Mídias Sociais

24

Jun

Instagram testa exibição de publicações de contas que o usuário não segue

O Instagram testa, mais uma vez, apresentar publicações sugeridas no feed principal. A novidade, testada pela primeira vez em agosto do ano passado, visa aumentar a permanência do usuário na plataforma, enquanto dá espaço para que criadores alcancem público fora da aba Explorar e experimentam um sistema de recomendação de conteúdo mais amplo.

Dessa vez, a nova avaliação é acompanhada por controles para a exibição de conteúdo. Usuários podem definir os tópicos que acham mais interessantes e suspender as recomendações por 30 dias para acompanhar somente aquilo que seguem. Na prática, o feed toma um pouco da capacidade da aba Explorar.

Se alguma recomendação for inconveniente, você poderá suspender posts relacionados através do feedback. Cada publicação será acompanhada por um botão de avaliação. De lá, o dono da conta pode suspender a exibição dessa categoria de conteúdo, suspender as recomendações por 30 dias ou bloquear a exibição daquele perfil.

Fique só mais um pouco

A revisão do teste sugere que este é um caminho que o Instagram deve seguir para tornar o feed principal mais atrativo, pelo menos para conter usuários por mais tempo na plataforma. Ainda assim, pessoas menos ativas na rede social podem achar a inclusão de publicações de estranhos invasiva e, nesses casos, então, podem recorrer ao botão de suspensão.

Essa pode ser uma das abordagens do Instagram para combater com um dos seus rivais mais recentes, o TikTok, na exibição de conteúdo direcionado. Naturalmente, expandir os horizontes do feed principal torna a rede mais interessante para criadores, que alcançarão não seguidores com mais frequência.

Além disso, os controles de personalização garantiriam ao usuário pelo menos a sensação de estar no controle sobre o conteúdo que vê. Embora o algoritmo da rede social já seja capaz de identificar seus gostos e preferências, disponibilizar opções para você tira parte daquela sensação invasiva de que o celular está sempre vigiando e que sabe cada detalhe sobre sua vida.

Neste primeiro momento, o teste de sugestões no feed será feito em países anglófonos e para uma quantidade limitada de usuários. Não há garantias de que o recurso será implementado de forma definitiva, tampouco se o modelo chegará ao Brasil em algum momento.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/instagram-testa-exibicao-de-publicacoes-de-contas-que-o-usuario-nao-segue-188090/

 

24

Jun

Mesmo sob desconfiança de usuários, pagamentos pelo WhatsApp crescem 78%

O lançamento do Pagamentos no WhatsApp, no início de maio, traz novas possibilidades ao cenário de transações digitais. Por enquanto, o serviço ainda é visto com desconfiança: uma pesquisa recente da Akamai Technologies, especialista em cibersegurança, aponta que 60,36% dos usuários não consideram a ferramenta segura.

Participaram do levantamento 1.100 entrevistados. Entre eles, 34,18% usariam a funcionalidade. Como o serviço ainda não aceita cartão de crédito, 5,45% não utilizariam, já que não têm cartão de débito.

Mesmo assim, o primeiro mês de funcionamento do serviço no Brasil foi positivo. Dados da Visa Consulting & Analytics apontam crescimento de 78% em transferências com cartões Visa entre a primeira e a última semanas de maio. O tíquete médio dessas transações cresceu mais de 200% no período, segundo o levantamento.

As localidades com maiores tíquetes são Distrito Federal, Minas Gerais e São Paulo. Em quantidade de transferências, os Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná são os líderes. O maior volume de transferências, cerca de 80%, ocorre nos dias úteis, entre segunda e sexta-feira.

Segundo o WhatsApp, as transferências feitas pelo app são seguras e não têm interferência da empresa. Para o Banco Central do Brasil (Bacen), o sistema pode “abrir novas perspectivas de redução de gastos para usuários de serviços de pagamentos móveis”. Contudo, as recentes mudanças de política de privacidade do mensageiro continuam sendo questionadas pelo Procon e pelo Ministério Público de São Paulo e ainda são vistas com desconfiança por boa parte dos internautas — o que, claro, afeta também a imagem do WhatsApp Pay.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/internet/mesmo-sob-desconfianca-de-usuarios-pagamentos-pelo-whatsapp-crescem-78-188092/

24

Jun

Facebook Workplace ganha recursos que aprimoram vídeos e promovem a diversidade

Versão corporativa da rede social, o Facebook Workplace anunciou nesta quarta-feira (23) uma série de aprimoramentos que prometem "ajudar a construir o futuro do trabalho". Entre as novidades estão novos recursos de vídeo, uma Biblioteca de Conhecimento com funções otimizadas e ferramentas dedicadas a promover a inclusão entre os funcionários.

A rede social está investindo em soluções que permitam realizar sessões audiovisuais ao vivo de perguntas e respostas de maneira mais produtiva para todos os participantes. Novos filtros de comentários vão assegurar que apresentadores não percam nenhuma questão, e um sistema de aprendizado de máquina será usado para adicionar capítulos automáticos a lives arquivadas e vídeos pré-gravados.

Segundo a rede social, isso vai ajudar pessoas a acessarem conteúdos específicos das transmissões que perderam, ou pular para seções mais interessante ao revê-las em momentos posteriores. Já a Biblioteca de Conhecimento, espaço compartilhado entre todos os membros de uma empresa, vai ganhar novas Capas de Páginas para facilitar a categorização e acesso a diferentes tipos de conteúdo.

Segurança e inclusão

O Facebook Workplace também vai permitir que administradores adicionem traduções a tópicos específicos e usem o controle de versão para evitar a perda de dados e ter um maior domínio sobre alterações feitas a áreas da biblioteca. A Central de Segurança vai ser aprimorada com um novo sistema de modelos de mensagens que permite responder rapidamente durante incidentes e a lidar com maior agilidade com situações recorrentes.

Para promover a inclusão, o Workplace vai adotar um novo sistema de pronomes, a partir do qual qualquer pessoa vai poder determinar a maneira como prefere ser chamado. A ferramenta pode ser usada junto a políticas próprias de cada empresa para garantir culturas internas mais saudáveis e evitar qualquer espécie de discriminação.

Os novos recursos se juntam a opções como calendários de engajamento, kits para embaixadores da cultura de empresas e outras ferramentas que ajudam grupos a melhorar o relacionamento com seus colaboradores. Criada em 2016, a plataforma pretende auxiliar na transformação digital e garantir um melhor funcionamento de organizações, especialmente em um cenário no qual modelos de trabalho remoto se tornam mais frequentes.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/facebook-workplace-ganha-recursos-que-aprimoram-videos-e-promovem-a-diversidade-188097/

23

Jun

Twitter agora permite compartilhar posts diretamente nos stories do Instagram

Em um crossover improvável, o Twitter anunciou nesta terça-feira (22) que vai permitir o compartilhamento de tuítes como stories no Instagram. A opção será mostrada diretamente no menu de compartilhamento e já está liberada para todos os usuários do app no iOS. Se a opção de compartilhar stories no Facebook estiver habilitada, o conteúdo será exibido também nesta rede.

Para fazer o envio, é só tocar no botão de compartilhamento sobre a mensagem desejada e escolher o ícone dos Stories na lista. Você será direcionado para o aplicativo do Instagram e poderá ajustar o tamanho e a posição do tuíte antes de postar.

A integração vai transformar o post em um adesivo, portanto não será possível editar o texto, alterar o link ou modificá-lo de qualquer forma após a publicação — mais ou menos como acontece quando se compartilha músicas do Spotify ou do Deezer nos Stories. O anúncio foi feito pela conta oficial do suporte do Twitter na própria plataforma. Essa adição deve agilizar a transferência de conteúdo de quem costuma se posicionar no Twitter e depois precisa produzir uma arte para levá-la ao Instagram.

A rede do passarinho já implantou uma opção similar aos stories, chamado de Fleets. Usuários podem acessar o post temporário publicado pelos perfis seguidos na barra superior e ao rolar pelo feed, ao clicar na foto destacada por um círculo azul.

Testes começaram no ano passado

O recurso estava sendo testado desde dezembro de 2020 e agora chega em versão definitiva para proprietários do iPhone. Na época, cogitou-se também a mesma funcionalidade para o Snapchat, mas nada ainda foi anunciado pela rede. Por enquanto, ainda não há previsão de quando será lançado para Android, mas a expectativa é que isso ocorra em algumas semanas.

Caso você ainda não esteja vendo essa novidade, experimente atualizar o aplicativo e tente novamente. Se mesmo assim não sugir a opção, o jeito é aguardar mais algumas horas, já que esses novos recursos podem levar algum tempo até serem implementados em todas as contas.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/twitter-agora-permite-compartilhar-posts-diretamente-nos-stories-do-instagram-187963/

23

Jun

Twitter começa a liberar “Super Follows” e ingressos pagos no Spaces

Nos últimos meses, o Twitter tem passado por uma imensa revolução, no intuito de atrair mais usuários e gerar mais receitas na plataforma. Dois dos principais anúncios foram a modalidade de assinatura chamada “Super Follows”, que dará acesso a conteúdos exclusivos para os usuários, e os Ticketed Spaces, uma espécie de ingresso para salas de áudio específicas.

Agora, a empresa anunciou que ambos os recursos começarão a ser liberados para um primeiro grupo de pessoas que se candidatrem a testadores das ferramentas. As novidades buscam atrair criadores de conteúdo e mudar um pouco o perfil da plataforma, especialmente no que diz respeito à monetização de conteúdo. Até então não havia formas de ganhar dinheiro diretamente no Twitter, o que fez com que a rede fosse vista como algo secundário pela maioria dos influenciadores digitais.

Para acessar as novidades é preciso utilizar o aplicativo do Twitter para iOS. A empresa afirma que fará testes com esse grupo inicial de testadores antes de disponibilizar os recursos de forma mais ampla, evitando assim bugs e problemas de compatibilidade.

O Super Follows é composto por uma assinatura mensal, semelhante à Twitch ou ao site adulto OnlyFans, revertida em dinheiro para o dono do perfil. Ele permite que os criadores de conteúdo ofereçam benefícios extras ou exclusivos para quem assinar os planos, com valores entre US$ 2,99, US$ 4,99 e US$ 9,99 — ainda não se sabe quanto vai custar no Brasil.

Segundo o Twitter, a ideia é ir além de cobrar por tuítes exclusivos e oferecer outras vantagens relacionadas, como “tira-dúvidas”, bate-papo ou mentorias individualizadas, por exemplo. Por enquanto, o serviço é restrito apenas a maiores de 18 anos e residentes nos Estados Unidos. Só pode se candidatar quem tiver pelo menos 10 mil seguidores e 25 tuítes nos últimos 30 dias.

Ingressos no Spaces

O Ticketed Spaces são uma forma de criar eventos pagos pela plataforma de áudio da rede do passarinho. A ideia é que seja usado como comércio de ingressos para participação em podcasts, debates, palestras e outros formatos compatíveis com o papo por voz. Os valores praticados por uma sessão podem variar entre US$ 1 e US$ 999, a critério do organizador, sendo possível delimitar também a quantidade máxima de participantes.

O objetivo do Twitter é trazer algo inédito nas plataformas de chat por voz até agora, já Clubhouse, Live Audio e Greenroom não possuem nenhuma forma de monetizar o conteúdo de forma tão abrangente. O Clubhouse até começou a fazer algumas experiências com remuneração, mas ainda é algo restrito à poucos selecionados e não tem nada a ver com cobrança de ingressos.

As inscrições para o Ticketed Spaces serão abertas a usuários nos Estados Unidos, com pelo menos 1.000 seguidores e que tenham realizado pelo menos três conversas no Spaces nos 30 dias anteriores ao pedido.

Taxas incidentes sobre o serviço

Uma das principais polêmicas no modelo de monetização proposto pelo Twitter é a cobrança de taxas sobre os valores arrecadados. A rede pretende aplicar uma taxação de 3% sobre quem arrecadar até US$ 50 mil, que é o limite imposto pela Apple e Google em suas respectivas lojas virtuais, sendo que esse percentual sobe para 20% após esse limite, montante este considerado elevado.

O Facebook prometeu não efetuar nenhum tipo de desconto dos criadores de conteúdo até 2023, como forma de incentivar a adoção da ferramenta e para auxiliar as pessoas neste momento de pandemia da COVID-19. No entanto, a rede não falou como pretende monetizar tais recursos e nem como vai lidar com a taxação da App Store e da Play Store.

Outras alternativas

Vale ressaltar que o Twitter também possui outras formas de gerar riqueza, como o “Tip Jar”, uma espécie de gorjeta dada pelos usuários para os criadores, e uma ferramenta de comercialização de newsletters, voltadas para escritores e jornalistas. Há também o chamado Twitter Blue, serviço premium que garante opções avançadas para quem é usuário assíduo da rede, com preço estipulado em R$ 15,90.

Resta saber se o público do Twitter é tão fiel assim a ponto de desembolsar dinheiro para usar uma rede conhecida por ser gratuita e para conversas mais rápidas. A plataforma está fazendo o dever de casa para oferecer bastante variedade de lucro, mas quem vai determinar o sucesso é são as pessoas e os influenciadores digitais.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/twitter-comeca-a-liberar-super-follows-e-ingressos-pagos-no-spaces-187954/

23

Jun

Social commerce aquecido: WhatsApp vai ganhar nova aba dedicada a compras

O Facebook anunciou nesta terça-feira (22) que o WhatsApp é o mais novo aplicativo da empresa a contar com uma aba dedicada à compra de produtos. Já presente no app da principal rede social da companhia e no Instagram, a opção vai permitir visualizar o catálogo de produtos de lojas e entrar em contato direto com os vendedores responsáveis para negociar aquisições.

Em seu anúncio, a empresa também prometeu oferecer novas soluções de publicidade para lojistas destacarem seus produtos. Ela também vai investir em aprimorar a experiência de compra através do Instagram, que vai ganhar novos recursos de busca visual e a exibição de anúncios dinâmicos em realidade aumentada.

O CEO Mark Zuckerberg também prometeu a adição de um novo sistema de lojas ao marketplace para permitir que vendedores ofereçam produtos a mais pessoais. Ele também afirmou que, assim que um lojista configurar seu perfil, ele poderá ofertar seus produtos a todos os usuários do Facebook, WhatsApp e Instagram, com todos os benefícios das novas funcionalidades preparadas pela empresa.

Investimentos em novas tecnologias

O principal beneficiado das novidades preparadas pela companhia é o Instagram, que vai ganhar um novo sistema de buscas visuais baseado em inteligência artificial. A promessa é que bastará clicar sobre um item que você gostou em uma fotografia para ter detalhes sobre ele e que, no futuro, será possível iniciar uma procura a partir de uma fotografia tirada pelo usuário.

A empresa também investe em novas opções de realidade aumentada a lojistas, na tentativa de estimular e facilitar compras online. Novas APIs integradas à Modiface e à Perfect Corp devem tornar mais prático o processo de ver como um item se encaixa no corpo do comprador, e o Facebook promete integrar tecnologias de rede aumentada a catálogos para enriquecer a exibição de anúncios publicitários.

A companhia ainda não anunciou datas para a implementação dos novos recursos, mas adiantou que o novo sistema de lojas do marketplace do Facebook deve chegar primeiro aos Estados Unidos. Em seu comunicado, a companhia prometeu continuar investindo em soluções que tornem o processo de compra e venda mais fácil e prático tanto para consumidores quanto para lojistas.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/whatsapp-vai-ganhar-nova-aba-dedicada-a-compras-187970/

22

Jun

WhatsApp Business terá compras online e tela com mais informações sobre empresas

Uma nova atualização do WhatsApp trará uma interface de usuário reformulada ao explorar a opção de informações dos negócios. A nova tela se aplica a contas da versão Business do aplicativo e trará detalhes para tornar mais clara a identificação dos perfis.

A nova tela mostra três atalhos distintos com opções para envio de mensagens diretas para a empresa, ligação via app e opção para encaminhar informações comerciais para seus contatos.

Segundo o portal especializado WABetaInfo, contudo, há ainda mais duas outras opções que não aparecem na captura de tela: catálogo e loja. A primeira lista todos os produtos e serviços que a empresa deseja anunciar no WhatsApp Business, como se fosse um panfleto.

Já a segunda garante a integração com ao serviço de lojas do Facebook, que permite trazer todas as informações sobre determinado produto e efetuar vendas diretas pelo serviço de pagamento da rede social. Essa pode ser uma forma interessante de aproveitar o impulso de ter aquele produto, antes que o cliente desista da compra.

Por enquanto a novidade é exclusiva da versão 2.21.13.10, disponível apenas para inscritos no programa de testadores beta da Google Play Store, no Android. Ainda não há previsão de quando a nova aparência pode chegar de modo definitivo para empresas com perfis no WhatsApp Business.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/whatsapp-business-tera-compras-online-e-tela-com-mais-informacoes-sobre-empresas-187843/

21

Jun

Social Commerce dispara e 74% dos consumidores brasileiros já utilizam as redes sociais para comprar

As grandes e repentinas mudanças trazidas pela pandemia do novo coronavírus também impactaram o jeito do brasileiro realizar suas compras. Segundo dados da Neotrust, o e-commerce brasileiro registrou mais de 300 milhões de pedidos e faturou mais de R$ 126 bilhões só em 2020, sendo que 47% dos consumidores estavam realizando sua primeira compra online.

A chegada desse contingente se deu, principalmente, por conta das medidas de isolamento social. Além de ter mais gente comprando on-line, outra mudança substancial também vem ocorrendo: o crescimento do social commerce, ou a compra via redes sociais. 

Relacionamento + comércio: a base do sucesso

Conforme o levantamento “Social Commerce”, realizado pela Social Miner | All iN, Opinion Box e Etus, 74% dos consumidores já utilizam as redes sociais para fazer compras. Deste total, 37% já inseriram em sua rotina mensal as compras online. 

“A chegada da pandemia também desencadeou uma necessidade rápida de resposta no comércio eletrônico. Não basta mais ter apenas uma loja física e uma loja virtual. O novo cliente digital - e aqui estamos falando das mais diversas classes e faixas etárias - busca uma experiência mais humana, descomplicada, e também criativa”, explica Ricardo Martins, Consultor de Transformação Digital na Pon Digital Consulting. 

Os perfis das marcas nas redes não se restringem mais à vitrine de produtos. Conteúdos informativos (pesquisas, curiosidades), backstage de serviços (fotos e vídeos da equipe trabalhando, embalando encomendas, preparando os produtos, processo de entrega, entre outras atividades) e um tom mais leve têm como objetivo gerar proximidade, buscando a identificação do cliente com a marca, além da fidelização. 

Proximidade e humanização

“Nós temos orgulho do que fazemos, e sabemos que mais do que vender produtos, estamos trabalhando para ajudar pessoas e também o meio ambiente. Temos nossa loja física na capital paulista e o e-commerce, que é conectado à nossa loja no Instagram. No perfil da empresa, focamos em construir de fato uma comunidade, trazendo conteúdos úteis para quem nos segue e estabelecendo conversas”,  pontua Marina Zaiantchick, CMO da TAG2U, empresa especializada em decoração sustentável através da compra e venda de produtos usados. 

“Nossa conexão com o cliente via redes sociais está em franco crescimento, refletindo nas vendas. Com a chegada da pandemia e a queda do faturamento,  paramos para repensar nossa estratégia e investimos no digital. Essa mudança de olhar foi um importante diferencial para nós”, ressalta Silvia Barbosa, diretora da empresa paulista de calçados flats La Femme.

A valorização de marcas e empresas locais pelo cliente é outro ponto de destaque no crescimento do social commerce. “Humanizamos mais ainda nosso atendimento, trazendo o cliente para mais perto, literalmente. Não foram raras as vezes em que eu ou outros sócios da fábrica fomos pessoalmente fazer entregas de produtos em nossa cidade, Birigui. Também valorizamos muito as conversas criadas em nossas redes sociais, pois a partir delas temos um termômetro sobre como podemos ir adaptando as estratégias e melhorar a experiência dos nossos clientes”, finaliza Silvia Barboza. 

A tendência, segundo o estudo, é que o social commerce mantenha sua expansão, e que as lojas adotem definitivamente as redes sociais, seja para efetivar as vendas, seja para criar um espaço permanente de humanização do atendimento e relacionamento. 

18

Jun

Instagram abre Reels para anúncios publicitários

A partir desta quarta-feira, 17, o Instagram começa a disponibilizar aos anunciantes de todo o mundo a possibilidade de fazer inserções comerciais no Reels, a ferramenta de vídeos curtos lançada no ano passado.

Desde abril deste ano, o Instagram já vem realizando testes para transformar o Reels em mais um de seus territórios de publicidade. O Brasil, ao lado de Austrália, Alemanha e Índia, foi um mercado chave para essas fases de testes. Por aqui, a plataforma trabalhou nos últimos dois meses para testar o formato de publicidade e, sobretudo, estudar o feedback fornecido pelos anunciantes.

Itaú, Magazine Luiza, Dengo Chocolates e Sallve Cosméticos foram as empresas que participaram dessa fase de testes dos anúncios no Reels. “No geral tivemos respostas bastante positivas dessas marcas. Todas viram resultados e acharam interessante a maneira como a ferramenta consegue atuar de forma estratégia na etapa que chamamos de meio do funil, que significa ampliar a conexão da marca com o público-alvo, conduzindo-o para a conversão”, explica Adriana Grineberg, diretora de operações do Instagram da América Latina.

Assim como todos os conteúdos que trafegam no Reels, o formato publicitário oferecido pela ferramenta é um vídeo, de 30 segundos de duração. A proposta do Instagram é incentivar os anunciantes a aproveitarem os recursos visuais e sonoros da plataforma para criar campanhas que reflitam o estilo da ferramenta, que é voltada, sobretudo, à geração Z. “As marcas precisam trazer o entretenimento aos anúncios, com o conteúdo sendo parte da estratégia da marca. A ideia é que as pessoas visualizem os anúncios e tenham a impressão que aquilo seja algo que vejo também de um criador de conteúdo”, pondera a diretora.

Gradativamente, a plataforma começa a liberar o anúncio no Reels para os principais mercados em que atua, totalizando 80 países. Os anúncios no Reels poderão ser adquiridos tanto de forma individual, apenas para a ferramenta, como em conjunto com outras propriedades do Instagram que já veiculam publicidade, como feed, stories e IGTV.

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2021/06/17/instagram-abre-reels-para-anuncios-publicitarios.html

18

Jun

Spotify cria app de salas de bate-papo em áudio

Na mesma semana em que Mark Zuckenberg testa sua ferramenta de bate-papo em áudio, o Spotify lança sua própria versão da ferramenta que, por sua vez, é semelhante ao Clubhouse e ao Spaces, do Twitter. Denominado Greenroom, o recurso de conversas por áudio se encontra em um aplicativo separado do streaming de música. Ele é uma evolução da plataforma Locker Room, adquirida pelo Spotify este ano, que abrigava discussões esportivas. Rebatizado e com as cores do Spotify, o Greenroom visa ser casa para conversas sobre música e cultura.

Está nos planos da empresa unir o recurso ao aplicativo do Spotify. Por ora, os usuários do Spotify já conseguem acessar o Greenroom com o mesmo login que usam no streaming. As discussões sediadas podem ser gravadas e convertidas em um podcast posteriormente.

O Spotify irá remunerar usuários populares e planeja acordos de exclusividade com criadores de conteúdos. Assim como o Clubhouse e Spaces, no Greenroom, os usuários podem criar salas, agendar, convidar amigos e participar como ouvinte ou speaker.

Fonte: Portal Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2021/06/17/spotify-cria-app-de-salas-de-bate-papo-em-audio.html

18

Jun

Facebook testa anúncios em realidade virtual com Oculus

Com a promessa de ampliar modelos de monetização voltados a desenvolvedores, o Facebook anunciou, na última quarta-feira (16), que começará a testar a veiculação de anúncios publicitários em ambientes de realidade virtual da plataforma Oculus. Inicialmente, a abordagem acontecerá em um único jogo, o Blaston, da Resolution Games.

Segundo a gigante, o movimento assegura a manutenção de uma ferramenta autossustentável, capaz de contemplar negócios variados e desbloquear novos tipos de conteúdo e audiência.

"Também nos ajuda a continuar a tornar o hardware inovador mais acessível a mais pessoas", complementa, destacando que, após feedbacks, fornecerá detalhes sobre a disponibilidade da solução a um público mais amplo.

Estão previstas para a novidade configurações voltadas à personalização da experiência do usuário, que poderá silenciar, esconder ou exibir peças, assim como solicitar informações a respeito dos motivos pelos quais recebeu materiais.

Imagem de: Facebook testa anúncios em realidade virtual com Oculus

Quanto à privacidade, a big tech salienta que não utilizará quaisquer dados armazenados no Oculus, incluindo imagens capturadas pelas câmeras. Além disso, em um primeiro momento, não tem planos de uso de localizações.

Inovação industrial

Nos últimos anos, a companhia dedicou bilhões de dólares ao estabelecimento do acessório, e o passo parece indicar que ela está confiante que a adoção conquistada possibilita uma ação mais agressiva para recuperar o investimento.

"Um ecossistema de conteúdo mais lucrativo é uma etapa crítica no caminho para que a realidade virtual do consumidor se torne realmente popular, e isso é algo pelo qual pensamos que vale a pena comemorar", defende o Facebook.

"Esta é uma inovação na indústria de publicidade, e ela está engatinhando. Atualmente, estamos investindo em anúncios discretos como uma nova forma dos desenvolvedores criarem negócios – e, embora ainda não estejamos prontos para testá-los, também estamos explorando novos formatos exclusivos da modalidade", indica, sugerindo que há mais coisas a caminho.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/219461-facebook-testa-anuncios-realidade-virtual-oculus.htm

17

Jun

Podcasts: Facebook também vai inaugurar seção

A partir do dia 22 de junho, o aplicativo e o site do Facebook já terá suporte para podcasts. Segundo um email enviado pelo próprio Facebook Group ao The Verge, os criadores dos programas poderão linkar seus feeds RSS na plataforma, o que gerará postagens automáticas no feed principal quando os episódios foram publicados.

As postagens de podcasts surgirão em uma aba dedicada à mídia, que ainda não foi implementada na rede social. O Facebook informou também que, por ora, apenas um limitado número de páginas teria acesso à ferramenta. Ao longo do tempo, o recurso deve ser expandido para que mais criadores de conteúdo tenham acesso ao mecanismo, que permite ouvir programas diretamente pelo Facebook.

O The Verge ainda pontua que os termos de uso dão ao Facebook o direito de usar os programas como bem entender. É possível que a empresa utilize trechos de programas para divulgar a estreia do recurso em sua plataforma. O contrato garante à rede social de Mark Zuckerberg o direito de criar trabalhos derivados dos programas, o que deve ser necessário para distribuir programas em formatos específicos.

Outra informação interessante é que os podcasters poderão decidir se permitirão ao Facebook fazer clipes dos programas, recortando trechos de até um minuto que devem ser usados para divulgar o programa ou até mesmo para o próprio algoritmo da plataforma recomendar a criação de propagandas.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/145850/o-facebook-tambem-vai-inaugurar-secao-de-podcasts/

17

Jun

IA do Facebook ajudará administradores a prever e impedir brigas nos grupos

O Facebook quer ajudar os administradores de grupos a gerenciar melhor suas comunidades com um conjunto de novas ferramentas. As novidades devem possibilitar uma visão mais detalhada de posts, interações e comentários, em especial aqueles que podem gerar conflitos ou brigas internas.

Uma nova opção de inteligência artificial chamada de Alertas de Conflito vai começar a identificar potenciais focos de conversas negativas nos comentários. A ideia é a mesma dos filtros de palavra-chave já existentes: por meio do escaneamento de termos específicos, dá para saber se os comentaristas estão usando palavras de baixo calão, frases mais ríspidas ou expressões exaltadas.

Sempre que uma briga estiver começando, o administrador receberá um alerta para agir. Ele poderá excluir os comentários, ocultar a publicação, bloquear a interação daquelas pessoas no post ou até limitar a frequência com que indivíduos podem comentar. Se as pessoas só puderem postar comentários de 30 em 30 minutos, por exemplo, talvez isso ajude a frear o ímpeto de começar um embate acalourado contra quem discordou da sua opinião. Sabe aquela ideia de respirar e contar até 10? Isso pode ser bem útil a partir de agora.

image

Não está claro como o algoritmo vai funcionar em casos preventivos, para evitar que conflitos se iniciem. Só se sabe que tudo será baseado em conceitos de aprendizado de máquina, que observará diversos sinais para entender como funciona a dinâmica das agressões verbais na rede social, analisando tempo de resposta, volume de comentários, quantidade de réplicas do mesmo usuário e outros detalhes.

O que será preciso ressaltar é a confiabilidade desse sistema, especialmente no início. Se nem os seres humanos são capazes de prever quais posts e comentários vão gerar polêmica, imagine uma IA robotizada em construção. No fim, caberá ao administrador analisar as interações para determinar se deve intervir e apartar a briga ou se a discussão segue um rumo saudável.

Nova página de gerenciamento

Além dessa nova IA, o Facebook também vai começar a testar uma página de gestão de grupos totalmente reformulada. Ela deve funcionar como um painel completo com acesso a direto a posts, membros e comentários, proporcionando uma visão bem geral de tudo que está acontecendo ali.

A novidade são os dados exibidos de forma bem clara, como a quantidade de novos membros, o número de vezes que determinada pessoa postou, quem são os principais comentaristas ou quais conteúdos foram removidos ou silenciados. Esse painel pode ser muito útil para quem trabalha com comunidades muito grandes, em que fica difícil acompanhar e gerir todas as publicações.

O chamado Assistente de Administração também deve oferecer a possibilidade de automatizar alguns recursos de moderação, como evitar posts de recém-chegados (que poderiam ser perfis fake), proibir posts com links externos ou restringir termos para evitar promoções ou conteúdos indesejados.

Em breve, os admins também serão capazes de fixar comentários na parte superior de qualquer grupo. Isso deve ajudar a esclarecer os usuários que “caíram de paraquedas” em uma discussão e evitar perguntas repetidas.

Não foi definida uma data específica de quando essas ferramentas devem ser liberadas para todos. O jeito é ficar ligado na parte de gestão dos grupos para ver se alguma novidade surge.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/ia-do-facebook-ajudara-administradores-a-prever-e-impedir-brigas-nos-grupos-187463/

16

Jun

Pinterest adiciona opções de pronomes de gênero nos perfis

Seguindo suas ações especiais para o Mês do Orgulho LGBTQIA, o Pinterest lançou uma nova funcionalidade que permite que cada perfil selecione os pronomes com os quais se identificam, e que aparecerão no perfil ao lado do nome de usuário, permitindo que cada um se identifique e expresse como quiser, ao mesmo tempo que ajudam a construir uma experiência ainda mais inclusiva no Pinterest.

Segundo, a plataforma, a própria interação dos usuários tem mostrado o aumento da diversidade no Pinterest. As pesquisas sobre as bandeiras de “orgulho bissexual” tiveram aumento de até 5 vezes, “gênero fluido” aparece 4,5 vezes mais, “lésbica”, 4 vezes e “assexuada” aumento de 3 vezes ao longo dos anos.

Durante o mês de junho, o Pinterest também promoverá uma série de atividades sob o tema “Mostre suas verdadeiras cores”. O objetivo é estimular a inspiração, a celebração e as ações entre os usuários do Pinterest e os criadores de conteúdo. A campanha, criada pela Mollie Mills e produzida pela Platform 13, inclui um vídeo estrelado por seis ícones culturais LGBTQIA+ para inspirar a comunidade queer e seus apoiadores em todos os aspectos de suas vidas.

Nas próximas semanas, quando os usuários pesquisarem por “Orgulho” no Pinterest encontrarão um fundo comemorativo e sugestões de buscas em todas as cores do arco-íris. Essa experiência estará disponível para todos os usuários do Brasil e nos Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Suíça, Áustria, Espanha, Itália, Japão, México, Argentina e Colômbia.

Aqui é possível ver o Relatório Pride 2021 do Pinterest completo.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/145756/pinterest-adiciona-opcoes-de-pronomes-de-genero-nos-perfis/

15

Jun

Instagram quer oferecer ROI para o marketing de influência

Para as marcas, sempre foi difícil conseguir provar o retorno de investimentos quando eles vêm de trabalhos de marketing de influência. A mensuração de links, postos de engajamentos, códigos promocionais e cliques na bio do Instagram tem disso utilizados para determinar o valor dos influenciadores, mas essas medidas só atendem até certo ponto. O que os anunciantes realmente querem saber é quanto os influenciadores impactam diretamente na venda de seus produtos.

Na semana passada, o Instagram anunciou que está testando uma ferramenta nativa de afiliados que pode remediar o problema, ajudando a desmistificar até onde os investimentos dos profissionais de marketing podem ir junto aos criadores de conteúdo. Essa é uma categoria que só cresceu durante a pandemia, estimulada pelo maior tempo em que as pessoas passarem nas mídias sociais e pelo fato de as marcas terem se inclinado ainda mais ao e-commerce e live shopping.

Não é apenas a nova ferramenta, junto aos novos recursos de monetização para os criadores de conteúdo que o Instagram anunciou que irá fornecer novas formas de manter os influenciadores felizes e engajados na rede. Os novos recursos poderão, segundo as agências especializadas em marketing de influência, tornar os anunciantes mais fiéis à plataforma. Com mais dados disponíveis na rede social, algumas agências dizem que já estão reavaliando suas parcerias com afiliadas externas.

“Nova ferramenta de monetização dos afiliados está liderando a transição do marketing de influência puro para algo mensurável e rastreável para o crescimento e canais da marca”, disse Ali Fazal, VP de marketing do software de influência Grin, que trabalha com marcas como Skims, de Kim Kardashian, MVMT e Kopari Beauty, uma das marcas de beleza que está fazendo parte dos testes da nova ferramenta do Instagram para encontrar influenciadores e acompanhar as métricas de suas campanhas. “Similar ao e-mail marketing ou ao SMS, essa ferramenta rastreia diretamente quantas pessoas estão comprando produtos especificamente de cada influenciador – adicionando um novo nível de compreensão de vendas para as marcas.”

O que os anunciantes podem esperar

A nova ferramenta de afiliados do Instagram vem sendo testada tanto no feed quanto no Stories, de acordo com um porta-voz da plataforma. A ferramenta está começando a ser usada com um grupo seleto de influenciadores e produtos de marcas de beleza, como Sephora, Benefit Cosmetics, Kopari Beauty, Mac Cosmetics e Pat McGrath Labs. Após o teste, as marcas serão responsáveis por pagar aos influenciadores as taxas de comissão de seus posts. Os influenciadores que trabalham com marcas poderão marcar produtos em seus Stories e posts, que conduzirão os usuários a plataformas de vendas, para que a aquisição dos produtos aconteça dentro do aplicativo.

Um porta-voz do Instagram compartilhou mais detalhes dos insights que os anunciantes poder ter com a nova ferramenta após os testes iniciais. As marcas poderão ver a performance de suas ações, customizada por diferentes períodos.

As empresas anunciantes poderão ver os detalhes as visualizações das postagens e estimar a comissão a ser paga aos influenciadores – e, o mais importante, os pedidos e vendas atribuídos aos parceiros afiliados. No âmbito dos creators, os vendedores poderão ver o número de postagens que os criadores usaram nas tags dos produtos, a quantidade de pedidos gerada, as vendas direcionadas e a comissão, de acordo com o porta-voz do Instagram.

“Da perspectiva da marca, o Instagram será capaz de criar uma conexão verdadeira e tangível entre o conteúdo do influenciador e seus resultados financeiros, finalmente eliminado a pergunta que os anunciantes tem tentando responder desde o surgimento do termo influenciador: Qual é o ROI do marketing de influência?”, diz Emma Shuldham, managing director da ITB Worldwide, agência de influência e talentos que já trabalhou com H&M, Unilever e Pandora. “As marcas que investiram recursos no desenvolvimento de uma loja no Instagram e nos relacionamentos com influenciadores terão uma vantagem muito rápida nessa atualização.”

A nova ferramenta também permitirá que mais influenciadores optem por trabalhar com marcas e produtos nos quais estão interessados e amplia o leque de influenciadores que, de outra maneira, poderiam ser antes ignorados pelas top brands, na visão de Khudor Annous, sênior VP influencer cliente development da BEM Group, que trabalha com marcas como Zillow, Noom e Ubisoft. “Isso permitirá que os creatros produzam conteúdo de um lugar de autenticidade, o que deve ajudar a impulsionar o desempenho. Em última análise, isso levará a um incremento do ROI para as marcas”, declarou.

O game do social commerce

As novas ferramentas de monetização surge no momento em que o Instagram enfrenta mais concorrência na área de social commerce e na retenção de criadores de conteúdo. Em julho do ano passado, o TikTok lançou um fundo de US$ 200 milhões aos seus criadores de conteúdo, além de ter permitido que os usuários faturassem com seus vídeos. Em outubro, a plataforma fez uma parceria com o Shopify, para permitir que os anunciantes criassem campanhas diretamente na plataforma do Shopify, O TikTok também lançou uma ferramenta de e-commerce para as marcas e fez investimentos no segmento de live shopping. No mês passado, o YouTube anunciou um fundo de US$ 100 milhões para os creators de seu YouTube Shorts, novo serviço criado para fazer frente ao TikTok.

Embora outras plataformas possam pagar mais aos influenciadores, a nova ferramenta de afiliados pretende deixar tanto os creators quanto os profissionais de marketing satisfeitos – considerando que, com o Instagram, esses profissionais vêm se mostrando insatisfeitos há um bom tempo por conta dos dados disponibilizados.

A Inmar Intelligence, uma plataforma que monitora as transações via e-commerce, fez uma pesquisa recente com 211 anunciantes e concluiu que, embora 86% deles acredita que o Instagram é a ferramenta mais impactante para o social commerce, 28,5% acreditam que atribuir o peso do influenciador para as vendas efetivadas é algo difícil.

“O Instagram não tem sido amigável em ajudar as marcas a rastrearem a efetividade do marketing de influência. Então, se eles não continuarem aprimorando seus recursos de mensuração e relatórios, serão deixados para trás, ao mesmo tempo em que o TikTok ganha mais força perante os consumidores e anunciantes”, diz Sarah Hughes, sênior product marketing manager da Inmar Intelligence.

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2021/06/15/instagram-quer-oferecer-roi-para-o-marketing-de-influencia.html