Comunicação

5

Ago

Comunicação

Sebrae vai repassar recursos para 16 incubadoras potiguares

O Sebrae no Rio Grande do Norte divulgou o resultado final da chamada pública para incubadoras atendidas pelo Projeto Ambientes de Inovação do RN, que disponibilizava R$ 550 mil para as incubadoras selecionadas em três modalidades. Ao todo, foram classificados projetos de apenas 16 incubadoras de várias regiões do estado, que receberam juntas R$ 445 mil. Esse montante deverá ser utilizado na  gestão das incubadoras e também das empresas, visando a sustentabilidade desses ambientes e o fortalecimento das empresas e startups pré-incubadas, incubadas e graduadas. 

Na modalidade 1, que oferta repasses de R$ 40 mil, foram selecionadas a Incubadora Tecnológica e do Agronegócio de Mossoró (Iagram) e a Incubadora tecnológica Natal Central (ITNC). Na modalidade 2, foram classificadas três incubadoras: Centro de Incubação Tecnológica do Semiárido (CITECS), Inova Metrópole e Incubadora tecnológica do campus Mossoró (ITMOS), que receberão um aporte de R$ 30 mil. Outras 11 incubadoras foram enquadradas na modalidade 3 e ganharão cada uma R$ 25 mil. 

São elas: Incubadora tecnológica de cultura e arte (ITCART), Trevo Incubadora, Incubadora Empreende, Incubadora de Empresas da Escola de Tecnologia (INPACTA),  Núcleo de incubação Tecnológica e Social (NITS), ITAO- IFRN Pau dos Ferros, Incubadora Tecnológica do Campus Macau (ITMC), Incubadora Tecnológica do Campus Natal Zona Norte (ITZN), Incubadora Tecnológica Seridó, Incubadora de empreendimentos de base social da agropecuária, turismo e artesanato do alto oeste potiguar – Juazeiro e Incubadora tecnológica de energias e negócios (ITEN). 

De acordo com a gestora do projeto Ambientes de Inovação do RN, Algéria Varela, os repasses serão feitos ao longo do mês conforme apresentação da documentação por parte da incubadora. “Foram contempladas 16 das 21 incubadoras existentes no estado e esses recursos vão viabilizar a gestão desses ambientes e das empresas incubadas e na melhoria de processos”. 

Todas incubadoras participantes dessa chamada pública possuem certificação do Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (Cerne), que atesta padrões de qualidade à gestão das incubadoras, como parte das exigências do edital. Esses empreendimentos são ambientes planejados e protegidos, inseridos em um habitat de inovação propício para o desenvolvimento de micro e pequenas empresas, de novas ideias ou de projetos de startups, e têm como objetivo torná-las competitivas para o atual mercado globalizado. 

O valor da contrapartida das incubadoras será de no mínimo 50% do valor da proposta apresentada em valores econômicos e financeiros no edital. Ou seja, cada incubadora classificada terá de investir ao menos metade do valor recebido do Sebrae na gestão da própria incubadora e das empresas atendidas.

5

Ago

Comunicação

Projeto quer tornar comunicação via satélite mais acessível e barata

Um projeto desenvolvido em parceria com a Força Aérea americana e o Pantágono tem como intuito popularizar e facilitar o uso da comunicação via satélite. O NyanSat é um projeto da Red Balloon Security, empresa especializada em segurança e focada no setor de telecom, utiliza equipamentos disponíveis no mercado consumidor, no valor de algumas centenas de dólares, e códigos abertos para substituir, até certo ponto, as grandes estações base usadas em iniciativas desse tipo.

A ideia, de acordo com Ang Cui, foi criar um sistema que qualquer pessoa pudesse ter em casa, utilizando a tecnologia de comunicação via satélites de baixa órbita mais acessível e barata. Claro, a iniciativa não é substituta das grandes operações de telecomunicações, que ainda exigem equipamentos e antenas altamente especializados e difíceis de serem operados — para o restante do mercado e, principalmente, entusiastas, o NyanSat pode ser uma solução possível.

O sistema funciona a partir de uma pequena estação base com sensores de GPS para reconhecer a própria localização e IMUs para orientação. O sistema de unidades de medida inercial é o mesmo usado por drones para navegar pelo ar, e aqui, é usado para direcionar a antena ao satélite, de forma a estabelecer a comunicação. Um software permite a configuração de todo o processo e, também, de acompanhamentos posteriores, de forma que o dispositivo continue acompanhando a órbita do satélite que está sendo utilizado.

O sistema completo é vendido por um valor simbólico e limitado de US$ 1 — com os cerca de US$ 100 de seu custo real financiados pelas despesas que estariam envolvidas em uma ida presencial à conferência Defcon, que vai acontecer digitalmente e onde o aparelho seria lançado. Além disso, o time da Red Ballon divulgou os esquemas da placa-mãe e a lista de equipamentos necessários para construção do NyanSat na internet, junto com o software envolvido, para que qualquer pessoa possa construir o aparelho em casa.

Além de projetos voltados a comunicação e transmissão de dados e imagens, a Red Ballon imagina a popularização do NyanSat como um sistema de mapeamento da baixa órbita, permitindo a localização de detritos e objetos ainda desconhecidos que estejam no ar. A ideia é que as unidades não apenas funcionem individualmente, mas também entre si, recebendo reflexões e ajudando na correlação entre dados recebidos que, no caso dos equipamentos unitários, não seriam captados.

Os satélites de comunicação estão entre os principais focos da Defcon, que começa nesta quinta-feira (06). Reconhecida como uma das principais conferências de segurança e defesa digital do mundo, o evento acontece neste ano em formato digital, devido à pandemia do coronavírus, com a Hack-a-Sat, maratona na qual hackers são convidados a comprometerem a segurança e obstruírem a comunicação por este meio, sendo um dos destaques.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/inovacao/projeto-quer-tornar-comunicacao-via-satelite-mais-acessivel-e--barata-169323/

4

Ago

Comunicação

Missa de 30 dias de morte do jornalista Paulo Macedo será nesta quarta-feira, com transmissão pelo Youtube

A família do jornalista Paulo Macedo convida amigos, parentes e admiradores para missa de 30 dias da sua partida. A cerimônia será realizada amanhã (05), as 16h com transmissão ao vivo pelo YouTube: https://www.youtube.com/paroquiansinatal e Instagram: https://www.instagram.com/paroquiansi/https://www.instagram.com/padresavio/

Paulo Macedo foi colunista do jornal Diário de Natal por 40 anos, consagrou-se como apresentador do programa televisivo Sala Vip e era vice-presidente da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.

4

Ago

Comunicação

Jornalista Micarla de Sousa retoma ao rádio potiguar com programa na Rádio 95 Mais FM

A jornalista Micarla de Sousa, que estava afastada dos meios de comunicação nos últimos anos, se dedicando aos filhos e as ações missionárias pelo Brasil, vai retomar aos trabalhos na Rádio 95 Mais FM, administrada pela família. Segundo Micarla, o programa que irá estrear na rádio, sob comando dela, será “Conexão 95”. 

A pegada do programa é voltada para temas variados, lugares, pessoas, com sensibilidade, algo característico da jornalista, e composto de notícias para os ouvintes. O Programa “Conexão 95” vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11:30 às 13:00.

Fonte: Blog do Eugenio Bezerra

3

Ago

Comunicação

Especialista sugere penas para quem pratica desinformação na internet

A ideia de aumentar penas e criar tipos penais novos para punir quem pratica campanhas de desinformação na internet dividiu debatedores na nona discussão promovida pela Câmara dos Deputados sobre o projeto de lei de Combate às Fake News (PL 2630/20).

O coordenador dos debates, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), avalia, porém, que há grande apoio dos parlamentares à criação de sanções para determinadas condutas. "Não estou aqui querendo ir atrás da 'tia do whatsapp'. Estou tratando de estruturas. Eu vi o vídeo feito contra o Felipe Neto na semana passada, 4 minutos, no qual um ator falando um texto incrivelmente bem escrito, uma luz perfeita, um roteiro, aquilo ali não é barato", alertou.

Orlando Silva foi acompanhado por Ronaldo Lemos, do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro, que defendeu uma pena superior a 5 anos de prisão para quem oculta o financiamento de campanhas informacionais que praticam ilícitos.  “Muitas vezes uma pessoa ou um pequeno grupo de pessoas dá a entender que tem uma multidão falando sobre determinado tema”, exemplificou.

Lemos afirmou que não se trata de ir atrás do conteúdo das mensagens, mas do método que inclui crimes como falsidade ideológica e fraude processual. Ele explicou que também seriam necessárias alterações na Lei de Organizações Criminosas (Lei 12.850/13) para permitir a investigação deste tipo de método.

Punição ineficiente

Para Gabriel Sampaio, da Conectas Direitos Humanos, a punição penal é ineficiente e pode se virar contra pessoas que não estão na organização dessas campanhas. Francisco Cruz, do InternetLab, defendeu que a estratégia de seguir o dinheiro usado no financiamento da desinformação seja feita por meio de mais transparência das empresas que administram as redes sociais.

Para Alana Rizzo, do projeto Redes Cordiais, mais dados facilitam o trabalho das agências de checagem de notícias falsas. Ela disse ainda que o jornalismo está investindo na investigação das fontes destas notícias. “Eu não quero só saber que é fake que um chá 'X' cura o coronavírus, por exemplo; o jornalismo está avançdo nessas redes de desinformação para identificar quem publicou, quem está por trás disso. E isso é fundamental”, destacou.

Alana afirmou que os agentes públicos são grandes vítimas das campanhas de desinformação, mas também são fontes delas. Ela citou estudo mundial que mostra que 20% do conteúdo falso sobre a pandemia de coronavírus foram espalhados por políticos e celebridades.

No Brasil, segundo outro estudo, mais de 80% das pessoas não sabem identificar se uma notícia é falsa ou verdadeira. O deputado Orlando Silva lembrou que não é apenas uma questão de educação midiática, mas muitas vezes as pessoas não têm acesso a fontes confiáveis, porque elas são pagas.

Samara Castro, da OAB do Rio de Janeiro, disse que é preciso combater o mecanismo que cria novas verdades na internet. “O propósito inicial talvez não seja necessariamente triunfar de imediato no tribunal da opinião pública, mas sim semear a dúvida, semear a descrença. O que vale mais é manter a discussão em andamento e criar um clima permanente de conspiração. ”

Alguns debatedores citaram as iniciativas que buscam expor empresas que colocam seus anúncios em páginas de notícias não confiáveis. Segundo eles, as empresas acabam cortando a publicidade e isso tem um efeito direto na manutenção das páginas.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

3

Ago

Comunicação

Dona do Magazine Luiza conversa com potiguares em live do Sebrae-RN

O caso de um dos principais grupos do varejo brasileiro e que ousou fazer novos tipos de negócios no auge da pandemia do novo coronavírus para estimular os pequenos negócios, o Magazine Luiza, será a atração principal do projeto Meu Negócio no Digital. A iniciativa é promovida pelo Sebrae no Rio Grande do Norte para capacitar e estimular os empreendedores a adaptar melhor a empresa para vender mais usando a internet.

A presidente do Conselho de Administração da gigante do varejo, Luiza Helena Trajano, participará do bate papo virtual, apresentando as estratégias e planos da Magazine Luiza para o segmento. A live ocorre nesta terça-feira (4), às 11h, e será transmitida pelo canal do Sebrae-RN no YouTube.  

O bate papo será conduzido pelo gerente do Escritório Regional do Sebrae no Seridó Oriental, Célio Vieira, que vai apresentar a live especial com a participação da empresária Luiza Helena Trajano. As inscrições podem ser feitas pelo site https://bit.ly/casemagazine-luiza. A rede Magazine Luiza tem expertise na área de varejo, mas também está sendo reconhecida pela visão inovadora ao levar para os canais digitais as operações do grupo.

Em meados de abril deste ano, o Sebrae e o grupo Magalu firmaram acordo para apoiar o ingresso dos pequenos negócios na economia digital e ajudá-las a enfrentar a queda nas vendas devido à pandemia. Pela parceria, pequenos varejistas tinham acesso à plataforma do Parceiro Magalu, um ambiente digital de negócios que envolve novos canais de vendas por meio do site parceiromagalu.com.br, marketing, logística de entrega, ferramenta de faturamento e instrumentos de análise de dados (analytics) em tempo real para gestão da loja.  

Sobre essa questão e também sobre a trajetória da rede, Luiza Helena Trajano vai conversar com os empreendedores do estado. Segundo a presidente do Magazine Luiza, foi preciso alguns anos para digitalizar o Magalu, mas a ação foi bem sucedida. Com a parceria, conseguiu ajudar pequenos empreendedores a fazer o mesmo, um propósito relevante num momento em que praticamente todo o país deixou de lado as compras presenciais e partiu para o e-commerce devido às medidas restritivas impostas à época. 

Atualmente, o Magazine Luiza está na lista dos grupos mais influentes ao se tornar um grande case de sucesso, além de ser uma inspiração para qualquer empreendedor. Nascida em Franca, interior de São Paulo, Luiza Trajano é também presidente do Grupo Mulheres do Brasil. Iniciou a sua carreira no empreendedorismo ao assumir a rede de lojas de sua família. Com muita dedicação, Luiza transformou a marca em uma das mais renomadas do mercado, dando um exemplo de liderança. 

2

Ago

Comunicação

Consumo de áudio digital aumentou durante o isolamento social

Por Meio & Mensagem

AAudio.ad, unidade de negócios da empresa de publicidade digital RedMas, acaba de lançar uma pesquisa sobre o consumo de áudio digital durante o isolamento social. Realizada em parceria com a Brandwatch, a pesquisa consultou 700 pessoas de todo o Brasil entre os dias 12 e 26 de junho, com o objetivo de entender o comportamento dos ouvintes em relação a conteúdo em áudio. A pesquisa também mapeou a relação do consumidor com a publicidade e canais de compra digitais no contexto de isolamento.

Apesar da queda de ouvintes no início da pandemia, 80% dos entrevistados na pesquisa disseram ter aumentado ou mantido seu consumo de áudio digital no período total de isolamento. Ainda, 67% disseram acreditar que rádios, podcasts e música são muito importantes durante a quarentena.

Em relação à publicidade, 91% disseram crer que a publicidade digital atualmente é tão ou mais importante do que antes da pandemia. Cerca de 60%acreditam que marcas devem continuar a anunciar como uma forma de aproximar os produtos dos consumidores, e  53% dizem ter mudado as marcas que consomem devido ao contexto.  Ao mesmo tempo, 48% esperam que anunciantes transmitam mensagens de conscientização e apoio aos consumidores.

Comportamento de compra

Outro recorte da pesquisa mapeou os canais de compra utilizados pelos consumidores durante o isolamento. Uma das descobertas foi de que 26% dos consultados fez compras de supermercados online e 26% em plataformas de delivery. Contudo, 30% continuam comprando produtos em lojas físicas.

A pesquisa ainda procurou saber quais foram as compras adiadas ou canceladas por consumidores para entender os setores mais afetados.  Ao todo, apenas 23% dos entrevistados afirmaram não ter adiado nenhuma compra por conta do cenário atual. O setor de vestuário apareceu como o mais afetado, seguido do de turismo, eletrônicos e beleza.

Fonte: Meio & Mensagem, disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2020/07/31/consumo-de-audio-digital-aumentou-durante-o-isolamento-social.html

1

Ago

Comunicação

Ranking aponta as cidades brasileiras mais adúlteras na pandemia, e Natal está entre elas

Em meio à atual pandemia global, o mundo desacelerou e as pessoas estão em casa para impedir a propagação. Para muitos, isso significa ficar em casa 24 horas por dia com seu cônjuge. Alguns podem aproveitar isso como uma oportunidade de cooperar com o parceiro e, junto dele, passar pela pandemia como uma equipe. Outros podem estar sujeitos a tensão amplificada e optar por procurar saídas para ajudá-los a passar pelo período. A Ashley Madison, plataforma líder em relacionamentos extraconjugais, divulgou uma lista das principais cidades do país para casos extraconjugais cibernéticos durante a quarentena e Brasília conquistou o primeiro lugar.

Esta lista das TOP 20 Cidades baseia-se em inscrições na Ashley Madison de 21 de março a 1 de julho de 2020 em uma base per capita. O estado de São Paulo, o estado mais rico e populoso do país, também é a região mais infiel, com cinco cidades na lista, incluindo São Paulo, Guarulhos e Campinas entre as 10 principais. Liderando o caminho como o primeiro lugar para trair durante a quarentena, no entanto, é a capital federal, Brasília. "Esses casos extraconjugais virtuais servem como uma válvula de escape para indivíduos que lidam com pressões crescentes no casamento e na vida doméstica", acredita Paul Keable, diretor de estratégia da Ashley Madison.  

As TOP 20 cidades com mais casos virtuais durante o isolamento social

  1.   Brasília, DF
  2.   Manaus, AM
  3.   São Paulo, SP
  4.   Goiânia, GO
  5.   Campo Grande, MS
  6.   Curitiba, PR
  7.   Guarulhos, SP
  8.   Campinas, SP
  9.   Rio de Janeiro, RJ
  10. Belo Horizonte, MG
  11. Porto Alegre, RS
  12. João Pessoa, PB
  13. São Bernardo do Campo, SP
  14. São Luís, MA
  15. Salvador, BA
  16. Santo André, SP
  17. Duque de Caxias, RJ
  18. Recife, PE
  19. Teresina, PI
  20. Natal, RN

30

Jul

Comunicação

Senac RN realiza live sobre estratégias para o varejo nas plataformas digitais

Dando continuidade na série de lives realizadas semanalmente dentro do Programa Assistência Digital Empresarial, o Senac RN promove nesta quinta-feira (30), a partir das 19h30, uma transmissão ao vivo com a participação do presidente da CDL Jovem Natal e especialista em vendas no varejo, Matheus Mascena e mediação do instrutor e consultor do programa, Jhonnatan Oliveira.

A live acontecerá no perfil da instituição no Instagram (@senac_rn) e irá abordar sobre as novas oportunidades e tendências para um varejo mais digital. Líder do projeto nacional INOVA VAREJO, Matheus trará suas experiências e estudos na área, enfatizando as tecnologias disponíveis, as transformações digitais e novos hábitos de consumo no pós-pandemia Covid-19.

29

Jul

Comunicação

Experiência do DNA Center durante a pandemia é tema de Live nesta quinta

O diretor de negócios e inovação do laboratório DNA Center, Roberto Chaves, participa nesta quinta-feira (30), a partir das 19h, de uma live com o tema “Rápidas respostas em tempos de adversidades”. Durante a transmissão, ele vai contar um pouco sobre a experiência com a realização de exames para a Covid-19 e o atendimento à demanda, que cresceu por causa da pandemia. A live é promovida pelo K&M Group e tem como anfitrião/mediador o CEO da empresa e consultor de negócios, Kelermane Martins.

O bate-papo será transmitido pelo perfil @kemgroup no Instagram e terá a participação de Internautas. Roberto Chaves vai falar sobre o case do DNA Center como um dos laboratórios que mais realiza testes de Covid-19 no Rio Grande do Norte, vai abordar a experiência diante de um quadro nunca antes visto e as inovações implantadas para a ampliação do atendimento e para a prestação de serviço à população potiguar. Ele também abordará as novidades que o DNA Center está preparando.

Roberto Chaves é farmacêutico e bioquímico pela UFRN, especialista em hematologia pela UFRJ e mestre em Ciências Farmacêuticas.

29

Jul

Comunicação

Assembleia Legislativa faz campanha de conscientização e combate à violência doméstica

O ano de 2020 está sendo marcado pela pandemia do novo coronavírus que provocou o isolamento das pessoas em suas casas, em quarentena, desde o mês de março. O mundo parou e os efeitos já são sentidos na economia, na educação e em questões sociais também. Um dos casos que mais chama atenção em relação ao período de isolamento social é a violência doméstica. No Brasil, os números aumentaram e no Rio Grande do Norte, os casos cresceram (assustadores) 258%. Para combater a violência dentro de casa e conscientizar as pessoas em relação aos danos físicos e psicológicos que a vítima acumula, a Assembleia Legislativa lança no próximo dia 06 de agosto, em razão dos 14 anos da lei Maria da Penha a campanha “Violência Doméstica: precisamos dar um basta nisso”. 

Dados da violência doméstica no Brasil - principalmente em relação a vítimas mulheres - apontam que 1 em cada 5 mulheres já foi espancada pelo companheiro e, em 71% dos casos, a violência ocorre com frequência. “Esses são alguns dos dados que demonstram como a questão da violência doméstica é um problema sério e que precisa do apoio de todos. Nosso olhar para as questões que envolvem a população sempre foi de proteção e conscientização. Agora, ainda mais em razão da pandemia do novo coronavírus. Falamos de proteção à saúde e agora, falaremos do combate a violência doméstica, que infelizmente é um dos efeitos negativos da pandemia. Para se ter uma ideia, os dados apontam um crescimento de 258% nos últimos quatro meses. Precisamos dar um basta nisso”, destaca o presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira. 

O tema é um dos mais discutidos entre os deputados estaduais durante as sessões remotas na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte e também o que mais registra solicitações de requerimentos ao Executivo como reforço policial e ainda, projetos de lei. Uma das leis aprovadas no período de pandemia e já em atividade é a Lei da Delegacia Virtual para o enfrentamento à violência contra a mulher, de autoria da deputada estadual Isolda Dantas (PT). A iniciativa criou um novo canal virtual de atendimento e registros de denúncias para ampliar o combate à violência doméstica contra as mulheres potiguares. Com a criação de um canal de comunicação via WhatsApp, o dispositivo assegura o recebimento de denúncias, registros de ocorrências, envio de fotos e documentos relativos aos crimes e situações de violência doméstica.

Outra iniciativa é da deputada Eudiane Macedo (Republicanos) que protocolou recentemente projetos que dizem respeito à segurança das mulheres. Um deles proíbe nomeação de agressores no serviço público estadual, e o outro reconhece empresas que contratarem mulheres em vulnerabilidade. Sobre o Selo “Amiga da Mulher”, de acordo com o projeto de lei, será um reconhecimento a empresas que tiverem em seus quadros de funcionários, pelo menos 5% de mulheres que já tenham sido vítimas de violência doméstica.

A Assembleia Legislativa também aprovou dois projetos de lei voltados ao combate as agressões sofridas em ambiente doméstico e que obriga os condomínios residenciais comunicarem aos órgãos de segurança pública casos de violência doméstica e familiar contra mulher, criança, adolescente ou idoso, em seus interiores e o que autoriza o projeto "Casa Abrigo" em Natal. Os dois projetos são de autoria da deputada Cristiane Dantas (SDD). O segundo projeto de lei autoriza a instituição do projeto "Casa Abrigo" em Natal, com atendimento regional, e é amparado pela Lei Maria da Penha.

A campanha será divulgada nas televisões, rádios e meios eletrônicos de comunicação com ferramentas de inovação como uso do QR code nas peças publicitárias produzidas pela agência Base Propaganda. Além das peças, a inovação serão as atividades virtuais com ciclo de “lives” com estratégia de engajamento através das redes sociais para que todos tenham acesso ao conteúdo. Acompanhe as ações no @assembleiarn 

29

Jul

Comunicação

Programa de fomento à radiodifusão comunitária no RN é aprovado pela Assembleia Legislativa

As rádios comunitárias do Rio Grande do Norte poderão contar com novos incentivos, em breve. Foi aprovado por unanimidade na sessão remota da Assembleia Legislativa, o projeto de lei de autoria do deputado estadual Ubaldo Fernandes (PL) que institui o Programa de Fomento ao Serviço de Radiodifusão Comunitária do Rio Grande do Norte.

"Nosso objetivo é fortalecer a comunicação comunitária no Estado através da radiodifusão, promovendo a difusão do jornalismo, da cultura local e das atividades esportivas, em interatividade com as comunidades atendidas. Queremos que este segmento cresça e se desenvolva de forma a democratizar ainda mais a comunicação, especialmente nas cidades do interior", explica o deputado Ubaldo Fernandes.

O parlamentar desenvolveu o projeto atendendo o apelo da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias - Seção RN (ABRAÇO), para que esta política fosse implementada no Rio Grande do Norte, sem ferir a legislação nacional. "Temos aproximadamente 80 rádios comunitárias em todo RN, que a partir da sanção desta lei, poderão participar de editais públicos promovidos pela Secretaria de Cultura", ressalta o parlamentar. O projeto segue agora para apreciação da governadora do Estado, Fátima Bezerra, que em conversas anteriores se mostrou favorável à matéria.

29

Jul

Comunicação

UFRN e Sebrae realizam webinar sobre empreendedorismo

A Agência de Inovação (AGIR) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e o Sebrae promovem, a partir do próximo dia 31, uma sequência de webinars, com conteúdos direcionados para aqueles que desejam adquirir conhecimentos na área de empreendedorismo. Gratuito, o evento acontece de forma on-line até o dia 21 agosto, a partir das 17h.

As capacitações já previstas tem o seguinte cronograma: 31/07: Como encontrar oportunidades em cenários de crise?; 7/08: Autoconfiança para estabelecer relacionamentos; 04/08: Persistência e comprometimento para alcançar metas; 21/08: Transformando informações em ações planejadas. As inscrições para os interessados são realizadas através do endereço https://material.rn.sebrae.com.br/comportamento-empreendedor.

28

Jul

Comunicação

Debate virtual tem como tema crianças e adolescentes em situação de rua

“Crianças e Adolescentes em situação de rua: contexto e perspectivas” será o terceiro encontro do Webinário da I Jornada Virtual – Especial 30 anos do ECA no RN na quarta-feira (29), a partir das 16h.

O educador e cientista social à frente do Movimento Meninos e Meninas de Rua, Marco Antônio da Silva (Marquinhos), divide o debate com a psicóloga e representante do Fórum Estadual de Direito da Criança e do Adolescente (Fórum DCA-RN), Ana Melo, além do coordenador do Movimento Nacional da População em Situação de Rua no Rio Grande do Norte (MNPR-RN), Vanilson Torres.

A mediação é do vice-presidente Conselho Estadual dos Direitos da Criança e Adolescente (Consec/RN), José Carlos. Para participar, basta acessar o link da sala no horário marcado: https://global.gotomeeting.com/join/117707661

A Jornada é uma realização do Governo do RN, por meio da Secretaria do Trabalho, da abitação e da Assistência Social (Sethas) e da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Norte (Fundase/RN), em alusão ao aniversário de 30 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente, comemorado em 13 de julho.

A programação segue até o dia 31 de julho e inclui campanha de sensibilização e mobilização veiculada pelas plataformas digitais (sites, Facebook e Instagram) dos dois órgãos realizadores, com depoimentos de pessoas que fazem parte da rede de proteção à infância e à adolescência.

28

Jul

Comunicação

Pesquisa: Netflix está prestes a ultrapassar TV a cabo nos Estados Unidos

O movimento de troca das assinaturas de TV a cabo pelos serviços de streaming, nos EUA, já parece irreversível. E não deve demorar muito para que os números da Netflix, sozinha, ultrapassem a soma das operadoras deste serviço no país. De acordo com dados publicados pelo site americano Variety, hoje a plataforma digital possui 69,97 milhões de usuários pagantes, enquanto as prestadoras sofrem declínio vertiginoso desde 2016 e, hoje, contam com 77,5 milhões de clientes.

Como os números de assinantes se misturam, na soma dos principais serviços de streaming disponíveis aos americanos, a ideia é que a liderança ainda não tenha se invertido, mas é uma questão de tempo. E segundo Chris Long, produtor de cinema e ex-diretor de programação da DirecTV, estamos há menos de 10 anos de uma consolidação do streaming como o principal fornecedor de entretenimento para os americanos. Uma tendência que deve se refletir no restante do mundo e que, segundo ele, também tem a ver com a dificuldade em manter as audiências tradicionais conectadas.

Pacotes com centenas de canais e uma pluralidade de conteúdo passando o tempo todo foram incapazes de manter o foco da audiência mais jovem, que deu preferência ao conteúdo sob demanda. E isso também é provado pelas quedas vertiginosas nas audiências dos canais de televisão mais assistidos dos EUA: segundo levantamento da Variety, os espectadores do Nickelodeon caíram 24%, a AMC teve queda de 22%, a FX, 21% e o USA, 19%. Aqui estamos falando apenas das redes mais assistidas do país.

Enquanto isso, a Netflix via seus números apenas aumentarem e, em 2019, lançou mais conteúdos originais do que todos os principais canais de televisão à cabo na última década. O investimento, ao lado de parcerias com distribuidoras para disponibilização de conteúdo da TV no formato de streaming, mesmo com preferência de exibição no cabo tradicional, levou ainda mais clientes ao mundo sob demanda, mesmo que eles tenham que esperar um pouco para terem acesso a seus shows preferidos. A praticidade de consumir o material quando quiserem compensa.

É justamente por isso que, nos últimos anos, muitos dos canais investiram em serviços de streaming próprios, muitas vezes, com conteúdo que nem mesmo chega a passar no canal tradicional, ou demora alguns bons meses para chegar. Um bom exemplo disso, inclusive, acontece aqui mesmo no Brasil, com a Globo estreando séries originais com um bom tempo de antecedência no Globoplay, seu serviço de streaming, e as divulgando na televisão, onde só serão exibidas meses depois.

Números do Brasil

A similaridade, claro, não paga por aí, já que o que se vê nos Estados Unidos, em breve, também deve se refletir por aqui. De acordo com dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), são 15,3 milhões de assinantes da TV por assinatura no Brasil, um número em queda de 25% desde 2014 e que apresentou grande baixa durante a pandemia, já que a interrupção do futebol e a crise econômica levaram muita gente ao corte do cabo. Enquanto isso, a Netflix é tímida em divulgar seus números exatos por aqui, mas eles estariam acima dos 10 milhões de clientes.

Esse movimento levou as empresas de telecomunicação dos Estados Unidos a aproveitarem sua posição de grandes conglomerados de mídia para começarem a falar nos canais a cabo como “mais uma perna” de sua estratégia de distribuição de conteúdo. E na medida em que mais e mais serviços de streaming aparecem, a ideia é de um mercado igualmente pluralizado, com usuários espalhados entre diferentes plataformas e assistindo conteúdos variados.

Entra, porém, o que a Variety cita como um reflexo direto da experiência com a televisão a cabo: o licenciamento de conteúdo. Fora das produções originais, que são motivadores de assinatura de uma marca em si, o restante das produções, e principalmente os filmes de cinema, podem ser adquiridos por várias plataformas, representando mais uma fonte de renda e garantindo a fidelidade de usuários às marcas — outro conceito que, de acordo com os movimentos atuais do mercado americano, também está chegando ao fim. As pessoas querem conteúdo, independentemente do canal. Para as empresas, é hora de correr atrás.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/entretenimento/netflix-esta-prestes-a-ultrapassar-tv-a-cabo-nos-estados-unidos-168783/