Mercado

23

Out

Mercado

Em iniciativa inédita, DNA Center oferece serviço de drive-thru para diversos tipos de exames laboratoriais

Fazer exames laboratoriais ficou muito mais fácil, rápido e confortável com a iniciativa pioneira e inédita do laboratório DNA Center, que, a partir de agora, passa a oferecer o sistema drive-thru para os mais diversos tipos de exames eletivos e de rotina. Os pacientes poderão fazer, por exemplo, coleta de sangue sem precisar descer do carro. A novidade foi implantada esta semana e conta com outra grande vantagem: o funcionamento é de domingo a domingo, inclusive nos feriados.

O drive-thru do DNA Center fica no estacionamento do Banco do Brasil, na Avenida Afonso Pena, no bairro Tirol. Agora, qualquer exame de rotina pode ser agendado e feito na unidade, que busca oferecer ainda mais rapidez, praticidade e segurança, com a confiabilidade e a excelência de sempre, que já são marcas reconhecidas do laboratório. 

"A partir da experiência que vivenciamos com o drive-thru da Covid-19 percebemos que existia uma tendência de um novo modelo de acolhida para as pessoas que procuram o laboratório. Criamos o drive-thru aberto para todo tipo de exame porque acreditamos que as pessoas procuram um serviço de qualidade, mas que possa ser rápido, individualizado, que evita aglomerações e garante biossegurança, seja qual exame for", destaca Andréa Fernandes, sócia-diretora do DNA Center.

A unidade ainda oferece a opção de boxes individuais e cabines de atendimentos isoladas em uma estrutura interna, com espaço amplo e arejado, para quem optar por não fazer a coleta dentro do carro. Após o exame, o paciente poderá receber o resultado pela internet, sem a necessidade de espera no local.

22

Out

Mercado

Empresário potiguar participa do lançamento da campanha nacional “Somos Essenciais”, que valoriza trabalhadores terceirizados que atuaram na pandemia

Juntamente com o deputado federal Laércio Oliveira (PP/SE) e do presidente da FEBRAC, Renato Fortuna Campos, o empresário potiguar Edmilson Pereira de Assis, presidente do grupo Interfort Segurança, participou nesta terça-feira, 20, do lançamento nacional da campanha publicitária “Somos Essenciais”, voltada para dar maior visibilidade aos 1,8 milhão de trabalhadores que, através de empresas especializadas, atuam no segmento de limpeza e conservação, setor que emprega no país 1,8 milhão de profissionais, muitos deles com atuação na linha de frente ao longo da pandemia da Covid-19. No Brasil há mais de 42 mil empresas no setor de terceirização de mão de obra.

A campanha será veiculada a nível nacional, inclusive no Rio Grande do Norte. Segundo revela Edmilson Pereira, que também é diretor financeiro da FEBRAC, as empresas do setor fornecem mão de obra treinada e reúnem profissionais como enfermeiros, maqueiros, motoristas de ambulância, pessoal de limpeza, porteiros, recepcionistas, vigias, entre outros, num total de 27 segmentos.

 “A exemplo do pessoal das áreas da saúde, da segurança pública, dos transportes e dos segmentos fundamentais do comércio, como supermercados e farmácias, que continuaram trabalhando para que nada faltasse à sociedade, os serviços especializados também são essenciais para o Brasil”, assinala.

22

Out

Mercado

Brasil perdeu 382,5 mil empresas em 5 anos de saldos negativos, diz IBGE

Dois anos após a recessão econômica de 2014 a 2016, as empresas permaneceram fechando as portas no País. No ano de 2018, 65,9 mil empreendimentos encerraram suas atividades. O resultado representa uma piora em relação a 2017, quando houve fechamento de 22,9 mil empresas.

Em cinco anos de saldos negativos consecutivos, o Brasil já perdeu 382,5 mil empresas. Os dados são do levantamento Demografia das Empresas e Estatísticas de Empreendedorismo 2018 e foram divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A extinção de empresas afeta também o total de empregados. Em cinco anos de dificuldades e fechamentos de empreendimentos, 2,9 milhões de trabalhadores perderam seus postos de trabalho. No ano de 2018, porém, houve aumento de 0,9% no pessoal ocupado total em relação a 2017, mais 335,3 mil pessoas.

O Cadastro Central de Empresas (Cempre) somava 4,4 milhões de companhias ativas em 2018, com idade média de 11,6 anos. Essas empresas ocupavam 38,7 milhões de pessoas, sendo 32,3 milhões (83,5%) como assalariadas e 6,4 milhões (16,5%) de sócios ou proprietários. A massa salarial paga por essas entidades totalizou R$ 1,1 trilhão, com um salário médio mensal de 2,7 salários mínimos, o equivalente a R$ 2.559,66.

A atividade de Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas teve o maior saldo negativo de empresas no ano: -88,7 mil. Já o setor de Saúde humana e serviços sociais registrou o saldo mais positivo: 23,8 mil companhias a mais.

Em 2018, taxa de sobrevivência das empresas foi de 84,1%: de um total de 4,4 milhões de empresas ativas em 2017, cerca de 3,7 milhões permaneceram ativas em 2018. A taxa de saída foi de 17,4%, superando a taxa de entrada de 15,9%.

As maiores taxas de entrada ocorreram no Amazonas (22,1%), Maranhão (20,5%) e Amapá (20,4%), enquanto as menores foram as do Rio Grande do Sul (13,3%), Santa Catarina (14,1%) e Minas Gerais (14,9%).

As taxas de saída mais elevadas foram as do Amazonas (21,6%), Pará (20,8%) e Distrito Federal (20,7%), e as menores taxas ocorreram em Santa Catarina (13,4%), Rio Grande do Sul (15,5%), Paraná (15,9%) e Piauí (15,9%).

O IBGE informou ainda que houve um aumento de 11,9% no número de empresas empreendedoras em 2018, totalizando 22.732 companhias, interrompendo cinco anos seguidos de quedas.

As empresas de alto crescimento, chamadas de empreendedoras, são aquelas com pelo menos 10 empregados assalariados que aumentaram as contratações acima de 20% ao ano por três anos.

Apesar da melhora em 2018, o número de empresas de alto crescimento no ano foi o terceiro menor da série. No início da série, em 2008, havia 30.954 empresas de alto crescimento. O melhor desempenho foi em 2012, com 35.206 empresas, e o menor, em 2017, com 20.306.

Fonte: Estadão

22

Out

Mercado

Quase 60% dos consumidores comprarão na Black Friday via aplicativos, diz Google

O Google apresentou nesta quarta-feira (21) os resultados da pesquisa sobre as intenções dos brasileiros para a Black Friday de 2020. Realizada pela Provokers, com 1.500 pessoas em todas as regiões do Brasil, a pesquisa também mostra as principais mudanças em relação ao ano passado. E um dos destaque e a ascensão dos apps: segundo o levantamento, 59% dos entrevistados afirmaram que pretende comprar na data usando aplicativos em seus smartphones.

Além disso, a pesquisa indica que os apps têm ganhado cada vez mais importância dentro da jornada de compra: 70% já possuem o aplicativo da loja preferida no seu smartphone, 8 em cada 10 declaram que o usam como fonte de consulta e 64% também concluem as compras nos apps além de fazer consultas.

“A Black Friday de 2020 será diferente em muitos aspectos, começando pela maior relevância do digital como o principal canal de compras e a mudança nas intenções, com categorias como móveis, brinquedos, games e imóveis ganhando maior relevância”, diz Gleidys Salvanha, diretora de negócios para o Varejo do Google Brasil. “Além disso, o brasileiro está fazendo mais planos. Independente do canal, 82% irá pesquisar online antes de comprar e as buscas já começaram para 41% dos consumidores”, completa.

Pesquisas com antecedência

Outra tendência para esta Black Friday é que os brasileiros estão mais criteriosos. Independente do canal de compra, 82% dos consumidores daqui vão pesquisar online antes de comprar. E as buscas já começaram para 41% deles, um número que sobe para 62% quando somados aqueles que declaram começar as pesquisas cerca de 1 mês antes da data.

Além disso, os consumidores nacionais estão dando maior abertura para experimentação e que tende a crescer na Black Friday: 29% dos brasileiros declaram que pretendem fazer algumas das compras da data em lojas diferentes das que costumam comprar regularmente, um aumento de 12% em relação à 2019.

As categorias que devem ter mais procura para a data

A expectativa para a data é alta: 6 entre cada 10 consumidores declararam que irão aguardar a Black Friday para comprar um produto que pretendem adquirir nos próximos 6 meses.

As 10 categorias com maior intenção de compra declaradas foram Celulares (38%), Eletrodomésticos (30%), Informática (28%), Roupas Femininas (28%), TV (26%), Roupas (24%), Eletroportáteis (24%), Perfumes (24%), Tênis (22%) e Móveis (22%).

Neste ano, algumas categorias aceleradas pela pandemia seguem fortes para a data, como Móveis, Brinquedos, Games e Imóveis. Por outro lado, passagens aéreas, serviços financeiros e planos de celular são as que mais perderam relevância neste ano.

As buscas no Google também apontam para um comportamento de espera para a compra na Black Friday para Celulares e Eletrodomésticos, que estão com interesse mais elevado que seu histórico, mas ainda abaixo do pico da última Black Friday. Já Informática e Móveis, que passaram por forte aceleração durante a pandemia e registraram buscas no Google acima dos patamares da Black Friday de 2019, devem continuar fazendo parte das necessidades e desejos do consumidor.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/black-friday/quase-60-dos-consumidores-comprarao-produtos-na-black-friday-via-aplicativos-173420/

20

Out

Mercado

Novo consumidor aprova novas práticas on-line mas mantêm-se fiel as lojas físicas

O novo consumidor, principalmente este novo perfil (durante a pandemia) apresenta nível de exigência elevado e total adaptação ao digital, visto que possui fácil acesso à informação. Toda esta informação faz com que ele necessite se sentir envolvido com o produto ou serviço antes de consumí-lo, afinal os valores da marca precisam estar alinhados com os seus. 

Segundo o estudo High Tech Retail segunda edição, do Grupo Croma, mesmo declarando que pretende migrar boa parte das suas compras para o canal on-line, o shopper ainda vai se manter fiel à loja física em determinadas categorias. Isso porque, em alguns segmentos, a experiência com o produto ainda será fundamental para uma boa compra.

 As lojas físicas têm maior participação entre os produtos destinados ao consumo imediato ou perecíveis, como alimentos (88%), limpeza (83%) e medicamentos (81%) ou quando as experiências sensoriais e a experimentação são mais importantes, como cosméticos (70%), moda (66%) e casa e móveis (60%).

A tendência é que a oferta de produtos seja unificada entre os canais e que o sistema de entrega consiga atender a agilidade e a praticidade das demandas tanto de quem compra on-line quanto de quem compra na loja, mas prefere receber em casa, segundo o estudo.

As compras on-line ganham incremento principalmente nas categorias nas quais já se tem ideia do funcionamento do produto, como itens de lazer (67%), eletrônicos (63%), informática (62%), celular (61%), eletrodomésticos (53%) e livros (53%). Estas categorias proporcionam produtos similares, oferecidos em várias lojas, que podem ser detalhadamente comparados com facilidade no mundo virtual, aponta o estudo. 

Os aplicativos de compra pelo celular vão evoluir e oferecer cada vez mais opções de interação e entregas. Hoje eles já permitem a compra do que se quer e onde se quer, com entregas onde o consumidor estiver. Assim, os ambientes físicos deverão se adaptar a esse tipo de tecnologia para atender demandas de compra, mesmo que o cliente não tenha entrado na loja física.

“Segundo o estudo, a tendência é aumentar cada vez mais a pesquisa e a compra on-line. Hoje a pesquisa on-line de produtos já é uma realidade para 73% dos shoppers e nos próximos 3 anos esse número tende a aumentar para 77%. Já a compra on-line faz parte do hábito de 43% dos shoppers e em 3 anos deverá chegar a 58%. Porém, ainda há quem vai preferir pesquisar e comprar na loja física (11%) e quem vai pesquisar on-line, mas comprar em loja física (31%)”, declara Edmar Bulla, CEO do Grupo Croma.

Para conquistar o novo consumidor, as marcas precisam acompanhar cada passo de seus clientes para estar com a expectativa e as entregas sempre alinhadas. Ter o consumidor no centro das decisões, atentando-se às suas necessidades e hábitos, trará cada vez mais valor à marca e maior consideração do shopper no momento da compra.
 

20

Out

Mercado

Sebrae realiza oficina virtual gratuita sobre a ressignificação do trabalho

O sofrimento psicológico provocado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) fez surgir uma série de perturbações nos profissionais, independente da área de atuação, decorrentes das mudanças impostas pelo isolamento social e o receio de ser contaminado pela doença desconhecida, infectocontagiosa e letal. Diante de tantas incertezas e da insegurança, muitos profissionais buscam a melhor forma de lidar com as mudanças, como por exemplo o trabalho em “home office”. É para se aprofundar no assunto que o Sebrae criou uma oficina virtual para ajudar aos profissionais a entenderem e dar um novo significado ao trabalho que executa, independentemente da função que ocupação na empresa.

A oficina "Ressignificando o seu trabalho em tempos de mudança" está com inscrições gratuitas abertas ao público e acontecerá nesta terça-feira (20) e na quinta-feira (22), sempre das 18h30 às 21h de forma virtual. As vagas são limitadas e a inscrição deve ser feita através do site: http://bit.ly/oficina-ressignificando-sebrae. Ministrada pelo analista técnico da Unidade de Gestão de Pessoas do Sebrae/RN, Antônio Carlos Liberato, a oficina visa ajudar a entender as mudanças relacionadas ao trabalho e a necessidade de se reinventar com novas atitudes e ações para o enfrentamento do medo da mudança.

Doutor em Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, em Portugal, Antônio Carlos explica que trata-se de uma oficina muito importante para ajudar ao participante a lidar melhor com as mudanças que está vivenciando. “De forma a aproveitar tudo o que dispomos para agregar novos significados e propósitos a nossa vida profissional e pessoal dentro dessa nova realidade que se apresenta”, completa.

“Há muito pouco tempo, o mundo passou e vem passado por uma transformação muito grande. De uma hora para a outra, nós fomos compelidos a viver essas mudanças, tanto na vida pessoal, quanto profissional. O objetivo dessa oficina é discutir e entender o ‘porque’ de muitas vezes temermos tais mudanças. Como fazer para minimizar os riscos decorrentes dessa situação e buscar formas de nos adaptar ativamente, inclusive assumindo e liderando essas mudanças? Assim será possível fazer uma grande análise da vida de cada um, dando um novo sentido, ressignificando mesmo”, conclui Antônio Carlos.

19

Out

Mercado

Novos investimentos e LIDE Futuro RN são apresentados em evento no Marechal Steak House

O LIDE – Grupo de Líderes Empresariais do Rio Grande do Norte – retomou a sua agenda presencial com um evento especial, no dia 15 de outubro, no novo Marechal Steak House.

O evento gerou muitas conexões e inícios de negociações entre um fundo de investimentos e algumas empresas do Estado com potencial pra receber investimentos. Também conquistou alguns novos investidores do mercado de investimentos alternativos, como, por exemplo, o private equity, uma tendência no Brasil. 

No encontro, Rodrigo Fiszman, CEO do Grupo Solum, e Patricia Stille, CEO da Beegin Plataforma de Investimentos, apresentaram oportunidades de investimentos, diante de um cenário de juros baixos, no Brasil. 

Os ex-sócios da XP Investimento também ensinaram aos líderes empresariais e empreendedores presentes ao primeiro 'Happy Business LIDE' a investirem em algumas novas modalidades oferecidas no mercado, como o Private Equity. Na ocasião, também foi apresentado o projeto 'LIDE FUTURO RN', que terá como HEAD no RN o advogado e empresário Jair Damasceno.

17

Out

Mercado

Dia do Médico: os verdadeiros heróis da sociedade relatam desafio da pandemia

Salvar vidas! Quem se forma em medicina sabe que vai ter essa nobre missão. Esse ano, mais do que nunca, o trabalho do profissional médico, celebrado no próximo domingo, dia 18 de outubro, tornou-se ainda mais valorizado. A pandemia, sem precedentes, colocou luz sob infectologistas, clínicos gerais, cardiologistas, psiquiatras, pediatras, geriatras, pneumologistas e uma infinidade de outras especialidades. Todos unidos em um mesmo propósito: mostrar que era possível vencer uma doença desconhecida e que se desafiou a ciência e a humanidade.

Muitos desses profissionais acompanharam de perto as mudanças que o momento exigiu e os obstáculos enfrentados. Coube ao médico avaliar cada caso, buscar meios de enfrentar o caos, fazer e refazer exames, encontrar saídas, reestabelecer a saúde em plenitude. “Enquanto todo mundo estava se protegendo em casa para se livrar desse vírus mortal, os médicos e enfermeiros foram para dentro das UTIs, com grande risco de contaminação. Acho que essa é a definição de heroísmo. Herói é aquela pessoa que coloca a sua própria vida em risco para salvar a do outro”, descreveu o médico Hildo Fernandes, que atende na unidade clínica do DNA Center, na rua Major Laurentino, no bairro do Tirol, em Natal.

Muitos desses profissionais levaram esse compromisso à risca ao ponto de perderem a própria vida para doença. "Acho que nesse dia do médico a gente precisa render uma homenagem aos colegas que perdemos nessa batalha. Eles pagaram o preço máximo pela coragem que tiveram. Eles fizeram o sacrifício mais bonito e merecem esse reconhecimento”, disse Hildo.

“Muitos colegas foram verdadeiros heróis, foram guardiões da saúde, lutaram bravamente. Infelizmente, alguns também perderam a vida e a gente lamenta muito”, disse a médica psiquiatra Myrna Chaves. A profissional também se deparou com uma outra face da pandemia: a depressão, os transtornos e a ansiedade que tomaram boa parte da sociedade.

Atendendo pacientes por meio da telemedicina na unidade clínica do DNA Center, ela pôde perceber o quanto o confinamento e o medo do vírus mexeram com a saúde mental das pessoas. “Muita gente nos procurou assustada, com medo. Esse período foi um prato cheio para depressão e transtornos de ansiedade, principalmente entre jovens. Fala-se numa quarta onda da doença, que é justamente essa, dos transtornos mentais relacionados à pandemia”, afirmou Myrna Chaves.

DNA CENTER: UNIDADE MAJOR LAURENTINO MANTÉM CORPO CLÍNICO

O doutor Hildo e a doutora Myrna estão entre os médicos que atendem na unidade Clínica do DNA Center, que fica localizada na rua Major Laurentino de Morais, 1220, no bairro do Tirol. Lá, é possível fazer consultas em infectologia e clínica geral (Dr. Antônio Araújo), ginecologia e obstetrícia (Dra. Bianca Macário, Dra. Maria do Perpétuo e Dra. Rochelle Rangel), nefrologia (Dra. Clélia Leão), psiquiatria (Dra Graça Galvão e Dra. Myrna Chaves) e cirurgia plástica (Dr. Hildo Fernandes).

Para o DNA Center, o profissional médico merece todas as homenagens. “Os médicos mostraram que são os verdadeiros heróis da nossa sociedade. Nós do DNA sempre valorizamos o profissional da medicina no nosso dia a dia, como ações como a realização de exames somente sob prescrição médica, por entendermos que cabe aos médicos a avaliação global da saúde dos pacientes”, afirma Dra. Andrea Fernandes, sócia-diretora do DNA Center.

17

Out

Mercado

Novo consumidor aprova novas práticas on-line mas mantêm-se fiel as lojas físicas

O novo consumidor, principalmente este novo perfil (durante a pandemia) apresenta nível de exigência elevado e total adaptação ao digital, visto que possui fácil acesso à informação. Toda esta informação faz com que ele necessite se sentir envolvido com o produto ou serviço antes de consumí-lo, afinal os valores da marca precisam estar alinhados com os seus. 

Segundo o estudo High Tech Retail segunda edição, do Grupo Croma, mesmo declarando que pretende migrar boa parte das suas compras para o canal on-line, o shopper ainda vai se manter fiel à loja física em determinadas categorias. Isso porque, em alguns segmentos, a experiência com o produto ainda será fundamental para uma boa compra. As lojas físicas têm maior participação entre os produtos destinados ao consumo imediato ou perecíveis, como alimentos (88%), limpeza (83%) e medicamentos (81%) ou quando as experiências sensoriais e a experimentação são mais importantes, como cosméticos (70%), moda (66%) e casa e móveis (60%).

A tendência é que a oferta de produtos seja unificada entre os canais e que o sistema de entrega consiga atender a agilidade e a praticidade das demandas tanto de quem compra on-line quanto de quem compra na loja, mas prefere receber em casa, segundo o estudo.

As compras on-line ganham incremento principalmente nas categorias nas quais já se tem ideia do funcionamento do produto, como itens de lazer (67%), eletrônicos (63%), informática (62%), celular (61%), eletrodomésticos (53%) e livros (53%). Estas categorias proporcionam produtos similares, oferecidos em várias lojas, que podem ser detalhadamente comparados com facilidade no mundo virtual, aponta o estudo. Os aplicativos de compra pelo celular vão evoluir e oferecer cada vez mais opções de interação e entregas. Hoje eles já permitem a compra do que se quer e onde se quer, com entregas onde o consumidor estiver. Assim, os ambientes físicos deverão se adaptar a esse tipo de tecnologia para atender demandas de compra, mesmo que o cliente não tenha entrado na loja física.

“Segundo o estudo, a tendência é aumentar cada vez mais a pesquisa e a compra on-line. Hoje a pesquisa on-line de produtos já é uma realidade para 73% dos shoppers e nos próximos 3 anos esse número tende a aumentar para 77%. Já a compra on-line faz parte do hábito de 43% dos shoppers e em 3 anos deverá chegar a 58%. Porém, ainda há quem vai preferir pesquisar e comprar na loja física (11%) e quem vai pesquisar on-line, mas comprar em loja física (31%)”, declara Edmar Bulla, CEO do Grupo Croma.
Para conquistar o novo consumidor, as marcas precisam acompanhar cada passo de seus clientes para estar com a expectativa e as entregas sempre alinhadas. Ter o consumidor no centro das decisões, atentando-se às suas necessidades e hábitos, trará cada vez mais valor à marca e maior consideração do shopper no momento da compra.

16

Out

Mercado

Bairro de Mãe Luiza busca transformações sociais via empreendedorismo

Uma das poucas comunidades de Natal situadas em um morro, na zona Leste da capital, o bairro de Mãe Luiza ainda carrega desacertadamente alguns estigmas negativos que permeiam um misto de pobreza, violência, medo e preconceitos. No entanto, o bairro, famoso pelo seu farol, dunas, ladeira e escadaria, é muito além disso, tanto do ponto de vista social quanto cultural e também empreendedor. E busca mostrar ser possível transformar a realidade do local via empreendedorismo e dar novas perspectivas para a gente que vive no lugar.

Por isso, Mãe Luiza foi escolhido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte para receber a primeira edição do Projeto Comunidade Empreendedora, que oferece uma série de capacitações e incubação remotas voltadas para jovens em idade entre 18 e 39 anos. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site www.brasilmaisempreendedor.com.br/.

A ação faz parte do programa Brasil Mais Empreendedor, que foi criado para capacitar jovens que vivem em situação de vulnerabilidade social no país. Na verdade, trata-se de um pacto de cooperação no qual o Sebrae está envolvido para  auxiliar as pessoas que precisam abrir um negócio para ter renda própria e também os pequenos e microempreendedores que enfrentam dificuldades para manter o negócio com as portas abertas e de forma lucrativa. O objetivo é impactar mais de 100 mil jovens brasileiros até o fim do ano.

Devido à pandemia da Covid-19, as capacitações do projeto Comunidade Empreendedora serão todas online e vão ajudar os jovens a criar e manter um negócio, com poucos recursos. A capacitação é dividida em 11 etapas que abordam finanças, comunicação online e offline, gestão de pessoas, entre outros. A iniciativa também conta com dicas e guias práticos para auxiliar a sobreviver às adversidades econômicas. Em Mãe Luiza, será uma semana de aulas virtuais, que vão de segunda-feira (19) a sexta-feira (23), das 14h às 17h, através do site www.brasilmaisempreendedor.com.br, e mais três meses de incubação remota para os participantes.

“Pretendemos  estimular o empreendedorismo entre jovens que residem em bairros periféricos, em comunidades do Rio Grande do Norte e apoiá-los no processo de modelagem de negócio, na construção de novos empreendimentos e estimulá-los para pensarem em produtos e serviços necessários à comunidade que ainda não são ofertados”, explica a gestora do projeto Negócios Inovadores de Impacto Socioambiental do Sebrae-RN, Mona Paula Nóbrega.

Segundo Mona Paula, a ideia é  fazer com que de fato aconteça a criação de negócios capazes de solucionar problemas da comunidade e gerar renda dentro da própria localidade, e para a comunidade. “Queremos que esses empreendedores possam ter condições de tirar seus negócios do papel e empreender de fato, com todo o apoio necessário, sobretudo a juventude”, exolica. O projeto Comunidade Empreendedora conta também com a parceria da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Natal, a CDL Jovem e o Fórum de Negócios do Rio Grande do Norte.

Da rua à cidade

A iniciativa de estimular e apoiar a juventude dessas comunidades periféricas a ter o seu próprio negócio promove um impacto muito significativo, principalmente quando falta uma ação mais efetiva do poder público, e traz melhorias coletivas para quem vive no lugar. Transforma mentalidades em prol do bem comum.

Foi exatamente o que ocorreu com Victor Pereira, que ainda adolescente, aos 16 anos, decidiu levar internet via rádio para a vizinhança de uma das principais ruas de Mãe Luiza, a João XXIII. Como já era aficcionado em redes e internet e atuava nessa área em empresas de amigos, pensou que poderia estender essa experiência para outros moradores. Em 2013, o jovem com uma visão empreendedora decidiu montar um provedor de internet, a VP Internet. “Montei uma pequena rede no quintal da minha casa para atender aos vizinhos por um valor simbólico”, lembra Victor.

A ideia deu tão certo que, em 2017, a internet via rádio do provedor já cobria 95% do bairro, que dois anos depois estava completamente cabeado com fibra ótica, o primeiro da zona Leste da cidade, que concentra os bairros mais nobres e tradicionais de Natal, com essa moderna tecnologia. Tanto que a empresa expandiu a atuação e levou o serviço aos bairros de Areia Preta, Petrópolis, Morro Branco e agora está cobrindo também Nova Descoberta.

“Vejo no empreendedorismo uma porta do sucesso para a nossa comunidade. Há diversas áreas que podem ser exploradas, inclusive o turismo. Há muitas pessoas que conheço com ideias, mas não sabem como colocar em prática. Falta, além do capital, a capacitação”, diz Victor Pereira. Hoje, aos 24 anos, o empreendedor emprega dez funcionários.

Apoio para crescer

Além de perceber uma oportunidade e correr em busca do sonho de ter a própria empresa, Victor Pereira contou com o suporte do Sebrae para profissionalizar a gestão do negócio e atingir mercados antes jamais imaginados além das fronteiras do bairro. “Comecei do zero. Vi uma oportunidade e procurei fazer. Você sempre vai escutar um ‘não vai dar certo’, mas é preciso meter a cara, porque só depende de você dar certo ou não”, aconselha.

O exemplo dele prova que capacitação e apoio, como os que o projeto Comunidade Empreendedora está ofertando, podem levar jovens criativos e engajados com os problemas que afligem a comunidade, a concretizar sonhos e também a melhorar a qualidade de vida das pessoas com quem divide o mesmo espaço territorial.

Não é a primeira vez que o Sebrae lança olhar para o bairro de Mãe Luiza. Atenta ao potencial empreendedor do local, a instituição promoveu, em 2015, o curso ‘Como Administrar Melhor um Pequeno Negócio’, com metodologia de capacitação em massa com foco no desenvolvimento de características do comportamento empreendedor. Realizado na Arena do Morro, o curso durou uma semana, estimulando o participante a utilizar a gestão como pilar essencial para desenvolvimento e sustentabilidade dos negócios. E revelou talentos como o de Victor Pereira, que é apenas um entre centenas que estão encobertos e ofuscados pelo cotidiano das ruas, vielas,  ladeiras e escadarias do lugar por onde transitam e moram cerca de 15 mil pessoas.

14

Out

Mercado

MAIS RN Digital e Observatório da Indústria conectam oportunidades, vocações e informações do RN

Colocar o empresário como protagonista do processo de desenvolvimento do Rio Grande do Norte, atuando junto com entes públicos e academia. Este é o objetivo do Mais RN Digital e Observatório da Indústria, lançado nesta quarta-feira (14), pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte. Nesta nova fase, o programa busca dar apoio às empresas aqui instaladas, identificar novas oportunidades nas cadeias produtivas existentes, fortalecendo e evitando a saída de empreendimentos do Rio Grande do Norte, além de realizar vocações econômicas do Estado. O Mais RN Digital pode ser acessado  AQUI.

A nova plataforma se apresenta como um “HUB de informações”, dados e pesquisa sobre a economia e a indústria do Rio Grande do Norte ao reunir, no mesmo ambiente virtual, o MAIS RN Digital, o Observatório da Indústria, Painéis Temáticos, como o de Petróleo e Gás e o Economia e Mercado; as edições do MAIS RN 2015-2035 e o MAIS RN 2018-2022 Agenda Urgente, sistematizados em painéis de fácil operacionalização, além do BI de monitoramento da Covid-19. E lança as bases para o “MAIS RN EM AÇÃO” – um conjunto de salas de situação sobre Pesca, Petróleo e Gás, Energias renováveis, Mineração, Inovação e demais cadeias produtivas.

Para isso, a plataforma atua com planejamento contínuo, com ações de inteligência, levantamento de dados, diagnósticos e prognósticos de fácil acesso e rápida interpretação, sendo fonte de informação para análises setoriais da FIERN, publicações e cadernos temáticos. E, com base em dados estatísticos e informações, busca reunir os atores específicos para traçar ações conjuntas no intuito de atrair novos investimentos, sanar gargalos estratégicos e atuar na realidade econômica do RN.O presidente do Sistema FIERN, Amaro Sales de Araújo, destaca que o projeto tem, nesta nova etapa, o objetivo de colocar o empresário no centro das discussões para as tomadas de decisões referentes ao crescimento econômico do estado. “Esse novo MAIS RN está preocupado com o setor empresarial do Estado, os heróis da resistência, que tem o compromisso com o RN. É o empresário quem dá a sustentação, gera receita, paga imposto, gera emprego, movimenta riqueza, agrega valor, realiza os potenciais, empreende, gera oportunidade e faz desenvolver o Estado”, frisa.

O lançamento da plataforma MAIS RN Digital, ressalta Amaro Sales, traz uma agenda positiva para o Rio Grande do Norte, com a facilidade de reunir informações com acesso rápido e interatividade. “O MAIS RN é um projeto para o Rio Grande do Norte, não é mais um projeto da FIERN, que é o coordenador, mas é um projeto de desenvolvimento planejado para toda sociedade, com a possibilidade da comunicação dos atores, empresários, estado e municípios”, disse o presidente da FIERN.

O Mais RN Digital propõe um planejamento pós-pandemia, que elege agendas urgentes nos setores de Petróleo e Gás, Têxtil e Confecções, Fruticultura, Logística, Turismo, Mineração, Inovação, Pesca e Energias Renováveis.

O Observatório da Indústria permitirá o acompanhamento e diagnóstico do setor e da economia do RN, a partir do acesso a dados como Empregos na indústria, Renda per capita, Valor adicionado bruto, Taxa de desocupação, Admissão e demissões na indústria, IDH e Índice de Gini, Educação, Saúde, Segurança, Administração Pública ICMS e Receitas e despesas públicas. O Observatório será alimentado a partir de fontes oficiais, como IBGE, RAIS, Caged, INEP, Portal da Transparência, entre outras.

A metodologia usada na versão digital, segundo o assessor técnico de Economia e Pesquisa da FIERN, Pedro Albuquerque, surgiu com a experiência vivida com a pandemia da Covid-19, que levou a FIERN a lançar o MAIS RN 4.0 Covid -19, em março, no início do enfrentamento do novo coronavírus. Com uma apresentação dinâmica, todos os dados sobre a evolução da pandemia no Estado foram atualizados no Painel de Observação da Covid-19 no RN e mais um canal direto com a indústria foi estabelecido com a Sala de Situação, que proporcionou o debate sobre ações estratégias para enfrentamento da crise e deu origem ao Plano de Retomada Gradual da Economia do RN, elaborado pela FIERN em parceria com outras federações, e adotado pelo governo do estado.

“Foi feito o levantamento de dados e construção de dashboards, de uma Sala de Situação, atuando no mapeamento dos atores e em conversas e articulações guiadas e na coordenação, com foco na entrega e na alteração da realidade”, explica o assessor. “O MAIS RN é capaz de articular os técnicos, mapear as soluções e construir as pontes para viabilizá-las”, destaca.

A videoconferência de lançamento foi acompanhada por mais de 100 pessoas. Além do vice-governador Antenor Roberto, teve a participação de secretários de estado, representantes de outras federações Fecomércio, Faern, Fetronor e Sebrae, de instituições financeiras, como Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Banco do Nordeste, de universidades, além de diretores e gestores da FIERN, presidentes de Sindicados filiados, gestores e empresários.

Trajetória do MAIS RN

Durante a abertura, o presidente do Sistema FIERN, Amaro Sales de Araújo, lembrou a criação e trajetória do MAIS RN, ao longo de seis anos, desde o lançamento da primeira edição do estudo e prestou homenagem ao consultor Marcos Formiga, um dos idealizadores do MAIS RN, falecido no ano passado. Idealizado e coordenado pela FIERN e contando com a participação de inúmeros parceiros, o MAIS RN é o mais abrangente estudo já realizado sobre os caminhos do desenvolvimento socioeconômico do Rio Grande do Norte. Partindo de um criterioso diagnóstico, o estudo apontou em sua primeira versão cenários desejados e ameaças futuras, pontos críticos de atenção, atuais e potenciais. O documento, elaborado em 2014, trazia 147 ações, sendo 37 prioritárias nas áreas de ambiente de negócios competitivo, infraestrutura e logística, serviços públicos e eficientes e capital humano.

Após atualização em 2018, a edição ganhou a agenda potiguar 2019-2022, com 40 ações prioritárias com ênfase no equilíbrio fiscal, educação, saúde e segurança, que foi entregue, naquele ano, a candidatos ao Governo, Senado e Presidência da República em fóruns promovidos pela FIERN. No ano passado, o Mais RN promoveu a integração de municípios com o Fórum “O Mais RN e o Desenvolvimento Municipal”.

Este ano, em março, em meio a pandemia da Covid-19, o MAIS RN ganhou uma versão digital e a nova missão de monitorar a evolução dos casos no estado e auxiliar o diálogo com a indústria e a articulação com governo e comunidade científica para buscar saídas para a crise. E, em parceria com outras federações, elaborou o Plano de Retomada Gradual da Economia do RN, que foi adotado pelo governo do estado. Agora, inova, mais uma vez, com o MAIS RN Digital e o Observatório da Indústria.

 

14

Out

Mercado

Vinhedos segue tendência e passa a oferecer suas delícias gastronômicas apenas no formato delivery

Uma das marcas gastronômicas mais reconhecidas e bem sucedidas de Natal entra numa nova fase a partir de hoje. O Vinhedos passa a oferecer os pratos saborosos da sua cozinha moderna e contemporânea somente no formato delivery. A mudança ocorre em sintonia com a tendência do momento e antenada com o desejo dos clientes. Junto dela, a marca traz novidades também do cardápio, que mantém a tradição da alta qualidade, mas agora com valores bastante acessíveis.

O Vinhedos Delivery quer fazer parte da vida das pessoas, oferecendo, no conforto do lar, uma comida deliciosa para celebrar bons momentos em família e com amigos. Aliado a isso, a grife gastronômica também amplia seu leque de opções, passando a oferecer pratos executivos no seu menu com valores entre R$ 19 e R$ 29. A ideia é que as pessoas possam saborear uma comida de bistrô, com opções de risotos, massas e frutos do mar, com valores que, até então, não eram praticados no mercado. Além do menu executivo, o cliente terá acesso aos tradicionais pratos de bistrô, que continuam compondo o cardápio. 

“Durante a pandemia, o restaurante teve uma procura muito grande pelo delivery e por isso passamos a sentir que seria o momento de um reposicionamento da nossa marca, porque as pessoas estavam realmente valorizando receber aquela comida especial na sua casa. O Vinhedos resolveu apostar nisso, nesse novo relacionamento com o cliente, levando para o seu lar o melhor da nossa gastronomia”, explicou Rilder Chaves, proprietário do Vinhedos Delivery. 

As opções de entradas, pratos executivos, saladas, pratos kids e pratos principais de peixes, frutos do mar e carnes podem ser pedidas pelos aplicativos Ifood, Rappi e Uber Eats, além do Whatsapp, no telefone (84) 9-9844-0136. O Vinhedos Delivery funciona às terças, quartas e domingos, das 11h às 15h, e nas quintas, sextas e sábados, das 11h às 15h e das 18h às 21h.

14

Out

Mercado

Estudo: medo do desemprego é maior entre mulheres e jovens

O medo do desemprego entre as mulheres é bem superior ao dos homens, mostra indicador da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgado nesta quarta-feira (14). O Índice de Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida é uma publicação trimestral da CNI e nesta edição entrevistou 2 mil pessoas em 127 municípios do país, entre os dias 17 e 20 de setembro. 

O indicador de medo do desemprego no público feminino ficou em 62,4 contra 46,8 no público masculino, uma diferença de 15,6 pontos. O medo do desemprego também é maior entre os jovens, especialmente aqueles na faixa dos 16 aos 24 anos (57,9), e o da faixa seguinte, entre 25 e 34 anos (57,3). Esse indicador também é maior entre a população que reside no Nordeste (61,2) e os que recebem até um salário mínimo (65). 

Apesar dos graves impactos econômicos da pandemia de covid-19, o medo do desemprego na população em geral ficou em 55 pontos, uma queda de 1,1 ponto na comparação com dezembro de 2019.

"A partir do fim do primeiro trimestre de 2020, as medidas de proteção adotadas no período contribuíram para conter o desemprego e aumentar a segurança no emprego. Possivelmente, a transferência de renda às famílias também contribuiu para esse resultado. Por fim, a retomada gradual das atividades comerciais e produtivas nos últimos meses tem impactado positivamente a formação de expectativas dos agentes, que, em um primeiro momento, esperavam por uma recuperação econômica mais lenta", avalia a CNI.

Satisfação com a vida

Já o índice de satisfação com a vida cresceu ligeiramente entre dezembro do ano passado e setembro deste ano, passando de 68,3 para 68,5 pontos. A satisfação com a vida aumenta à medida que a renda também aumenta. Entre os que ganham mais de cinco salários mínimos, esse valor é 72,8 pontos, enquanto quem tem renda de até um salário mínimo registrou pontuação de 65,7. 

O indicador também é melhor entre os homens (70 pontos) na comparação com as mulheres (97,1). 

Fonte: Agência Brasil
 

13

Out

Mercado

Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas será votada pela AL

O setor produtivo do Rio Grande do Norte avançou em mais uma etapa para a votação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Norte. Na manhã desta terça-feira (13) a Frente Parlamentar de Apoio às Micro e Pequenas Empresas entregou ao presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Ezequiel Ferreira, o texto discutido e aprovado pelas três comissões permanentes do Legislativo estadual. Estiveram presente ao encontro, além de deputados, os presidentes das federações do comércio e serviços, da indústria e da agricultura e pecuária do estado, além do diretor superintendente do Sebrae do Rio Grande do Norte e presidente da Câmara de Dirigentes Lojista de Natal.

A expectativa dos parlamentares e líderes empresariais é que o Projeto de Lei entre em votação no plenário nos próximos dias e que seja aprovado pelos deputados estaduais. Dentre os avanços conquistados no texto da Lei Geral, estão o estímulo às compras públicas, com um limite exclusivo para micro e pequenas empresas e um fundo garantidor de recebimento por parte das empresas, a destinação de 40% dos recursos destinados à área de inovação no estado para o segmento das MPEs, a introdução da educação empreendedora no ensino de escolas públicas e particulares, além da simplificação dos processos de licenciamento e liberação de alvarás de funcionamento das empresas de baixo risco.

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Ezequiel Ferreira, enfatizou a importância do Projeto de Lei prometendo coloca-lo em votação no plenário, o mais breve possível. “Nós estamos pactuando um projeto juntamente com a iniciativa privada e a classe política do estado visando fomentar cada vez mais a geração de emprego e renda no RN. É um setor responsável por mais de 50% dos empregos e 40% da arrecadação do estado. Temos a expectativa que com a desburocratização, vamos incrementar as receitas das micro e pequenas empresas, fazendo com que o estado possa arrecadar cada vez mais. Tenho certeza que esta é uma matéria que será aprovada por todos os deputados estaduais visando o desenvolvimento econômico do estado do Rio Grande do Norte”, espera Ezequiel.

Eduardo MaiaDeputado Kleber Rodrigues entrega texto da LG ao presidente Ezequiel Deputado Kleber Rodrigues entrega texto da LG ao presidente EzequielO presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-RN e do Sistema Fecomércio, Marcelo Fernandes de Queiroz, agradeceu aos parlamentares pela forma como receberam o projeto de lei encaminhado pelo Governo do Estado e a apreciação do texto pelas comissões, que aprimoraram e aprovaram de forma célere. “Nós temos certeza que esta Lei Geral vai contribuir muito para as micro e pequenas empresas, que geram empregos e renda para o nosso estado. Quero parabenizar os parlamentares e a governadora que tiveram uma atenção toda especial, ouvindo as instituições que participaram ativamente da construção desse texto da Lei Geral”, afirma Marcelo Queiroz.

O diretor superintendente do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto, afirma que com a entrega simbólica do documento ao presidente Ezequiel Ferreira foi dado mais um passo importante no sentido de se criar um ambiente favorável para as micro e pequenas empresas do Rio Grande do Norte. “A lei simplifica e desburocratiza, além de criar um programa de compras públicas criando condições para que o poder público possa comprar do pequeno negócio. O empreendedorismo nas escolas é outro grande avanço previsto na legislação. A lei reconhece de fato a importância das micro e pequenas empresas para a economia do estado”, garante Melo.

O presidente da Frente Parlamentar de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Assembleia Legislativa, deputado Kleber Rodrigues, reiterou que o projeto de lei se reveste de grande relevância, porque foi concebido com a participação dos representantes da classe produtiva e teve todo o apoio das três comissões permanentes da Assembleia. “Eu não tenho dúvida de que este projeto terá aprovação dos 24 deputados. Neste momento em que vivemos os reflexos de uma pandemia, este projeto trará benefícios para mais de 200 mil empresas estabelecidas no nosso estado. Benefícios que serão transformados na geração de emprego e renda para o Rio Grande do Norte”, afirma Kleber, destacando que com a Lei Geral os empresários terão acesso às compras públicas, que no ano passado totalizaram R$ 1,2 bilhões em todo o estado.

Eduardo MaiaLíderes de vários setores representaram a classe empresarialLíderes de vários setores representaram a classe empresarialO presidente do Sistema Fiern, Amaro Sales de Araújo, acredita que a Lei Geral é um passo relevante para beneficiar as micro e pequenas empresas. “Um setor que representa mais de 40% da economia nacional tem que ser visto de uma forma diferente, não somente no Rio Grande do Norte, mas em todo o Brasil. Essa lei chega em boa hora, sobretudo por esse momento difícil que estamos passando. Quero ressaltar a legitimidade dessa Casa em conduzir tão bem esse projeto de lei que traz grandes benefícios ao setor produtivo”, afirma Amaro Sales.

Além do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, Ezequiel Ferreira, e do presidente da Frente Parlamentar de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Assembleia Legislativa, Kleber Rodrigues, participaram da reunião os deputados Hermano Morais, Francisco do PT e George Soares, líder do governo na Assembleia, que prometeu todo o apoio à aprovação do projeto de lei aprovado pelas comissões: Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), Comissão de Finanças e Fiscalização e Comissão de Educação Ciências e Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Social.

13

Out

Mercado

Clínica referência em cuidados para crianças autistas abre nova unidade no Tirol

Com foco no atendimento terapêutico de crianças com sintomas do Transtorno do Espectro Autista (TEA) e com outros transtornos de desenvolvimento, a Clínica de Atendimento Personalizado em Terapias Avançadas (Cliap) abre sua nova unidade na zona leste de Natal. Para marcar a inauguração do novo espaço, na Semana da Criança (de 14 a 16), será realizada uma programação especial para recepcionar os pacientes e suas famílias.

As crianças serão recebidas com balões, pinturas, pipoca, algodão doce e atividades de recreação, sempre respeitando suas limitações e particularidades para os diversos tipos de interação. Para os pais e familiares, a programação envolve palestras curtas em um momento especial de acolhimento.

Localizada no antigo Casarão do Tirol (na esquina da Avenida Campos Sales com a Rua Maxaranguape), a nova estrutura será destinada exclusivamente ao público infantil e adolescente, e conta com amplo espaço adaptado para acomodar os atendimentos especializados em Psicologia, Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Análise do Comportamento Aplicada (ABA, do inglês Applied Behavior Analysis).

“Sempre foi um desejo que o principal objetivo da Cliap fosse contribuir de forma determinante para o desenvolvimento da criança autista, de modo que tenha autonomia para as atividades sociais e cotidianas, como beber água, sinalizar quando está com fome ou ir ao banheiro sozinha. E a proposta da nova estrutura é fazer com que essa criança tenha incentivos terapêuticos em um ambiente semelhante ao que ela vivencia em casa”, aponta Mauricélia Lopes, fisioterapeuta e proprietária da Cliap.

O novo espaço conta com ampla área externa e 30 ambientes terapêuticos, além de salas de atendimento, berçário, auditório, banheiros adaptados, cozinha funcional e refeitório no térreo. No pavimento superior ficam localizadas as salas de integração sensorial, espaços para terapia Padovan, Pediasuit, cantinho de leitura, sala da robótica, sala do sono e um espaço com estrutura de rapel e tirolesa.

“Teremos equipamentos especializados dentro das salas, mas também um espaço com área aberta natural, para que a criança possa sentir a areia, a pedra, a grama, a madeira, e vá identificando isso no dia a dia. Tudo é pensado para que a partir da experiência vivida aqui, elas possam levar para o mundo”, acrescenta Juliana Santos, psicóloga especializada em psicoterapia infanto-juvenil e coordenadora da ABA na Cliap.

No ambiente ao ar livre da clínica, as crianças terão oportunidade de vivenciar experiências sensoriais na piscina adaptada para pessoas com paralisia cerebral ou cadeirantes. Também foi projetado um espaço com playground, horta e campinho de futebol. Há também planos para uma mini fazendinha com animais domésticos.

Para a psicóloga, a nova estrutura é considerada ideal para trabalhar a Análise do Comportamento Aplicada (ABA), uma intervenção comportamental com evidências científicas para o desenvolvimento de comportamentos socialmente relevantes para crianças com sintomas do Transtorno do Espectro Autista (TEA).

“O diferencial do ABA é ser uma terapia aplicada além do consultório fechado. Nós trabalhamos o máximo possível próximo ao ambiente natural: em casa, na escola, na praia, no supermercado”, explica. “Se a criança não aprende comunicação verbal sentada à mesa, mas aprende no chão ou dentro da piscina, a gente vai trabalhar com ela no chão ou dentro da piscina. Não tem jeito bonito de ensinar, tem o jeito que a criança aprende”, afirma.

Atualmente, a Cliap atende 150 crianças com transtorno do espectro autista dentre outros comprometimentos, incluindo Síndrome de Down e Síndrome de Rett, com uma média de 1.800 atendimentos ao mês. A expectativa é de que os atendimentos tripliquem nesse novo espaço. Outro diferencial do atendimento nessa unidade será a implantação do serviço de libras.

Diagnóstico precoce e multidisciplinaridade

A Clínica de Atendimento Personalizado em Terapias Avançadas (Cliap) trabalha no tratamento de crianças com transtornos de desenvolvimento a partir de uma intervenção precoce e multidisciplinar. “Quando a criança chega, passa por uma avaliação multidisciplinar para identificar quais as terapias de que necessita e, a partir disso, é criado um plano de tratamento que envolva as especialidades para a intervenção", relata Juliana.

"Atendemos crianças a partir de um ano e seis meses e, quanto mais cedo melhor, para iniciar o tratamento com foco em suas limitações mais graves, para que, paulatinamente, a criança consiga ser inserida na sociedade e tenha uma melhor qualidade de vida", destaca a psicóloga.