Tecnologia

22

Abr

Tecnologia

Federação Brasileira de Bancos dá dicas para evitar golpes na internet; veja

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgou dicas para que as pessoas se protejam e evitem golpes pela internet que podem gerar prejuízos materiais. Com o crescimento das transações digitais em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19), vêm aumentando também as tentativas de invasão e acesso indevido aos dispositivos de cidadãos visando obter alguma vantagem indevida.  

Há golpes novos que vêm ocorrendo mais fortemente. Em um deles, bandidos entram em contato com clientes, se passando por funcionários do banco, afirmando que houve transações suspeitas. Isso pode ocorrer para obter dados pessoais do correntista. Um outro tipo de golpe envolve o envio de um “motoboy” à casa do cliente para recolher o cartão e, supostamente, verificar problemas.

Uma das estratégias usadas por golpistas, durante a pandemia, é a criação de aplicativos para simular apps de governos e autoridades, como o da Caixa para pagamento do auxílio emergencial. Utilizando esses programas falsos, o bandidos conseguem informações que permitem realizar compras ou transações.

Segundo a Febraban, bandidos também estão intensificando táticas já utilizadas, como esquemas para obter dados das pessoas que viabilizem realizar transações ou clonagem de contas para requisitar valores se passando pela pessoa.

A Febraban explica que os bancos não enviam links com pedidos de atualização de dados por mensagem (SMS), Whatsapp ou e-mail. As instituições financeiras também não entram em contato por telefone para pedir cadastro, realizar transferência, fazer testes ou atualizar e sincronizar tokens.

O acesso a sites de bancos ou de benefícios como o auxílio emergencial deve ser feito com digitação dos endereços dos sites oficiais, não entrando por meio de links. Os aplicativos devem ser baixados nas lojas oficiais (como Play Store para Android ou App Store para os smartphones da Apple).

A Febraban reitera cuidados importantes para evitar problemas:

- Manter antivírus atualizado;
- Não instalar pen drives desconhecidos, pois podem ter vírus;
- Configurar senhas fortes no wi-fi pessoal;
- Alterar senhas se identificar algum comportamento suspeito;
- Criar usuários caso utilize um computador compartilhado.

Fonte: Agência Brasil 

22

Abr

Tecnologia

Departamento de Enfermagem da UFRN lança aplicativo de combate à ansiedade

Com uma pandemia declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 11 de março, a Covid-19 colocou o mundo em quarentena. O afastamento social, aliado a cuidados básicos de higiene e limpeza, é a medida mais eficiente até o momento para a contenção da doença, cuja velocidade de contágio é espantosamente alta.

Se permanecer em casa o tanto quanto possível é uma proteção contra o coronavírus, há também, por outro lado, seus efeitos colaterais. Saudade do contato com familiares e amigos, medo e incerteza diante do noticiário negativo, solidão e ansiedade podem ser algumas contrapartidas do isolamento atualmente necessário.

Para combater essas condições mesmo mantendo o distanciamento, cientistas do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Denfer/UFRN) criaram um aplicativo para conversar e orientar a população. Gratuito e disponível nos modelos web e mobile, o APASMC-Covid-19 oferece meios de obter ajuda relacionada a saúde mental e bem-estar neste período.

No aplicativo é possível desabafar, obter conselhos e consultar escalas indicativas de nível de estresse, solidão e autoestima, entre outras funcionalidades. Também há sugestões de filmes, museus online e outros elementos que combatem sintomas de ansiedade. O sigilo e a confidencialidade são assegurados, e as respostas e resultados de testes são encaminhados para o email registrado pelo usuário no cadastro.

O aplicativo APASMC-Covid-19 pode ser baixado aqui. Mais informações podem ser obtidas na página do grupo pesquisa.

20

Abr

Tecnologia

Microsoft terá aulas gratuitas online sobre Inteligência Artificial; saiba como ter acesso

A Microsoft anunciou nesta sexta-feira (17) que passa a oferecer, de forma gratuita o programa Microsoft Cloud + AI Master Class. Nele, os interessados terão acesso a palestras ao vivo sobre Inteligência Artificial (IA) e mercado de trabalho. As aulas serão online, no formato de webinar e ao vivo. Eles acontecerão toda terça-feira (a primeira será no dia 21/4), a partir das 19h30 (horário de Brasília) e vão até o fim de junho.

A ação é uma versão online do Microsoft Tech On The Road, um programa resultante da parceria entre a Microsoft, comunidades acadêmicas e parte da iniciativa Edu for Change. O objetivo é compartilhar conhecimentos sobre desenvolvimento de software, computação em nuvem, ciência de dados e IA. E isso inclui ainda recursos voltados a plataformas Open Source (código aberto), bem como as demandas e oportunidades do mercado de trabalho para o setor.

Aos interessados que não conseguirem acompanhar as aulas ao vivo, não há problema. Todos os conteúdos estarão disponíveis, também gratuitamente, no canal do YouTube do Microsoft Student Partners Latam. O calendário e as inscrições estão disponíveis no link: https://www.microsoft.com/pt-br/?ref=aka.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/inteligencia-artificial/microsoft-tera-aulas-gratuitas-online-sobre-inteligencia-artificial-163552/

20

Abr

Tecnologia

Google deve lançar seu próprio cartão inteligente

De acordo com um relatório publicado pelo TechCrunch, o Google está trabalhando em seu próprio cartão de débito inteligente no estilo do Apple Card lançado no ano passado. O produto quer ajudar os clientes a fazer compras tanto em lojas online quanto em lojas físicas.

O projeto pretende ser uma nova peça central do sistema já existente do Google Pay, que atualmente faz pagamentos online adicionando um cartão de débito físico que pode ser usado para uma variedade maior de compras. A nova versão permitiria ao Google acompanhar pagamentos e compras, além de fornecer à empresa informações valiosas sobre os gastos dos consumidores.

Ao contrário do Apple Card – que é um cartão de crédito completo – o projeto do Google é considerado apenas como um cartão de débito, com parceiros como Citi e Stanford Federal Credit Union. Mas, assim como o Apple Card, o cartão de débito do Google foi projetado para funcionar tanto como um cartão físico quanto como um cartão digital, e oferecerá um número de cartão virtual separado para uso com varejistas online.

O aplicativo do Google permitirá, ainda, que os clientes rastreiem facilmente as compras, incluindo ferramentas como o Google Maps e seu vasto banco de dados de revendedores para entrar em contato ou navegar em uma loja visitada anteriormente. Os clientes também poderão usar o aplicativo Google Pay para bloquear seu cartão em caso de roubo ou perda, ou bloquear a conta completamente.

Segundo o TechCrunch, não há indicações de que o Google oferecerá vantagens ou benefícios pelo uso do sistema, como as várias ofertas de reembolso do Apple Card, ou mesmo se os clientes obterão descontos pelo uso dos cartões da marca para comprar produtos ou serviços próprios do Google.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/124891/google-deve-lancar-seu-proprio-cartao-inteligente-nos-modelos-do-apple-card/

19

Abr

Tecnologia

Feira Brasileira de Jovens Cientistas recebe inscrições até 26 de abril

Termina no próximo dia 26 de abril as inscrições para a primeira edição da Feira Brasileira de Jovens Cientistas (FBJC). O evento, que será totalmente virtual, vai ocorrer de 26 a 28 de junho de 2020 e terá palestras, workshops e uma maratona de inovação. Podem participar estudantes brasileiros de Ensino Médio, Técnico de Nível Médio e egressos do Ensino Médio (2019) de escolas públicas e privadas. 

Patrocinado pela Crimson Education Brasil, além de facilitar o acesso a oportunidades científicas a estudantes de Ensino Médio, o evento tem como propósito integrar, desenvolver, conectar e valorizar o potencial dos jovens cientistas e o impacto de seus projetos. Para se inscrever e conferir a programação, basta acessar o Portal da FBJC; Um importante diferencial da Feira Brasileira de Jovens Cientistas é que o evento é aberto tanto a participantes que já tem pesquisas quanto a jovens interessados em ciência, mas que ainda não desenvolvem projetos científicos.

Programação e premiação

Os projetos apresentados vão concorrer a prêmios como credenciais para a Conferência Internacional de Jovens Cientistas (Icys) 2021, na Grécia, e para a Feira de Tecnologias, Engenharias e Ciências do Mato Grosso do Sul (FetecMS). Além disso, os trabalhos terão o reconhecimento de instituições como a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) e a Associação Brasileira de Incentivo à Ciência (Abric). Já a maratona de inovação terá uma premiação surpresa para os times que se destacarem.

Destaque na programação, a cientista brasileira Márcia Barbosa será uma das palestrantes do evento. Márcia foi mencionada pela ONU Mulheres com uma das sete cientistas que moldam o mundo. Outros nomes confirmados são: Mariana Rau, biotecnologista e coordenadora de projetos no Instituto Cientista Beta; Michelle Brito, primeira colocada em Matemática numa das maiores feiras científicas da América Latina, a Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec); e Franciny Reichert, medalhista de bronze e ganhadora do prêmio de melhor pôster na International Conference of Young Scientists.

16

Abr

Tecnologia

Google Play agora tem selo de identificação em apps mais adequados para crianças

Para facilitar a busca, o Google anunciou nesta quarta-feira (15) uma nova guia, “Crianças”, com aplicativos identificados com o selo “Aprovado pelo Professor”. A novidade já vinha sendo desenvolvida internamente e teve sua estreia antecipada por conta da pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), já que os pequeninos têm usado ainda mais os smartphones e tablets.

“Decidimos lançar a guia ‘Crianças’ um pouco mais cedo do que o planejado, porque os pais que a experimentaram nos disseram que era útil, especialmente agora com os filhos aprendendo em casa e passando mais tempo com telas. Como é cedo, talvez você ainda não veja alguns de seus aplicativos favoritos, mas estamos adicionando novo conteúdo o mais rápido possível”, afirmou o comunicado no blog oficial do Google.

A curadoria desse novo “cardápio” foi realizada com base em apps que unam entretenimento e aprendizado, com a ajuda de “especialistas e professores acadêmicos de todo o país, incluindo nossos orientadores, Joe Blatt (Harvard Graduate School of Education) e a Dra. Sandra Calvert (Georgetown University)”.

Os apps foram classificados de acordo com adequação à idade, qualidade da experiência, enriquecimento e satisfação, junto com uma explicação sobre a razão deles estarem ali. O selo serve para facilitar a busca e estará na guia “Crianças”. Caso você seja assinante do Google Play Pass, a seleção ficará em “Aplicativos e jogos para crianças”.

A novidade deve estar disponível nos Estados Unidos e ainda não tem previsão de distribuição para outros países, incluindo o Brasil, contudo, o Google adiantou que a “expansão internacional vai acontecer nos próximos meses”.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/google-play-agora-tem-selo-de-identificacao-em-apps-mais-adequados-para-criancas-163440/

16

Abr

Tecnologia

Pesquisa: usuários da Apple são os maiores alvos de ciberataque

Segundo um estudo da Check Point, empresa norte-americana de softwares, usuários da Apple são os maiores alvos de tentativas de phishing (é um termo relativamente novo utilizado para descrever fraudes de roubos de dados pessoais e financeiros das vítimas). No último trimestre de 2019, a companhia de Cupertino ficou em 7º lugar na lista das mais visadas nesse tipo de crime.

A segunda posição foi ocupada pela Netflix, considerada a maior plataforma de streaming de vídeo globalmente.  A Check Point também revelou que houve certa estabilidade na quantidade geral desse formato de cibercrime. Entretanto, tentativas com foco em dispositivos móveis aumentaram, ao passarem da terceira posição no último trimestre de 2019, para a segunda no início de 2020.

Pandemia influenciou posições do ranking

A justificativa para a mudança está na necessidade de isolamento social, diante da pandemia do coronavírus. Dessa forma, grande parte da população passou a usar mais o celular para trabalho, comunicação, acompanhamento de notícias e pagamento.

Inclusive, esse tipo de aparelho influenciou diretamente o interesse por alvos, como Netflix e Paypal. O primeiro como um dos principais meios de entretenimento online, e o segundo, como via de serviços bancários remotos.

A prática de phishing consiste na imitação de um site, app oficial e e-mail, para roubar dados de contas de usuários. Para isso, os criminosos podem enviar mensagens solicitando atualização de cadastro de acesso a um determinado serviço.

Fonte: TecMundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/seguranca/152137-usuarios-apple-maiores-alvos-phishing.htm

16

Abr

Tecnologia

E-books e leitores digitais como o Kindle estão livres de impostos, decide STF

O Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quarta-feira (15) que e-books e leitores de livros digitais como o Kindle também possuem imunidade tributária. Os termos, aprovados de forma unânime, valem tanto para versões nacionais de publicações quanto importadas, bem como para os próprios eReaders, que não podem sofrer cobranças tributárias mesmo quando trazidos de fora.

Isso vale, inclusive, para os dispositivos que possuírem o que o STF chamou de “funções acessórias”, como acesso à internet ou uso de aplicativos, por exemplo. Desde que o aparelho seja primariamente um leitor de e-books, ele estará livre de impostos, em uma decisão que aproxima as publicações digitais das de papel e faz vislumbrar o encerramento de uma discussão que vinha ocorrendo há quase 10 anos.

A decisão do Supremo é uma súmula vinculante, o que significa que todas as decisões judiciais futuras a serem tomadas sobre a questão tributária de livros digitais devem seguir a interpretação da corte. A conclusão veio a partir de proposta da Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), enviada em 2018 e pedindo que os e-books fossem incluídos no artigo da constituição que dá isenção de impostos a livros.

Para as publicações de papel, isso já vale desde 1988, com jornais e periódicos também inclusos na proibição de cobrança de encargos. Para a associação, a incerteza sobre se o mesmo valeria também para os e-books gerava insegurança jurídica no mercado editorial, enquanto processos sobre cobranças se acumulavam em diferentes esferas do judiciário, um movimento que agora deve arrefecer com a decisão emitida pelo Supremo.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/livros/e-books-e-leitores-digitais-como-o-kindle-estao-livres-de-impostos-decide-stf-163456/

15

Abr

Tecnologia

Ampliação do uso das tecnologias vai proporcionar novas perspectivas de aprendizado pós-pandemia, afirma especialista

Aulas on-line, reuniões por videoconferência, bate-papos virtuais. Tudo isso já existia há algum tempo e era de conhecimento de uma parcela da população. Mas em nenhum outro momento essas formais virtuais de comunicação foram tão utilizadas como agora. Enquanto o mundo para por conta da disseminação de um vírus, esse mesmo mundo vive um processo de aceleração em paralelo: o do contato das pessoas com as novas tecnologias. Quem conseguir acompanhar esse processo de transformação, vai se destacar num futuro que, agora, está cada vez mais próximo.

“Vai existir um mundo antes e um pós-Covid-19”, defende o professor Alexandre Amaral, físico, especialista em robótica educacional e diretor da escola Robô Ciência. Ele explica que todos os outros grandes eventos da humanidade, como as duas grandes guerras, por exemplo, trouxeram avanços no aspecto tecnológico. No caso da Covid-19, não seria diferente. “A pandemia fez com que as pessoas parassem, deixassem de sair de casa, de ter uma vida normal, ao passo em que tiveram que se reinventar. Elas reaprenderam a ter uma rotina usando ferramentas digitais para fazer aulas, interagir, trabalhar em home office. Não podemos desconsiderar o lado negativo da doença, com as mortes, a desaceleração da economia, a questão humanitária, mas essa aceleração tecnológica é uma realidade em paralelo”, observou.



Mas quem leva vantagem nesse mundo que deve ser diferente quando tudo isso passar? Os jovens, as crianças e os adultos que já viviam essa imersão no mundo na tecnologia, saem na frente. Eles têm mais facilidade de utilizar esse conhecimento a seu favor para desenvolver habilidades e competências.  O professor acredita que quem vivencia esse mundo digital está sempre buscando algo novo, que lhe desperta o interesse, com consequências positivas para o aprendizado. É nesse contexto que entra o ensino da Robótica, como porta de entrada para esse caminho.

Habilidade na resolução de problemas

“A robótica educacional funciona como uma ferramenta pedagógica, de trazer crianças e adolescentes para uma realidade mais concreta. Na hora que a gente consegue trazer para uma criança algo que ela consegue montar, colocar a mão na massa, ela produziu, ela criou, ela foi protagonista. A robótica consegue trazer fenômenos do cotidiano de maneira prática e lúdica e isso é inovação”, concluiu. Segundo Alexandre Amaral, uma das grandes vantagens desse tipo de ensino é o trabalho em equipe. “Aprender a trabalhar em grupo é muito importante porque isso estimula a liderança. Quando a gente lança uma situação problema num trabalho colaborativo, a gente percebe quem se dispõe a liderar esse processo. A resolução de problemas é uma das habilidades que o profissional do futuro precisará ter”, afirmou.

A preparação intelectual para resolução de conflitos, uma maior flexibilização para se adaptar a situações diversas e a vontade de aprender mais serão algumas habilidades necessárias para esse profissional do futuro, que vai precisar competir cada vez mais por espaço num mundo onde a inteligência artificial vai aparecer como uma opção viável e concreta. “Aquele profissional que não estiver preparado, que não tiver uma boa formação, que não desenvolver habilidades e competência e que não tiver uma boa inteligência emocional, vai sair do mercado. É preciso desenvolver isso desde já e chegar nos próximos anos preparado para enfrentar esse grande desafio”, aconselhou Alexandre Amaral.

15

Abr

Tecnologia

IFRN: Incubadora Tecnológica lança plataforma de ensino a distância

A crise mundial provocada pelo novo coronavirus surpreendeu diversos setores e vem provocando grandes mudanças na sociedade. Pessoas, empresas e instituições vêm adotando novos hábitos. Modelos de negócios e metodologias de ensino estão sendo repensados.

Tentando se ajustar a estes novos tempos, a Incubadora Tecnológica de Cultura e Arte (Itcart) do Campus Natal-Cidade Alta do IFRN disponibilizou uma plataforma de educação a distância para os cinco empreendimentos que participam do seu programa Hotel de Projetos. Segundo o coordenador da Itcart, professor Fellipe Câmara, a iniciativa "foi implementada como uma solução para não atrasar a capacitação em andamento, de modo que ela seja concluída dentro do prazo estipulado inicialmente pela incubadora". 

O site, disponível apenas para as empresas incubadas, já está sendo utilizado pelos responsáveis pelos projetos e traz páginas com conteúdos teóricos de todos os módulos já realizados com vídeos, slides, jogos de perguntas links para ferramentas online. Além disso, os participantes ainda contam com o suporte de um fórum para tirar dúvidas e compartilhar o andamento dos seus projetos.

O programa Hotel de Projetos é finalizado com a entrega do Plano de Negócios de cada empreendimento participante, além de outras atividades solicitadas ao longo da capacitação como o Business Model Canvas e a Blueprint do serviço.

13

Abr

Tecnologia

Aplicativo transcreve o que você canta ou toca em partitura musical

Um time de músicos pesquisadores desenvolveu um aplicativo que capta a música que você está cantando ou tocando ao microfone do celular e a transcreve em partitura musical. “Achamos que o processo de uma ideia musical à partitura deve ser o mais curto possível.” – ScoreCleaner Notes, no site

Desenvolvido pelo KTH Royal Institute of Technology, na SuéciaScoreCleaner Notes “escuta” a melodia e então a escreve em partitura, para que o usuário compartilhe em suas redes sociais ou por email, sem nem precisar saber nada sobre teoria musical.

Tudo o que o usuário precisa fazer é abrir o app, clicar no botão “gravar” e começar a cantar. Logo em seguida, o aplicativo irá traduzir os ritmos e melodias em partitura musical. Outra coisa interessante é que você não precisa somente cantar, pois a mesma função também funciona se você tocar algum instrumento. O aplicativo está disponível para iPhone por $0,99.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/37405/aplicativo-transcreve-o-que-voce-canta-ou-toca-em-partitura-musical/

10

Abr

Tecnologia

Pesquisadores potiguares criam Ecossistema Tecnológico com informações para equipes de saúde e população

Aliar tecnologia e informação é sempre uma ação positiva para o bem-estar das pessoas. Essas duas armas são fundamentais em qualquer situação, quanto mais diante de um desafio atual como é o enfrentamento à pandemia provocada pelo novo coronavírus. Por isso, a contenção do contágio da Covid -19 não está apenas nãos mãos das autoridades públicas e profissionais da saúde, pois é uma responsabilidade conjunta de todos os setores a população.

Atento a essa realidade, o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAIS /UFRN), em parceria com a Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (DIGTI/IFRN), com o Núcleo Avançado de Inovação Tecnológica do IFRN (NAVI), e o Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da UFRN (NESC), colocam toda a sua capacidade de pesquisa e desenvolvimento para melhor atendimento da população. É assim que surge é o Ecossistema Tecnológico LAIS-SESAP/RN, formado por diversas ferramentas informativas, com dados e serviços que podem ser utilizados pela população do Rio Grande do Norte.

A iniciativa de criação do ecossistema surgiu me meados de março, durante uma reunião do Comitê de Enfrentamento às Emergências em Saúde Pública, grupo de especialistas formado pelo governo do Estado, do qual faz parte professor Ricardo Valentim, coordenador do LAIS. Nesta reunião participou também o pesquisador Jailton Paiva, coordenador do Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) do LAIS.

A criação do ecossistema tecnológico
A partir das necessidades elencadas pelo grupo, foi montada uma estratégia com soluções inovadoras para apoiar as ações voltadas ao enfrentamento e contenção dos danos causados pela Covid-19 de forma a estimular processos de trabalhos eficazes no combate à pandemia. “Nasce portando o Ecossistema Tecnológico LAIS-SESAP/RN composto por um conjunto de sistemas de informação para auxiliar na organização, planejamento, monitoramento e gestão das ações ao combate da pandemia causada pelo novo coronavírus”, explicou Jailton. Todo o trabalho realizado pela equipe de pesquisadores do LAIS foi direcionado para a implementação desse ecossistema tecnológico, tendo como meta o fortalecimento das ações inovadoras , potencializando a integração entre atenção primária e vigilância em saúde.

Ao todo, 11 ferramentas integram o ecossistema, formando uma rede de assistência à saúde, educação e informação para a população em geral e para os profissionais que combatem o coronavírus. A população poderá acompanhar a evolução dos casos de coronavírus do estado e de seu município, ter acessos a conteúdos com orientações para os cuidados de prevenção da propagação da doença, ter acesso a uma rede composta por médicos, psicólogos e alunos de medicina que estão prontos para prestar uma assistência humanizada.

Já os profissionais de saúde, terão acesso a cursos de qualificação profissional relacionados à Covid-19, bem como a uma rede de profissionais especialistas que estão prontos para ajudá-los nas mais diversas dúvidas.

O Ecossistema Tecnológico também é uma ferramenta fundamental para os gestores de saúde. Por meio do fornecimento de informações, permitirá a compreensão da situação da estrutura organizacional (aparelhos respiradores, leitos de UTI, força de trabalho, etc.), do entendimento do isolamento social, do mapeamento de prováveis casos de coronavírus e do monitoramento e gestão integrada de dados epidemiológicos.

De acordo com Jailton Paiva, os dados produzidos pelo Ecossistema serão organizados em indicadores e disponibilizados em uma sala de situação. “Desta forma, os gestores terão acesso às informações oportunas em tempo hábil para a tomada de decisão, contribuindo para o planejamento da implementação de ações e políticas para enfrentamento à Covid-19”.

O pesquisador ressalta ainda que o Ecossistema contribuirá com a diminuição da sobrecarga nos serviços de saúde, e por consequência, a morbimortalidade relacionada à Covid-19 no RN. “ Todo esse sistema favorecerá a melhoria da prestação dos serviços de saúde, uma vez que os profissionais que estão na linha de frente estão sendo qualificados e atualizados com foco na doença”, finalizou Jailton.

10

Abr

Tecnologia

Especialista orienta como agir no caso de crimes cibernéticos

A crise instalada no mundo por causa do coronavírus atinge mais do que o setor da saúde. Um relatório da Europol publicado recentemente alerta para um aumento nos crimes cibernéticos na União Europeia nas últimas semanas, coincidindo com as restrições sociais impostas à população como medida para frear a propagação da Covid-19. No Brasil, já há registros do aumento de crimes cibernéticos.  

Há casos de invasões de hackers ao sistema de instituições, mensagens em redes sociais oferecendo benefícios sociais com pedidos de informações de dados, acesso grátis à plataformas de streaming e possíveis agentes de saúde passando-se por funcionários de hospitais para cometer assaltos, entre outros. Fora isso, também há um crescimento no número de fraudes de cartão de crédito. 

Segundo Vinicius Cipriano, professor do curso de Direito da Estácio, apesar de os crimes ocorrerem na esfera virtual, há possibilidades jurídicas de reparação. Mesmo que, no Brasil, ainda haja dificuldades para o combate aos crimes cibernéticos. “Atualmente, existe uma certa dificuldade no nosso país no exercício do combate a este tipo de prática, seja pela imprecisão em determinar quem é o criminoso, pela complexidade em se produzir provas e até mesmo pelo déficit legislativo instalado no Brasil. Por isso, prevenir é ainda o melhor remédio, seja desconfiando de mensagens ou informações suspeitas, seja não clicando em links de origem duvidosa e, principalmente, se certificando que aquela informação é de uma organização oficial”, recomenda. 

Caso seja percebido o golpe, o professor explica que o principal meio de buscar uma solução jurídica é comunicando o fato a um órgão policial ou ao próprio Ministério Público, de modo a deflagrar o início de uma investigação e em, dependendo do caso, buscar um advogado para ajuizar uma ação penal ou civil. 

No caso de fraudes no cartão de crédito, segundo o especialista, no âmbito do direito do consumidor, as instituições financeiras são responsáveis pelos danos civis, desde que não haja culpa do consumidor; caso fortuito ou de força maior (por exemplo, situação de calamidade que afete o sistema de segurança de um banco); quando a instituição não coloca o produto ou serviço no mercado (por exemplo, um “aplicativo fantasma”); e/ou na hipótese de inexistência de defeito na prestação de serviço (o próprio consumidor efetuou a transação e não percebeu).

Caso seja averiguado uma fraude no cartão, o consumidor deve tentar resolver a questão com o próprio fornecedor. É importante ainda que toda a negociação seja registrada, preferencialmente por carta ou e-mail. Se não houver um acordo, o cliente pode procurar o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de seu município, que o orientará quanto à requisição do cumprimento da lei. 

No âmbito criminal, será verificada a responsabilidade daquele que conduziu ou auxiliou na prática do ato. “Por exemplo, no crime de estelionato, a conduta penal proibida é concernente àquele que obtém a vantagem indevida, que por sua vez é o cybercriminoso”, explica o professor. A punição para os crimes virtuais têm uma variação a depender de sua moralidade. Por exemplo, os crimes de estelionato e furto eletrônico possuem, respectivamente, penas de 4 e 10 anos. Por outro lado, a prática do delito de cyberterrorismo (sabotagem ou assunção do controle de organizações públicas por meios cibernéticos), o período de prisão pode alcançar até 30 anos, complementa Cipriano.

9

Abr

Tecnologia

Aprenda a fazer compras de supermercado por aplicativo, sem sair de casa

Fazer compras de supermercado online é possível com a ajuda de aplicativos que permitem receber os produtos em casa na hora que você agendar. O recurso é ideal nesse período de isolamento social no país para evitar a disseminação do coronavírus. No aplicativo, ainda é possível determinar características dos produtos, como frutas maduras ou não.

Na capital potiguar, o Bask se consolidou como o principal app de compras para casa pois, ao contrário de outros, mantém os preços e as promoções praticadas pelos supermercados e permite que o usuário faça uma feira completa, independentemente da quantidade de produtos solicitados. Algumas lojas aceitam vale-alimentação e têm entrega grátis.

O app tem encantado os natalenses pois facilita a vida das pessoas, eliminando o tempo perdido em supermercados, padarias, peixarias, mercadinhos, açougues, conveniências, petshops, entre outros. Com o celular na mão, basta escolher o estabelecimento disponível e fazer suas compras em poucos minutos e receber a feira em casa. Também é possível pedir para entregar na casa dos pais, por exemplo. A ferramenta é gratuita e está disponível para iOS e Android.

O aplicativo está disponível para download no Google Play e App Store. O site é o http://bask.com.br/ e o Instagram @basknatal.

Abra o aplicativo e faça o seu cadastro, clicando em “Novo Cadastro”, forneça seu nome, e-mail e defina uma senha. Em seguida, toque em "Cadastrar";  Na página inicial do aplicativo, escolha uma loja para fazer as suas compras; Navegue pela lista de produtos, escolhendo os que você deseja colocar no carrinho. Para adicionar produtos, toque sobre o ícone "+". Se você tiver uma lista de compras, também é possível inserir a lista, item a item, e escolher entre os produtos que aparecem como resultado nas buscas de cada item. Quando estiver satisfeito, toque sobre o ícone de carrinho de supermercado na parte inferior da tela;

Já no carrinho, informe o local e o horário de entrega. Os pedidos podem ser agendados para hoje, amanhã ou depois, sempre definindo um intervalo de 1h. Ou seja, você pode agendar a entrega, para hoje, entre 16h e 17h, para amanhã entre 10h e 11h ou depois de amanhã, entre 19h e 20h, por exemplo. Escolha a forma de pagamento, podendo ser no cartão de crédito pelo App, ou na entrega, no cartão de crédito, débito, em dinheiro ou mesmo em vale-alimentação. Antes de iniciar o pedido, é recomendável conferir as formas de pagamento aceitos pela loja e por último confira os itens e valor do seu pedido e pressione o botão "Finalizar Pedido".

8

Abr

Tecnologia

Microsoft realizará eventos online até julho de 2021

Até o ano que vem, a Microsoft não deve participar ou fazer nenhum evento de forma presencial, organizando apenas encontros digitais em função da COVID-19. A empresa confirmou a informação em e-mail enviado para participantes do MVP & RD Summit, evento interno de confraternização para funcionários e representantes da gigante.

“Diante das mudanças apresentadas pela COVID-19, a Microsoft tem acompanhado de perto os andamentos da situação global e repensando toda estratégia relacionada a seus eventos presenciais. Como empresa, a Microsoft tomou a decisão de mudar todos os eventos para experiências com foco digital até julho de 2021”, informou a companhia em e-mail divulgado no Twitter.

A empresa tem um calendário fixo de eventos presenciais que seriam realizados neste ano. Em maio, ela teria a Build, conferência voltada para desenvolvedores, mas agora deve se limitar a fazer palestras e apresentações online. Em setembro, ela geralmente faz o Ignite, voltado ao setor de TI, sendo que ainda não há informações como ele será realizado.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/negocios/microsoft-so-realizara-eventos-online-ate-julho-de-2021-162973/