Mercado

18

Mar

Mercado

Carnaval de Natal movimentou R$ 111 milhões, aponta pesquisa Fecomércio

Os investimentos realizados pela Prefeitura de Natal no Carnaval 2020 geraram um resultado financeiro 55% maior que no ano anterior. O crescimento é atestado em pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (Fecomércio/RN). O levantamento aponta que natalenses e turistas colocaram em circulação R$ 111,1 milhões durante o Carnaval. Em 2019, essa movimentação foi de R$ 71 milhões.

Houve um aumento também na participação popular. A edição 2020 contou com um público de 631.300 foliões, considerando a soma de todos os dias de festa e a presença nos sete polos da festa com muita alegria, disposição e irreverência. O número é 5,65% maior que o do ano passado. Outro dado relevante da pesquisa diz respeito à aprovação que os investimentos no Carnaval mereceram do público: 89,6% dos entrevistados opinaram nesse sentido.

O levantamento constatou ainda um incremento na presença de turistas. De acordo com o levantamento, 31,9% do público foi formado por pessoas de fora de Natal. Desse universo, 98,4% veio de outras partes do Brasil e o restante, 1,6% foi de estrangeiros. A maioria dos turistas brasileiros veio do estado de Pernambuco (3,8%) seguido pelos visitantes do Rio de Janeiro (3,4%), São Paulo (3,2%), Paraíba (2,8%), Ceará (1,8%), Bahia (1,6%), e Minas Gerais (0,9%).

O principal motivo escolhido pelo público para curtir o Carnaval em Natal foi a seleção das atrações musicais: 45,9% dos foliões foram atraídos pelo cardápio musical na cidade durante o período momesco. Outros 27,2% do público se disseram atraídos pela Alegria/Animaçao/Folia. As praias natalenses foram escolhidas por 19,3%. As festas gratuitas foram motivo para atrair 17,4% do público, ao passo que 13,5% dos entrevistados apontaram a falta de dinheiro para curtir a festa na capital potiguar e 12,9% selecionaram a organização do evento como principal atrativo.

O prefeito Álvaro Dias afirma que os resultados da pesquisa refletem o que se pôde constatar nas ruas. “A aprovação dos investimentos realizados aliado ao grande volume de recursos que circulou na economia natalense nos enche de alegria. São marcas expressivas que comprovam a consolidação do Carnaval de Natal como um dos maiores do país. É a economia criativa e a cultura contribuindo para a geração de emprego e renda na nossa cidade. Ficamos muito felizes e orgulhos de ver o resultado de tanto trabalho ser aprovado pelo público que participou da festa”, ressalta o prefeito.

O presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, destaca que os números ratificam o acerto da Prefeitura em apostar na consolidação de eventos populares e que incentivem a chamada economia criativa como ferramentas para estimular o desenvolvimento da cidade. “O crescimento da participação de turistas e do volume de recursos movimentados traz uma visão muito clara do quão importantes são estes eventos para fazer girar recursos na economia, gerando ocupação e renda para o nosso povo. Eu sempre defendi que esta é a forma mais eficiente e eficaz de promover o desenvolvimento social e econômico de uma cidade, um estado ou um país. O prefeito Álvaro Dias e sua equipe estão de parabéns”, afirma ele.

A pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do RN foi feita com base em 891 entrevistas coletadas de 20 a 25 de fevereiro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais e o índice de confiabilidade é de 95%.

18

Mar

Mercado

MPRN recomenda que estabelecimentos comerciais evitem o desabastecimento de álcool gel e máscaras descartáveis

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) expediu nesta quarta-feira (18) uma recomendação aos supermercados e aos estabelecimentos do comércio varejista e atacadista de produtos farmacêuticos do Rio Grande do Norte tratando sobre as vendas de álcool gel e máscaras descartáveis. A intenção é evitar o desabastecimento ou a demora na reposição desses itens.
 
No documento, que foi elaborado conjuntamente pelas Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor da comarca de Natal, o MPRN requer que os estabelecimentos definam estratégias para limitar quantitativamente as vendas de álcool gel e máscaras descartáveis.
 
Além disso, eles devem se abster de aumentar os preços dos produtos mais demandados para prevenção à contaminação do Coronavírus, especialmente álcool gel e máscaras, em desacordo com as diretrizes dos termos recomendados pelo MPRN e demais dispositivos legais competentes.
 
Os estoques dos produtos devem ser mantidos a fim de que os consumidores possam adquiri-los de acordo com as suas necessidades, respeitadas as limitações impostas pelo estabelecimento, enquanto durar a pandemia de Coronavírus.

18

Mar

Mercado

Sebrae dá dicas de gestão para empreendedor enfrentar a crise; confira

Que a confirmação de casos do Covid-19 no Brasil afetou diretamente os pequenos negócios, não há dúvidas. E no Rio Grande do Norte, o cenário não é muito diferente. A crise econômica provocada pela pandemia do Coronavírus tem causado enormes prejuízos à economia global e atingido a saúde das empresas, que se veem diante de uma queda do volume de vendas.

Para ajudar os pequenos negócios a superarem esse momento, o Sebrae está desenvolvendo um conjunto de soluções voltadas a atender a cada um dos segmentos mais atingidos. A crise pode ser uma oportunidade para o empreendedor criar soluções inovadoras, que contribuam com o desenvolvimento e a profissionalização do negócio.

A crise é causada fundamentalmente por um problema de caixa. Na medida em que a população se vê forçada a circular menos e evita sair de casa, o consumo de produtos e serviços tende a ter uma queda significativa. Se o problema é de caixa, é necessário buscar o equilíbrio. Confira cinco dicas do Sebrae para aumentar as vendas e reduzir os custos no momento de crise:

1º Uso de Mídia Sociais

No momento em que o cliente se retraiu e está praticamente recluso em casa, os donos de pequenos negócios precisam usar ferramentas digitais para chegar até o público. Uma solução rápida e de baixo custo é investir na criação de perfis da empesa nas principais mídias sociais (Instagram e Facebook).

2º Plataformas de vendas online

Se a sua empresa ainda não conta com ferramentas de venda online, esse é o momento de tomar essa atitude. Avalie qual das diferentes plataformas disponíveis no mercado mais se adequa às suas necessidades.

3º Aplicativos de Delivery

Prestadores de serviço e negócios de alimentação fora do lar começam a sofrer com a ausência de clientes. Neste caso, é melhor o empresário se adequar para pagar as taxas cobradas pelos aplicativos de delivery do que não vender nada. No segmento de alimentação, a adesão dos bares e restaurantes a esses aplicativos se tornou praticamente uma necessidade neste momento de crise provocada pelo Coronavírus. Se você ainda tinha alguma resistência a esse modelo, essa é a hora de repensar sua estratégia.

4º Avalie seus custos

É fundamental que o empreendedor conheça profundamente os custos da sua empresa e seja capaz de avaliar quais são aqueles imprescindíveis para manter o negócio operando. Em um contexto de queda do faturamento, ele precisa priorizar aqueles que são realmente fundamentais e cortar ou reduzir os demais.

5º Negocie com seus fornecedores

Com a queda do faturamento, você vai precisar negociar com seus fornecedores um melhor prazo para cumprir seus compromissos. Essa negociação pode trazer o fôlego necessário para manter em dia aqueles gastos e despesas que não podem ser adiados.

17

Mar

Mercado

Inscrições para o Programa de Trainee 2020 do SESI/RN seguem até o dia 20 de março

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo do Programa de Trainee 2020 para o Serviço Social da Indústria (SESI/RN) e para o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/RN). As vagas são destinadas para estudantes recém graduados nos cursos de Direito e Economia que concluíram os cursos de graduação no período de 2017.2 a 2019.2.

O processo seletivo será realizado pelo IEL/RN. As inscrições serão realizadas até o dia 20 de março, por meio do endereço eletrônico www.rn.iel.org.br/processos-seletivos/. O Programa de Trainee é uma ação voltada para o desenvolvimento profissional e visa capacitar jovens profissionais (recém formados), em curto espaço de tempo para assumir posições estratégicas nas empresas.

Por meio do programa, a empresa consegue captar talentos com alto potencial profissional e capacitá-los já alinhados com os seus negócios, contribuindo para a ampliação e manutenção do seu nível de competitividade no mercado. Os profissionais, por sua vez, têm a oportunidade de engajar no mercado de trabalho de forma rápida, com a perspectiva de incorporação ao quadro efetivo da empresa. A seleção consiste de análise curricular, provas de conhecimentos e entrevista. Os editais estão disponíveis para a consulta no site do IEL.

17

Mar

Mercado

Até fevereiro, estudo indicava que 89% dos empreendedores potiguares previam um ano melhor para os negócios

O grau de confiança dos proprietários de pequenos negócios no Rio Grande do Norte estava em alta no período de janeiro e fevereiro. Nove em cada dez empreendedores potiguares estavam otimistas nesses meses quanto à recuperação da economia, aumento das vendas e que 2020 seria um ano melhor que 2019 para os pequenos negócios. Esse otimismo é o que mostra a Pesquisa Especial de Início de Ano, feita pelo Sebrae entre os dois primeiros meses do ano. 

Foram entrevistados 2.683 empreendedores de pequeno porte de todo o Brasil e 89% dos potiguares se mostraram confiantes quanto ao ano. De acordo com o levantamento, 64% dos empresários do estado consideraram o ano passado melhor que o anterior para os negócios e vendas. No entanto, o último natal só foi melhor que o de 2018 para 57% dos potiguares entrevistados.

Segundo a pesquisa, os fatores que mais prejudicaram empresa no ano passado foram o desemprego alto (27%) e as altas taxas de juros (23%). No entanto, as expectativas para 2020 são bastante positivas, sendo quase um consenso generalizado, tanto que 9 em cada 10 entrevistados esperam um ano melhor do que 2019 para os respectivos negócios

O otimismo estava diretamente relacionado ao porte das empresas, sendo mais ‘intenso’ quanto maior o tamanho dessas pessoas jurídicas. A confiança entre os MEIs é de 87%, dos donos de microempresas 91% e dos proprietários de empresas de pequeno porte 97%. Um total de 57% dos comerciantes do estado avaliou que as vendas do Natal foram significativas e 58% destacaram que vão manter os funcionários contratados temporariamente para a data.

16

Mar

Mercado

Google libera gratuitamente ferramentas para ajudar no home office durante crise do coronavírus

Uma das ações adotadas por muitas empresas para evitar a proliferação do coronavírus é o trabalho remoto. Gigantes como Amazon e Twitter, por exemplo, já tornaram o home office obrigatório para os seus funcionários do mundo todo. Pensando nisso, o Google resolveu liberar gratuitamente algumas ferramentas para contribuir com a produtividade dos trabalhadores.

De acordo com um post no blog da empresa, funcionários, educadores e alunos podem usar ferramentas como Gmail, Calendário, Drive, Classroom, Hangouts Meet e Hangouts Chat, além do G Suite for Education, para serem mais produtivos enquanto trabalham e aprendem remotamente. O Google ressalta que “centenas de milhares de estudantes em Hong Kong, Vietnã e Itália, onde as escolas foram fechadas” estão mantendo os estudos assim.

O acesso é gratuito também aos recursos avançados de videoconferência do Hangouts Meet a todos os clientes do G Suite e G Suite for Education em todo o mundo até 1º de julho.

O Google ainda destaca que o YouTube também está recebendo um suporte extra por conta da atual situação com o coronavírus: “Também estamos adicionando recursos para suportar a demanda crescente por transmissão ao vivo no YouTube. Vimos um interesse crescente nas regiões afetadas, pois as pessoas procuram se conectar virtualmente com suas comunidades quando não conseguem fazê-lo pessoalmente“.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/122890/google-libera-gratuitamente-ferramentas-para-ajudar-no-home-office-durante-crise-do-coronavirus/

16

Mar

Mercado

Estudo brasileiro revela que pessoa com deficiência sofre preconceito no trabalho

Uma pesquisa encomendada pelo Ministério Público do Trabalho em São Paulo e realizada pelo Ibope, revelou que a pessoa com deficiência que vive na capital paulista ou na região metropolitana ainda sofre preconceito no trabalho. De acordo com a pesquisa, 69% dos entrevistados informaram que já vivenciaram ou presenciaram algum tipo de discriminação, bullying, rejeição, assédio moral e sexual, isolamento ou até violência física no ambiente de trabalho. A maior parte dos casos se refere a episódios envolvendo discriminação, bullying e rejeição, apontada por mais de 38% em cada um desses casos.

“As pessoas que foram entrevistadas ou já sofreram ou presenciaram violências diversas dentro do ambiente de trabalho, que vão desde o assédio moral ao bullying ou isolamento ou até mesmo violência física, que foi citada na pesquisa. Esse é um dado que impressiona, é um percentual alto e são situações que não deveriam acontecer no ambiente de trabalho”, disse Elisiane Santos, procuradora do Ministério Público do Trabalho, em entrevista à Agência Brasil.

“É importante não só fazer a empregabilidade e a inclusão [da pessoa com deficiência], mas que essa inclusão seja efetiva, que o acesso ao trabalho se dê de forma digna e não exista essa discriminação com relação ao trabalhador com deficiência”, alertou. Segundo Elisiane, o resultado da pesquisa é confirmado com as denúncias que são recebidas constantemente pelo Ministério Público do Trabalho, a maioria relacionada a assédio.

“Muitas vezes a gente não recebe a denúncia dessa forma. A gente recebe outras denúncias, sobre diferentes irregularidades e, em depoimentos para entender aquela situação que ocorre na empresa, recebemos relatos de um trabalhador que menciona uma discriminação que ocorre no trabalho em face do trabalhador ter algum tipo de deficiência”, disse.

Sem promoção e sem aumento

A maioria dos entrevistados da pesquisa também aponta que nunca foram promovidos (77%), nem receberam aumento em seus salários por seu desempenho (70%) e sequer fizeram cursos de qualificação oferecidos pela empresa (68%). Duas em cada três pessoas com deficiência em São Paulo disseram ainda que nenhuma adaptação foi feita em seus locais de trabalho para que elas possam trabalhar com melhor qualidade.

Para essas pessoas, a maior dificuldade enfrentada no mercado de trabalho atualmente é o baixo salário (15%), seguido pela dificuldade de comunicação (11%), falta de um plano de carreira (9%) e ausência de promoção ou aumento de salário (9%).

Além disso, mais da metade delas (52%) não está trabalhando no momento e apenas 31% são assalariadas com carteira assinada. Entre as que estão trabalhando, 62% ocupam cargos operacionais, enquanto 14% têm um cargo gerencial. Mais da metade dos que trabalham ocupam funções no setor de comércio (54%), seguido por atividade social (19%) e prestação de serviços (15%).

“Mais da metade das pessoas que nós entrevistamos estão fora do mercado de trabalho. Dois em cada dez nunca trabalharam, o que é um percentual relevante também. No geral, não há falta de pessoas com deficiência querendo trabalhar. Mas precisamos aprender a valorizar as qualidades. O fato da pessoa ter uma deficiência não significa que ela não consegue atuar”, disse Patricia Pavanelli, diretora de Contas da Área de Opinião Pública, Política e Comunicação do Ibope Inteligência.

Outro aspecto apontado pela pesquisa é que os entrevistados avaliam que o mais importante quando se fala em oportunidade de emprego é o plano de carreiras (18%), seguido pela vaga compatível com o perfil (14%), o salário (13%) e a acessibilidade dentro da empresa (12%). “O trabalho para essas pessoas significa dignidade, autonomia financeira e possibilidade de uma vida melhor”, disse Patricia. A pesquisa ouviu 510 pessoas da cidade de São Paulo e região metropolitana, entre julho e setembro do ano passado.

Deslocamento

Para se deslocar para o seu local de trabalho, as pessoas com deficiência gastam, em média, cerca de 2 horas e 38 minutos por dia, considerando ida e volta. Quase a totalidade dessas pessoas utiliza o transporte público (93%). “Essa é uma pesquisa de percepção. Mas pesquisas com a população em geral mostram que vem diminuindo um pouco o tempo de deslocamento na cidade de São Paulo, que gira em torno de duas horas. E com essa população [de pessoas com deficiência] estamos falando em quase duas horas e quarenta minutos. A maior parte dos entrevistados mora nas zonas leste e sul da capital paulista, que são as zonas mais populosas da cidade. Mas os trabalhos estão localizados na zona central. Isso demonstra que, assim como a população em geral, a pessoa com deficiência tem mais dificuldade na questão da locomoção”.

 

15

Mar

Mercado

Empresários nordestinos apostam em ações de marketing e propaganda para ampliar seus negócios, aponta Sebrae

Os empresários das micro e pequenas empresas estão otimistas com a economia e com os resultados positivos de 2019 e pretendem investir mais em seus negócios este ano. É o que mostra a Pesquisa Especial de Início de Ano, feita pelo Sebrae entre os meses de janeiro e fevereiro, que levantou as estratégias empresariais para 2020. Dos 2.683 entrevistados, 71% afirmaram que irão adotar medidas para estimular suas vendas, sendo que 33% (ou um a cada três empreendedores) planejam criar ações de propaganda e marketing como estímulo para impulsionar seus rendimentos.

A pesquisa confirma outros levantamentos feitos pelo Sebrae que mostra uma recuperação do grau de confiança na recuperação da economia, uma vez que que três em cada cinco entrevistados (60%) declaram pretender realizar algum investimento em 2020. No Nordeste, 74% dos empreendedores esperam aumentar os negócios nesse ano. Em praticamente todas as segmentações avaliadas pela pesquisa, o interesse em investir em propaganda e marketing, no aumento da variedade de produtos e na realização de cursos e treinamentos se destacaram como as estratégias mais citadas para alavancar os negócios.

Os percentuais com relação aos que pretendem realizar investimento este ano, crescem na proporção em que se eleva o nível de escolaridade dos entrevistados e em função dos portes das respectivas empresas. Os empresários de nível superior ou mais, são os que mais pretendem investir (61%), enquanto os empreendedores com curso médio aparecem na segunda colocação (60%). Quanto ao porte, o maior número dos empreendedores que pretendem investir está entre as EPPs.

Otimismo

A pesquisa revelou ainda que 17% dos proprietários de MPE querem que o governo priorize ações de controle da inflação e 14% pediram a adoção de iniciativas para controle de gastos. Para 35% deles, o que mais tem pressionado para cima os custos de seu empreendimento são os impostos e taxas municipais. Em seguida vêm o preço dos combustíveis (15%) e custo de matérias-primas e mercadoria (que somam 12%).

Mesmo assim, os empreendedores estão otimistas, sendo que 89% (nove em cada 10) afirmam que 2020 será bem melhor que 2019, e que o ano passado foi melhor que 2018. Um total de 48% dos comerciantes avaliaramque as vendas do Natal foram significativas e 58% destacaram que vão manter os funcionários contratados temporariamente para a data.

Segundo os donos de pequenas empresas, os principais benefícios de ser empresário são aspectos voltados à renda (32%) e à independência financeira (25%), seguidos da possibilidade de conciliar melhor trabalho e família (23%), além de aspectos relacionados à auto realização como empreendedor (16%). 60% dos empresários ouvidos na pesquisa disseram que farão investimentos em suas empresas; sendo que para 47% desses entrevistados, modernizar seu negócio é o objetivo principal para 2020. Essa tendência está fortemente relacionada ao porte das empresas, sendo mais intensa quanto maior o tamanho dos empreendimentos.

Expectativa de investimento

• O Microempreendedor Individual (MEI) pretende aportar em torno de R$ 20 mil, enquanto as Microempresas, R$ 50 mil e as Empresas de Pequeno Porte, até R$ 100 mil.
• Estão no Norte (76%) o volume mais alto dos empresários que querem aumentar seus negócios em 2020, seguido pelo Nordeste (74%) e Sul e Sudeste (70%).
• Empresários com idade acima de 55 anos pretendem investir os maiores valores, enquanto os que planejam aplicar menores quantias em seus negócios possuem até 34 anos.
• 73% dos empreendedores entrevistados disseram que pretendem adotar alguma nova medida para estimular as vendas, contra 68% das mulheres donas de negócio.

Outros números da Pesquisa

• Para 27% dos entrevistados, o desemprego elevado foi o problema que mais prejudicou as empresas em 2019.

• Os outros obstáculos identificados na pesquisa foram as taxas de juros elevadas (23%) e a corrupção (22%).

• Em 2019, a inadimplência esteve muito presente nos pequenos negócios, conforme a pesquisa, alcançando um pouco menosde um a cada quatro empresários (um índice de 23% dos entrevistados estava com suas dívidas ainda em atraso). Esse nível é um pouco menor que o observado na edição anterior do levantamento, realizado em 2018, e que totalizou 25%.

• 64% dos empreendedores conseguiram (em 2019) negociar com seus credores. Também de acordo com o levantamento, no momento atual, 15% de entrevistados estão com pagamentos em atraso, o que representa uma evolução diante dos indicadores de 2019.

• Para 48% dos pequenos negócios, as vendas do Natal de 2019 foram melhores que as do ano anterior.

• Apenas 15% dos pequenos negócios contrataram empregados temporários no final do ano de 2019. Desses, 9% mantiveram os funcionários; e 6% não.

13

Mar

Mercado

Coronavírus: rede potiguar de lojas é alternativa às farmácias para compra de álcool em gel

A confirmação do primeiro caso de Coronavírus no Rio Grande do Norte aumenta a necessidade de medidas preventivas por parte da população. Uma das orientações mais recomendadas entre as autoridades de saúde é o uso do álcool em gel 70% para higienizar as mãos e evitar o contágio pelo vírus. O produto está em falta em algumas farmácias e uma alternativa para compra, em larga escala e no varejo, são as lojas da rede O Borrachão Industrial.

O álcool em gel pode ser encontrado nas unidades do Alecrim (Rua Presidente José Bento, 420) e Lagoa Nova (Rua Jaguarari, 1794) e está disponível em frascos de 500 ml e 1 litro. “Nós revendemos o produto para a prevenção dentro de escolas, da indústria, do comércio, de empresas e para o consumidor individual que quer se proteger do Coronavírus”, disse a diretora comercial e de marketing do O Borrachão, Raíssa Diniz Costa.

O uso do álcool em gel 70% deve ser feito para limpar as mãos antes de encostar em áreas como olhos, nariz e boca e para limpar superfícies e objetos tocados frequentemente, como celulares, teclados, botões, maçanetas, corrimãos. A forma mais eficiente de se proteger da doença é lavando as mãos, até a metade do pulso, esfregando também as partes internas das unhas. O vírus se espalha por meio dos fluidos, por isso é importante evitar beijar socialmente, apertar as mãos ou falar muito perto das pessoas. As autoridades de saúde também recomendam evitar locais cheios e fechados.

Coronavírus no RN e no mundo

O primeiro caso de Coronavírus confirmado no Rio Grande do Norte foi diagnosticado em uma jovem de 24 anos, com histórico de viagem à Europa. Ela mora em Natal, passa bem, e está seguindo as recomendações de isolamento. 17 pessoas que tiveram contato com o primeiro caso de contaminação estão sendo monitoradas. Atualmente, o RN tem 17 casos suspeitos, 15 descartados e 1 confirmado.

Na última quarta-feira (11), a Organização Mundial de Saúde declarou uma pandemia de Covid-19, a doença respiratória causada pelo novo Coronavírus. Segundo o órgão, o número de pacientes infectados, de mortes e de países atingidos deve aumentar nos próximos dias. A pandemia ocorre quando uma doença já está espalhada por diversos continentes com transmissão sustentada entre as pessoas.

13

Mar

Mercado

CDL promove Mutirão do Consumidor nas próximas quarta e quinta-feira

Na semana do consumidor a CDL Natal, Defensoria Pública e Procon Estadual realizam a IV edição do Mutirão do Consumidor, nos dias 18 e 19 de março, das 10h às 16h, no Via Direta Shopping em Candelária. A ideia é possibilitar para aqueles que estão com débitos em aberto, e com o nome com restrição no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) em todo o Rio Grande do Norte, a oportunidade de renegociar a dívida e voltar a ter crédito no comércio, informou o presidente da CDL Natal José Lucena Cordeiro Neto.

Durante o mutirão A CDL Natal com o SPC Brasil vai participar com posto de atendimento para fazer consultas dos CPFs e orientar para o atendimento com os negociadores. Já o Procon Estadual abrirá canais de negociação entre os consumidores e os credores. Para casos em que já aconteceu a tentativa de negociação, será oferecido atendimento jurídico para abertura de processos administrativos e de processos judiciais, feitos pelos defensores públicos.

Os defensores e defensoras poderão atuar, por exemplo, em casos de relações de consumo envolvendo financeiras e planos de saúde. “As pessoas muitas vezes ficam presas em dívidas eternas por terem aceitado uma taxa de juros abusiva imposta pelo banco, por exemplo. Podemos auxiliar essas demandas, rever contratos, calcular juros dentro das taxas praticadas pelo Banco Central”, explica o defensor público Rodrigo Lira.

13

Mar

Mercado

Mutirão do Consumidor será realizado nos dias 18 e 19 de março em Natal

Na semana do consumidor a CDL Natal, Defensoria Pública e Procon Estadual realizam a IV edição do Mutirão do Consumidor, nos dias 18 e 19 de março, das 10h às 16h, no Via Direta Shopping em Candelária. A ideia é possibilitar para aqueles que estão com débitos em aberto, e com o nome com restrição no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) em todo o Rio Grande do Norte, a oportunidade de renegociar a dívida e voltar a ter crédito no comércio, informou o presidente da CDL Natal José Lucena Cordeiro Neto.

Durante o mutirão A CDL Natal com o SPC Brasil vai participar com posto de atendimento para fazer consultas dos CPFs e orientar para o atendimento com os negociadores. Já o Procon Estadual abrirá canais de negociação entre os consumidores e os credores. Para casos em que já aconteceu a tentativa de negociação, será oferecido atendimento jurídico para abertura de processos administrativos e de processos judiciais, feitos pelos defensores públicos.

Os defensores e defensoras poderão atuar, por exemplo, em casos de relações de consumo envolvendo financeiras e planos de saúde. “As pessoas muitas vezes ficam presas em dívidas eternas por terem aceitado uma taxa de juros abusiva imposta pelo banco, por exemplo. Podemos auxiliar essas demandas, rever contratos, calcular juros dentro das taxas praticadas pelo Banco Central”, explica o defensor público Rodrigo Lira.

13

Mar

Mercado

Desemprego afeta 29,5% de quem se formou há até 3 anos, diz pesquisa

Pelo menos 29,5% das pessoas que concluíram a graduação há até três anos ainda não conseguiram o primeiro emprego, e os que terminaram o curso há mais tempo e ainda não entraram no mercado de trabalho são 8,8%. Os dados são da Pesquisa de Empregabilidade do Brasil, divulgada nesta quinta-feira (12) pelo Instituto Semesp. A Semesp é uma entidade que representa mantenedoras de ensino superior no Brasil.

A pesquisa aponta a empregabilidade dos egressos de instituições públicas e privadas de todas as regiões do país, revelando a eficiência do diploma de graduação em termos de rentabilidade e sucesso dos profissionais. Foram entrevistados 9.426 egressos do ensino superior brasileiro, no período de 14 de outubro a 30 de novembro de 2019. Entre os participantes, 64,2% responderam ter concluído a graduação em instituição privada e 35,8% em instituição pública. No total, os participantes representam 481 Instituições de ensino superior, sendo 74% privadas e 26% públicas.

“Esta é a maior pesquisa já feita com alunos que saíram do ensino superior para verificar efetivamente qual foi o impacto de ter cursado a universidade na vida dele. Muito se fala que é bom, que aumenta a empregabilidade, o salário, mas não se mensura isso. Nós temos muitos dados do Censo da Educação sobre o aluno que está cursando, ou do Enem [Exame Nacional do Ensino Médio], mas depois que eles saem do ensino superior não há uma pesquisa", disse o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato.

Cursos

Segundo a pesquisa, no total de cursos com maior número de participantes, lideram administração (8,4%); direito (7,6%); ciências biológicas (4,4%), engenharia civil (4,2%) e psicologia (4,2%). Quando considerados só os estudantes da rede privada, os cursos mais representativos são os de administração (12,2%); direito (10,9%); psicologia (5,5%); engenharia civil (5,0%) e publicidade e propaganda (4,3%). Nas instituições públicas, são os cursos de ciências biológicas (8,4%); engenharia mecânica (6,6%); ciências da computação (5,2%); geografia (3,6%) e medicina veterinária (3,6%).

Mais da metade dos graduados da rede privada cursou o ensino superior no período noturno (62,2%), contra 22,3% da pública. Entre os que estudaram na rede pública, 63,8% fizeram o curso no período diurno integral. Por período de estudo, diurno e noturno, destaca-se o percentual de participantes que responderam ter conseguido o primeiro emprego antes mesmo da conclusão do curso, 56,0% do noturno, contra 27,9% do diurno.

A pesquisa mostra que não houve diferença significativa entre os egressos de entidades públicas e particulares que responderam atuar em uma área diferente da de formação: 22,5% da rede privada, contra 21,8% da pública. A relevância do diploma na rentabilidade dos profissionais também chama a atenção na pesquisa: antes da conclusão do curso, apenas 5,8% ganhavam mais de R$ 5 mil e, após o término da graduação, o percentual de egressos com essa renda saltou para 41,4%. 

Empregabilidade

Os profissionais que trabalham também apontaram o que melhorou depois que concluíram o curso superior. Eles citaram o fato de ter entrado em um curso de pós-graduação (42,5%), a melhora do salário (41,3%); o fato de ter conseguido emprego na área de atuação (41,3%) e de ter o primeiro emprego (26,4%).

“A pesquisa mostrou que, mesmo em tempos de crise, fazer um curso superior é muito positivo, primeiro porque realmente aumenta a empregabilidade dos alunos e depois porque praticamente todos os que se formaram antes da crise econômica estão empregados e, entre os que se formaram durante a crise, uma parcela está desempregada, mas o restante está empregado. Se compararmos com os outros níveis de ensino, a empregabilidade é bem maior e o aumento salarial, significativo. Pegamos aqueles que trabalhavam antes de se formar e comparamos com o que passaram a ganhar, e o aumento foi de uma média de 162%”, disse Capelato.

Ele destacou que, apesar de a empregabilidade ser elevada entre aqueles que se formaram recentemente, o percentual dos que ainda não conseguiram emprego reflete negativamente, tornando-se uma realidade cruel, já que, devido à crise econômica, não há emprego para todo mundo. "Então, há aqueles que estão formados há mais tempo, com experiência e que aceitam empregos [em] que os jovens entram quando se formam. Isso é uma lógica perversa porque os mais jovens vão ficar sem emprego durante um tempo, não conseguem experiência, e o mercado de trabalho cada vez menos absorve esses jovens."

Fonte: Agência Brasil

 

12

Mar

Mercado

Grupos Delfin Saúde e Incor Natal anunciam compra do prédio onde funcionou o Papi e reativação do hospital

A medicina potiguar acaba de receber um grande anúncio. Os Grupos Delfin Saúde, referência em diagnóstico por imagem e Incor Natal, especialista em clínica e procedimentos de alta complexidade ligados ao coração, fecharam a compra do prédio onde funcionou o Papi, na Av. Afonso Pena, em Natal.

A notícia vem acompanhada da garantia de ampliação da oferta de serviços de saúde especializados, como urgência pediátrica, maternidade, UTIs, entre outros, além de simbolicamente devolver a Natal o hospital que sempre esteve no coração do potiguar. Num período de dificuldades financeiras, os grupos Delfin Saúde e Incor Natal possibilitam a ampliação do mercado de trabalho e dão uma demonstração de confiança na economia do RN. 

O prédio onde funcionou o Papi possui aproximadamente 2.860 m2, o que comporta uma capacidade de até 150 leitos, além centro cirúrgico, centro de cuidados intensivos, consultórios, etc. A estrutura funcionará anexa ao Hospital Rio Grande que se transformará em um Complexo Rio Grande com uma potencialidade de até 600 leitos, entre enfermarias e apartamentos, tornando a maior unidade hospitalar da rede privada do Rio Grande do Norte e um das maiores da região Nordeste.

12

Mar

Mercado

Empreendedorismo: potiguares com mais de 50 anos representam quase um terço dos MEIs no RN

Aproveitar a aposentadoria e descansar que nada! Boa parte dos potiguares com mais de 50 anos pensa mesmo é em empreender ou continuar à frente dos negócios. É o que revela um levantamento feito pelo Sebrae, que pontua que uma parcela de 23% dos Microempreendedores Individuais (MEI) do Rio Grande do Norte que trabalham por conta própria está enquadrada nessa faixa etária, os chamados empreendedores seniores.

Eles representam quase um terço de todos os empreendedores registrados como MEI no estado, incluindo tanto os que ainda estão em atividade quanto os inativos – aqueles que possuem a empresa ativa, porém não atuam. Os seniores já superam em quantitativo os jovens empreendedores. Isso porque os que têm até 29 anos representam somente 20% dos microempreendedores do RN. A predominância fica com os microempreendedores na faixa dos 30 anos aos 49 anos, que somam 43% do total de formalizados no Estado.

A pesquisa foi realizada pelo Sebrae Nacional no ano passado e ouviu mais de 10,3 mil microempreendedores de todo o país. O índice de confiança nos resultados é de 90% com margem de erro de um ponto percentual para mais ou para menos. Na opinião da gestora do MEI no RN, Ruth Suzana Maia, o empreendedorismo tem sido uma opção para aqueles de meia idade que desejam se manter produtivos e continuar dando resultados para o mercado. 

“Esses dados apresentados pela pesquisa só revelam uma tendência de alta nesse perfil de empreendedores. Com a expectativa de vida aumentando, as pessoas tendem a se sentir em plenas condições de continuar produzindo e dando resultados porque carregam anos de experiência que, em muitos casos, os jovens ainda não têm. Sem contar que as oportunidades que o mercado de trabalho disponibiliza para esse público ainda são inversamente proporcionais ao envelhecimento da população no país”, constata Ruth Maia.

 

12

Mar

Mercado

Pesquisa aponta queda de intenção de consumo em 2020

Neste ano, os consumidores brasileiros pretendem continuar a reduzir despesas, mas em ritmo mais lento do que em anos anteriores, aponta a consultoria Boston Consulting Group. Por outro lado, segundo a consultoria, uma parcela relevante dos consumidores está mais disposta a aumentar os gastos seletivamente, em especial com produtos de melhor qualidade.

O estudo ouviu três mil entrevistados em formulário digital durante o mês de dezembro. Ao todo, 81% dos entrevistados pretendem diminuir gastos, mas 73% do total pretende diminuir em até 10%, enquanto, no ano passado, a maioria pretendia economizar 40%. A consultoria analisou, também, quatro categorias separadas.

Em Beleza, Fashion & Acessórios, a porcentagem daqueles que querem elevar os gastos para adquirir produtos de maior valor saltou de 34% para 51%. Em Produtos para Casa, Serviços & Mídia, o índice cresceu de 41% para 59% e na categoria Comida & Saúde, o indicador foi de 32% para 40%. Viagem e Turismo apresentou mudança relevante, mas o estudo foi realizado antes da crise do novo coronavírus (Covid-19).

Seguindo o comportamento de comprar produtos com maior valor, a intenção de ampliação de compra (trade-up) mostra a crescente preocupação com alimentação saudável: 60% dos produtos alimentícios de maior trade-up nos últimos cinco anos possuem apelo saudável, como alimentos frescos, comida orgânica, peixe e frutos do mar, alimentos cultivados localmente e comida sem conservantes.

Os produtos com maior intenção de redução no consumo (trade-down) confirmam a preocupação de alimentação saudável, sendo refrigerantes, comida enlatada, salgadinhos, fast-food e hambúrguer os que mais sofrem com a tendência.

Jornada completa

O estudo identificou padrões na jornada do consumidor. Cada vez mais online, características como avaliações, preço, método de pagamento e promoções aumentam de relevância na decisão de compra do consumidor, segundo o estudo.

Entretanto, a preferência para efetuar a compra ainda é offline: 64% optam por comprar em lojas físicas ou telefones. No entanto, algumas categorias já constatam alta penetração online, como Viagens, Turismo & Mobilidade (61%). Por outro lado, as áreas de Comida & Saúde são predominantemente offline, preferência de 80% dos respondentes.

Fonte: Portal Meio e Mensagem, disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2020/03/12/estudo-aponta-queda-de-intencao-de-consumo-em-2020.html