A pandemia de Covid-19, declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março de 2020, vem gerado debates e pesquisas científicas em todo o mundo. No IFRN, não é diferente. Através do Laboratório de Humanidades, professores do Campus Canguaretama lançaram o projeto "Observar a pandemia, recriar a (r)esistência.

Por meio da página no Instagram @obdiversidade_ifrn, Avelino Neto, Flávio Ferreira, Márcio Maia e Bruno Balbino vão coordenar e transmitir, ao vivo, debates com pesquisadores de todos o país. As conversas acontecem de 6 a 20 de abril, nas segundas e quartas-feiras, sempre às 20h.

De acordo com o grupo, o objetivo é promover um espaço de diálogo formativo sobre temas contemporâneos no campo das ciências humanas. Os focos dos debates são as crises globais, como o período de distanciamento social provocado pela pandemia de Covid-19.

A ação é vinculada ao Núcleo de Arte (Nuarte) e ao Observatório da Diversidade do Campus do IFRN e vai levantar questionamentos sociais como: quais podem ser os efeitos do distanciamento social? Como lidar com eles? Esse isolamento pode ser capaz de produzir um processo de desumanização dos sujeitos? Vivemos um reordenamento civilizatório? Qual a importância das ciências humanas neste cenário? 

“O projeto busca alcançar os estudantes do IFRN, motivando a reflexão acerca desse momento histórico e as implicações sociais, culturais e políticas que nele estão inscritas”, disse o professor de Sociologia Flávio Ferreira, um dos idealizadores do projeto.

Como participar

Toda comunidade poderá acompanhar os debates promovidos pelo projeto. Para participar, basta acessar o perfil do Observatório no Instagram @obdiversidade_ifrn e acompanhar a programação.