Tecnologia

8

Mai

Tecnologia

Plataforma de videoconferência já viabilizou 20 mil reuniões do Judiciário durante a pandemia

As atividades do Poder Judiciário estão sendo realizadas especialmente com o uso da tecnologia durante o período de crise causado pela pandemia da COVID-19. Pela Plataforma Emergencial de Videoconferência para Atos Processuais, disponibilizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aos tribunais, já foram feitas 20 mil reuniões desde o lançamento da ferramenta no início de abril.

A Plataforma registrou, em um mês de funcionamento, 6.481 usuários cadastrados, dos quais quase 5 mil já utilizam a ferramenta. Mais pedidos são recebidos diariamente pelo Departamento de Tecnologia da Informação (DTI) do CNJ. Para o juiz auxiliar da Presidência do Conselho Bráulio Gusmão, a iniciativa tem sido fundamental para que o Judiciário retome boa parte de suas atividades, mesmo com o isolamento social e o trabalho em modelo de home office. “Os resultados são extremamente positivos e mostram que houve uma ótima resposta dos magistrados e respectivos tribunais. Acreditamos que a tendência é um aumento ainda mais significativo de usuários e do número de reuniões.”

A Plataforma é uma ferramenta digital segura para a realização das atividades processuais por videoconferência, realizadas em salas virtuais pelos magistrados. Nelas, é possível promover sessões de julgamento, audiências ou reuniões. Também é permitida a interação com todos os atores do Sistema de Justiça, composto por advogados públicos e privados, membros do Ministério Público e defensores públicos, bem como a sustentação oral de modo virtual, como tem sido feito nas sessões ordinárias do Plenário do CNJ.

A iniciativa é fruto do Acordo de Cooperação Técnica celebrado com a Cisco Brasil Ltda, que não resulta em custos ou compromissos financeiros por parte do CNJ. A ferramenta estará disponível durante o período da pandemia.

Para se cadastrar, juízos de primeiro grau, órgãos julgadores colegiados e gabinetes devem fazer uma solicitação por meio do formulário que consta na página da plataforma. As sessões de telepresença poderão ser gravadas, a critério dos interessados, e seu conteúdo armazenado no portal PJe Mídias, oferecido pelo CNJ. Dúvidas e esclarecimentos podem ser tratados pelo e-mail videoconferencia.nacional@cnj.jus.br.

8

Mai

Tecnologia

Site calcula número diário de vidas salvas pelo isolamento social

Uma plataforma criada por pesquisadores do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica da Unicamp foi capaz de calcular a quantidade de vidas salvas a partir da implementação das medidas de isolamento social no Brasil.

Estima-se que, se os cuidados forem mantidos, o número de vítimas da doença vai diminuir. A projeção é que dos atuais 83 indivíduos salvos diariamente dentro de uma semana, esse número saltará para 360. Em 14 dias, o dado registrado pode ser de 865 vidas poupadas a cada 24 horas.

Para realização dos cálculos, os pesquisadores cruzam os dados oficiais de contágio e letalidade, fornecidos diariamente pelo Ministério da Saúde. Com isso, é possível montar cenários de recuperação e de evolução do vírus. Em estimativas, os cientistas apontam que manter o isolamento social nas próximas semanas pode salvar, em média, uma vida a cada 3,7 minutos no Brasil.

Como acessar o sistema

O sistema, batizado de "Vidas salvas pelo isolamento social", criado pelos pesquisadores Paulo José da Silva e Cláudia Sagastizába, pode ser acessado por este link. A plataforma é atualizada diariamente.

De acordo com os pesquisadores, o "distanciamento social pode ser efetivo quando consideramos o Brasil inteiro, mas vem perdendo força".

"Vemos que as curvas de uma forma geral foram achatadas. Mas o número de doentes ainda cresce muito, mesmo que mais lentamente. Isso sugere que é imperativo que os governos busquem alternativas de controle da epidemia para não enfrentarmos colapsos nos sistemas de saúde em breve", finalizam.

Fonte: Olhar Digital, disponível em: https://olhardigital.com.br/coronavirus/noticia/site-calcula-numero-diario-de-vidas-salvas-pelo-isolamento-social/100471

8

Mai

Tecnologia

Google oferece treinamentos gratuitos online para profissionais de TI

O Google Cloud está oferecendo treinamentos gratuitos totalmente online para profissionais de TI, como recurso de aprendizado para quem deseja se aprofundar em conhecimentos em computação em nuvem. Durante 30 dias, será possível acompanhar cursos projetados com base em habilidades essenciais, como arquitetura, engenharia de dados e machine learning. O objetivo é preparar essas pessoas para resolver problemas reais e incentivar que elas busquem tirar sua certificação do Google Cloud.

Mais de 60 treinamentos estão disponíveis no Pluralsight e no Coursera. Os laboratórios práticos, disponíveis para todos os níveis de habilidade, e em diversos idiomas, estão disponíveis no Qwiklabs. Nos laboratórios, é possível aprender a criar protótipos de um aplicativo, analisar padrões climáticos, criar modelos de previsão e muito mais. Após os primeiros 30 dias de uso, as respectivas plataformas cobrarão uma taxa, caso o usuário opte por ampliar o tempo de estudo.

Inicialmente, as inscrições iriam até 30 de abril, porém, foram prorrogadas até o final de maio. Caso você tenha interesse, pode se inscrever por meio deste link. Para complementar os estudos, serão oferecidos webinars conduzidos por especialistas do Google Cloud, que vão guiar demonstrações práticas de laboratório e responder perguntas ao vivo sobre vários tópicos, como machine learning na nuvem, execução de SAP no Google Cloud, aumento de eficiência, e muito mais. Interessados, podem se inscrever aqui, onde também está disponível a agenda completa, além da consulta do histórico de vídeos.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/cursos/google-cloud-oferece-treinamentos-gratuitos-online-para-profissionais-de-ti-163289/

7

Mai

Tecnologia

Estudo: 57% das empresas estão conectadas apenas para realizar vendas online

O Cuponation, plataforma de descontos online, compilou dados de aumento de redes e de uso dessas plataformas como ponto de vendas nos últimos meses. Segundo o estudo, nas últimas quatro semanas, a taxa de penetração mundial nas redes sociais diariamente foi por volta de 3.81 bilhões de pessoas - ou seja, mais de 50% das pessoas em todo o globo estavam conectadas - , de acordo com a pesquisa do Statista, sistema internacional.

Além disso, segundo o levantamento recente do Centro Regional de Estudos do Brasil, atualmente 78% das empresas brasileiras, sejam elas de porte grande ou pequeno, estão presentes em pelo menos uma mídia social e acreditam que as mídias online podem influenciar parcerias e acarretar um aumento de vendas.

Nesta porcentagem, 57% estão conectadas apenas e exclusivamente para realizar vendas online - o que representa um aumento significativo de investimento dos comerciantes em plataformas digitais no geral. Vale mencionar que em 2017 somente 42% das companhias brasileiras possuíam sites, e no segundo semestre de 2019 este dado totalizava 54%.

Conforme dados da consultoria Kantar, o Instagram, o Facebook e o WhatsApp cresceram em média 40% no Brasil desde a segunda quinzena de março deste ano. Dentre estes, o Instagram lidera em relação a vendas e compras via internet. Confira a pesquisa completa no infográfico interativo do Cuponation.

Em conjunto, o Ipos divulgou um estudo no ano passado em que registrava que 85% dos entrevistados acreditavam no Instagram como meio para a descoberta de novos produtos, enquanto 83% das pessoas disseram que já haviam tomado a decisão de comprar de fato um item vendido por um e-commerce que possui perfil na rede social.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/instagram-cresce-como-plataforma-de-vendas-nos-ultimos-meses-164417/

5

Mai

Tecnologia

Pesquisa: 42% das pequenas e médias empresas do Brasil gerenciam suas senhas na memória

Um estudo divulgado nesta segunda-feira (04) pela Capterra, empresa especializada em análises sobre aplicativos e softwares corporativos, divulgou um cenário bem preocupante quando o assunto é a segurança da informação entre as pequenas e médias empresas (ou PMEs). Em uma época em que boa parte dos trabalhadores do país está exercendo sua profissão via home office, as medidas que garantem a segurança dos dados dessas organizações deixa a desejar.

Um dos dados mais preocupantes da pesquisa diz respeito a senhas. Quase metade (42%) dos funcionários entrevistados afirmou que o gerenciamento delas é feito de cabeça. Apenas 37% deles usam planilhas ou algum outro tipo de documento para administrar esses dados, enquanto 32% utilizam a memória do navegador e 31% lançam mão de algum software de gerenciamento de senhas.

Para piorar, 15% dos entrevistados afirmam compartilhar suas senhas com outros colegas de trabalho. Além disso, na hora de montar uma boa senha de acesso, o estudo indica que 54% (sim, mais da metade) dos pesquisados usam de oito a 16 caracteres para criar uma senha, uma prática que pode facilitar o acesso não-autorizado por parte de terceiros. Menos mal que 49% afiram que usam letras, números e caracteres na hora de construir uma boa senha. 

Ainda assim, 20% dos entrevistados usam nomes como senhas de acesso aos dados de uma empresa; outros 15% usam datas e 13% utilizam palavras completas.  Para completar o quadro alarmante, quase metade (46%) dos participantes da pesquisa afirmam ter apenas uma única senha principal para acessar diversos sites; além disso 49% compartilham a mesma senha entre contas pessoais e de trabalho. 

No quesito antivírus a situação não está melhor

Se a administração de senhas dos funcionários das PMEs já apresenta um quadro preocupante, a situação não está muito melhor quando o assunto é a adoção de uma solução de segurança para seus equipamentos de trabalho. A pesquisa da Capterra apontou que 61% dos entrevistados trabalham sem um software de proteção, como um antivírus. Além disso, apenas 34% verificam as atualizações desses mesmos antivírus e 32% instalam atualizações para essas ferramentas regularmente. 

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/seguranca/42-das-pequenas-e-medias-empresas-do-brasil-gerenciam-suas-senhas-decabeca-164295/

4

Mai

Tecnologia

Escola de Ciências Médicas da UFRN oferece teleatendimento no Seridó

Nas últimas duas semanas, o Brasil vem experimentando um crescimento cada vez mais veloz do número de casos de Covid-19. Como consequência, medidas de isolamento têm sido prorrogadas por estados e municípios de todo o país. Além disso, o sistema de saúde já vem apresentando saturação, beirando o colapso.

Inicialmente mais concentrado nas capitais, o novo coronavírus se propagou e também chegou aos interiores. No Seridó, para combater a pandemia e auxiliar a população da região, a Escola Multicampi de Ciências Médicas do Rio Grande do Norte (EMCM/UFRN) passa a oferecer acesso virtual e gratuito a orientações médicas relacionadas à Covid-19.

Chamada de Telessaúde no Sertão, a plataforma presta atendimento por meio da inteligência artificial Francisco, ou Chico, como se apresenta. No chat, é possível conversar instantaneamente, enviar perguntas, receber informações de saúde e identificar se os sintomas reclamados são característicos da doença, recebendo a orientação correta sobre qual serviço procurar, se assim for necessário.

Outras alternativas oferecidas pela plataforma são os atendimentos por telefone e por videochamada, realizados por médicos e por acadêmicos devidamente orientados por professores. No momento, essas modalidades estão disponíveis apenas para residentes da cidade de Caicó.

De acordo com o professor da EMCM, Diego Bonfada, coordenador da iniciativa junto à professora Raquel Bastos, trata-se, acima de tudo de um espaço de interação e retirada de dúvidas. A plataforma deve ainda contribuir para que não haja deslocamento desnecessário de pessoas em busca de atendimento nos hospitais. 

30

Abr

Tecnologia

Robô Ciência e Unifacex doam 120 protetores faciais para trabalhadores em saúde do Hospital Giselda Trigueiro, nesta sexta (1º)

A escola Robô Ciência e a Unifacex vão entregar nesta sexta-feira, 1º de maio (Dia do Trabalhador), 120 protetores faciais para profissionais de saúde do Hospital Giselda Trigueiro, referência no combate ao novo Coronavírus no Rio Grande do Norte.

As duas instituições de educação estão produzindo e vão doar, no total, cerca de 500 protetores de acetato para médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem que estão na linha de frente no combate a Covid-19. A outra parte dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) será entregues nos próximos dias.

As máscaras, que são chamadas de Face Shields, estão sendo produzidas e montadas em um Laboratório Maker da Unifacex. O espaço é usado pela universidade  para aulas de robótica e programação. A viseira, onde os profissionais de saúde encaixam o EPI na cabeça, está sendo produzida em impressoras 3D. O acetato, aquele material plástico transparente que fica na frente do rosto, é cortado em uma máquina a laser de alta precisão. Os custos foram divididos entre as duas instituições.

“Vamos fazer essa primeira doação com uma alegria imensa no coração. A data é muito simbólica. A entrega desses EPIs no dia do trabalhador é uma forma de homenagear esses profissionais que estão dedicados em salvar vidas. Nós também queremos proteger a vida deles, oferecendo a segurança necessária para que eles possam trabalhar", disse o professor Alexandre Amaral, diretor da Escola Robô Ciência.

A produção dos cerca de 500 protetores faciais deve ser finalizada nos próximos dias e em seguida serão feitas outras entregas em unidades de saúde da rede pública que estão recebendo pacientes com suspeita de Covid-19. O uso de máscaras é fundamental para a proteção dos médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem. A escassez de EPIs, no mundo todo, é um problema enfrentado durante a pandemia do novo Coronavírus.

30

Abr

Tecnologia

Aplicativo potiguar para fazer feira atende municípios de Natal, Macaíba, São Gonçalo, Ceará Mirim e Parnamirim

A pandemia do novo coronavírus está impactando a vida dos potiguares. A orientação de sair de casa o menos possível implica uma preocupação bastante importante: como fazer compras de mercado? O que muita gente descobriu recentemente é que um aplicativo potiguar permite que o usuário faça uma feira completa em poucos minutos e receba em casa. É o Bask Natal que já atende os municípios de Natal (incluindo a Zona Norte), Macaíba, São Gonçalo, Ceará Mirim e Parnamirim.

Além dos supermercados, o aplicativo conta com nomes como a chocolateria Rafaela Fontes, a Padaria São Miguel e a casa do Peixe, entre outros. No app ainda é possível pedir em lojas de peso na cidade, como o Frigoias, a Casa Nacre, Olga Pão de Queijo, o RNPet, entre muitos outros estabelecimentos. O Bask se consolidou como principal app de compras para casa da cidade pois, ao contrário de outros apps, mantém os preços e as promoções praticadas pelo estabelecimentos.

Com o celular na mão, basta escolher o estabelecimento disponível e fazeras compras em poucos minutos e receber a feira em casa. A ferramenta é gratuita e está disponível para iOS e Android. O aplicativo conta com mais de 40 mil produtos. Mais de 27 mil pessoas já baixaram a ferramenta. Diariamente, centenas de usuários já utilizam o aplicativo. Uma de suas funcionalidades permite ainda que o cliente possa repetir a feira do mês e efetuar o pedido em apenas 15 segundos. Algumas lojas aceitam vale-alimentação e tem entrega grátis. Além disso, centenas de promoções são atualizadas em tempo real, com o mesmo preço da loja física.

O aplicativo Bask Natal está disponível para download no Google Play e App Store. O site é o www.bask.com.br/ e o Instagram @basknatal.

30

Abr

Tecnologia

Ferramenta eletrônica ajuda mulheres vítimas de violência na pandemia

Mulheres vítimas de violência doméstica durante a pandemia do novo coronavírus ganharam um aliado para se defenderem e denunciarem as agressões que estejam sofrendo, sem despertar a atenção do agressor. Trata-se de uma assistente virtual que, por meio de um chatbot, que é programa de computador que tenta simular um ser humano na conversa com as pessoas, oferece uma forma silenciosa de as mulheres pedirem ajuda e de receberem orientações dentro de suas próprias casas.

A ferramenta resulta de parceria entre o Instituto Avon, a Uber e a agência de publicidade Wieden+Kennedy. De acordo com Mariana Borga, diretora de criação da agência, a assistente virtual foi criada com a ideia de ter uma identidade que pudesse “se camuflar entre os contatos da vítima e, ao mesmo tempo, transmitisse o papel acolhedor da iniciativa".

O número disponibilizado para ajudar mulheres de todo o país é o Whatsapp 11 – 944942415. Ali, após responder a algumas perguntas que identifiquem o grau de risco que ela corre, a vítima recebe o suporte apropriado. Segundo os parceiros, se houver necessidade de a pessoa agredida ir até um hospital, unidade de saúde, delegacia ou um centro de assistência social e psicológica e orientação jurídica em situação de violência, ela receberá um código que dará direito a uma viagem gratuita no aplicativo da Uber para esse deslocamento.

Fonte: Agência Brasil

29

Abr

Tecnologia

Estudo: celular é o principal meio de acesso à internet no país

O uso do celular para acessar a internet cresceu no Brasil. Os aparelhos são o principal meio de acesso à rede no país, usados por quase todos os brasileiros. As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - Tecnologia da Informação e Comunicação (PNAD Contínua TIC) 2018, divulgada hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Até o ano passado, três em cada quatro brasileiros tinham acesso à internet e, entre eles, o celular era o equipamento mais usado. Entre 2017 e 2018, o percentual de pessoas de 10 anos ou mais que acessaram a internet pelo celular passou de 97% para 98,1%. O aparelho é usado tanto na área rural, por 97,9% daqueles que acessam a internet, quanto nas cidades, por 98,1%.

“A gente fez a investigação do acesso dos domicílios à internet por qualquer aparelho e viu que cresceu - 79,1% dos domicílios têm acesso à rede - e isso aumentou principalmente por meio do telefone celular”, diz a gerente da Pnad Contínua, Maria Lucia Vieira.

Os dados mostram que 79,3% dos brasileiros com 10 anos ou mais têm aparelhos celulares para uso pessoal, com ou sem internet. Esse percentual era 78,2% em 2017. No mesmo ano, 84,4% das pessoas com aparelhos móveis tinham também acesso à rede por meio deles. Esse índice aumentou para 88,5% em 2018.

Entre aqueles que não têm celular no Brasil, 28% alegam que o aparelho telefônico é caro; 24,2%, que falta interesse em ter o equipamento, 19,8%, que não sabem usar; e 16,6%,que costumam usar o celular de outra pessoa.

Enquanto o celular ganha espaço, outros equipamentos perdem. O uso de computadores caiu de 56,6% para 50,7% e de tablets, de 14,3% para 12% de 2017 para 2018.

Mensagens e vídeos 

De acordo com o IBGE, 95,7% dos brasileiros que têm acesso à internet usam a rede para enviar ou receber mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos de mensagens, como o whatsApp, telegram, entre outros. O percentual se manteve mais ou menos o mesmo desde 2017, quando era 95,5%. A maioria, 88,1%, também disse usar a internet para fazer ligações de voz ou vídeo. Esse índice aumentou em relação aos 83,8% de 2017. 

Os filmes e as séries ganharam espaço. Aumentou o percentual daqueles que disseram acessar a internet para assistir a vídeos. Esse índice passou de 81,8% em 2017 para 86,1% em 2018. Por outro lado, o percentual de pessoas que acessaram a internet com a finalidade de enviar e receber e-mails apresentou queda, passando de 66,2% para 63,2%.

Junto com o gosto pelos vídeos vem também o aumento do acesso à internet pela televisão. “Um dado interessante é o crescimento do acesso à rede por meio das TVs e isso está alinhado com os motivos para acessar a internet. Uma das principais finalidades que as pessoas alegam, além de enviar e receber mensagens, é assistir a vídeos e séries”, diz Maria Lucia.

A pesquisa mostra que o percentual das pessoas que acessaram a internet pela TV aumentou de 16,3%, em 2017, para 23,1%, no ano passado. Esta é a terceira vez que a (Pnad) compila dados sobre Tecnologia da Informação e Comunicação. Os dados referem-se ao quarto trimestre de 2018. A pesquisa trata do acesso à internet e à televisão nos domicílios particulares permanentes e do acesso à internet e à posse de telefone móvel celular para as pessoas de 10 anos ou mais de idade, o que equivale a um total de cerca de 181,9 milhões de pessoas.

Fonte: Agência Brasil

29

Abr

Tecnologia

Campus Party anuncia edição global online e gratuita; confira datas

A Campus Party, um dos maiores eventos de inovação e tecnologia do mundo, anunciou nesta terça-feira, 28, que vai realizar uma edição totalmente digital e gratuita em 2020. O anúncio é uma resposta aos cancelamentos gerados pela pandemia do novo coronavírus. Pela primeira vez, o evento acontecerá simultaneamente em todos os países participantes e contará com um palco global, além das atrações regionais.

O evento digital acontecerá de 9 a 11 de julho e já conta com 22 países confirmados. Segundo os organizadores, cerca de 80 países foram convidados para participar do festival. Toda a experiência será transmitida online pelos perfis da Campus em plataformas como Facebook, Twitter e Instagram. A ação também pretende arrecadar doações para o apoio aos profissionais de saúde por meio da instituição Médicos sem Fronteiras.

O festival que vai integrar atrações regionais e globais terá como mote o tema “Reiniciando o Planeta” e pretende colaborar com ideias para enfrentar a crise e tornar a sociedade melhor. No Brasil, a Campus Party Brasília, que aconteceria nesta semana, fará parte do projeto com programação digital em julho e speakers participando do palco mundial.

Em videoconferência, nesta manhã, os organizadores afirmaram que mesmo no digital o evento vai manter a participação do público.“Vamos trabalhar para que as comunidades continuem compartilhando conhecimento e sejamos pessoas melhores no pós –pandemia”, afirmou Thalis Antunes, gerente de conteúdo da #CPBR. O evento prepara um desafio global, no estilo hackathon, para que todos os participantes sugiram soluções para lidar com a crise.

Os palcos do evento também ganharam nova roupagem. Work Life vai debater temas sobre empreendedorismo e economia; Green Power falará sobre energia limpa e meio ambiente; Living better será dedicado à saúde e a ciência; New horizon vai tratar de educação e smart cities; enquanto Digital life vai tematizar o entretenimento digital. A organização do festival ainda não atualizou as informações sobre os patrocinadores da atração.

A companhia aproveitou a videoconferência para informar que fará a devolução total do valor dos ingressos dos participantes que já haviam adquirido os ingressos para a edição física da Campus Party. Com a presença do secretário de Ciência Tecnologia e Inovação do Distrito Federal, Gilvam Máximo, a organização afirmou que pretende ainda realizar o evento dm Brasília, em novembro.  A edição Amazônia, programada para os dias 18 a 22 de março, e São Paulo, que aconteceria entre 7 e 12 de julho, ainda não tem novas datas definidas.

Fonte: Portal Meio e Mensagem, disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2020/04/28/campus-party-anuncia-edicao-global-online.html

28

Abr

Tecnologia

Aplicativo gera alerta sobre aglomeração de pessoas e preços abusivos

Ativo desde 2018 e atualmente com mais de 47 mil usuários, o aplicativo gratuito de segurança colaborativa Be On lançou duas novas funcionalidades no enfrentamento à Covid-19. São as ferramentas “Aglomeração de Pessoas” e “Preços Abusivos”.

Manter o distanciamento social é a principal medida para achatar a curva de crescimento do vírus, mas também um dos maiores desafios de enfrentamento da doença. O alerta “Aglomeração de Pessoas” foi desenvolvido para ajudar no controle e evitar pontos de aglomeração na cidade, especialmente em parques, praças e espaços públicos.

Já o segundo alerta “Preço Abusivos” foi criado para auxiliar na identificação de estabelecimentos comerciais que estão aplicando aumento abusivo nos valores de produtos, pois no último mês as denúncias de consumidores aumentaram significativamente.

As duas funções permitem que os usuários registrem os casos na plataforma por meio de geolocalização, o que possibilita mapear com precisão o local e gerar alertas para os usuários que estão próximos no raio de 1km. Todos os casos são disponibilizados para os órgãos responsáveis, permitindo uma atuação mais ágil e efetiva no combate às ações irregulares e prejudiciais à comunidade.

“Percebemos a possibilidade de usar a nossa tecnologia como um canal direto de dados e informações com os representantes de órgãos governamentais e de proteção ao consumidor e, dessa forma, auxiliar em ações que garantam a segurança e a saúde de todos”, conta Gustavo Caleffi, CEO do app Be On.

Os usuários que identificarem essas práticas devem entrar no app em “Criar um Alerta”, na sequência identificam o endereço do local, selecionam o alerta “Ambiental” e escolhem por “Aglomeração de Pessoas” ou “Preços Abusivos”. Depois é só descrever o caso com todas as informações detalhadas e compartilhar no app. Todos alertas são feitos de forma anônima para garantir a segurança de dados pessoais dos usuários.

O Be On está disponível para download tanto para Android quanto para iOS.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/125227/aplicativo-gera-alerta-sobre-aglomeracao-de-pessoas-e-precos-abusivos/amp/

27

Abr

Tecnologia

Plataforma online agiliza comunicação entre Idema e empreendedores

Para garantir agilidade ao atendimento dos seus usuários, o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte – Idema recomenda o uso da plataforma “Comunic@”, funcionalidade do sistema de licenciamento ambiental, exclusiva para processos em tramitação, que visa otimizar a comunicação entre o corpo técnico do órgão e empreendedores.

Entendendo a importância de priorizar a continuidade dos trabalhos neste período de pandemia, o Idema vem informar que a plataforma se encontra em pleno funcionamento e acessível para todos que tem processos ambientais sob análise no Instituto. Por meio dela, é possível acompanhar o andamento dos processos de forma ágil e segura, podendo enviar documentos, atender solicitações de providências, notificações e atendimento às condicionantes da licença.

A plataforma deve ser acessada através do site do órgão, clicando no link específico, localizado no campo "Serviços", ao lado esquerdo da página principal. O acesso pode ser realizado digitando CNPJ ou CPF no campo do usuário (somente números), em seguida, digitando a senha padrão ou outra já criada após primeiro acesso. Caso ainda não possua, entrar em contato com a Central de Atendimento do Idema, através dos canais de comunicação disponíveis.

O sistema permite ainda que sejam tiradas dúvidas das providências solicitadas. Ao técnico do Idema, cabe a responsabilidade de enviar as solicitações e responder aos questionamentos. Para garantir ainda mais segurança, as informações trocadas entre o empreendedor e o técnico são auditadas e ficam gravadas no sistema, podendo ser acessadas em caso de dúvidas e em qualquer tempo.

O coordenador da Central de Atendimento, Geyson Galvão, afirma que, além da ferramenta ser segura, ela otimiza o trâmite do processo. “Um das principais dificuldades do licenciamento é a comunicação de solicitação de providências e encaminhamentos aos empreendedores. São medidas necessárias no decorrer das análises e a plataforma auxilia bastante. O empreendedor não precisa se preocupar por ser uma plataforma digital, pois trabalhamos com transparência e responsabilidade nas informações”, relatou o coordenador.

É importante lembrar que, ao acessar pela primeira vez a plataforma, o sistema solicitará que seja alterada a senha padrão, possibilitando que o usuário crie sua senha pessoal, assim como indicar um e-mail para cadastro, o qual receberá avisos quando enviado alguma mensagem pela plataforma.

24

Abr

Tecnologia

Google Assistente lança função para distinguir as vozes de múltiplos usuários

Os smart displays e speakers vêm se tornando cada vez mais comuns nos lares em todo o mundo, ao passo que a tecnologia de assistentes digitais vão melhorando a compreensão das entradas de voz de seus usuários. Nesta quinta-feira (23), o Google anunciou uma tecnologia que pode ser uma mão na roda para um dispositivo utilizado por várias pessoas.

“Alto-falantes e monitores inteligentes geralmente ficam no balcão da cozinha ou na mesa da sala e são usados ​​por mais de um membro da família. Por isso, garantimos que cada pessoa possa ajustar suas preferências para interagir com o Google Assistente”, explica a companhia, em seu blog oficial. Com o Voice Match é possível treinar a inteligência artificial para que o software entenda as nuances e detalhes de sua voz, de modo que ele possa distinguir cada usuário pela maneira de falar.

Anteriormente, para calibrar a experiência, era necessário apenas que você disse “Hey Google” e “Ok Google” duas vezes. Agora, você precisa repetir quatro frases completas, que, basicamente, pedem por uma lista, uma informação geográfica, outra comercial e mais uma sobre curiosidades do tempo e da natureza. Depois disso, dispositivos com o Google Home e Nest poderão abrir resultados pessoais, eventos de calendários, colocar itens em listas de compras, entre outras funções, em até seis contas por aparelho.

Em smart displays, será possível ver que perfil está “logado” durante a apresentação dos dados. As novidades por enquanto devem chegar somente para os dispositivos configurados com o idioma inglês e, como de praxe, a gigante de Mountain View pretende ampliar o número de línguas e praças atendidas.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/software/google-assistente-lanca-funcao-para-distinguir-as-vozes-de-multiplos-usuarios-163812/

24

Abr

Tecnologia

Pesquisa: ataques hackers contra empresas cresceram 148% em março

A adoção repentina de regimes de home office e a dificuldade maior de aplicar medidas de segurança para funcionários que trabalham de casa levou a um aumento de 148% no número de ataques hackers contra empresas em março. Os números mostram que os bandidos estão aproveitando o período de pandemia do novo coronavírus para aplicar golpes, apostando na ideia de que, remotamente, os sistemas dificilmente contam com a mesma proteção do que dentro das estruturas internas.

Isso se tornou verdade, principalmente, para quadrilhas que trabalham com ransomware, que já vinha crescendo em popularidade e se tornou, no último mês, o tipo de malware que mais atingiu as corporações de todo o mundo. Os dados são da VMware Carbon Clack, uma empresa especializada em cibersegurança e virtualização, que viu o número de ataques mais do que dobrar em relação ao que foi registrado em fevereiro de 2020.

De acordo com os especialistas da empresa, o aumento na eficácia desse tipo de golpe tem a ver com a fragilidade maior do trabalho remoto. A rapidez com que os regimes de home office tiveram de ser implementados também ajudou, com profissionais levando computadores de trabalho para casa, os conectando a redes sem fio potencialmente desprotegidas, ou utilizando seus próprios equipamentos, que podem não contar com a segurança adequada e estarem desatualizados. E estas são apenas dois exemplos possíveis de porta de entrada para os criminosos.

Os dados são corroborados por outras análises internacionais. A Arctic Security, também especializada em cibersegurança, vinha enxergando um aumento nos ataques desde fevereiro e, em março, também viu o número de golpes mais do que dobrar tanto nos Estados Unidos quanto na Europa. Os especialistas também culparam as políticas de segurança insuficientes, principalmente o uso de VPNs inseguras em uma parca tentativa de trazer um pouco mais de proteção às conexões remotas.

Os dados apresentados nesta semana pelo FBI são ainda mais alarmantes e apontam um crescimento de 300% no número de denúncias registradas em sua divisão de crimes cibernéticos. A agência americana indicou, ainda, um panorama perigoso, com centros médicos e instituições de saúde estando entre os alvos preferenciais dos criminosos, que visam o roubo de dados de pacientes infectados e informações sobre pesquisas e vacinas.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/seguranca/ataques-hackers-contra-empresas-cresceram-148-em-marco-163768/