelerada do home office na maioria das empresas ao redor do mundo. O trabalho a distância teve de ser implementado às pressas e sem os protocolos de proteção necessários, o que acabou fazendo com que o mercado corporativo se tornasse um alvo ainda maior para os hackers.

“Os colaboradores passaram a utilizar o Wi-Fi de suas próprias casas, que não proporcionam o mesmo nível de segurança das redes empresariais. O próprio dispositivo [também está sendo usado para trabalhar], algo que, sem uma solução de segurança adequada, põe em risco os dados confidenciais”, explica Marco De Mello, CEO da PSafe. Para ele, a adoção do home office levou não apenas a atropelos na implementação de salvaguardas, mas também criou novas necessidades que não estão sendo atendidas.

O executivo aponta, ainda, a iminência da vigência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que passa a valer em agosto deste ano. Com as novas exigências do governo, que se não cumpridas, podem resultar em multas e sanções, as companhias têm uma nova preocupação relacionada à segurança, que surge em um ambiente no qual sua implementação pode não ser das melhores.

“A conjuntura dois fatos reforça que é preciso interceder com rapidez”, completa Mello, indicando a adoção de soluções de segurança corporativas como o melhor caminho. Plataformas de gerenciamento e monitoramento de rede, assim como sistemas de controle de acesso se tornaram essenciais para garantir proteção nestes momentos complicados, com as defesas continuando de pé mesmo com um eventual retorno às atividades presenciais.

Além disso, os colaboradores e administradores devem ficar atentos a ataques de phishing e golpes que usam engenharia social como porta de entrada para as redes corporativas. Por fim, o ideal é manter soluções de segurança atualizadas, assim como os próprios dispositivos conectados às infraestruturas internas, como forma de mitigar falhas conhecidas que possam ser exploradas por criminosos.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/seguranca/vazamentos-de-dados-cresceram-47-desde-o-inicio-da-pandemia-166537/

16

Jun

Tecnologia

iPhone dobrável já estaria em desenvolvimento e não demora, antecipa youtuber

Parece que os smartphones com tela dobrável chegaram para ficar, e a Apple já tem um modelo próprio em desenvolvimento. Ao menos é o que garante o youtuber Jon Prosser, que possui contatos internos na Maçã e tem adiantado com precisão algumas informações relacionadas à empresa nos últimos meses.

Prosser respondeu ao tweet de outro jornalista que se dizia “cada vez mais confiante em dizer que a Apple deveria fazer um celular dobrável”. Gregory MacFadden afirmou estar há quatro meses com o Galazy Z Flip e se sentindo “bastante tranquilo da confiabilidade do aparelho”, citando que a Apple poderia criar um dispositivo que uniria as qualidades do iPhone com o iPad.

A isso, o youtuber comentou com uma frase que deixou no ar a possibilidade de já existir um projeto do tipo. MacFadden respondeu pedindo para Prosser “piscar duas vezes se eles estiverem fazendo um”, e recebeu como resposta duas piscadelas — em escrito, claro.

Para quem não conhece Jon Prosser, trata-se de um youtuber que adiantou várias informações sobre a Apple com um índice de acerto bem grande em 2020. Mesmo quando suas fontes se mostraram equivocadas, ele sempre mostrou que houve mudança de planos na Apple, ou seja, não houve erros, mas sim alterações no cronograma. Foi ele quem adiantou a existência e a data de lançamento do novo iPhone SE, e acabou acertando em cheio.

É bom lembrar que não é a primeira vez que aparecem rumores sobre smartphone com tela dobrável da Apple. Há relatos e até patentes da empresa que circulam na rede há pelo menos quatro anos.

Os smartphones dobráveis ainda são novidade para muita gente, e o preço dos dispositivos segue impeditivo para uma parcela gigantesca da população mundial. No entanto, a tendência é que os preços baixem cada vez mais, conforme mais empresas apostam na tecnologia e mais pesquisas são feitas para melhorar a qualidade dos componentes.

A notícia de que a Apple pode estar em vias de lançar seu próprio modelo dobrável é um sinal de que já existe maturidade suficiente para que o consumidor tenha produtos de qualidade, e não apenas protótipos fabricados em larga escala.

Há informações de que a Apple deve lançar um smartphone dobrável entre o meio e o final do ano que vem, mas depende de a Corning, fabricante do Gorilla Glass, conseguir entregar um vidro dobrável até o final de 2020. A Samsung estaria trabalhando com a Corning no desenvolvimento desse componente.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/smartphone/iphone-dobravel-estaria-desenvolvimento-166449/

15

Jun

Tecnologia

Pistoleiro do amor: Marca potiguar inova no digital com dia dos namorados interativo

Apesar da necessidade do distanciamento social devido a pandemia do novo coronavírus, para muita gente o Dia dos Namorados não passou em branco. Isso porque a criatividade se manteve alta no período, garantindo a união de todos os apaixonados. Algumas marcas, inclusive, deram uma forcinha extra para os casais que não estão passando a quarentena juntos. Foi o caso da RedeMAIS, com ações criadas pelas agências Art&C e Maxmeio.

No dia 12 de junho, todos os públicos foram contemplados: desde os casais que estão juntos fisicamente, passando pelos namorados que estão separados (cada um em sua casa), e até mesmo os solteiros, que receberam dicas amorosas do ''Pistoleiro do Amor''. As ações, realizadas no instagram do supermercado, contaram com a presença do influenciador Nathan Reueu, como pistoleiro do amor, interagindo com perguntas enviadas pelo público. ''A ideia surgiu a partir de um quadro de interação que Nathan já tem nas redes dele. Ele é o embaixador digital da RedeMAIS, então pensamos em utilizar isso, criando uma dinâmica jovem e divertida no perfil do supermercado. Durante o brainstorm, lembramos da música ''pistoleiro do amor'', de José Orlando, que fala muito sobre relacionamentos e solidão - uma dupla de fatores que estamos vivendo muito nessa pandemia'', disse Luana Neves, analista de mídias sociais das Art&C e Maxmeio. No total, foram mais de 32 mil impressões no perfil da RedeMAIS, triplicando a média de visualizações do perfil no dia da ação.

Além desse movimento, os mais apaixonados também foram homenageados com um vídeo, feito com um casal real, para celebrar o namoro à distância nesses tempos de isolamento. A gravação, acompanhada à distância, marcou um momento diferenciado tanto para as redes do supermercado, que conseguiu, de maneira orgânica, mais de 3 mil visualizações e mais de 140 compartilhamentos no feed, quanto para as agências, que testa novos formatos de gravação e acompanhamento remoto junto à produtora Quilha. 

Movimentos como esse fazem os consumidores se sentirem mais acolhidos pelas marcas, principalmente em tempos de isolamento como os que vivemos. Dessa forma, é possível garantir um relacionamento mais saudável entre clientes e marcas para que a recuperação pós-pandemia seja mais fluida e rápida.

15

Jun

Tecnologia

Google Assistente passa a reconhecer voz de todos os membros da mesma família

Não é nenhuma novidade que as assistentes virtuais estão cada vez mais inteligentes, inclusive aptas a responderem perguntas sobre questões de cunho social como o recente movimento Black Lives Matter, e integradas ao nosso dia a dia através do smartphone ou dispositivos inteligentes em casa.

Em postagem realizada na última quinta-feira (11), no blog oficial da companhia, o gerente de produtos da Google, Praveen Chandran, anunciou que a Google Assistente ganhará em breve algumas importantes novidades "para apoiar um ecossistema aberto e trazer os recursos para todos no mundo inteiro".

A primeira delas, chamada “Voice Match”, permitirá que o software de inteligência artificial reconheça a voz de cada morador de uma mesma família e personalizar respostas ao usuário sobre sua agenda pessoal ou deslocamento até o trabalho. A novidade pode ser vinculada a até seis vozes diferentes a um único alto-falante inteligente ou smart display.

“Trabalhamos em estreita colaboração com todos os nossos parceiros terceirizados para garantir que seus dispositivos habilitados para o Google Assistente estejam atualizados com os mais recentes recursos de segurança, personalização e funcionalidades úteis”, completa Chandran.

Mais funcionalidades anunciadas

Outro recurso anunciado para a Google Assistente é uma nova configuração disponível no aplicativo Google Home para tornar maior a sensibilidade de resposta a palavras-chave de ativação como “Ok, Google” e “Ei, Google”. Além dessa, também será possível definir em qual alto-falante da sua casa você quer que toque uma determinada música através de um comando personalizado como “Ei, Google, toque jazz no alto-falante da sala”.

A postagem explica ainda que é possível definir e alterar um alto-falante preferido para qualquer dispositivo ativado pela assistente de voz nas configurações do dispositivo no aplicativo Google Home. Todas essas novidades serão liberadas nos próximos dias para os dispositivos compatíveis com a Google Assistente.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/internet-das-coisas/google-assistente-passa-a-reconhecer-voz-de-todos-os-membros-da-mesma-familia-166422/

14

Jun

Tecnologia

Inscrições para o Social Hack se encerram no próximo dia 15

O problema existia. Por uma deficiência visual, a cadela Princesa tropeçava em tudo e as batidas lhe causaram diversos traumas neurológicos. A proprietária Luana Wandecy se dedicou a encontrar uma forma de ajudar o animal de estimação a se proteger dos machucados, aos quais vivia exposta. E a solução virou um bom negócio em Natal, a Blindog. Luana desenvolveu uma coleira que vibra sempre que o pet, com problemas visuais,  se aproxima de algum obstáculo, evitando os temidos traumas. A empresa surgiu como startup em novembro de 2015 e já forneceu o utensílio para mais de 400 animais de todos os estados do Brasil.

“Trata-se de um dispositivo que se coloca na coleira do cachorro e ele emite alertas vibratórios, sempre que o animal está perto de um obstáculo. Com o tempo, o animal aprende através da associação que a vibração significa que ele deve desviar o percurso, ajudando assim o animal a parar de bater em algo que não esteja enxergando”, detalha a empreendedora. Foi graças a uma competição de ideias inovadoras, o Startup Weekend Natal, promovido pelo Sebrae, que Luana Wandecy enxergou a possibilidade de encontrar uma solução para um problema, aliviar o sofrimento do animal de estimação e ainda ter um empreendimento lucrativo.

Os jovens que desejam participar de uma competição semelhante, que estimula a criatividade e a inovação, ainda podem se inscrever na segunda edição do Social Hack, um hackthon promovido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte e parceiros,  voltado para o desenvolvimento de soluções e negócios inovadores na área socioambiental. A competição será totalmente virtual. As inscrições terminam na próxima segunda-feira (15) e podem ser feitas gratuitamente pelo site www.socialhack.com.br. O evento será realizado entre os dias 18 e 20 deste mês.

A proposta é estimular jovens, universitários ou não, acima de 18 anos, a desenvolverem ideias de soluções para ajudar o mundo a atingir os objetivos globais de desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). O Social Hack é uma realização do Sebrae-RN em parceria com a Powred by StartUpDays voltada a jovens maiores de idade de todo o País, que podem formar uma equipe e disputar online. As equipes concorrem a vários prêmios, como Amazon Echo Dot (1º lugar), Headphone JBL Bluetooth (2º lugar) e Pulseira Xiaomi Mi Band 4 (3º lugar).

Além de toda experiência com a troca de conhecimento e do networking que o hackathon proporciona, as equipes com os melhores projetos receberão premiação para cada um dos integrantes do time.

É possível inscrever um time, convidando outros amigos, ou se inscrever individualmente. Neste caso, o candidato será encaixado em uma das equipes inscritas.  “Procuramos diversidade entre as equipes e queremos criar uma comunidade nacional de jovens que desejam mudar o mundo com suas iniciativas e ideias”, afirma a analista técnica do Sebrae-RN, Mona Paula Nóbrega, que coordena o Social Hack.

Os jovens têm como desafio criar uma solução ou ideia de negócio de impacto social com base nos objetivos da ONU, entre eles, a erradicação da pobreza, fome zero e agricultura sustentável, trabalho decente e crescimento econômico, redução das desigualdades e ação contra a mudança global do clima.

 A competição começa exatamente com a formação dessas equipes no dia 16. Dois dias depois, será realizada uma live de abertura, quando será repassado o briefing dos desafios. Também haverá ideação e estudos dos desafios. No dia 19, os participantes terão mentorias para auxiliá-los a estruturar e desenvolver a ideia de negócio, fazer a prototipagem e validação. No último dia, os projetos serão submetidos à avaliação e haverá a divulgação dos vencedores.

14

Jun

Tecnologia

União Europeia quer que gigantes da TI produzam relatórios mensais de combate a fake news

Dois funcionários do alto comissariado da União Europeia (UE) afirmaram à agência de notícias Reuters que Facebook, Twitter e Google deverão fornecer relatórios mensais sobre o combate contra fake news. Além disso, ele cobrou maior atuação de China e Rússia para coibir a disseminação da desinformação.

Em entrevista à agência de notícias Reuters, Josep Borrell, chefe de política externa da UE, Vera Jourova, vice-presidente da Comissão Europeia por valores e transparência, destacaram as preocupações do bloco sobre a grande quantidade de fake news relacionadas à COVID-19 que vem prevalecendo internet afora, além da tentativa de outros países fora da UE de influenciar os internautas locais.

Segundo Jourova, “Isso [as fake news] realmente mostrou que a desinformação não prejudica apenas a saúde de nossas democracias, mas também prejudica a saúde de nossos cidadãos. Elas podem ainda afetar negativamente a economia e prejudicar a resposta das autoridades públicas e, portanto, enfraquecer as medidas de saúde ”.

Jourova afirmou ainda que a próxima frente de notícias falsas seria veiculada à vacinação contra o novo coronavírus. Para provar seu ponto, ela citou um estudo que mostra que a disposição dos alemães de serem vacinados caiu 20% em dois meses.

A Comissão da UE afirmou que as plataformas online (Google, Twitter, Facebook) devem fornecer relatórios mensais com detalhes sobre suas ações para promover conteúdo verificado e de credibilidade. Além disso, elas devem limitar a desinformação e a publicidade relacionada ao coronavírus.

Jourova também declarou que o aplicativo de vídeo de curta duração TikTok, pertencente à companhia chinesa ByteDance, se juntará ao código de conduta voluntário do bloco para combater fake news em sua plataforma. Os signatários deste pacto incluem Google, Facebook, Twitter e Mozilla.

Já Borrell descreveu a luta de notícias falsas como envolvendo guerreiros empunhando teclados em vez de espadas: "Atores estrangeiros e certos países terceiros, em particular a Rússia e a China, se engajaram em operações de influência e campanhas de desinformação na UE, na vizinhança e no mundo", afirmou ele. O executivo da UE planeja combater estes atores estrangeiros, intensificando sua estratégia de comunicação e diplomacia e fornecendo mais apoio à mídia livre e independente, revisores de fatos e pesquisadores.

Brasil pode ter medida semelhante em novo projeto de lei

Assim como na UE, o Brasil pode ter um método de combate às fake news, no que tange à produção de relatórios por parte das plataformas. O projeto de lei 2630/2020, também chamado de Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet, prevê em uma de suas seções que os chamados provedores de aplicação - Google, Facebook. Twitter, entre outros - devem produzir semanalmente (para períodos eleitorais) e trimestralmente - relatórios de transparência com as mais diversas informações referentes ao combate à fake news.

Esses documentos ficarão disponíveis ao público nos respectivos sites - em seções como “Sobre” ou “Privacidade”, por exemplo - e devem trazer dados como:

Número total de postagens e de contas destacadas removidas ou suspensas, contendo os motivos da remoção, localização e metodologia utilizada na detecção da irregularidade;

Número total de disseminadores artificiais, redes de disseminação artificial e conteúdos patrocinados destacados, removidos ou suspensos, contendo a devida motivação, localização e processo de análise e metodologia de detecção da irregularidade;

Número total de rotulação de conteúdo, remoções ou suspensões que foram revertidas pela plataforma;

Número de contas registradas em solo brasileiro na plataforma e número de usuários brasileiros ativos no período analisado;
Comparação, com métricas históricas, de remoção de contas e de conteúdos no Brasil e em outros países;

Número de reclamações recebidas sobre comportamento ilegal e inautêntico e verificações emitidas no período do relatório, indicando a origem e o motivo da reclamação;

Tempo entre o recebimento das reclamações pelo provedor de aplicação e a resposta dada, discriminado de acordo com o prazo para resolução da demanda.


Todas as métricas que os relatórios devem trazer estão descritas neste link (Capítulo II - seção II). E a matéria completa sobre o projeto de lei você pode conferir aqui.

Fonte: Reuters, via Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/internet/ue-quer-que-gigantes-da-ti-produzam-relatorios-mensais-de-combate-a-fake-news-166292/

12

Jun

Tecnologia

Especialista destaca ganhos que a modalidade digital do Enem trará já a partir deste ano

Quando tiver uma nova data definida pelo Ministério da Educação, o Exame Nacional do Ensino Médio terá uma novidade na sua aplicação. Pela primeira vez, parte dos candidatos fará as provas no ambiente digital. O objetivo é tornar o Enem mais moderno e reduzir custos. A modalidade escrita deve ser extinta completamente até o ano de 2026 e a frequência de aplicação da prova poderá ser ampliada em até quatro vezes por ano até lá, dando maiores oportunidades para os estudantes realizarem o exame que dá acesso às universidades. Esse novo modelo de avaliação será o tema da próxima live da Escola Robô Ciência, que acontece no dia 16 de junho, com transmissão ao vivo no Instagram (@robociencia) e no Youtube. 

Para o professor de física e diretor da Escola Robô Ciência, Alexandre Amaral, a digitalização da aplicação da prova será mais eficiente e tem o potencial de diminuir significativamente os custos de inscrição para os estudantes no futuro, já que uma prova completamente digital não terá os gastos com logística. Ele ainda destaca os ganhos para os conteúdos que serão explorados, além da possibilidade do uso da inteligência artificial. 

“A prova digital poderá implementar questões com recursos audiovisuais, expandindo as possibilidades e variedades de perguntas para avaliar os alunos. Poderá também abrir as portas para a possibilidade de uso de redes neurais e inteligência artificial, como, por exemplo, usar a tecnologia AI de processamento e reconhecimento de texto avançado de empresas como a Tolstoy. Essa tecnologia pode ser usada para corrigir as redações de forma até mesmo mais consistente do que corretores humanos, em questão de segundos”, detalhou o professor. 

A prova digital será aplicada para mais de 100 mil alunos em 110 cidades brasileiras e terá o mesmo nível de dificuldade do modelo tradicional. Segundo o Ministério da Educação, essa garantia é dada pela Teoria de Resposta ao Item (TRI), o modelo de correção utilizado no Enem. A TRI avalia se o estudante consegue resolver os itens fáceis, medianos e difíceis para identificar seu nível de conhecimento naquela área. O candidato é avaliado dentro de um contexto geral, e não isoladamente. 

“A TRI consegue identificar os chutes do candidato. Quando ele acerta questões fáceis, nenhuma média e algumas difíceis, por exemplo, o sistema entende que não existe um comportamento coerente vindo do candidato, identifica um padrão de resposta aleatória. Porque não é normal alguém ter conhecimento básico e avançado num mesmo tema, mas pecar no conhecimento médio. A TRI ainda considera esses acertos, mas atribui uma pontuação menor para eles”, exemplificou Amaral. 

Para o professor, o processo de aceleração tecnológica vivido atualmente também deve ter impactos no Enem do futuro, com o uso cada vez maior da tecnologia a favor dos estudantes. “Tudo indica que o Enem está seguindo as tendências internacionais dos testes de admissão para universidades. Certamente, veremos maior uso de tecnologia digital para tornar os testes das futuras edições do ENEM mais seguras, efetivas em testar o entendimento dos alunos, aplicadas com maior frequência e com menor custo para os estudantes”.

11

Jun

Tecnologia

USP desenvolve vacina por spray nasal contra a covid-19

A Universidade de São Paulo (USP) está desenvolvendo uma vacina por spray nasal contra a covid-19. De acordo com a universidade, o modelo de imunização já foi testado – com resultados positivos – em camundongos contra a hepatite B. https://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.png?id=1309106&o=node

Para construir a nova vacina, os pesquisadores da USP colocaram uma proteína do novo coronavírus dentro de uma nanopartícula, criada a partir de um substrato natural. A substância resultante é aplicada em forma de spray nas narinas do paciente.

Segundo a equipe que desenvolve a vacina, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, a expectativa é que o organismo do paciente produza a IgA Secretoram, um tipo de anticorpo presente na saliva, na lágrima, no colostro, no trato respiratório, no intestino e no útero, que atuaria no combate ao novo coronavírus.

A nanopartícula criada pelos pesquisadores e utilizada na construção da vacina permite que a substância permaneça na mucosa nasal por até quatro horas, tempo suficiente para ser absorvida e iniciar uma reposta do sistema imunológico. De acordo com a USP, para garantir a imunização, serão necessárias a aplicação de quatro doses – duas em cada narina, com intervalo de 15 dias.

Os protótipos devem ficar prontos em cerca de três meses – quando será possível iniciar os testes em animais. Os pesquisadores estimam que o produto seja repassado ao público a um custo de R$ 100 reais.

Também estão participando da pesquisa virologistas e imunologistas do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, especialistas em nanotecnologia do Instituto de Química da USP, pesquisadores da Plataforma Científica Pasteur-USP, e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).